WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
cenoe





julho 2018
D S T Q Q S S
« jun    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

editorias






:: ‘Roberto de Souza’

ROBERTO DE SOUZA NA RÁDIO NACIONAL

Roberto estreia dia 26 na Rádio Nacional

Roberto estreia dia 26 na Rádio Nacional

Roberto de Souza deixou a Rádio Difusora e já está de casa nova. O radialista e ex-vereador estreará, na próxima quarta (26), na Rádio Nacional 870AM.

A estratégia da emissora com a nova aquisição e algumas mudanças é recuperar a audiência perdida por erros sucessivos de administração nos últimos dez anos, alguns dos quais fora do ar.

A aquisição tem peso. Quando na Difusora, Roberto era considerado líder de audiência no horário das 13h às 14h, de segunda a sexta, e das 10h às 12h dos sábados.

A Nacional passa por mudança não apenas na programação. O estúdio sai do Zildolândia para a Avenida Princesa Isabel, no Banco Raso, em um antigo imóvel da Minas Aço. A emissora pertence à família do ex-deputado Daniel Gomes.

HORÁRIO

Em tempo, o Resenha na Nacional será das 12h30min às 14h, de segunda a sexta. No sábado, das 10h às 14h. Atualizado às 15h26min

“ROBERTOS” TROCAM DE PARTIDOS EM ITABUNA

Roberto de Souza se filia ao PSD

Roberto de Souza se filia ao PSD

Segundo informações do blog Políticos do Sul da Bahia, o radialista e ex-vereador Roberto de Souza é o mais novo integrante do PSD em Itabuna, com grandes chances de vir a assumir a presidência do partido no município.

O radialista entrou para preencher a lacuna deixada pelo homônimo Roberto José, que abandonou a sigla da deputada estadual Ângela Sousa e do senador Otto Alencar, por entender que o PSD tende a não lançar candidatura própria a prefeito.

Como Roberto José é pré-candidato, optou por uma articulação com o deputado federal José Carlos Araújo, e mudou-se de mala e cuia para o PR. A mudança gerou indignação da deputada Ângela, que tem usado palavras nada gentis quando se refere ao ex-aliado.

DE OLHO NA VICE

marco wense1Marco Wense

O objetivo do novo agrupamento político, com o vereador Ruy Machado, o radialista Roberto de Souza, o médico Edson Dantas e a professora Acácia Pinho, é indicar o vice de Geraldo Simões na sucessão de 2016.

O óbvio ululante é que todos eles, respectivamente do PTB, PR, PSB e PDT, são pré-candidatos para compor a chapa majoritária encabeçada pelo petista.

A posição do ex-prefeito de Itabuna nas pesquisas de intenção de votos, ocupando a dianteira, em empate técnico com o também ex-alcaide Fernando Gomes, oxigena a “nova” frente.

Machado, Souza, Dantas e Acácia vão disputar o cargo de vice-prefeito. O problema é que o candidatíssimo Geraldo Simões não quer nenhum deles como companheiro de chapa.

É evidente que Simões vai alimentar, até o limite do possível, que pode escolher no quarteto o seu vice. A “nova” frente já é chamada de “Frente dos Vices de Geraldo Simões”, abreviadamente FVGS.

Quando questionado sobre quem será o candidato a prefeito de Itabuna, o doutor Edson Dantas, que já foi edil, diz que “ainda não há esse tipo de discussão”.

Ora, ora, esse “tipo de discussão” nunca vai existir. O candidato é Geraldo Simões e ponto final. A possibilidade de o próprio Edson sair candidato é nula.

Edson Dantas, Acácia Pinho, Roberto de Souza e Ruy Machado sequer serão prefeituráveis, contrariando a máxima de que na política tudo é possível.

Vale lembrar que a atual comissão provisória do PDT, hoje sob o comando de Acácia Pinho, pode ser destituída a qualquer momento. O PDT vai ter candidatura própria.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

“BELEZA, BELEZA, BELEZA”

Roberto retorna à programação diária (Foto Duda Lessa).

Roberto: programa diário (Foto Duda Lessa).

Roberto “Beleza, Beleza, Beleza” de Souza volta a ter programa diário na Rádio Difusora AM. O Resenha da Cidade ocupará a faixa das 12h às 12h30min, de segunda a sexta. Aos sábados, a atração continua, das 10 horas ao meio-dia.

“Fizemos uma reunião para decidir a cobertura das eleições deste ano e [Antônio] Badaró me avisou que o programa começaria no outro dia (sexta, 3)”, disse Roberto, comemorando mais espaço na grade da emissora itabunense.

A atração terá uma mescla de noticiário esportivo e geral. “Vamos manter o estilo, combinando informação com apresentação descontraída, dialogando com o ouvinte”, diz Roberto.

ROBERTO DIZ QUE “VOTAÇÃO É POLÍTICA” E APROVA CONTAS DE AZEVEDO

Roberto de Souza diz que votação "é política".

Roberto de Souza diz que votação “é política”.

O vereador Roberto de Souza (PR) disse que votou pela aprovação das contas de Capitão Azevedo (DEM) do exercício de 2009 porque a análise na Câmara é “meramente política, votação política”. A votação ocorreu nesta tarde (veja mais abaixo). Nesta quinta, 27, os vereadores votarão as contas de 2010 do prefeito.

– Não tem jeito. Teremos mil e um argumentos, mas é [política] – disse ao PIMENTA ao justificar-se quanto ao voto, mesmo com o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) tendo apontado graves irregularidades, como desvio de dinheiro, falta de licitação e gastos superiores a 70% com folha de pagamento. Em 2009, o vereador era dos poucos a fazer oposição a Azevedo, mas passou a integrar a base de Azevedo em 2011.

Seguindo a linha de argumentação, Roberto diz que 90% dos conselheiros do TCM são políticos “e todos sabem disso”. Questionado se o tribunal deveria deixar de existir, o vereador itabunense disse que “sim”.

AZEVEDO NÃO PAGA 13º SALÁRIO

O prefeito Capitão Azevedo ainda não pagou o 13º salário dos servidores municipais. Encerrando quarto mandato como vereador e sem conseguir reeleição, Roberto de Souza defendeu hoje que a presidência da Câmara faça acordo com a prefeitura para que os R$ 1,1 milhão a serem devolvidos pelo legislativo sejam destinados a quitar o 13º dos servidores. “Dei a ideia, mas dependerá do bom senso do presidente [Ruy Machado]”.

JULGAMENTO NO TJ-BA GERA TENSÃO ENTRE VEREADORES DE ITABUNA

Vereadores sob tensão pelo julgamento do TJ-BA.

A sessão de julgamentos do pleno do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), na quarta-feira, 11, está sendo aguardada sob tensão em Itabuna. Dois processos, com agravos regimentais do Ministério Público do Estado, contêm nitroglicerina pura.

O primeiro diz respeito a agravo do procurador-geral adjunto de Justiça, José Gomes Brito, contra a decisão do presidente do TJ-BA, Mário Alberto Hirs, que devolveu seis vereadores à Câmara em maio passado.

A decisão afeta os vereadores Solon Pinheiro e Raimundo Pólvora (DEM), Clóvis Loiola (PSDC), Roberto de Souza (PR), que concorrem à reeleição, Wenceslau Júnior (PCdoB), candidato a vice-prefeito, e Ricardo Bacelar (PSC), que desistiu de concorrer. Os acusados tinham sido afastados por suposta participação na “Máfia dos Consignados” (relembre o caso aqui).

O segundo processo se refere a agravo do Ministério Público pela manutenção de liminar concedida à Promotoria pela 2ª Vara Cível. A decisão obriga a Prefeitura de Itabuna a se abster de admitir qualquer candidato aprovado nos processos simplificados 04 e 10/2010 e 06/2011 e suspenda os contratos de trabalho vigentes.

O MP alega que os editais não tinham autorização legal e não havia necessidade para contratações temporárias. No entendimento da promotoria, a prefeitura deveria abrir concursos públicos em vez de processos simplificados para admissão de pessoal.

APOSENTADORIA: VEREADORES DEPÕEM NA PF

Os vereadores Roberto de Souza (PR) e Gerson Nascimento (PSB) devem depor na Polícia Federal, na próxima quarta, 4, em inquérito que investiga a possível irregularidade na aposentadoria do vereador Rui Machado (PTB).

De acordo com acusação, Rui continuou recebendo aposentadoria por invalidez enquanto assessorava a presidência da Câmara e ainda após assumir o mandato como vereador de Itabuna. O caso também é investigado pelo INSS.

Rui alega ter direito a receber a aposentadoria e afirma estar cego de um dos olhos e conservar apenas 60% da visão do outro olho. Citado como um dos vereadores a prestar depoimento na PF, na quarta, Rui disse ao PIMENTA que soube dos depoimentos para a próxima quarta, mas ainda não havia sido intimado.

Roberto de Souza é apontado como autor da denúncia de irregularidade na aposentadoria. Gerson Nascimento, que é médico oftalmologista, emitiu laudo apontando cegueira irreversível do vereador (relembre aqui).

CÂMARA APROVA CONTAS DE GERALDO POR 11 A 1

Geraldo: contas aprovadas.

Se vive inferno astral com as denúncias de negociata com emendas parlamentares, o petista Geraldo Simões, pelo menos, tem algo a comemorar. Por 11 votos a 1, a Câmara de Vereadores aprovou as contas do exercício 2002 do período em que ele foi prefeito de Itabuna, Geraldo Simões (PT). A votação foi encerrada há pouco.

Apenas o vereador Raimundo Pólvora (DEM) apresentou votou contra, justificando irregularidades elencadas no parecer do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), que acatou pedido de reconsideração do ex-gestor.

O único ausente da sessão que votou as contas do petista foi o vereador Solon Pinheiro (DEM), que sequer apresentou justificativa ou licença médica, conforme informações da Mesa Diretora.

JULGAMENTO POLÍTICO

Mesmo em conflito político com o PT, em razão das eleições desse ano, o vereador Wenceslau Júnior (PCdoB) disse que seus pares deveriam agir como julgadores isentos e imparciais e ter discernimento de homens públicos. “O julgamento aqui é político e assim sempre será”, rebateu o vereador Roberto de Souza (PR).

PR ESTÁ PRÓXIMO DE JUÇARA

Irmãos Pontes de Souza vão a aniversário. Fecham aliança?

Os irmãos Saulo e Roberto Pontes de Souza são os convidados especiais do aniversário do educador Adeum Sauer, neste sábado, 9. Não será um encontro para o tradicional “parabéns” e “apagar velinhas”. Terá algo mais.

Os irmãos receberam aviso de Salvador para que deem um jeitinho de selar acordo eleitoral com o PT da prefeiturável Juçara Feitosa e do seu consorte Geraldo Simões.

A ordem partiu do vice-presidente de Governo do Banco do Brasil, o ex-senador César Borges, presidente regional do PR.

O próprio deputado federal Geraldo Simões, aquele a quem um dia Borges direcionou o “Água e óleo não se misturam”, já havia antecipado a possibilidade de acordo entre PR e PT também em Itabuna.

Hoje o PR está no governo do prefeito Capitão Azevedo (DEM). Até há pouco mais de um mês, os republicanos marchariam com o prefeito, mas as negociações em Brasília e na Bahia levaram a uma mudança de rota também em Itabuna.

Roberto de Souza é vereador e tem a esposa à frente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc), órgão ligado à Prefeitura de Itabuna e, por consequência, sob as ordens de Azevedo.

O prefeito poderá exonerar a presidente da Ficc, Sandra Ramalho, como também poderá fazer ouvido de mercador, afinal, precisa do voto de Roberto de Souza na Câmara. Fica com o voto nas contas e projetos e – possivelmente – perderá o tempo de TV (1min30s).

Fato é que, neste sábado, Roberto e Saulo – que também tem poderes no PSD – estarão no aniversário de Adeum para prosear com a turma do deputado.

A pulada de cerca está se configurando.

O CHAPÉU SUMIU

Quem estava no plenário da Câmara de Vereadores, hoje, não segurou o riso diante da “comédia” proporcionada pelos vereadores Roberto de Souza (PR) e Wenceslau Júnior (PCdoB).

Souza entrou com requerimento para que a chefia da 5ª Ciretran em Itabuna, sob o comando do cururu Gilson Nascimento, explique a exploração que há contra motoristas na vistoria e transferência de veículos. E saiu-se com essa:

– Vocês nem chegaram ao poder e já estão cobrando taxa…

Wenceslau, que sonha com a cadeira principal do centro administrativo Firmino Alves, largou:

– Vereador, o PCdoB trabalha com transparência.

Rapidinho, um gaiato lembrou do ex-ministro do Esporte, Orlando Silva, a quem foi dirigido adjetivo muito comum aos árbitros de futebol…

ITABUNA: SUPLENTES SÓ ASSUMEM APÓS DEFINIÇÃO DA JUSTIÇA ELEITORAL

Piçarra, Júnior Brandão, Neide de Carlito, Glebão, Nadson Monteiro e Rosivaldo assumem.

A presidência da Câmara de Itabuna fará consulta à Justiça Eleitoral na próxima quarta-feira, 2, para saber quais dos suplentes devem tomar posse em lugar dos seis vereadores afastados na última quinta, 26, pela juíza Rosineide Almeida. Os suplentes que assumem em lugar dos afastados por envolvimento no Caso dos Créditos Consignados na Câmara (confira abaixo).

Embora vista como manobra do presidente da Casa, Rui Machado (PRP), a consulta expõe questionamento relacionado a dois dos suplentes, Antônio Félix Nascimento, o Piçarra, que trocou o PSDB pelo DEM, e Neide de Carlito, que deixou o PMN e abrigou-se no PTN. Ambos poderiam, conforme entendimento, estar impedidos de assumir. A legislação, no entanto, deixa claro que o mandato é do suplente diplomado. A presidência do legislativo quer conferir a ordem cronológica da diplomação em 2008.

AFASTADOS E SUPLENTES

Na quinta-feira, 26, atendendo ao pedido do Ministério Público estadual, a juíza substituta da 1ª Vara da Fazenda Pública, Rosineide Almeida de Andrade, determinou o afastamento temporário pelo prazo de 90 dias dos vereadores Clóvis Loiola (PSDC), Raimundo Pólvora (DEM), Ricardo Bacelar (PSC), Roberto de Souza (PR), Solon Pinheiro (DEM) e Wenceslau Júnior (PCdoB) do exercício do mandato.

Segundo a decisão da magistrada, a medida visa salvaguardar a instrução processual. Eles são investigados por envolvimento no esquema de fraude na obtenção de empréstimos consignados na Câmara.

Com o afastamento dos vereadores titulares, tomam posse os suplentes Maria Neide Oliveira, a Neide de Carlito (hoje no PTN), Júnior Brandão (hoje no PT), Antônio Félix Nascimento, o Piçarra (DEM), e Rosivaldo Pinheiro (PCdoB). A decisão mantém Glaby Andrade, o Glebão (PV), e Nadson Monteiro (PPS), suplentes que assumiram em janeiro passado, com o afastamento dos vereadores Clóvis Loiola e Ricardo Bacelar em outro processo.

“LOIOLAGATE”: JUIZ DETERMINA QUEBRA DE SIGILOS DE TRÊS VEREADORES DE ITABUNA

Loiola, Roberto e Bacelar: sigilos quebrados (Montagem A Região).

O juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Itabuna, Gustavo Pequeno, determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos vereadores Roberto de Souza (PR), Ricardo Bacelar (PSC) e Clóvis Loiola (PSDC) ao atender pedido do Ministério Público Estadual.

A quebra também atinge ex-assessores e empresários envolvidos em um esquema que pode ter desviado até R$ 2,8 milhões dos cofres públicas.

Conforme noticia o jornal A Região, o magistrado determina que o Banco Central do Brasil encaminhe, sigilosamente, as informações das transações bancárias do ex-primeiro secretário Roberto de Souza, do ex-presidente da Câmara Clóvis Loiola de Freitas e do ex-2º secretário Ricardo Bacelar.

O magistrado deu prazo de dez dias ao Banco Central para que encaminhe as informações “acerca da existência de contas corrente, poupança ou aplicações financeiras em nome dos requeridos, bem como ao Banco do Brasil, para que forneça os extratos bancários relacionados à conta indicada”.

Gustavo Pequeno também determinou à Receita Federal que forneça, no mesmo prazo, cópias das declarações de renda de 2009 e 2010 dos acusados, para verificar possível evolução patrimonial. Além dos vereadores, são investigados o ex-chefe do setor de Recursos Humanos, Kleber Ferreira da Silva, o ex-diretor administrativo da Câmara de Itabuna, Alison Cerqueira Rodrigues e o ex-chefe de gabinete do vereador Loiola, Eduardo Menezes.

Outros atingidos pela decisão de quebra de sigilos bancário e fiscal são Antônio José Pinto Muniz e José Rodrigo Júnior, ocupantes de cargos comissionados, e o empresário Rui Barbosa Silva, da agência de publicidade Mozaico Fábrica de Resultados. Os acusados têm prazo de 15 dias para defesa.

No dia 26 de janeiro deste ano, o magistrado determinou o afastamento dos três vereadores. Roberto conseguiu retorno por meio de recurso no Tribunal de Justiça da Bahia. Bacelar e Loiola perderam as respectivas ações no TJ-BA, mas podem voltar nesta quarta, 26, porque o afastamento solicitado pelo Ministério Público estadual foi de apenas 90 dias.

VEREADORES AFASTADOS PODEM VOLTAR

Loiola e Bacelar podem voltar à Câmara na próxima semana

Também na entrevista ao programa Cacá Ferreira (Rádio Difusora), o promotor Inocêncio Carvalho informou que vence na próxima quarta-feira, 25, o prazo de 90 dias de afastamento dos vereadores Ricardo Bacelar, Clovis Loiola e Roberto de Souza, acusados de participação em outro esquema do legislativo itabunense. No caso, o desvio de recursos por meio e fraude em processos licitatórios.

Dos três vereadores, Sousa é o único que já retornou à casa, graças a uma liminar obtida junto ao Tribunal de Justiça da Bahia. Os outros dois permanecem afastados, mas poderão retornar na próxima semana.

Carvalho declarou que está ingressando com uma liminar para manter os vereadores afastados, fundamentando esse pedido inclusive nas provas que sustentam a nova ação civil pública contra Roberto de Souza, Ricardo Bacelar, Clovis Loiola e mais os vereadores Wenceslau Júnior, Solon Pinheiro e Raimundo Pólvora (ver nota logo abaixo).

Caso a liminar do MP não seja concedida, Loiola e Bacelar voltam ao legislativo e desalojam os suplentes Nadson Monteiro e Glebão.

ROBERTO SAI MAGOADO DA DIFUSORA

Roberto disse que saiu da Difusora por questões políticas

O vereador e radialista Roberto de Souza foi desbancado de seu horário (12 às 13h) na Rádio Difusora, onde apresentava de segunda a sexta-feira o programa Resenha da Cidade. A mesma atração vai ao ar aos sábados, na Rádio Jornal, e foi nesta emissora que Roberto se queixou da dispensa, alegando que saiu da Difusora em função de questões políticas.

O vereador estava se referindo ao seu apoio ao prefeito de Itabuna, José Nilton Azevedo (DEM), já que a rádio agora “tem forte influência” do deputado federal Geraldo Simões (PT). O Resenha da Cidade dará lugar a um programa apresentado pelo radialista Gerdan Rosário, que vai preencher o horário das 12 às 14 horas.

Em seu desabafo na Jornal, Roberto de Souza ironizou o fato de Rosário ter sido “desmoralizado” por Geraldo Simões em 2003, quando o então prefeito de Itabuna teria dito que o radialista o atacava porque ele não lhe dava dinheiro.

“LOIOLAGATE”: TJ-BA RECONDUZ ROBERTO DE SOUZA

Roberto conseguiu retornar antes dos 90 dias.

A desembargadora Maria das Graças Osório Pimentel, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), determinou o retorno do vereador Roberto de Souza (PR) ao cargo. Ele estava afastado desde o dia 26 de janeiro, por decisão o juiz da Vara dos Feitos Cíveis, Comerciais e da Fazenda Pública de Itabuna, Gustavo Pequeno, informa o repórter Fábio Luciano, do Notícias da Cidade.

O magistrado afastou o vereador, por 90 dias, para facilitar as investigações do esquema que teria desviado em torno de R$ 2 milhões dos cofres da Câmara, o Loiolagate. A decisão não beneficia outros dois vereadores e ex-membros da Mesa Diretora, Clóvis Loiola (PSDC) e Ricardo Bacelar (PSB).

Com o retorno de Roberto de Souza, deixa a Câmara o suplente Júnior Brandão (PT), que assumiu no dia 27 de janeiro. Apesar da posse há mais de duas semanas, tanto Brandão como os suplentes Glebão (PV) e Nadson Monteiro (PPS) não puderam definir seus assessores nem ocupar gabinete devido à lentidão da presidência da Casa. O período de sessões ordinárias da Câmara será aberto na próxima quarta, 15.

“LOIOLAGATE”: JUSTIÇA AFASTA 3 VEREADORES

Vereadores Clóvis Loiola, Ricardo Bacelar e Roberto de Souza são afastados pela Justiça.

O juiz da 2ª Vara Cível e da Fazenda Pública, Gustavo Silva Pequeno, afastou por 90 dias os vereadores Clóvis Loiola (PSDC), Roberto de Souza (PR) e Ricardo Bacelar (PSC) no processo que investiga desvio de R$ 564 mil por meio de verba para a publicidade da Câmara.

O juiz também determinou a busca e apreensão dos livros contáveis da agência de publicidade Mozaico Fábrica de Resultados, do empresário Rui Barbosa. Os vereadores continuarão recebendo proventos no período em que estiverem afastados. A decisão visa impedir que os edis interfiram na investigação.

Gustavo Silva Pequeno também decidiu pela indisponibilidade de bens dos três vereadores, do empresário Rui Barbosa e dos ex-assessores Eduardo Freire Menezes, Antônio José Pinto Muniz, José Rodrigues Júnior e Kleber Ferreira da Silva, além do bloqueio da Mozaico.

A presidência da Câmara de Itabuna deve definir ainda hoje para quando será marcada a posse dos suplentes dos vereadores afastados. Os suplentes são Glaby Carvalho de Andrade, o Glebão (PV),  Júnior Brandão (PT) – ou Emanoel Acilino (PT)-, e o radialista Nadson Monteiro (PPS).

O magistrado analisará o pedido de quebra de sigilos bancário e fiscal após responder a liminar requerida pelo promotor público Inocêncio Carvalho, que investiga o “Loiolagate”. O promotor afirmou ao PIMENTA que a investigação de corrupção na Câmara de Vereadores resultou em três inquéritos. Até agora, duas ações civis públicas foram movidas pela promotoria contra vereadores, assessores e empresas.

Das duas ações, uma delas investiga empresas contratadas para diversos serviços terceirizados, a exemplo de limpeza, vigilância, manutenção do prédio da Câmara e contratação de funcionários. São cinco empresas constituídas, segundo o MP, para lesar os cofres públicos.

“LOIOLAGATE”: MP JUNTA A AÇÃO CIVIL DEPOIMENTOS DE IRREGULARIDADES NA CÂMARA

As transcrições dos depoimentos de testemunhas de desvios milionários na Câmara de Vereadores já foram juntadas, nesta terça (24), à ação movida pelo Ministério Público contra nove pessoas e a Mosaico – Fábrica de Resultados.

Na ação, o promotor público Inocêncio Carvalho pede o afastamento dos vereadores Roberto de Souza (PR), Clóvis Loiola (PSDC) e Ricardo Bacelar (PSB). As transcrições eram o que faltava para que o juiz Gustavo Pequeno decida se acata a ação ou não.

A ação civil pública denuncia os três vereadores, assessores e funcionários da Câmara, além da Mosaico – Fábrica de Resultados e o proprietário da empresa, Rui Barbosa (relembre aqui).

Além do afastamento temporário dos vereadores, a promotoria pública requer também a indisponibilidade dos bens dos envolvidos e a quebra de sigilos bancário e fiscal de todos os denunciados na ação.

O promotor Inocêncio Carvalho disse ao PIMENTA que, ao assumir a 8ª promotoria de Justiça, encontrou um inquérito civil instaurado para apurar os atos de improbidade na Câmara. O inquérito continha 16 volumes de duzentas folhas cada. O promotor, então, decidiu desmembrá-lo em três.

Destes inquéritos, dois já resultaram em ações de improbidade. A primeira trata das empresas fantasmas criadas para vencer licitações da Câmara e que causaram prejuízo de mais de R$ 500 mil aos cofres municipais, conforme cálculos do MP.

A ação também resultou na Operação Loiolagate, da Polícia Federal, quando foram apreendidos documentos contábeis nas residências do ex-presidente da Câmara, Clóvis Loiola, e do ex-gerente de Recursos Humanos, Kléber Ferreira (confira aqui). O juiz Gustavo Pequeno ainda analisa pedido de quebra de sigilos bancário e fiscal dos envolvidos, o que ocorrerá após contestação dos réus.

A segunda ação diz respeito ao contrato da Mosaico – Fábrica de Resultados com a Câmara. O promotor explica que a esta ação de improbidade administrativa faltaram anexar os depoimentos de testemunhas. “Os depoimentos indicados pelo juiz haviam sido anexados, equivocamente, na primeira ação”, observa. Assim que foi notificado, na tarde de segunda (23), o promotor juntou-as ao processo.

De acordo com as investigações, a Mosaico ficava com R$ 7 mil dos R$ 47 mil mensais da publicidade e repassava o restante para a Mesa Diretora, por meio do chefe de gabinete do ex-presidente Clóvis Loiola, Eduardo Freire.

ITABUNA: MP PEDE AFASTAMENTO DE TRÊS VEREADORES

Loiola, Bacelar e Roberto de Souza estão na mira da justiça

O promotor Inocêncio Carvalho é autor de ação civil pública que pede o afastamento e o bloqueio de bens de três vereadores de Itabuna. Estão na mira do Ministério Público os vereadores Clóvis Loiola, Roberto de Souza e Ricardo Bacelar, acusados de montar esquemas que desviaram pelo menos R$ 3 milhões. A roubalheira teria ocorrido nos dois anos (2009 e 2010) em que Loiola presidiu o legislativo municipal, tendo Roberto de Souza como primeiro secretário.

A ação civil pública foi encaminhada pelo promotor ao juiz da 2ª Vara Cível, Comercial e da Fazenda Pública de Itabuna, Gustavo Pequeno. Nela, os vereadores e mais quatro pessoas são apontadas por envolvimento em uma rede de fraudes em processos licitatórios que tinham como objeto a contratação de serviços para o legislativo. O empresário Rui Barbosa, da Mosaico – Fábrica de Resultados, também estaria envolvido.

O promotor também denunciou à justiça o ex-diretor de Recursos Humanos da Câmara, Kleber Ferreira; o ex-diretor administrativo Alisson Cerqueira e três assessores. Dois deles (José Rodrigues e Antônio José Pinto Muniz) são ligados a Roberto de Souza. O terceiro (Eduardo Freire de Menezes), era chefe de gabinete do então presidente Clóvis Loiola.

Carvalho pediu que a justiça decrete a indisponibilidade dos bens de todos os suspeitos, bem como a quebra de seus sigilos bancários, fiscal e telefônico.

MAIS CONFUSÃO NA CÂMARA DE ITABUNA

Roberto de Souza aciona advogados para tomar cadeira de Ruy (Montagem Pimenta).

A Câmara de Vereadores de Itabuna realizou três eleições para escolher o atual presidente, Ruy Machado. A primeira, em meados de 2009, foi anulada por erros regimentais. Dela saiu vencedora a chapa encabeçada pelo vereador Roberto de Souza.

Numa segunda votação, em 30 de novembro de 2010, Ruy Machado foi o escolhido. Essa também foi anulada por descumprir o regimento da Casa. No apagar das luzes de 2010, exatamente no dia 31 de dezembro, nova eleição. Ruy “papou” e está na presidência até hoje.

Nesta semana, o juiz Gustavo Pequeno suspendeu (anulou) liminar que garantia uma desseas eleições. Os partidários de Roberto de Souza afirmam que o pleito anulado foi o que conduziu Ruy Machado ao cargo. Ruy e a assessora jurídica da Câmara, Cleide Souza, dizem que a liminar se refere à segunda eleição – exatamente a que o Legislativo havia anulado, a de 30 de novembro.

Por esse entendimento, o presidente fica onde está e Roberto de Souza continua vereador “canela seca”, sem cargos. Certo é que a batalha jurídica está longe do fim, pois Roberto acionou seus advogados para entrar com recurso no Tribunal de Justiça da Bahia. Acredita que ou ele assume ou então haverá nova eleição num prazo de, no máximo, 90 dias.

MACHADO CONTRA ROBERTO DE SOUZA

Diz o blog Políticos do Sul da Bahia que o presidente da Câmara de Itabuna, vereador Ruy Machado (PRP), prepara uma vingança maligna contra o colega Roberto de Souza (PR). A bronca do presidente seria pelo fato do outro estar constantemente lhe criando embaraços jurídicos, com representações no Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

A fim de espezinhar o algoz, o presidente manobraria para reduzir o número de assessores de Souza. Seria, por assim dizer, uma machadada na receita do gabinete do vereador republicano.

“LOIOLAGATE”: JUSTIÇA BLOQUEIA BENS DE VEREADOR E EX-DIRETOR DA CÂMARA

A Justiça determinou o bloqueio de bens do ex-presidente da Câmara de Itabuna, vereador Clóvis Loiola, e do ex-diretor de Recursos Humanos, Kleber Ferreira, além do contador Edson Alves Moreira, de José Rodrigues Júnior e das empresas DMS, Robson Nascimento Alves, Vilma Sueli Monteiro Gomes e WL Serviços de Vigilância Ltda.

A decisão é do juiz Gustavo Silva Pequeno. Os bens foram bloqueados até o montante de R$ 437 mil, valor até aqui apontado oficialmente como o desviado dos cofres públicos em menos de dois anos da gestão de Clóvis Loiola na Câmara de Vereadores de Itabuna, entre 2009 e 2010.

A justiça ainda julgará os pedidos de afastamento temporário do vereador Loiola e de quebra dos sigilos bancário e fiscal dos envolvidos. As denúncias de corrupção no legislativo itabunense resultaram numa Comissão Especial de Inquérito (CEI) no ano passado.

O relatório da CEI foi entregue ao Ministério Público estadual em dezembro do ano passado (confira aqui) e incrimou Loiola pelos desvios, além de citar o vereador Roberto de Souza por omissão (relembre). Na época ele era membro da Mesa Diretora. O MP, após ouvir os citados e testemunhas, acabou por denunciar Loiola, Kléber Ferreira e outras oito pessoas e empresas.

Atualizado às 15h53min

camara itabuna






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia