WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate






alba










junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘Rose Castro’

A ELEIÇÃO DE VANE

Marco Wense

Vane do Renascer foi eleito prefeito de Itabuna devido a vários fatores. O principal deles, o imprescindível, o “condicio sine qua non”, foi o rompimento político com o deputado Geraldo Simões.

Discordo da opinião de que Claudevane Leite, o Vane do Renascer (PRB), ganharia a eleição se saísse candidato a prefeito pelo PT de Geraldo Simões com Juçara Feitosa na vice.

A intransigência petista, não abrindo mão de uma chapa puro sangue, com PT e PT, provocaria uma cisão, ainda maior, nas intituladas forças de oposição ao governo Azevedo (DEM).

PCdoB, PDT, PPS e o PV formariam uma nova coligação, com Davidson Magalhães (ou Luís Sena) encabeçando a majoritária. A pedetista Acácia Pinho seria a candidata a vice-prefeita.

Não sei se essa formação encarnaria o novo, a tão desejada “mudança”. Mas representaria um chega-pra-lá no governismo e, principalmente, no geraldismo.

Essa divisão oposicionista, com comunistas de um lado e petistas do outro, aí incluindo Vane do Renascer, beneficiaria o projeto de reeleição do capitão Azevedo.

A disputa entre a oposição 1 e a oposição 2 seria mais acirrada. Em decorrência desse equilíbrio, o voto útil, responsável pela vitória de Vane, ficaria inibido.

A certeza, de ambos os lados, de que o seu candidato estaria na frente, afastaria o eleitor do voto útil. O candidato do DEM seria reeleito com a mesma quantidade de votos que obteve nessa sucessão.

Concluindo, diria que Vane do Renascer foi eleito prefeito de Itabuna devido a vários fatores. O principal deles, o imprescindível, o “condicio sine qua non”, foi o rompimento político com o deputado Geraldo Simões.

AUGUSTO CASTRO

Quando o assunto é a sucessão municipal de Itabuna, com o viés direcionado para 2016, o deputado estadual e prefeiturável Augusto Castro (PSDB) é o grande perdedor.

A não-reeleição do capitão Azevedo colocou um monte de areia branca na pré-candidatura do tucano, que tinha o apoio do chefe do Executivo como favas contadas.

O insucesso da vereadora Rose Castro, que é irmã do parlamentar, não conseguindo o segundo mandato, é café pequeno diante da derrota do candidato do DEM.

E mais: o capitão Azevedo, se não for alcançado pela Lei da Ficha Limpa, mantendo seus direitos políticos, será candidato a deputado estadual.

VEREADORES IRRESPONSÁVEIS

Não votam as contas do Executivo, não fazem nada e nada acontece. Apostando na impunidade, debocham da justiça e desdenham a lei orgânica do município.

Conversei com o bom advogado Carlos Sodré sobre a falta de uma exemplar punição para a omissão dos vereadores diante da votação das contas do prefeito.

Ficamos de ter uma segunda conversa. Mas adiantei que defendo a dissolução da Câmara com os suplentes tomando posse.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

PIMENTINHAS

Aquele lance macabro de outro dia, quando uma ruma de sindicalista invadiu o plenário da Câmara de Ilhéus com velas, caixão e cânticos fúnebres, assombrando centenas de velhinhas que estavam ali para receber homenagem dos vereadores, ilustra bem os tempos vividos pela política nesse eixo torto Ilhéus-Itabuna.

A falta de seriedade não poupa nem as vovós e é sabido que essa raça de políticos desalmados e vorazes só têm consideração mesmo pelo que lhes favorece a conta bancária, como se viu no caso dos dez fantasmas da mesma Câmara de Ilhéus. Um esquema que desviou R$ 83.700,00 dos cofres públicos em três meses.

Como se percebe, as coisas andam mesmo fúnebres no legislativo municipal, onde caixões e fantasmas formam congestionamento . E o que é mesmo de morte é ser denunciado pelo vereador Aldemir Almeida, conhecido por maquinar estranhas operações na rede pública de saúde e por ter sido um dos beneficiários do velho mensalinho de Valderico Reis, entre outras traquinagens.

O presidente Dinho Gás, com sua pinta de ingênuo, faz cara de paisagem de quem não está entendendo nada. E na porta da funerária – ou melhor, da Câmara – alguém abordou o vereador com uma pergunta capciosa: “vai se safar, Dinho?”

É a treva…

***
O vereador petista ilheense Paulo Carqueja, o outro caça-fantasmas da Câmara, é esperado há mais de três meses para assumir o comando da Secretaria Municipal da Saúde. Carqueja impôs a condição de receber a Secretaria organizada e em condições de prestar um bom serviço.

Talvez assuma o cargo em 2099…

***

Após a mobilização do GAC (Grupo do Almoço Cevado), não teve jeito: a presidenta Dilma finalmente sentiu a poder de pressão itabunense e autorizou a instalação da Universidade Federal na cidade.

E quem deve colocar o assunto na pauta de sua próxima reunião é a Alambique (Academia de Letras, Arte, Música, Birita, Inutilidades, Quimeras, Utopias Etc). A questão agora é definir o local do campus, que a Alambique até aceita que seja na Ceplac…

Chiadeira mesmo vai ser se alguém sugerir a desativação do Katikero para que no lugar do boteco seja instalada a universidade…

***
Anda sumida a vereadora Rose Castro, de Itabuna, que faz companhia a Clovis Loiola no ostracismo. Juntos, eles emplacaram sucessos nas sessões plenárias, como a famosa falta de “cloro” para que fosse votado um projeto (pérola de Loiola) e a pedrada de Rose que, numa discussão com outro vereador, disse que não entraria no “inquérito” da questão…

Com Rose e Loiola apagados, as páginas políticas perdem totalmente a graça.

***
O presidente do PSDB de Itabuna, José Adervan, deverá ter as asas cortadas no toco. No ninho tucano, vigora a regra do “vale quanto pesa” e as aves eleitas não respeitam os cabelos brancos do dirigente.

Adervan, retado da vida, esperneia em papel-jornal. Mas vai acabar empastelado.

***
Leitor deste blog não mostra espanto diante da possibilidade de união entre os ex-prefeitos Fernando Gomes e Geraldo Simões, que eram inimigos desde criancinha.

O atento e conformado internauta recorre à sabedoria popular: “É assim mesmo, meu amigo – Deus faz, o vento espalha e o diabo ajunta”…

***
Até a próxima!

JUDICIÁRIO EXTINGUE PROCESSO SOBRE ELEIÇÃO DE ROBERTO DE SOUZA

Machado já experimenta o terno da posse, mas sua situação é incerta

Em resposta à ação movida pelos vereadores Ruy Machado (PRP) e Rose Castro (PR), contra a eleição do colega Roberto de Souza (também do PR) para a presidência da Mesa Diretora da Câmara de Itabuna, o judiciário “decidiu não decidir”.

O pronunciamento do titular da 2ª Vara Cível e Fazenda Pública dá conta de que, como houve uma segunda eleição, na qual Ruy Machado foi eleito presidente, ocorreu o que se chama em linguajar jurídico de perecimento do objeto. O entendimento é o de que, escolhido novo presidente, a eleição anterior estaria automaticamente anulada.

Machado comemora, mas esse pronunciamento não exclui a possibilidade de que outra ação, que venha a questionar a legalidade da eleição do próprio vereador do PRP, resulte em uma eventual anulação desta. Ou seja, a situação do presidente eleito é insegura.

O caso pode caminhar para o que a maioria considera mais coerente: uma terceira eleição.

LOIOLA PROCURA ADVOGADO DE ROSE CASTRO

Loiola quer "salvo-conduto" para sair do PPS

A vereadora itabunense Rose Castro conseguiu recentemente o aval da justiça para deixar o PR, sem correr o risco de uma ação por infidelidade partidária. O advogado da política alegou que ela era discriminada dentro da própria legenda.

O argumento e a estratégia animaram o presidente da Câmara de Itabuna, Clóvis Loiola. Segundo o blog Políticos do Sul da Bahia, ele está interessado em utilizar-se do mesmo advogado da colega para escapulir do PPS.

Loiola tem uma relação complicada com a presidente do partido, Mariana Alcântara. Que piorou quando o vereador, sem autorização da legenda, decidiu apoiar a eleição do administrador Augusto Castro (PSDB), por sinal irmão da vereadora, para deputado estadual.

ROSE CASTRO CONSEGUE SAIR DO PR

Alegando ter sido vítima de discriminação dentro de sua legenda – o Partido da República – a vereadora itabunense Rose Castro conseguiu autorização do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para desfiliar-se sem correr o risco da imputação de infidelidade partidária.

Os advogados da vereadora informaram ao TRE que ela, mesmo após oficializar pedido de registro de sua candidatura, em 7 de maio de 2008, teve o nome excluído da ata da convenção do PR, realizada em 30 de junho do mesmo ano. Na época, Rose Castro enfrentou forte oposição dos irmãos Roberto e Saulo Pontes de Souza, caciques do partido em Itabuna.

A vereadora já foi cortejada por outros partidos, a exemplo do PSDB, no qual está filiado o seu irmão Augusto Castro, candidato a deputado estadual. Mas ela ainda não confirmou se será mais uma tucana na Câmara de Itabuna, fazendo companhia a Solon Pinheiro.

AS GAFES DE ROSE

Alguém precisa urgentemente dar uns conselhos à vereadora itabunense Rose Castro (PR). Totalmente “emplacada” com o mandato que exerce, a nobre política investiu-se de uma condição de autoridade suprema, o que lhe tem feito cometer gafes homéricas.

Uma dessas aconteceu no início da noite de ontem (dia 22), no gabinete do prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo. Estavam lá o secretário extraordinário da Indústria Naval e Portuária, Roberto Benjamin, o diretor-presidente da Sudic, Nilton Cruz, um pessoal da empresa Bahia Mineração e vários secretários do governo municipal. O encontro no gabinete serviu para uma exposição detalhada sobre o projeto Porto Sul.

No momento em que Benjamin abordava o assunto, com toda a sala em silêncio quase sepulcral, na maior atenção, eis que Rose escancara a porta e adentra à sala de maneira espalhafatosa, dando um altíssimo boa noite. Alguém brincou: “chegou atrasada, vereadora”. E ela rebateu na bucha: “não, cheguei a tempo!”.

Benjamin parou a apresentação e, meio atônito, perguntou educadamente o nome da ilustríssima personalidade. Ela imediatamente projetou-se sobre a mesa, estendendo a mão para o secretário e proclamando: “meu nome é Vereadora Rose Castro”.  Feita a apresentação, o representante do governo Wagner retomou a fala.

Nesse momento, alguém c0mentou, baixinho: “é a primeira vez que vejo uma mulher que já foi batizada com o nome de Vereadora”. Isso é que é emplacamento!

O “INQUÉRITO” DE ROSE CASTRO

A vereadora Rose Castro (PR) quer porque quer tomar para si o título de “Magda” da Câmara Municipal de Itabuna, que por enquanto pertence com todas as honras ao presidente da casa, Clóvis Loiola de Freitas. Mas  do jeito que vai, é capaz de Rose superar o “mestre”.

Loiola já ganhou até mídia nacional (na coluna de humor de José Simão), ao trocar inadvertidamente quorum por cloro. Rose, na sessão desta quarta-feira (07), discutia com o colega Raimundo Pólvora (PPS), mas afirmava não estar interessada em entrar no “inquérito” da questão.

Tiveram que acalmar alguns vereadores, pois não era nada demais. A vereadora quis dizer “mérito”.

ROSE E ESPINHOS

Coisas assim acontecem só na Câmara de Vereadores de Itabuna: Rose Castro (PR) presidiria a sessão em homenagem à mulher, programada para a noite desta quarta-feira, 10. Não apareceu em plenário.

Nos bastidores, a versão é que ela teria se desentendido com a sua homenageada, Margareth Brandão, da secretaria parlamentar da Câmara. Assim, desistiu de dar o ar da graça por lá.

(Talvez tenha sido a pressão alta, mas sabe-se que Rose Castro sacou um atestado médico de dois dias a ser apresentado à Mesa da Câmara…)

BALAS TROCADAS

Já foram das melhores as relações entre o deputado federal Geraldo Simões (PT) e o vereador Roberto de Souza (PR). O que sobrou nos estúdios da rádio Jornal, ontem, durante a apresentação do programa Resenha da Cidade, foram ‘cápsulas’ do tiroteio verbal de ambos.

A certa altura, Roberto dizia a Geraldo que ele não tardaria ser chamado de “Geraldo Magalhães” (numa referência ao ex-senador ACM), tal a sua resistência ao nome do senador César Borges na chapa que tentará a reeleição do petista Jaques Wagner. E reforçou que os ventos hoje são outros.

O deputado não perdeu a viagem e lembrou que, se fosse da vontade de Roberto, Rose Castro não seria hoje vereadora pelo PR. O radialista e dirigente do partido ‘vetou’ o nome de Rose na convenção partidária. A algoz teve que ir à Justiça para sair candidata (e venceu nas urnas).

Enquanto Geraldo e Roberto promoviam o tiroteio verbal, abria a porta do estúdio o famoso Marcone Sarmento. Houve quem ficasse gelado com a visita.

DE VOLTA AO ACONCHEGO

.

A vereadora Rose Castro reverteu a delicada situação em que se meteu ao votar contra o governo no episódio do reajuste da tarifa de água em Itabuna. Na época, os cargos que indicou foram exonerados pelo prefeito Capitão Azevedo e a parlamentar viveu alguns dias no purgatório: nem no ‘céu’ do governo, nem no ‘inferno’ da oposição – ou vice-versa.

Mas, agora, tudo mudou. De novo. A exoneração dos funcionários indicados por ela na Administração foi revertida e eles estão sendo chamados de volta. Ela própria se aconchegou novamente nos braços felpudos do Governo.

Pra reforçar sua fidelidade ao projeto político do prefeito Azevedo, mandou dizer “que não marcha com a oposição”, e que “continua fazendo parte da bancada do governo, apoiando o mesmo nas decisões políticas que forem tomadas em benefício da população”.

Contribuiu para essa reviravolta a boa relação que seu irmão, o pré-candidato a deputado estadual Augusto Castro, mantém com o governo. A felicidade volta a reinar na família Castro.

TROVADOR “EXPLICA” COMENTÁRIO DO PREFEITO AZEVEDO

Agulhão F. não gostou do comentário do prefeito Azevedo em relação à vereadora Rose Castro (“O que ela fez, não se faz” – veja aqui). Segundo o trovador, basta olhar os jornais para saber que a traição faz parte da lógica partidária. “Só quem não sabe disso é Azevedo, porque se faz de tolinho”, brinca:

Trair tem o mesmo jeito
que tem o verbo coçar,
e sabe bem o prefeito
que é bastante começar…
Começa e não para mais,
é só coçar uma vez,
por isso, se Rose fez
o que Rose fez… se faz!…
Traição, se bem conheço,
é o caminho da desgraça:
como se fosse cachaça,
só precisa de começo
pra atingir a embriaguez,
por isso, se Rose fez,
eu cá não a desmereço,
pois todo político faz…
Ainda inexperiente,
Rose tá “virando gente”
e vai fazer muito mais.!…

“O QUE ELA FEZ, NÃO SE FAZ”

.

Não logrou êxito a tentativa da vereadora Rose Castro, de reverter as demissões de funcionários da prefeitura indicados por ela (veja em nota postada abaixo).

O prefeito Capitão Azevedo se manteve firme em sua decisão e, como argumento para a insensatez ao choro de Rose, afirmou que “o que ela fez, não se faz”.

Azevedo se disse ainda muito decepcionado com a atitude da vereadora, e chegou a lembrar que essa não era a primeira vez que ela traía o governo.

Na quarta-feira (21), Rose Castro, que era da base governista, votou com a oposição para derrubar o aumento de 14,92% na tarifa de água em Itabuna. Como retaliação, cargos ligados a ela no município foram exonerados pelo prefeito Capitão Azevdo.

Há, porém, um toque de algum gênio da estratégia nessa atitude de Azevedo, de demitir os nove cargos de Rose. Como foi anunciado, José Silva, um dos dirigentes da Emasa, remanescente do governo de Fernando Gomes, estaria sendo exonerado por consequência desse quiprocó, o que não é totalmente verdade.

Zé Silva vinha sendo fritado na Emasa há algum tempo, inclusive por gente muito ligada ao prefeito Azevedo na empresa. Sim, ele tem, lá também, seus gilsons e maurícios.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia