WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
unime


março 2017
D S T Q Q S S
« fev    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

editorias


:: ‘Rui’

RUI, OTTO E A SUCESSÃO ESTADUAL

marco wense1Marco Wense

 

Se o alcaide soteropolitano não disputar a sucessão de Rui Costa, a candidatura do senador passa a ser uma exigência da cúpula nacional do PSD. ACM Neto apoiaria Otto em uma coligação envolvendo o DEM, PSDB, PMDB, PPS e alguns partidos de menor expressão.

 

 

O governador Rui Costa vem fazendo de tudo para tirar da cabeça do senador Otto Alencar qualquer pensamento em relação à sucessão de 2018.

Rui sabe que Otto mantém acesa a possibilidade de disputar o governo do Estado, principalmente depois do bom desempenho do PSD nas eleições municipais, conquistando 82 prefeituras. O PT foi quem mais perdeu, saiu de 93 para 39, uma redução de quase 60%.

“A gente vai decidir isso lá em março de 2018”, diz o presidente do PSD da Bahia quando questionado sobre sua possível candidatura. Finaliza dizendo que “a pretensão é continuar na aliança com o governador Rui Costa e com os aliados”.

O PSD passa a ser prioridade na mudança que o chefe do Executivo pretende fazer no alto escalão. O afilhado político de Otto, José Muniz Rebouças, deve assumir a secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur). O comando da Conder pode também ir para o Partido Social Democrático.

A nomeação para cargos sempre foi o melhor caminho para evitar a rebeldia dos parceiros do poder. A sabedoria popular costuma dizer que nada melhor do que uma “boquinha” para colocar cada um no seu devido lugar.

Vale ressaltar que a conjuntura política e a situação econômica, em ano eminentemente politico-eleitoral, podem fortalecer ou enfraquecer algumas candidaturas. Outro aspecto, considerado como explosivo, é o desenrolar da Operação Lava Jato. Os petistas, por exemplo, torcem para que ACM Neto apareça na delação da Odebrecht.

Outro detalhe, por enquanto restrito aos bastidores, longe dos holofotes e do povão de Deus, é que os governistas, pelo menos os mais lúcidos, sonham com ACM Neto candidato em 2018.

Se o alcaide soteropolitano não disputar a sucessão de Rui Costa, a candidatura do senador passa a ser uma exigência da cúpula nacional do PSD. ACM Neto apoiaria Otto em uma coligação envolvendo o DEM, PSDB, PMDB, PPS e alguns partidos de menor expressão.

ACM Neto só sairá candidato se enxergar alguma chance de ser eleito. Não vai arriscar deixar o Centro Administrativo de Salvador para ir atrás de uma aventura que lhe pode causar desgastes.

Rui Costa, candidatíssimo a um segundo mandato, está bem avaliado na capital. ACM Neto é prefeito só de Salvador, enquanto o petista é uma espécie de, digamos, “prefeito” de todas as cidades da Bahia.

Tem também o fator Lula. Se não barrarem a elegibilidade do ex-presidente, aí complica, o caldo engrossa. Sua popularidade volta à tona e, com ela, o poder da transferência do voto, principalmente no Nordeste e, mais especificamente, na Bahia.

Portanto, é bom torcer para que ACM Neto saia candidato a governador na eleição de 2018, sob pena de Otto Alencar disputar o comando do cobiçado Palácio de Ondina como o candidato da oposição ao petismo.

Não tenho a menor dúvida de que Otto Alencar é mais adversário para Rui Costa do que o democrata (ou demista) ACM Neto.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

DILMA VISITA FÁBRICA DE MOSQUITO TRANSGÊNICO

Presidente visita fábrica de mosquito transgênico - Foto Roberto Stuckert Filho/PR.

Presidente visita fábrica de mosquito em Juazeiro – Foto Roberto Stuckert Filho/PR.

A presidente Dilma Rousseff estará amanhã (19), em Juazeiro (BA), para participar de eventos relacionados ao combate ao mosquito Aedes aegypti. Entre os compromissos da presidente, que estará acompanhada pelo governador Rui Costa, está uma visita à Moscamed Brasil, que produz mosquitos transgênicos. A visita está marcada para o meio-dia.

Os insetos produzidos pela Moscamed são utilizados em cruzamentos com a fêmea do Aedes, gerando mosquitos estéreis ou que morrem antes de chegar à fase adulta.

Depois de conhecer a fábrica, que fica no Distrito Industrial do São Francisco, a presidente e o governador participam, às 14 horas, no Colégio da Polícia Militar de Juazeiro, do lançamento da campanha de mobilização da comunidade escolar para o combate à dengue, zika e chikungunya.

DAVIDSON: “PRECISAMOS REPACTUAR NOSSA ATUAÇÃO POLÍTICA NA REGIÃO”

davidson - pimentaO comunista Davidson Magalhães não conseguiu se eleger deputado federal, mas avalia que os mais de 65 mil votos obtidos no dia 5 de outubro o credenciam a atuar como liderança no campo da esquerda no Sul da Bahia.

Nesta entrevista concedida ao PIMENTA, o ex-presidente da Bahiagás demonstra otimismo com a possibilidade de assumir uma cadeira na Câmara Federal, após a composição do governo Rui. Por enquanto, afirma que a prioridade é eleger Dilma Rousseff no segundo turno.

Sobre as sinalizações das urnas para Itabuna, onde Rui Costa perdeu, Davidson defende a reorganização das forças de esquerda em nome do “projeto maior”. Numa referência ao deputado federal petista Geraldo Simões, que não se reelegeu, o comunista diz que alguns líderes regionais precisam “calçar as sandálias da humildade”.

Leia abaixo os principais trechos:

PIMENTA – Como você analisa seu desempenho nas eleições?
Davidson Magalhães – Eu considero uma vitória, principalmente no contexto em que ocorreu esse processo eleitoral. Foi uma eleição bastante disputada, na qual houve uma queda de votos muito grande, e mais uma vez a região confirmou uma característica de pulverização de votos. Nós tivemos aqui muitos candidatos de fora sendo votados e isso reduziu muito a possibilidade de uma eleição concentrada. Terminou saindo do sul da Bahia, de novo, um único deputado federal eleito, o que é mais um prejuízo político para a região. Foi reduzido o número de deputados estaduais e não se ampliou o número de federais.

PIMENTA – Chegou-se a se ensaiar na cidade um movimento em defesa do voto regional…
DM – É um prejuízo porque ficam vários segmentos aqui fazendo o discurso do voto para fortalecer a região e na “hora H” esses mesmos segmentos, por interesses menos nobres, terminam contribuindo com a pulverização dos votos. Seguimos como uma região que tem uma pulverização de votos muito acentuada, o que termina por debilitar nossa representatividade política.

PIMENTA – Essa debilidade pode chegar ao ponto de comprometer projetos estruturantes sinalizados para o Sul da Bahia?
DM – Nossas duas principais cidades (Ilhéus e Itabuna) poderiam ter contribuído mais para o fortalecimento desse projeto regional, mas acabaram ficando extremamente prejudicadas. Nós poderíamos ter um desempenho melhor, o que teria como resultante uma maior consistência política, mas isso é algo que precisará ser superado. Como ganhamos o Governo do Estado, ele, que é o responsável por esses grandes investimentos, juntamente com o Governo Federal, deverá tratar desse problema. Inclusive, o sul da Bahia foi uma das regiões onde o governador eleito Rui Costa teve o menor desempenho, e isso exigirá uma atenção especial para permitir a retomada política da região.

PIMENTA – Como você vê essa vitória de Rui Costa no primeiro turno?
DM – Foi um demonstração definitiva do esgotamento do carlismo, que apostava suas penúltimas fichas no Paulo Souto e num desgaste do governo. Fizeram uma avaliação equivocada e mais uma vez perderam a eleição. Já são três eleições seguidas perdidas pelo carlismo e dessa vez o ACM Neto expôs sua condição de líder político e perdeu inclusive em Salvador. Ou seja, nós derrotamos a principal liderança da oposição e fizemos o senador, o que também demonstra um esgotamento do Geddel (Vieira Lima). A lição que nós tiramos é de que há uma avaliação positiva do governo Wagner e de um projeto em curso que está mudando a Bahia.

PIMENTA – Wagner sempre demonstrou acreditar na vitória de Rui…
DM – O governador sempre insistiu nisso nas reuniões com os partidos: vamos ganhar no primeiro turno. E a argumentação dele era muito sólida: “se comparar o que eles fizeram em 30 anos e o que fizemos em oito, nós damos um banho”. O povo soube ver e entender isso quando tivemos a oportunidade de expor os dados na campanha eleitoral. A diferença entre os dois governos de Paulo Souto e os dois de Wagner é abissal.

PIMENTA – Mas o Sul da Bahia e particularmente Itabuna indicaram não pensar da mesma forma.
DM – Em nossa região, é preciso “cair a ficha” para o que está acontecendo. Experimentaremos um desenvolvimento que tende a ser ampliado com a continuidade desse projeto político com Rui Costa. Isso vai permitir à região dar uma virada substancial a partir da implantação do Complexo Multimodal do Porto Sul.

PIMENTA – Já é possível apresentar um panorama de como ficará o tamanho das bases do governo e da oposição na Assembleia?

DM – As assembleias legislativas têm jogado um papel político muito pequeno na história brasileira, por isso eu acho que Rui não terá problema no relacionamento com o legislativo. Ficamos com a maioria da composição da Câmara Federal e acho que ganharemos a eleição presidencial, o que não põe em risco o projeto.

PIMENTA – Qual o tamanho do PCdoB após essas eleições?
DM – Nosso partido ampliou bastante o espaço político que ocupa na região. Em 2010, quando Wenceslau Júnior disputou o mandato de deputado estadual, teve 31.800 votos, e nós saímos agora com mais de 65 mil votos. É um saldo significativo, que indica uma acumulação de força política nesse período. A possibilidade inclusive de assumir o mandato é importante, já que essa lacuna que ficou na representação do sul Precisará ser preenchida. Nos governos estaduais, tradicionalmente, vários deputados são chamados para assumir cargos, tanto no governo federal quanto no estadual, e isso pode abrir um espaço de atuação política nossa na região. :: LEIA MAIS »

RUI COSTA VISITA MAIS DE 300 CIDADES E VOLTA A FALAR EM VITÓRIA NO 1º TURNO

Rui, ao centro, acompanhado de Otto Alencar em carreata em Lauro de Freitas.

Rui, ao centro, acompanhado de Otto Alencar em carreata em Lauro de Freitas.

Rui Costa (PT) diz que percorreu mais de 300 dos 417 municípios baianos na busca do voto na eleição a governador. Ele liderou carreata hoje pela manhã (4) em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, e disse estar confiante em sua vitória no primeiro turno.

– Com uma recepção tão calorosa, nós só podemos sair daqui com a nossa confiança redobrada em uma vitória já neste primeiro turno – disse ao final da carreata no município.

No compromisso de hoje, a chapa majoritária estava completa, com Otto Alencar (senador) e João Leão (vice) ao lado do candidato petista. A chuva deu ainda mais um “tempero” à atividade. “A chuva não atrapalhou em nada, pelo contrário. É sol, é chuva, é o calor humano que importa e a vitória amanhã, no dia 5”, diz, entusiasmado.

Na mesma toada, Otto Alencar, candidato ao Senado, dizia, enquanto cumprimentava a todos: “Vamos ganhar a eleição em toda a Bahia”. Centenas de carros acompanharam Rui, Otto e Leão, desde a Praia de Ipitanga até o bairro Vida Nova.

COMO É O NOME?

Paulo Fernandes Souto é Rui e Otto de carteirinha

Paulo Fernandes Souto é Rui e Otto de carteirinha

O sujeito se chama Paulo Souto, é filiado ao PSB e apoia a candidatura de Rui Costa, do PT… Entendeu alguma coisa? O blog explica: a nota se refere ao prefeito de Itarantim, Paulo Fernandes Souto, que é crítico ferrenho do xará. Para ele, o ex-governador, ora candidato, representa o atraso.

“Vamos voltar ao que era há dez anos? Paulo Souto é governador de gabinete”, reprova o prefeito.

Apesar de seu partido ter candidata ao governo (Lídice da Mata), Paulo Fernandes Souto diz que não abre mão de permanecer no grupo do governador Jaques Wagner, além de ser amigo do candidato ao Senado, Otto Alencar. “Estou deste lado porque é o lado em que sempre estive, apoiando o governador Jaques Wagner”, explica o prefeito.

O socialista também acredita que Rui esteja crescendo no interior e irá “disparar” com o horário eleitoral. “A oposição sabe disso”, diz ele.

WAGNER ESPERA QUE CAMPANHA NA TV MUDE QUADRO ELEITORAL NA BAHIA

Wagner confia em arrancada de Rui (Foto Pimenta).

Wagner confia em arrancada de Rui (Foto Pimenta).

O governador Jaques Wagner deu entrevista ao jornalista Gerson Camarotti, da Globo News e Portal G1, e disse esperar uma arrancada do seu candidato ao governo baiano, Rui Costa, após o início da propaganda eleitoral no rádio e na televisão.

O desconhecimento do Rui ainda é muito elevado. E o desinteresse na eleição também é grande até o momento. Só 9% dos eleitores se manifestam por um candidato espontaneamente. Mas depois de 15 dias de propaganda eleitoral na televisão, o quadro vai mudar na Bahia.

Wagner afirmou que, na Bahia, Dilma deverá ter a sua maior vantagem dentre os estados brasileiros. A ideia é manter a margem de 2,8 milhões de votos. “O DEM quer reduzir essa vantagem para 1 milhão de votos. Mas, em 2014, Dilma vai manter a mesma vantagem da eleição passada”, disse Jaques Wagner.

E A VICE VAI PARA…

Ricardo RibeiroRicardo Ribeiro | ricardorib@outlook.com

O governador Jaques Wagner disse tudo e, ao mesmo tempo, não disse nada na noite carnavalesca desta quinta-feira (27). O assunto, logicamente, era o que mais causa frisson no momento, sobretudo entre pedetistas e pepistas, estes mais indóceis no afã de conquistar postos de relevo na estrutura do poder.

Ao ser perguntado sobre quando o nome do vice seria definido, Wagner afirmou que a escolha já se deu, porém não declinou o nome. Ou seja, persistem as cólicas em quem não dorme mais, pensando em quem será o homem – ou a mulher – ao lado de Rui Costa (PT). Wagner, que não é o noivo, mas um padrinho de escol, já disse que prefere uma chapa com diversidade de gênero.

Se vingar a pressão do PP, o partido assumirá o posto. Não se sabe se com o deputado federal Mário Negromonte ou com uma mulher, estando cotada nesta hipótese a feirense Eliana Boaventura.

Com uma estrutura menor e sem tanto poder de pressão,  o PDT do deputado estadual Marcelo Nilo já corre por fora na disputa pela vice, mas, caso esta lhe caia no colo,também está disponível o nome da secretária estadual de Ciência e Tecnologia, Andrea Mendonça. Mais distante dessa briga, mas também lembrada, figura a deputada federal Alice Portugal, do PCdoB.

Os aflitos, no entanto, devem reforçar seu estoque de Buscopan, pois o bendito nome – embora já definido, segundo JW –  somente será divulgado dentro de duas semanas. Um tempo precioso para aparar arestas, promover as reengenharias necessárias, reduzir as tensões presentes e se preparar para as futuras. Que talvez sejam maiores.

Ricardo Ribeiro  é advogado.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia