WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate






alba








junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘saúde mental’

ESTUDANTE DE MEDICINA, MISS ILHÉUS GABRIELA VIEGAS É ENCONTRADA MORTA

Gabriela Viegas foi encontrada morta em Minas, neste sábado (4)

A miss Ilhéus 2018, Gabriela Viegas, foi encontrada morta neste sábado (4), em Belo Horizonte, Minas Gerais. Ela estudava Medicina pela Universidade Federal da Bahia (Ufba) e estava noiva do consultor fitness Lucas Ferrara. “Gabriela Viegas acaba de perder a batalha contra a depressão. Meus sinceros sentimentos aos amigos, família e a todos os amantes do mundo miss que sofrem ao descobrir da pior maneira que suas deusas não estão imunes a esta triste doença. Descanse em paz”, afirmou missólogo Ricardo Mello.

Gabriela era ativa nas redes sociais, e a última foto que ela postou foi em uma praia, há seis dias. O coach de misses Maycom Soares lamentou a morte da amiga, que sofria depressão. “Hoje eu perdi a amiga mais querida que eu tinha, que mais se preocupava comigo. Ela me amava do jeito que sou, não me julgava, só me amava. Qualquer dorzinha que eu tinha, ligava para ela. Ela sempre me ajudava. Ela foi a miss mais miss que eu tive. Mais grata, mais humana, mais solidária. O que farei da minha vida sem os conselhos dela, sem o amor dela?”.

O velório de Gabriela será neste domingo (5), a partir das 16h, no SAF, na Conquista, em Ilhéus, e será aberto ao público. O sepultamento está marcado para a manhã desta segunda-feira (6). Redação Pimenta com Correio24h.

BRASIL PERDE QUASE 40% DOS LEITOS PSIQUIÁTRICOS EM 11 ANOS, APONTA CFM

Fachada do antigo Hospital São Judas, em Itabuna, fechado há mais de três anos.

Fachada do Hospital São Judas, em Itabuna, fechado há mais de três anos.

Da Agência Brasil

O Brasil perdeu quase 16 mil leitos e fechou 85 hospitais psiquiátricos nos últimos 11 anos, de acordo com levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM). Segundo a entidade, das 40.942 unidades psiquiátricas existentes em 2005, restavam 25.097 em dezembro de 2016, o que representa redução de 38,7% na oferta de leitos psiquiátricos.

De 228 locais existentes especializados em saúde mental em 2005, restaram 143 em dezembro do ano passado. O levantamento foi baseado em informações do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). A redução ocorre em período de crescimento de 12% do contingente populacional brasileiro e demanda crescente de pacientes com transtornos mentais, principalmente em decorrência do uso abusivo de álcool e drogas.

“Acredita-se que há 25 milhões de pessoas que necessitam de algum atendimento psiquiátrico, sendo que terão enorme dificuldade de contar com a integralidade da assistência, pois o governo, ao contrário de reforçar todas as etapas dos cuidados possíveis, adotou uma estratégia que prejudica aqueles que, em algum momento de sua história clínica, precisarão de um suporte hospitalar”, afirmou Emmanuel Fortes, 3º vice-presidente do CFM, que também coordenou a Câmara Técnica de Psiquiatria da autarquia.

REFORMA PSIQUIÁTRICA

O CFM explica que o fechamento das unidades é resultado de uma política promovida pelo governo federal de “sufocamento” do modelo de internação. A entidade argumenta que o movimento contrário à internação ganhou força com a adoção da Lei 10.216/2001, conhecida como reforma psiquiátrica.

De acordo com esta política, o atendimento psiquiátrico deve privilegiar a abordagem ambulatorial e terapêutica e evitar a internação dos pacientes. A reforma foi construída a partir de críticas à prática de isolamento e exclusão e às denúncias de maus-tratos ocorridos contra pacientes psiquiátricos internados de forma permanente e involuntária em diversas unidades manicomiais do país. :: LEIA MAIS »

ENCONTRO DEBATE SAÚDE MENTAL

Os alunos do 6º semestre de Enfermagem da Unime Itabuna promovem hoje (3), às 19h, o I Encontro de Estudantes em Saúde Mental. O evento é voltado também a profissionais da área de saúde e interessados no tema. O conferencista será o professor Roque Pinto, da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

O encontro será realizada no auditório do campus II da Unime. Para inscrição, o interessado deve doar um quilo de alimento não perecível ou fralda geriátrica, que serão doados ao Abrigo São Francisco de Assis. Os participantes receberão certificado.

FERNANDO, O MORADOR DE RUA, É RESGATADO PELO SAMU

Solidariedade: Marcelo ajuda em resgate de Fernando (Foto Branca Magalhães).

Solidariedade: Marcelo ajuda em resgate de Fernando (Foto Branca Magalhães).

Na tarde desta segunda-feira (10), Fernando, o morador de rua que está com um dos dedos da mão comprometido, foi localizado no Bairro Conceição, em Itabuna. Ele apareceu aqui em matéria da estudante de jornalismo Branca Magalhães (relembre).

O dedo de uma das mãos ficou comprometido após Fernando, também conhecido como Stanley, ter inserido algumas catracas de bicicleta na mão.

Uma equipe da Prefeitura de Itabuna foi até o Conceição encontrá-lo e, logo em seguida, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que o encaminhou para o Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães (Hblem).

Após a ligação de uma moradora onde Fernando costumava fazer refeições, Branca saiu à procura do morador de rua. Marcelo Moura, que trabalha na área de saúde mental no município, dirigiu-se ao local.

Branca lembra que o contato com Marcelo foi feito a partir de um comentário do servidor na matéria publicada ontem. Marcelo sensibilizou-se com a situação de Fernando e, ao mesmo tempo, narrou que ele mesmo já foi um morador de rua. Além de Marcelo, alguns moradores do bairro se uniram para ajudar no resgate de Fernando.

O servidor explica que Fernando sofre de transtorno mental grave e não pode ser internado contra a vontade. É preciso a autorização da família do morador de rua. Branca Magalhães, estudante de jornalismo/Redação.

Matéria de Bruna Magalhães despertou a solidariedade de leitores (Reproduçã).

Trabalho de Branca Magalhães despertou a solidariedade de leitores (Reproduçã0).

DOENÇAS MENTAIS ATINGEM 700 MILHÕES DE PESSOAS NO MUNDO

saúde mentalAs doenças mentais e neurológicas atingem aproximadamente 700 milhões de pessoas no mundo, representando um terço do total de casos de doenças não transmissíveis, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Os especialistas advertem que pelo menos um terço dos que sofrem com problemas mentais e neurológicos não tem acompanhamento médico. A revelação está no Plano de Ação para a Saúde Mental 2013-2020.

Ao longo desta semana, especialistas estarão reunidos para discutir o assunto, em Genebra, na Suíça, durante a Assembleia Mundial da Saúde. O  Plano de Ação para a Saúde Mental 2013-2020 mostra que as doenças mentais representam 13% do total de todas as doenças do mundo e são um terço das patologias não transmissíveis.

Segundo as estimativas, cerca de 350 milhões de pessoas deverão sofrer de depressão e 90 milhões terão uma desordem pelo abuso ou dependência de substâncias. A OMS define depressão como um transtorno mental comum, caracterizado por tristeza, perda de interesse, ausência de prazer, oscilações entre sentimentos de culpa e baixa autoestima, além de distúrbios do sono ou do apetite. Também há a sensação de cansaço e falta de concentração.

A depressão pode ser de longa duração ou recorrente. Na sua forma mais grave, pode levar ao suicídio. Casos de depressão leve podem ser tratados sem medicamentos, mas, na forma moderada ou grave, as pessoas precisam de medicação e tratamentos profissionais. Segundo a OMS, quanto mais cedo começa o tratamento, melhores são os resultados.

:: LEIA MAIS »

10 DE OUTUBRO É O DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL

Josicélin Almeida | josicelin@gmail.com

De quem tem o poder da resolução, nem uma única palavra, nem um gesto sequer, que indique o mais tênue desejo de resolver o problema.

Enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) cobra mais investimentos em serviços de prevenção e no tratamento de doenças mentais, neurológicas e de distúrbios associados ao uso de drogas e outras substâncias, nós, médicos e pacientes do Anexo Psiquiátrico do Hospital de Base de Itabuna, vivemos a inquietude de uma indiferença silenciosa.

Centenas de pacientes, semanalmente, sem atendimento de reavaliação ambulatorial. Famílias preocupadas com uma solução que não chega e com o provável agravamento da saúde dos seus doentes.

De quem tem o poder da resolução, nem uma única palavra, nem um gesto sequer, que indique o mais tênue desejo de resolver o problema.

Neste 10 de outubro – Dia Mundial da Saúde Mental – só um gritante e insensível silêncio.

Josicélin Almeida é médico do Anexo Psiquiátrico do Hblem.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia