WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate






alba










junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘samba’

BEIJA-FLOR É CAMPEÃ DO CARNAVAL DO RIO

Com enredo polêmico patrocinado pela Guiné Equatorial, a Beija-Flor foi eleita campeã do Carnaval 2015 no Rio. O resultado foi revelado durante apuração das notas, realizada nesta quarta-feira (18), na Sapucaí. Este é o 13º título da Beija-Flor. O penúltimo foi em 2011, com enredo sobre o cantor Roberto Carlos.

“Sentimento de dever cumprido. A nossa comunidade merecia. Aquele sétimo lugar do ano passado ficou engasgado”, disse Neguinho da Beija-Flor, que acompanhou a apuração no sambódromo.

A Beija-Flor foi a terceira escola a entrar na Sapucaí na segunda noite de desfiles do Carnaval carioca. Ovacionada pela plateia aos gritos de “é campeã!”, a agremiação de Nilópolis defendeu um enredo patrocinado pelo país africano comandado há 35 anos por Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, que, segundo a ONG Anistia Internacional, é acusado de violações de direitos humanos, tortura e prisões arbitrárias. Do Portal Uol.

BIG BAND ITABUNA LEVA MÚSICA À PRAÇA

Big Band Itabuna se apresenta na Praça Camacã nesta quarta.

Big Band Itabuna se apresenta na Praça Camacã nesta quarta.

Uma orquestra com 19 músicos promete encantar itabunenses nesta quarta (17), às 19h30min, na Praça Camacã, centro. É a Big Band Itabuna. Regida pelo maestro Carlos Silva, a Big Band manda muito bem no jazz, mas não apenas isso. Adicione blues, MPB, samba, choro, bossa-nova, pop e rock.

Sucessos nacionais e internacionais compõem o repertório da orquestra. O grupo enfrenta dificuldades para levar a boa música às praças em apresentações gratuitas, afirma Israel Xavier. A orquestra, reforça, busca valorizar a música instrumental em Itabuna.

Confira a grande banda executando That´s the way na praça.

UNIVERSO PARALELO

FORMIGAS EXPLORADAS E MENTIRAS A ESMO

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

Não tenho o hábito de encher a caixa de e-mails de ninguém com campanhas contra o excesso de trabalho das formigas, bandeira disso e daquilo, argumentos em defesa de grupos políticos ou religiosos. O que não quer dizer que a minha não sofra tal pressão, embora eu descarte a maioria dessas mensagens, tão logo lhes identifico a fonte do conteúdo: Instituto Milenium, determinados colunistas ou artistas globais a serviço de ideologias que combato. Sem contar que há muita mentira em trânsito, quem duvidar se lembre da última eleição presidencial, quando as tentativas de desqualificar uma candidata não respeitaram limites morais. Mas recebi há dias uma informação que me parece verdadeira e digna de atenção: é sobre sacolas plásticas.

________________

2Sacolas plásticas“No mar, tanta tormenta e tanto dano”

De acordo com a National Geographic, aquelas “inocentes” sacolas plásticas são uma verdadeira praga a se multiplicar, pois elas não podem ser (como as garrafas pet) recicladas, tendo sempre seu estoque renovado. Quer dizer, são recicláveis, mas isso não é economicamente viável: uma tonelada de sacolas recicladas custa mais de 100 vezes o valor da mesma quantidade de sacolas novas. Elas chegam ao mar (4 milhões de quilos por ano!), aos rios e às matas. Nas nossas ruas, impedem o escoamento da água. Engolidas como se fossem comida, matam cerca de 200 tipos de vida marinha (baleias, focas, peixes, tartarugas), com risco de voltar ao nosso prato, já em forma de polímero tóxico de petróleo.

 _________________

Sabe alguém onde posso comprar um aió?

A China, Bangladesh, Israel, Rwanda, parte da Índia, Quênia, Tanzânia, Singapura,Taiwan são lugares onde as sacolas plásticas foram abolidas ou estão em vias de sê-lo. São Francisco (aquela onde I left my heart!) foi a primeira cidade americana a proibir as sacolas, o que depois se estendeu a Oakland (também na Califórnia) e Boston. No Brasil, houve uma tentativa em São Paulo, mas frustrou-se, em nome do “direito costumeiro do consumidor”. Por aqui, talvez as sacolas tenham mais defensores do que acusadores, o que lhes garante vida longa. Eu, convencido, já estou à procura de um bocapiu ou, talvez – pois tenho sob controle meu consumismo – um aió. Saberia a gentil leitora onde posso adquirir um bom e honesto… aió?

COMENTE » |

“ASSEMBLEIA CAUDEJANTE E RUMINATIVA”

4João Guimarães RosaNa novela “Minha gente”, Guimarães Rosa (foto), do fundamental Sagarana/1946, chama a atenção este diálogo, entre um homem da cidade e José Malvino, trabalhador rural, que é “um camarada analfabeto mas, no seu tempo e para seu gasto, pensa esperto”. Diante de “uma assembleia, caudejante e ruminativa, de bois e vacas”, sobre que pairam interesseiros carcarás, “com elegância decadente e complicada pintura de roupagens”, o cara da cidade resolve pôr à prova a sagacidade do caipira: “– O que você acha de mais bonito neles? – pergunta. José Malvino ensaia um sorriso sem graça, pensando que querem fazê-lo de bobo, mas responde, dentro de seu entendimento das coisas”.
________________

5CarcaráGente talentosa, de sangue envenenado

“– Se o senhor doutor está achando alguma boniteza nesses pássaros, eu cá é que não vou dizer que eles são feios… Mas, pra mim, seu doutor não leve a mal, pra mim, coisa que não presta não pode ter nenhuma beleza”. Gosto dessa passagem, por achá-la ilustrativa do pensamento idealista, a compreensão de que o belo é bom, o feio é mau. Mesmo “vacinado”, já me deixei levar por essa filosofia atravessada, confundindo talento e competência com moral e ética. Intelectuais não são, necessariamente, boa gente; são, às vezes, gente talentosa, de sangue envenenado. O cinema já foi assim, formado por vilão feio e mocinho bonito. Muitas vezes, as aparências enganam, na tela e na vida.

 ________________

Almas secas, sofridas e atormentadas

Carlos Lacerda era ótimo exemplo da combinação de talento com ruindade. Certa vez, falando do ditador Castelo Branco, que lhe contrariara o plano de ser presidente da República, disse (citação de memória, sujeita a chuvas e trovoadas): “ – Vocês acham que ele é feio por fora? Pois eu lhes afirmo que ele é mais feio ainda por dentro. Eu vi!…” Era só uma grande “tirada” retórica, mas bem que seria interessante sabermos o que vai no íntimo das pessoas, olhá-las por dentro e ver que, em muitos casos, o corpo bonito é apenas abrigo de uma alma seca, sofrida e atormentada, se não morta e esquecida entre nós. Como um livro de bela capa, mas de asqueroso conteúdo…

COMENTE » |

ELIS, A QUE CANTAVA SAMBA… “ASSIM”

Creio que a crítica dedicou pouco espaço e tempo à especial técnica de Elis Regina como cantora de samba, talvez porque ela mesma não gostasse de rótulos limitantes. É seu lado menos visível. Sem preocupações de disputar com as “donas” desse segmento (Clara Nunes, Beth Carvalho, Alcione), Elis encontrou uma forma própria de expressão, com um cantar suave, suingado, envolvente, a caminho do jazz. Ela gravou o LP Samba eu canto assim (1965), mas, nessa linha, eu acho ainda melhor a seleção A arte maior de Elis Regina, de 1983. Lá estão, pelo menos, três sambas maravilhosamente vividos: Triste, Folhas secas e Alô, alô, taí, Carmem Miranda.
_________________

A marca Elis Regina em tudo que tocava

Seja tema contemporâneo, como Triste (Tom Jobim), enredo (Alô, alô…/Império Serrano, 1972) clássicos – É com esse que eu vou (Pedro Caetano/1948) e Saudosa maloca (Adoniran Barbosa/1955) – a tudo a cantora dava seu toque pessoal, tudo submetia à marca Elis Regina. O livro Guerreira da utopia, de Wagner Fernandes, sobre Clara Nunes, causou mal-estar entre Alcione e Beth Carvalho (Beth questionou o repertório de Clara, Alcione disse que a mineira era tão “inatacável” quanto a própria Beth). Elis ficou fora da “briga”, por motivos óbvios. Aqui, a temos ao vivo, no saudoso Ensaio da TV Cultura/1973, com César Camargo Mariano ao piano: É com esse que eu vou.

COMENTE » |

(O.C.)

UNIVERSO PARALELO

TÁBUA DE GRAXA GERA PESADELO EM ILHÉUS

Ousarme Citoaian

O afastamento do prefeito de Ilhéus nos rendeu um comentário sobre expressões idiomáticas: alguém escreveu que o substituto do prefeito estava “com o prato e o queijo nas mãos”, quando a fórmula secular é “com a faca e o queijo nas mãos (ou na mão)”. Pois o assunto rende. Em texto do Pimenta (“Ilhéus: governo por mais dez dias com Marão”), o redator usa falares de outras áreas, sobretudo do  futebol (houve um presidente da República que adorava fazer isto!) com inteira propriedade. A nota diz que os secretários tiveram pesadelo, com a possibilidade de descer na tábua de graxa. Em seguida, o futebol.

CHUTEIRAS PENDURADAS, POR POUCO TEMPO

O prefeito anunciou que ficará com as chuteiras penduradas por mais dez dias, mas deixa claro que o vice não deve eliminar o Bahia (referência ao secretário deste nome) nem dar cartão vermelho ao atacante Carlinhos Freitas (então, polêmico auxiliar do prefeito titular). A notícia ainda diz que o prefeito afastado espera que seja mantido o mesmo esquema de jogo e que o comando do time seja devolvido ao seu capitão da forma como foi recebido pelo vice. Perfeito (sem intenção de trocadilho). O folclórico Jânio Quadros (que, dentre outras esquisitices, era gramático!) se permitiu algumas formulações desse tipo.

JÂNIO QUADROS E A “METAMETALINGUAGEM”

No seu último mandato (prefeito de São Paulo, pela segunda vez), JQ pendurou uma chuteira na porta do gabinete (um recado aos que especulavam seu futuro  político (eu chamaria isto de “metametalinguagem”). Também proibiu o uso de sunga e biquínis fio-dental no Parque do Ibirapuera, obrigou o Teatro Municipal a expulsar os alunos tidos como homossexuais, multou pessoalmente motorista infratores, fechou os oito cinemas que iriam exibir o filme A última tentação de Cristo e recusou-se a dar posse à substituta, Luiza Erundina (dez dias antes, viajou para Londres, sua grande paixão). JQ era mais perigoso do que engraçado.

O GÊNERO NEUTRO QUE TANTA FALTA FAZ

Identificar a diferença entre masculino e feminino parece ser uma informação elementar para nos exprimirmos corretamente. Mas algumas palavras teimam em ficar na coluna do meio, como se indecisas, em cima do muro do gênero.  A língua portuguesa não possui o gênero neutro (embora este exista no latim, de onde viemos). As línguas neolatinas (português, francês, espanhol) não admitem meio termo: ou é uma coisa ou outra, ou está de um lado ou de outro.  Nada de terceira via. Entre parêntesis, uma observação de Stanislaw Ponte Preta, de muitos anos: “Do jeito que está crescendo, o terceiro sexo vai terminar sendo o primeiro”. Uma amiga desta coluna afirma que, de acordo com sua estatística, o terceiro sexo já é o segundo. Viu só?

A TERMINAÇÃO “FEMININA” É UMA ARAPUCA

Voltemos, enquanto é tempo, à gramática. Se tivéssemos herdado o neutro latino, muitas dúvidas estariam resolvidas. Por exemplo, telefonema, que gerou boas confusões: vi muita gente boa referir-se à telefonema (no feminino), quando o termo é masculino, macho – e disso não abre mão. Convenhamos que a palavra, com essa terminação sugestiva de feminino, é uma armadilha. Mas a dúvida foi sanada pelo tempo, de sorte que já não se ouve ninguém dizer “vou dar uma telefonema”. Que bom. Baianos ensaiaram, por motivos etimológicos que desconheço, “uma acarajé”. É raro, mas ainda possível ouvir-se em Salvador essa estranha formulação. Porém, a dúvida mais notória que me ocorre é com a palavra alface, volta e meia apelidada o alface.

COMPLICAÇÕES CRIADAS PELA HIDROPONIA


Alface é feminino, mas as coisas ficaram um tanto complexas, após a popularização de um processo chamado hidroponia – alguma coisa do grego hidro (água) e ponos (trabalho). No caso da alface é mais ou menos isto: o cultivo na água (não na terra). Por isso, é comum encontrarmos nas feiras alguém oferecendo “alface hidropônico”, aparentemente uma agressão ao gênero dessa folha, que deveria ser chamada, no caso, de “alface hidropônica”, o que não ocorre. Está errado? Assim é, se lhe parece (isto é Pirandello, creio): alface hidropônica está certo, porque alface é feminina; mas alface.hidropônico também, por conter, oculta por elipse, a ideia de processo, método, jeito (como foi cultivada a folha), palavras masculinas. É só escolher.

COMENTE! » |

“CARINHOSO”: CANÇÃO ROMÂNTICA PERFEITA

Há tempos (a rigor, faz muitos anos!), a Rede Globo, num desses concursos de regras pouco claras, levou o público a escolher “a música do milênio”, ou título semelhante. Torci por Carinhoso (Pixinguinha-João de Barro/1937), deu Aquarela do Brasil (Ari Barroso/1939). Acho que Carinhoso, com aquele “meu coração,/não sei por que,/bate feliz/quando te vê”, é perfeito como canção romântica . Os demais versos também são de uma simplicidade que muitos procuram e raros alcançam: “Vem matar esta paixão/que me devora o coração/e só assim, então, serei feliz,/bem feliz”. Braguinha, clássico, é simples, sem ser rasteiro.

MORENA SESTROSA E COQUEIRO QUE DÁ COCO

Aquarela do Brasil (por favor, ninguém precisa me lembrar da enorme importância do autor) não me atinge muito. Dirão que “o mundo inteiro” aprovou a canção – o próprio Ari, numa caricatura famosa do comediante José Vasconcelos, disse que “na Inglaterra, qualquer criança sabe quem é o autor de Aquarela do Brasil”. Eu respondo feito o cara da piada: “Não falo inglês…” Gracinhas à parte, a composição tem coisas demais de que não gosto: “coqueiro que dá coco”, “Brasil brasileiro”, “mulato inzoneiro”, “terra boa e gostosa”, “morena sestrosa” – são expressões vazias, em rimas forçadas.

“SAMBA-BAJULAÇÃO” À DITADURA GETULISTA

Sem contar que essa modalidade, conhecida como samba-exaltação, serviu como trilha sonora do Estado Novo (1937-1945). Era o ovo da serpente para coisas do tipo “Eu te amo, meu Brasil”, da última ditadura militar (aliás, Abreu Sodré, então governador de São Paulo – nomeado, obviamente – quis transformar essa excrescência de Dom e Ravel em Hino Nacional!). Voltando ao gênero “samba-bajulação” (ou “por-que-me-ufano-do –meu-País”), lembrar que, além de Aquarela do Brasil, o mais famoso é Canta Brasil (Alcyr Pires Vermelho-David Nasser/1941) e que a mim me parece de qualidade muito superior: os versos de David Nasser, quase sempre, impecáveis. Aqui, na interpretação do sempre impecável (sem quase) João Gilberto.

(O.C.)

“MÚSICO TEM QUE QUE TER LIBERDADE”, DIZ VOCALISTA DO GRUPO REVELAÇÃO

O vocalista do grupo de samba carioca Revelação, Xande de Pilares, concedeu entrevista ao PIMENTA e falou do show na AABB e, claro, de música. Ontem, o grupo se apresentou em Itabuna e reuniu cerca de 5 mil pessoas, segundo a polícia militar.

Xande abordou um tema polêmico, o projeto de lei da deputada estadual baiana Luiza Maia (PT) contra a baixaria na música, impedindo órgãos públicos de contratarem atrações que executam canções com letras que estimulem ou façam menção ao preconceito ou à violência, por exemplo.

Ele se posiciona contra. “Cada um quer mandar a mensagem da sua forma. O músico tem que ter liberdade de expressão”. Xande lembra canções clássicas da MPB que, fazendo uma leitura bem própria, poderiam assumir a conotação mencionada no texto do projeto, a exemplo de Geni e o zepelim.

O vocalista do grupo que ganhou o Brasil cantando samba partido-alto ainda agradeceu ao público pela resposta logo “de cara”. “Já na primeira música, Pai, que é a nossa canção de trabalho, o público foi quem cantou as primeiras frases. Estamos muito felizes, particularmente em Itabuna, onde vimos pela primeira vez”.

Xande também abordou um tema caro ao samba: o boicote da mídia. Para ele, houve uma mudança significativa nas duas últimas décadas, quando o samba passou a ser tocado com maior densidade também nas rádios FMs. “Houve época em que [o samba] nem tocava nas rádios ou em outros lugares, porque a polícia prendia. A gente já conseguiu uma vitória bem grande”.

Show do grupo Revelação lotou a área livre da AABB-Itabuna (Foto Pimenta).








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia