WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
cenoe





dezembro 2018
D S T Q Q S S
« nov    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

editorias






:: ‘Senado Federal’

WAGNER GANHA APOIO DE DIRIGENTE DO PSOL NA CORRIDA AO SENADO

Wagner ganha apoio de dirigente do PSOL na corrida ao Senado Federal || Foto Pimenta

O ex-governador da Bahia e candidato ao Senado Federal pelo PT, Jaques Wagner, ganhou apoio do secretário de organização do PSOL na Bahia e membro da coordenação geral de campanha do partido em 2018, Danilo Moura.

Por meio de nota divulgada pelo PSOL, Danilo falou de diferenças, mas reforçou características que unem Wagner e PSOL. Os pessolistas têm apenas Fábio Nogueira como candidato ao Senado em corrida eleitoral com duas vagas ao Senado.

– Temos um conjunto de diferenças mas sabemos da importância de eleger senadores que atuem na luta contra o golpe e considero Jaques Wagner a única opção mais a esquerda depois da nossa – disse Danilo, observando que apoia, também, Marcos Mendes ao governo baiano.

A chapa majoritária do PSOL é composta por Mendes na corrida ao governo e Fábio Nogueira ao Senado, enquanto a chapa de Wagner tem o ex-governador e o deputado estadual Angelo Coronel (PSD) como nomes ao Senado e o governador Rui Costa como candidato à reeleição.

POPÓ E OS “JABS” EM WAGNER E EM JUTAHY

Popó dispara alguns golpes contra o até agora adversário Wagner || Foto Dida Sampaio/AE

Cotado para ser o segundo suplente na vaga a senador na chapa governista, Acelino Popó (PDT) elegeu o ex-governador e pré-candidato ao Senado pelo PT, Jaques Wagner, como alvo. Nas redes sociais e grupos de WhatsApp, o ex-pugilista tem desferido jabs contra o ex-petista. Os jabs são golpes utilizados pelo pugilista, na maioria das vezes, para afastar o oponente, golpeando-o, mas sem tanta força.

Invariavelmente, os jabs são críticas acompanhadas de reprodução de denúncias ligadas à Operação Lava Jato. Na última, reprodução de notícia na qual Wagner aparece como suspeito de receber R$ 12 milhões não declarados da Odebrecht para a campanha eleitoral. Ou um suposto pagamento de R$ 82 milhões. Outro que é alvo do ex-pugilista é Jutahy Jr. (PSDB), contra quem foi apurada suspeita de caixa dois de R$ 850 mil. Jutahy também é pré-candidato ao Senado.

DAVIDSON SE REÚNE COM RUI PARA DISCUTIR ESPAÇO DO PCdoB NA CHAPA

Davidson: todo ouvidos…

O presidente estadual do PCdoB, Davidson Magalhães, e o governador Rui Costa se reúnem, possivelmente nesta manhã de segunda (25), para discutir o espaço do partido aliado na chapa com a qual o petista disputará reeleição. Na semana passada, Davidson foi uma das vozes da base governista a criticar a “forma” como estava sendo montada a chapa majoritária (reveja aqui).

Há pouco, o dirigente do PCdoB baiano afirmou que não levará pleitos ao governador. Vai ouvir qual a proposta de Rui para o PCdoB. Até aqui, comenta-se que o próprio Davidson seria o primeiro suplente de senador na vaga do pré-candidato ao Senado pelo PSD, Angelo Coronel.

Antes falante, agora Davidson prefere esperar a dizer algo antes da reunião, segundo explicou ao Bahia Notícias. “Já tem tanta especulação que a gente prefere agora, que vamos ter a conversa dele, esperar o que tem de concreto”.

PROJETO DE LÍDICE LIMITA REAJUSTE DE PREÇOS ADMINISTRADOS PELO GOVERNO

Lídice: limite reajustes de preços controlados || Foto Tácio Moreira/Metropress

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) apresentou esta semana um novo projeto de lei para limitar o reajuste de preços ao consumidor de bens e serviços controlados pelo governo ou suas agências reguladoras, a exemplo de combustíveis, medicamentos e energia elétrica, entre outros.

A iniciativa prevê que nenhum serviço controlado pelo governo tenha reajuste anual maior do que a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), acumulado nos doze meses que antecedem ao reajuste. Numa eventual ausência do IPCA, poderá ser utilizado o índice que vier a sucedê-lo.

A parlamentar baiana se diz preocupada com o aumento de preços de diversos produtos e serviços essenciais à população brasileira e que hoje seguem parâmetros distintos de reajuste. Como exemplo, Lídice da Mata lembra que enquanto o próprio IPCA, que serve de parâmetro para a política monetária do Banco Central, acumulou alta de 2,95% em 2017, alguns preços administrados somaram 7,99% de reajuste no mesmo período.

Somente este ano, no acumulado de janeiro a maio, enquanto o IPCA variou 1,33%, alguns preços foram reajustados em 2,98%. A inflação geral, por sua vez, considerando os doze meses até maio deste ano, registrou índice de 2,86% enquanto preços administrados chegaram a reajuste de 8,14%. “Precisamos coibir essa distorção”, disse a senadora. :: LEIA MAIS »

JORGE VIANA SERÁ CANDIDATO AO SENADO PELO MDB

Ilheense Jorge Viana disputará vaga ao Senado pelo MDB || Reprodução Facebook

O médico e ex-deputado federal Jorge Viana será um dos candidatos do MDB ao Senado Federal na chapa emedebista encabeçada pelo ex-ministro e candidato ao Governo, João Santana. O anúncio oficial deverá ser feito na próxima sexta (15), de acordo com o divulgado pelo Bahia.ba.

O MDB ainda definirá quem será o segundo nome da chapa de João Santana ao Senado. Com 79 anos e dono do Hospital de Ilhéus, Jorge Viana foi deputado federal por três mandatos e participou da Assembleia Constituinte, em 1988.

CÂMARA DE ITABUNA SUSPENDE EXPEDIENTE LEGISLATIVO PARA EVENTO COM O SENADO

Plenário da Câmara de Itabuna, onde ocorrerá o encontro do Interlegis || Foto Pedro Augusto

Chico Reis: expediente legislativo suspenso

A Câmara de Vereadores de Itabuna suspenderá o expediente legislativo na próxima semana por causa do Interlegis, evento promovido pela Casa em parceria com o Senado Federal, de 11 a 15 de junho, no Plenário Raymundo Lima. Foram suspensas reuniões das Comissões técnicas e sessões ordinárias. O expediente administrativo, conforme a Mesa Diretora, será normal, das 8h às 18h.

O Interlegis em Itabuna será dividido em dois momentos, com duas oficinas (de segunda a quinta) e o Encontro Interlegis (na sexta) com três palestras. As oficinas, cuja inscrição é gratuita, são voltadas para
servidores de câmaras municipais. Já o Encontro, que terá a presença da senadora baiana Lídice da Mata (PSB), é aberto a toda a população grapiúna.

No caso das oficinas, realizadas de 8h às 18h, instrutores do Senado ministrarão treinamento sobre Portal Modelo (gestão de conteúdo online e customização de páginas eletrônicas); e Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (com tópicos relacionados à criação e recebimento de proposições, tramitação de matérias legislativas, normas jurídicas, entre outros).

Para o Encontro, no horário de 8h30min ao meio-dia, os palestrantes vão abordar assuntos que perpassam pelas temáticas da modernização do Legislativo, Leis de Improbidade administrativa e das Eleições
finalizando com Marcos Jurídicos. “Será um espaço de debate, mas também de aprendizado. Tudo gratuito. Qualquer pessoa pode participar”, afirmar o presidente do Legislativo itabunense, Chico Reis (PSDB).

LEÃO NA DISPUTA AO SENADO

João Leão já disse que não tem interesse em deixar chapa de Rui || Foto Pimenta

O vice-governador João Leão (PP) deverá disputar uma das cadeiras ao Senado Federal na chapa do Rui costa (PT). A oferta da vaga seria uma das formas de assegurar o apoio do PP ao governador baiano e candidato à reeleição, segundo noticia a Coluna Satélite, do Correio24h. Por este raciocínio, Angelo Coronel (PSD), presidente da Assembleia Legislativa, seria o candidato a vice de Rui. Há um mês, Leão disse ao PIMENTA que não tinha interesse em deixar a vaga de vice.

Governistas até aqui não sabem o que fazer – pelo menos não falam publicamente – com os também pré-candidatos Jaques Wagner (PT) e Lídice da Mata (PSB). Lídice sonha em disputar a reeleição, enquanto Wagner deixaria a Secretaria de Desenvolvimento Econômico para disputar uma das vagas ao Senado. Em 2018, serão duas vagas à Câmara Alta. Nas pesquisas, Wagner e Lídice são os que melhor pontuam na disputa ao Senado.

Há, ainda, outro nome a ser considerado, o do deputado federal Ronaldo Carletto. Hoje no PP, ele deve migrar para o PR. Ameaça desembarcar da base aliada de Rui para apoiar ACM Neto, pré-candidato ao Governo.

SENADO APROVA CLÁUSULA DE BARREIRA E FIM DE COLIGAÇÕES; VEJA PRAZOS

Senado aprova cláusula de desempenho e fim de coligações | Foto Wilson Dias/AB

Senado aprova cláusula de desempenho e fim de coligações | Foto Wilson Dias/AB

Da Agência Brasil

O plenário do Senado aprovou hoje (3), em dois turnos, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que acaba com a coligação de partidos para eleições proporcionais e estabelece a cláusula de desempenho, que gradativamente impede a propaganda de rádio e TV e o repasse de dinheiro do fundo partidário a partidos pequenos.

Aprovada na semana passada pela Câmara, a emenda constitucional será promulgada pelo Congresso Nacional nos próximos dias para que possa valer nas eleições de 2018. No caso das coligações partidárias, a proibição valerá a partir de 2020.

Com aprovação unânime, as discussões entre os senadores foram rápidas, já que o projeto é originário do próprio Senado. Na Câmara, após várias semanas de debates, os deputados aprovaram a PEC 282/2016 (convertida no Senado em PEC 33/2017) mas, como a proposta foi alterada, precisou ser votada novamente no Senado. Até o momento, esta é a única proposição sobre a reforma política que valerá para o próximo pleito.

DESEMPENHO 

A emenda cria uma cláusula de desempenho para que os partidos só tenham acesso aos recursos do Fundo Partidário e ao tempo de propaganda gratuita no rádio e na televisão se atingirem um patamar mínimo de candidatos eleitos em todo o país.

A partir de 2030, somente os partidos que obtiverem no mínimo 3% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos um terço dos estados, terão direito aos recursos do Fundo Partidário. Para ter acesso ao benefício, os partidos também deverão ter elegido pelo menos 15 deputados distribuídos em pelo menos um terço dos estados. :: LEIA MAIS »

NILO OU O CORONEL?

marco wense1Marco Wense

 

O governador Rui Costa, assim como fez sua opção por Fernando Gomes, em detrimento do médico Antônio Mangabeira, vai ter que decidir entre Nilo e o Coronel.

 

O governador Rui Costa (PT), mais cedo ou mais tarde, vai ter que decidir se prefere o apoio de Marcelo Nilo (PSL) ou de Ângelo Coronel (PSD).

O ideal seria se o chefe do Executivo ficasse com os dois deputados do seu lado, unidos em torno do legítimo direito de disputar o segundo mandato.

O problema é que Nilo e o Coronel se tornam cada vez mais distantes e imprevisíveis quando o assunto é a eleição de 2018.

Nilo não quer o Coronel no mesmo palanque e vice-versa. Ambos estão dando declarações que soam como uma espécie de ultimato ao governador: ou eu ou ele.

Quando questionado sobre seu apoio, se fica com Rui Costa ou ACM Neto, Nilo diz que a resposta “só depois do carnaval”.

O Coronel, atual presidente da Assembleia Legislativa, não perde a oportunidade de dizer que “o PSD tem que ter candidatura própria ao Palácio de Ondina”.

A candidatura a qual se refere o comandante do Parlamento é a do senador Otto Alencar, que é do mesmo partido do Coronel, o PSD.

O coronel, que tem um estilo muito parecido com o de Nilo, vai mais longe: “Não tendo candidato, quero ir para o Senado”.

O imbróglio é que uma das vagas para o Senado da República – a outra é de Jaques Wagner – está sendo disputada por quatro pretendentes.

O governador Rui Costa, assim como fez sua opção por Fernando Gomes, em detrimento do médico Antônio Mangabeira, vai ter que decidir entre Nilo e o Coronel.

O prefeito soteropolitano, ACM Neto, sem dúvida o único oposicionista com condições de derrotar Rui, fica esperando o desenrolar do Nilo versus Coronel.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia e editor d´O Busílis.

SENADORAS SE REBELAM E “TRAVAM” A VOTAÇÃO DE REFORMA TRABALHISTA

Senadoras de oposição não arredam pé e mantêm-se sentadas à mesa do plenário || Foto Antônio Cruz/ABr

Senadoras de oposição não arredam pé, apesar da escuridão || Foto Antônio Cruz/ABr

Mesmo com os microfones desligados e as luzes do plenário apagadas, as senadoras de oposição que ocuparam a Mesa do Senado permanecem no local para tentar impedir a votação da reforma trabalhista. O presidente da Casa, Eunício Oliveira, foi impedido de presidir a sessão que iria analisar a proposta.

O protesto é feito pelas senadoras Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fátima Bezerra (PT-RN), Ângela Portela (PT-ES), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Lídice de Mata (PSB-BA), Regina Sousa (PT-PI) e Kátia Abreu (PMDB-TO).

A ocupação foi criticada por senadores governistas. “Isso é um verdadeiro vexame para o Senado, eu diria até uma vergonha. Nunca aconteceu isso aqui. Eu só posso dizer que estou chocado. Diante disso que aconteceu acho que o presidente está certo. O que nós queremos é votar, tudo se resolve aqui no voto e não dessa maneira”, disse o senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN).

Já o senador Jorge Viana (PT-AC) disse que o impasse se deve à forma com que o governo está conduzindo as reformas no Congresso. “É uma atitude de um grupo de senadoras. É isso que dá esse impasse que o Brasil está vivendo. É claro que não é bom, mas, por outro lado, como é que pode se fazer uma reforma trabalhista sem que o Senado possa alterar um inciso, um artigo de uma lei que é tão importante para todo mundo?”, avaliou.

Desde que suspendeu a sessão, o senador Eunício Oliveira se reúne com senadores de vários partidos da base para buscar uma solução para o impasse.

Umas das alternativas é a transferência da sessão para o Auditório Petrônio Portela, também, no Senado. No entanto, um grupo de sindicalistas protesta no local contra a reforma e contra o governo Michel Temer. Informações da Agência Brasil.

Presidente do Senado mandou apagar luzes do plenário para boicotar movimento das senadoras

Presidente do Senado mandou apagar luzes do plenário como represália || Antônio Cruz/ABr

PROJETO DE SENADOR BAIANO PERMITIRÁ AOS BANCOS ABRIR AOS SÁBADOS

Muniz propõe bancos abertos aos sábados || Foto Agência Senado

Muniz propõe bancos abertos aos sábados || Foto Agência Senado

Um senador baiano apresentou projeto de lei que, se aprovado, permitirá aos bancos abrir aos sábados. Roberto Muniz (PP) diz ter se inspirado no sucesso obtido pela Caixa na abertura de agências para o saque do FGTS inativo. Para isso, a ideia é revogar lei da década de 60 e resolução do Conselho Monetário Nacional (CNM).

– Mais de cinquenta anos se passaram e o ordenamento merece atualização para adequação à nova r realidade – muito mais dinâmica e com diretos trabalhistas já mais bem definidos e eficazes”, argumenta, sustentando que a ideia aumentaria a competitividade do setor.

O senador baiano cita países como Estados Unidos, Inglaterra, França e Austrália. Nestes países, as agências funcionam até o meio-dia de sábado. Pela iniciativa de Muniz, cada banco terá liberdade para determinar se abre ou não no final de semana.

Resta saber a opinião dos bancários…

COMISSÃO DO SENADO APROVA PEC DA ELEIÇÃO DIRETA

Comissão do Senado aprova PEC da Eleição Direta (Foto Marcelo Camargo/ABr).

Comissão do Senado aprova PEC da Eleição Direta (Foto Marcelo Camargo/ABr).

Da Agência Brasil

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou hoje (31), por unanimidade, a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 67/16, que prevê a realização de eleição direta para presidente e vice-presidente da República se os cargos ficarem vagos nos três primeiros anos anos de mandato.

Atualmente, a Constituição admite eleição direta apenas se a vacância ocorrer nos dois primeiros anos. Após esse período, deve ser realizada eleição indireta pelo Congresso Nacional, em até 30 dias. Com a mudança proposta na PEC, a realização de eleição indireta para presidente e vice-presidente ficará restrita ao último ano do mandato.

A PEC será encaminhada para votação no plenário do Senado e, se aprovada, seguirá para a Câmara dos Deputados.

O relator da PEC, Lindbergh Faria (PT-RJ), havia apresentado substitutivo à proposta e o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) apresentou hoje voto em separado pela rejeição do texto do relator e pela aprovação do texto original do senador Reguffe (sem partido-DF). Ferraço argumentou que o substitutivo de Lindbergh tem inconstitucionalidades.

Lindbergh Farias disse que quis deixar claro em seu texto que, se aprovada a PEC nas duas casas legislativas, a nova regra passaria a valer de imediato, com eleições diretas em 90 dias no caso de vacância do cargo de presidente da República dentro do prazo previsto.

Já Ferraço argumentou que a Constituição prevê que qualquer mudança eleitoral deve entrar em vigor um ano após a aprovação, por isso o relatório de Lindbergh é inconstitucional e, segundo ele, há deliberação do Supremo Tribunal Federal (STF) nesse sentido. “O Artigo 16 da Constituição determina que qualquer mudança eleitoral só possa acontecer com 12 meses de antecedência e há farta jurisprudência por parte do STF que o Artigo 16 é um direito fundamental de quem vota e é votado”, disse.

:: LEIA MAIS »

SENADO APROVA MP QUE PERMITE SAQUE DO FGTS

Com aprovação, fica garantido saque de FGTS inativo (Foto Fábio Pozzebom/ABr).

Com aprovação, fica garantido saque de FGTS inativo (Foto Fábio Pozzebom/ABr).

O plenário do Senado aprovou, nesta quinta (25), a Medida Provisória (MP) 763/2016, que permite o saque dos recursos das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) sem a carência de três anos exigida pela lei. Como não houve mudanças no texto já aprovado na Câmara, a MP será promulgada, sem necessidade de sanção presidencial.

O relator na comissão mista, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), destacou a importância de o Senado consagrar a continuidade dos saques do FGTS, que, segundo ele, já beneficiou mais de 15 milhões de trabalhadores e deve injetar, até o final do calendário de saques, mais de R$ 40 bilhões na economia.

“O dinheiro do saldo do FGTS dos trabalhadores já movimentou o mercado varejista, gerando muitos milhares de empregos”, afirmou o senador.

A proposta dá a todo trabalhador que pediu demissão, ou teve o contrato de trabalho encerrado com justa causa até 31 de dezembro de 2015, o direito ao saque das contas inativas de FGTS. Até o último dia 16, a Caixa Econômica Federal pagou R$ 24,4 bilhões aos beneficiários nascidos entre janeiro e agosto.

O valor pago até então equivale a 84,3% do total previsto (R$ 29 bilhões) para as etapas já liberadas.

Com a iniciativa, o Poder Executivo pretende esvaziar o apelo de ações na Justiça que pleiteiam a correção da conta vinculada de cada trabalhador pelo índice da poupança, que paga 6% ao ano. (AB).

PROPOSTA PERMITE QUE CONSUMIDOR USE SALDO DE INTERNET MÓVEL QUANDO QUISER

Consumidor poderá usar saldo de internet quando quiser, de acordo com proposta.

Consumidor usa saldo de internet quando quiser, de acordo com proposta.

Quem utiliza o celular para acessar a internet já pode ter se deparado com a seguinte situação: o pacote de dados acaba antes do prazo e o acesso à rede é cortado pela operadora, mas, se a franquia que foi contratada não é totalmente utilizada em um mês, esse saldo não retorna para o consumidor.

Um projeto de lei que tramita no Senado pretende mudar essa realidade. A ideia do Projeto de Lei do Senado (PLS) 110/2017 é permitir que os dados que não forem utilizados em um mês possam ser reaproveitados no mês seguinte ou quando o cliente desejar.

“Se você economiza e não utiliza todo o pacote contratado, as operadoras não permitem utilizar esse saldo que sobra no mês seguintes. Acho que isso não é justo, não é certo. Por isso que apresentei esse projeto de lei para que o consumidor possa usar o saldo que ele contratou e pagou quando desejar”, explica o autor da proposta, senador Dário Berger (PMDB-SC).

O senador diz que considera viável tecnicamente a implantação dessa mudança pelas operadoras de telefonia. O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) disse que não vai comentar projeto de lei ainda em tramitação.

No portal e-Cidadania do Senado, que possibilita a participação do cidadão nas atividades parlamentares, mais de 1,9 mil pessoas já se manifestaram favoráveis ao projeto e 22 contrárias. A proposta tramita em caráter terminativo na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado e, se aprovada, segue para análise na Câmara dos Deputados.

A prática de cortar a internet quando o pacote de dados dos consumidores acaba começou a ser adotada pelas operadoras de telefonia em 2014. Na época, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou que as regras do setor permitem às empresas adotar várias modalidades de franquias e de cobranças, inclusive o bloqueio do acesso à internet.

SENADO PRESTARÁ HOMENAGEM AO EX-GOVERNADOR LOMANTO JÚNIOR

Lomanto Júnior será homenageado em Brasília (Foto Divulgação ).

Lomanto Júnior será homenageado em Brasília (Foto Divulgação ).

O Senado Federal prestará homenagem aos 49 anos de vida pública do ex-governador da Bahia Antônio Lomanto Júnior, em sessão especial, na próxima quinta-feira (4), às 9h, no plenário da Casa.

A sessão, proposta pelo senador Otto Alencar (PSD), é um reconhecimento do legislativo federal ao político baiano que passou por quase todos os cargos eletivos. A sessão deverá reunir políticos, amigos e familiares do ex-governador, falecido em 23 de novembro de 2015.

Lomanto Júnior nasceu em Jequié, no sudoeste da Bahia, em 29 de novembro de 1924. Desde a infância revelava o sonho de se tornar governador do estado. Formou-se em Odontologia pela Universidade Federal da Bahia e, dentro do Movimento Estudantil mostrava a vocação para a política.

Aos 23 anos foi eleito vereador de Jequié, cargo que exerceu até 1950. Esse foi o primeiro passo de uma longa trajetória: Lomanto foi prefeito de sua cidade três vezes, governador da Bahia, deputado estadual, deputado federal e senador da República.

A BRINCADEIRA DE WAGNER

marcowenseMarco Wense

 

Esse “ponto final” é um recado para que não insistam no assunto. A “brincadeira” de Jaques Wagner não pegou bem. O barro não colou na parede.

 

O senador Otto Alencar, presidente estadual do PSD, não ficou irritado, mas achou a ideia de disputar o Senado uma “brincadeira” do ex-governador Jaques Wagner (PT): “Tenho mais quatro anos de mandato”.

Wagner, que é secretário de Desenvolvimento Econômico do governo Rui Costa, quer uma composição majoritária com Rui na reeleição, João Leão na vice, ele e Otto nas duas vagas para o Senado. Walter Pinheiro e Lídice da Mata seriam descartados.

A candidatura de Otto, aos olhos do eleitorado, já ressabiado com os conchavos políticos, com esses arranjos e jeitinhos, seria uma coisa estranha e desconectada. A sabedoria popular diria que é “um tiro no próprio pé”.

Portanto, o senador Otto Alencar tem toda razão quando diz que sua candidatura “seria uma redundância política”. E finaliza: “Wagner faz isso mais por amizade, até de brincadeira. Aí ele fala essas coisas, faz essas conjunturas. Não tenho interesse. Eu não vou disputar. Ponto final”.

Esse “ponto final” é um recado para que não insistam no assunto. A “brincadeira” de Jaques Wagner não pegou bem. O barro não colou na parede.

Marco Wense é editor d´O Busílis.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia