WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

editorias






:: ‘Uesc’

UESC TERÁ BASE AMBIENTAL

A Uesc passará a contar com uma estrutura para a discussão, debates e formatação de programas e projetos voltados à conservação da Mata Atlântica. A Base Ambiental da Costa do Cacau será inaugurada nesta quarta-feira (23), ás 16 horas, no campus universitário.

A instalação da base foi realizada pela Fundação José Silveira e é fruto de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado pela 3ª Promotoria de Justiça de Salvador, que responde por ações relacionadas à proteção ambiental.

Segundo a Uesc, o equipamento irá funcionar como uma estrutura administrativa integrada entre a universidade e o Núcleo Mata Atlântica do Ministério Público (Numa). Estarão abrigadas na Base Ambiental as promotorias regionais especializadas em meio ambiente de Ilhéus e Itabuna, o laboratório de análises e planejamento ambiental e os cursos de mestrado e doutorado em Ecologia da Uesc.

CAPACITAÇÃO PARA ELABORAR PROJETOS

Servidores de prefeituras sul-baianas participam nesta sexta-feira, 18, no campus da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) de uma oficina de elaboração de projetos, que faz parte do Programa de Apoio Gerencial Institucional às Prefeituras da Região Litoral Sul (AGIR-LS).

A oficina será ministrada das 8 às 17 horas, no primeiro andar do pavilhão Pedro Calmon (Departamento de Economia), e é uma iniciativa da Associação dos Municípios do Sul, Extremo-Sul e Sudoeste da Bahia, em parceria com a instituição de ensino.

De acordo com os organizadores, a atividade é pré-requisito para participação no Curso Prático do Sistema de Convênios do Governo Federal (Siconv), que será realizada nos dias 21, 22 e 23, também na Uesc.

UESC REALIZA EVENTOS JURÍDICOS

A Uesc sediará três importantes eventos da área jurídica na próxima semana, entre os dias 23 e 26. Um deles será o III Congresso Nacional Diversidade, Ética e Direitos Humanos, que ocorre em paralelo ao I Congresso Integrador do Programa “O MP e os Objetivos do Milênio” e à XVI Semana Jurídica da Uesc.

Segundo os organizadores, o objetivo é debater as questões relacionadas aos direitos humanos, com base em plataforma do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Mais informações podem ser obtidas nos endereços http://milenio.mp.ba.gov.br e  http://mpcidadania.ning.com.

APENAS 2 CURSOS CONSEGUEM NOTA 4 NO ENADE EM ILHÉUS E ITABUNA

Uesc teve um curso com conceito 4 no Enade 2012.

Uesc teve um curso com conceito 4 no Enade 2012.

A maioria dos cursos superiores avaliados na edição 2013 do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) em Ilhéus e Itabuna obteve nota satisfatória (3) e somente dois conseguiram conceito 4, numa escala que vai de 0 a 5. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Educação (MEC).

Os cursos com conceito 4 foram os de Psicologia, da Unime Itabuna, e Ciências Contábeis, da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). O levantamento feito pelo PIMENTA leva em conta apenas os cursos das duas maiores cidades sul-baianas.

Quando avaliados por áreas, três dos cinco cursos de Administração obtiveram conceito médio e os demais registraram média 2 (insatisfatória). Uesc, FTC e Unime registraram nota 3 e Madre Thaís e Faculdade de Ilhéus, 2.

O curso de Direito, da Uesc, obteve 3, assim como os da Unime e Faculdade de Ilhéus. A FTC ficou com 2. A Uesc oferece o único curso de Economia na modalidade presencial, ficando com conceito 2.

Os dois cursos de Psicologia no eixo são oferecidos em Itabuna: o da Unime obteve 4 e o da FTC, 3. A Faculdade de Jornalismo da Unime foi avaliada e ficou com conceito 3. Já os cursos de Ciências Contábeis da Unime e Faculdade de Ilhéus ficaram com 3 e o da Uesc atingiu 4.

Desempenho das faculdades de Ilhéus e Itabuna no Enade 2012

Enade – Administração
Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) – 3
FTC Itabuna – 3
Faculdade de Ilhéus – 2
Faculdade Madre Thaís – 2
Unime – 3

Enade – Direito
Uesc – 3
FTC – 2
Unime – 3
Faculdade de Ilhéus – 3

Enade – Economia
Uesc – 2

Enade – Psicologia
FTC Itabuna – 3
Unime Itabuna – 4

Enade – Ciências Contábeis
Uesc – 4
Faculdade de Ilhéus – 3
Unime Itabuna – 3

Enade – Jornalismo
Unime Itabuna – 3

 

UNIVERSO PARALELO

PESADELO: OS BÁRBAROS ESTÃO CHEGANDO?

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

1La FontaineTive um sonho (melhor: pesadelo) em que os Estados Unidos se preparavam para invadir o Brasil. Um amigo, a quem consultei sobre a estranha premonição, analisou o quadro e me diagnosticou com uma só palavra, pronunciada entre dentes e com olhar de pena: “Paranoia”. Sem me dar por vencido, argumento que eles consideram os três últimos governos brasileiros (Lula-Lula-Dilma) como “anti-americanos”; digo que aqueles gringos se acham os xerifes do mundo, com direito a invadir qualquer espaço, em nome da “democracia” ou mesmo em nome de coisa nenhuma. Lembram da fábula “O lobo e o cordeiro”, de La Fontaine? O lobo buscava razões para comer o cordeiro…

________________

Sob as justificativas de fome e força

Não encontrou motivos, mas o borrego foi almoçado assim mesmo, sob as suficientes justificativas de fome e força. Os americanos queriam invadir o Iraque, criaram o manto (ou o mito) das armas químicas e lá foram. Não encontraram tais armas, mas quem estava interessado nisso? Meu amigo me aconselha a abandonar a ficção e cair na real: “Tá certo que os americanos não são flores que se cheire, mas eles têm maiores preocupações do que o Brasil, pois vão invadir o Irã”. Não desisto. Eles já invadiram Cuba (bem menos importante do que o Brasil) e aqui, em 1964, derrubaram um presidente eleito e treinaram torturadores para o regime militar. E depois do Irã?

_______________

Ele queria dobrar Lula e não conseguiu

Noto que, com essas lembranças, ele se mostra de semblante ensombrado. Aproveito o ferro quente, e malho, com esta pergunta: Qual foi o primeiro país latino-americano que Obama visitou? E ele responde, orgulhosão: “Brasil!” Pois é, digo, à  moda de Ataulpho Alves. Ele queria dobrar Lula e não conseguiu; depois, quis dobrar Dilma (quem é ele, tão fraquinho, pra enfrentar Dilmona!), não conseguiu… Quis dar uma de araponga, se ferrou, pois a velha Dilma descobriu a safadeza e até cancelou a visita… “Nada disso tem peso diplomático…”, disse ele, pouco convicto. Aí, fui-lhe à garganta: E o petróleo do pré-sal? Ele pôs as mãos na cabeça: “Meu Deus!”

ENTRE PARÊNTESES, OU

4convite2Literatura regional em tempo de festa
A Editus, editora da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) promove de 21 a 24 deste mês a I Feira Universitária do Livro, uma espécie de festa da literatura regional. Nomes como Aleílton Fonseca, Ruy Póvoas, Cyro de Mattos e Antônio Lopes terão o lançamento coletivo de escritos seus publicados pela Editus.  Aleílton e Ruy, além de autografarem suas produções recentes, terão um “papo literário” com a plateia, quando discorrerão sobre o tema “Novas leituras, novos leitores” – isto tudo no dia 21, às 19 horas, no Auditório Paulo Souto.  No dia 23, teremos Daniela Galdino, Aquilino Paiva e Gustavo Felicíssimo discutindo a literatura grapiúna de hoje (sala de treinamento da CDRH às 9 horas).

“O MUNDO EVOLUIU. É UMA PENA DANADA”

5PattonO general Patton, saudosista incorrigível (interpretação magistral de George C. Scott), diz a Dick, seu ajudante de ordens, que gostaria de decidir, pessoalmente, a II Guerra: “Rommel no tanque dele, eu no meu. Pararíamos a uns 20 passos, apertaríamos as mãos, depois combateríamos, só nós dois. O combate decidiria a guerra”. Responde o subordinado: “É uma pena que os duelos tenham saído de moda. É como sua poesia, general, não faz parte do século XX”. E o general, com ar tristonho: “Tem razão, Dick. O mundo evoluiu. É uma pena danada”. As frases estão no magnífico Patton – rebelde ou herói?, de Frank J. Schaffner.
________________

Sem bom texto, não existe bom cinema

A publicitária carioca Mariza Gualano, fã de cinema, selecionou cerca de 840 frases de mais de 600 filmes, para o livro Ouvir estrelas. Aqui, aproveitando o tema, algumas frases sobre guerra: “Acusar um homem de assassinato por aqui é como multar alguém por excesso de velocidade na Formula Indy” (Martin Sheen, em Apocalipse); “Eu não sirvo para a guerra, pois dormi com a luz acesa até os 30 anos” (Wood Allen, em A última noite de Boris Grushenko); “Sobreviver é a única glória da guerra” (David Carradine, em Agonia e glória); “Eu gosto do cheiro de napalm de manhã. Cheiro de… vitória” (Robert Duvall, em Apocalipse).

A BOA MÚSICA BRASILEIRA “IMPORTADA”

7Leny AndradeA baiana Rosa Passos é um desses acontecimentos comuns à MPB: cantora que, a exemplo de Virgínia Rodrigues, Bebel Gilberto e Leny Andrade (foto), para citar apenas três) é mais conhecida no exterior do que no Brasil (observe-se que Leny Andrade é a cara da simpática professora itabunense Ritinha Dantas!). CDs dessas artistas são pouco encontrados nas lojas, dando a eles características de “importados”. Voltemos a Rosa, para dizer que ela é fã ardorosa de João Gilberto, segue-lhe os passos (ai!), toca violão ao estilo dele. Chegou a gravar um disco chamado Amorosa, que repete o Amoroso de JG, acrescido de umas poucas faixas. Mas Rosa Passos não pretende ser nenhum “João Gilberto de saias”.
________________

Presença de duas feras  internacionais

A expressão desrespeitosa foi empregada por um repórter, que ouviu o que não queria. Rosa Passos é Rosa Passos, cantora e compositora de recursos próprios – e diz do seu ídolo aquilo que muitos colegas seus sentem, mas nem sempre expressam claramente: “João Gilberto amigo/ eu só queria/ lhe agradecer pela lição”, canta a artista, em “Essa é pro João”, faixa nove do CD “importado” Amorosa. Prova do prestígio de Rosa Passos “lá fora” é a presença nesse disco de duas feras internacionais: o clarinetista cubano Paquito D´Rivera e um grande nome do jazz na França (falecido em 2008, aos 90 anos), Henri Salvador.

O.C.

ESTUDANTES COBRAM A CONSTRUÇÃO DE CRECHE NA UESC

Integrantes do MML cobram creche na universidade (Foto Divulgação).

Integrantes do MML lideram manifestação na universidade (Foto Divulgação).

Alunas da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) vão fazer protesto nesta quinta (29), às 7h, para cobrar a construção de creche no campus. A manifestação está sendo organizada pelo Movimento Mulheres em Luta (MML). O grupo trabalha para obter cerca de 3 mil assinaturas de apoio à reivindicação. O documento será entregue à reitora da Uesc, Adélia Pinheiro, amanhã.

O movimento considera a construção da creche uma necessidade “imediata”, pois, no entendimento do MML, garantiria às estudantes “tranquilidade e eficiência em suas tarefas”. A creche também serviria de espaço de estágio para estudantes do curso de Pedagogia, além de ser um direito constitucional da criança.

Após a concentração na entrada da universidade amanhã, os manifestantes seguirão até a torre administrativa para entregar o abaixo-assinado à reitora. A coleta de assinaturas continua durante todo o dia de hoje. Quem apoia a ideia, pode procurar Karen Oliveira, na Associação dos Docentes (Adusc). A construção da creche está entre as reivindicações mais antigas da academia.

LIVRO ABORDA JORNALISMO CIENTÍFICO

Estimular a socialização de conhecimento de conteúdo científico é o foco do livro “Da pesquisa para a sociedade: reflexões sobre a comunicação científica e tecnológica”, lançado recentemente pela Editus, a editora da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

O livro é assinado pelos professores Lisandro Diego Giraldez Alvarez, da Universidade Estadual do Sudeste Baiano (Uesb); Verbena Córdula Almeida, da Uesc; e Ana Carolina Lima Castellucio, da Faculdade Dois de Julho. Os três  – o primeiro é químico, a segunda é historiadora e a terceira é jornalista- estudaram os caminhos que devem ser trilhados pelo profissional de comunicação  para interpretar e traduzir a linguagem científica para o cidadão comum. Os autores lembram que as notícias  sobre ciência e tecnologia precisam ser apresentadas de forma criteriosa e “sem o caráter espetaculoso que empobrece o conteúdo e a qualidade da informação”.

O livro está disponível na Livraria da Editus, instalada na Biblioteca Central da Uesc, e os pedidos também podem ser feitos por e-mail (livraria@uesc.br) ou telefone (73.3680-5240). Informações sobre as publicações da Editus encontam-se no site www.uesc.br/editora.

FUNCIONÁRIOS TERCEIRIZADOS DA UESC ENTRAM EM GREVE

Cerca de 200 trabalhadores terceirizados das áreas de serviços gerais e manutenção da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) entraram em greve por tempo indeterminado. A paralisação começou hoje (14) e atinge serviços prestados pela LC Empreendimentos e Serviços. Os trabalhadores cobram pagamento de salário, mas reclamam também de atraso no tíquete refeição e vale transporte.

Elivan Santos, diretor sindical do Sindlimp, disse ao PIMENTA que a direção da LC Empreendimentos quebrou acordos firmados desde a última quinta (8). Os representantes da empresa prometiam sempre pagamento de salário ao final do dia. Devido ao comportamento da direção da empresa, diz Elivan, não restou outra saída a não ser a paralisação. A LC possui 150 trabalhadores prestando serviços à universidade.

MILENIUM

Outros 62 trabalhadores terceirizados da área de manutenção também cruzaram os braços para cobrar pagamento de dois meses de salário. A empresa contratada pelo Estado para os serviços foi a Milenium. Para assegurar o pagamento aos trabalhadores, a reitoria da Uesc decidiu reter as duas últimas faturas que seriam pagas à Milenium, depositando os valores em juízo.

Elivan afirma que havia risco da empresa receber dinheiro e não quitar as pendências com os funcionários. Uma audiência na Justiça do Trabalho, em Itabuna, está marcada para as 15 horas da próxima sexta (16). O contrato com a Milenium já foi cancelado e a empresa será substituída.

PIMENTA DO DIA – TROTE NA UESC

Campus da UESCDa leitora que se identifica como Marta em comentário à nota “Imbecilidade de nível superior“:

A falta de punição e a tolerância praticadas por algumas dessas instituições fazem delas uma verdadeira escola: da violência, da impunidade e da irresponsabilidade que tanto prejudica nossa sociedade.

Vale lembrar que este fato é rotineiro na UESC. No ano passado, um estudante de agronomia sofreu lesões permanentes e em outros trotes desistiram de estudar.

Os trotes foram proibidos na UESC conforme a Resolução nº 05/2008. A reitora tem que se pronunciar. Estas notícias divulgadas em nível nacional envergonham essa região e a UESC no país inteiro.

ITABUNA: UESC E PREFEITURA OFERECEM TREINAMENTO PARA VENDA DE ESPETINHO

Treinamento gratuito será nesta terça (13).

Treinamento gratuito será nesta terça (13).

A Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e a Vigilância Sanitária vão oferecer treinamento gratuito para quem comercializa espetinho em Itabuna.

O curso será ministrado nesta terça-feira (13), a partir das 8 horas, no Sest-Senat, ao lado do Colégio Modelo, no Bairro Lomanto.

Frances Bulhões, da Divisão de Vigilância Sanitária de Itabuna, afirmou que o treinamento visa repassar aos ambulantes práticas corretas para a venda, desde a conservação dos espetinhos a manipulação e venda..

A intenção é regularizar este tipo de comércio e assegurar qualidade ao espetinho que é vendido no município. O cadastramento dos ambulantes, assim como o treinamento, será gratuito.

IMBECILIDADE DE NÍVEL SUPERIOR

Um trote estúpido por muito pouco não matou um calouro do curso de Engenharia de Produção da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Segundo o Jornal Bahia Online, cerca de 15 veteranos obrigaram o rapaz de 18 anos a ingerir todo o conteúdo de uma garrafa de aguardente, conhecida como “corote”.

A vítima da estupidez entrou em coma alcoólico e precisou ser internada, mas já se encontra fora de perigo. A família do estudante registrou o fato junto à Reitoria, mas esta ainda não se pronunciou.

PROFESSORES BUSCAM TITULAÇÃO NA UESC

Quarenta e dois professores de escolas públicas sul-baianas iniciaram hoje, na Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), suas atividades no Curso de Pedagogia IV, vinculado ao Programa Nacional de Formação de Professores. A iniciativa visa graduar profissionais que atuam na rede básica pública, sem titulação.

Em palestra de boas vindas, a reitora Adélia Pinheiro disse que, por meio da formação de professores, o programa tem como objetivo melhorar a qualidade do ensino. A Uesc está há duas décadas integrada à ação.

Além do curso de pedagogia, a universidade oferece, dentro do programa de formação, graduação em Ciências Sociais, Educação Física, Geografia, História, Língua Portuguesa, Língua Inglesa e Matemática.

LIVROS TRAZEM PASSADO E PRESENTE DE ITABUNA

Obras trazem passado e presente de Itabuna.

Obras trazem passado e presente de Itabuna.

Cinco livros com abordagens sobre o passado e o presente de Itabuna fazem parte de obras lançadas pela Editora da Universidade Estadual de Santa Cruz, a Editus.

Ensaios históricos de Itabuna: o jequitibá da Taboca, de Oscar Ribeiro Gonçalves, e Itabuna: história e estórias, de Adriana Dantas, estão entre eles. Os dois livros reúnem relatos orais de personagens do cotidiano de Itabuna.

Dentre as obras disponíveis em livrarias regionais e na Editus, também estão O centro da cidade de Itabuna: trajetória, signos e significados e De tabocas a Itabuna – um estudo histórico-geográfico,  da professora Lurdes Bertol Rocha. É também de Lurdes Bertol o livro A cidade em tela: Itabuna e Walter Moreira.

Na linha literária, há Expressões poéticas de Valdelice Pinheiro, organizado pela professora Tica Simões. O catálogo com as obras está disponível no site da Editus (www.uesc.br/editora). A compra pode ser feita pela internet no site www.livrariacultura.com.br . Pedidos podem ser feitos pelo email livraria@uesc.br ou pelo telefone 73-3680.5240.

UNIVERSO PARALELO

UM GRITO DE DOR NO ENGENHO DE SANTANA

1MejigãOusarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

Mejigã e o contexto da escravidão (Editus/Uesc, organização de Ruy Póvoas) é um livro magnífico, desses que engrandecem a região, porque projetam e eternizam em letra impressa intelectuais que, em grande parte, estariam no anonimato, não fosse essa iniciativa. Os dez ensaístas reunidos na coletânea esbanjam erudição, sem perder o viés paradidático que nos facilita o entendimento. Mejigã… (nome africano de uma negra escravizada e trazida ao Engenho de Santana) é inquestionável contributo para percebermos o que foi a luta dos negros em Ilhéus e o que eles significam em nossa formação. Talvez fosse injusto fazer destaques, mas é justo salientar pelo menos dois nomes pouco reconhecidos fora dos muros da academia e que ganham visibilidade com o livro:

________________

 

Chicotadas como pagamento do trabalho

Marialda Jovita Silveira, que disserta com invulgar segurança sobre a oralidade como mecanismo de preservação dos valores do candomblé (Ritos da palavra, gestos da memória: a tradição oral numa casa ijexá), e Consuelo Oliveira, que explica, didaticamente, como numa sala de aula, as questões de saúde/doença/magia/terapêutica no candomblé, tendo como exemplo o terreiro onde Ruy Póvoas é babalorixá, em Itabuna (Ilê Axé Ijexá: lugar de terapia e resistência). Li Mejigã… como um livro político, uma história da resistência de um povo, seu sofrer e sua revolta – o registro a ferro e sangue de uma Ilhéus receptora de negros escravos, “dos quais ela cerceou a liberdade e cresceu pela força de seu trabalho, a troco de chicotadas”, como diz Ruy Póvoas.

_________________

“Subalternizados, mas não subalternos”

Ou, na voz de Arléo Barbosa, “O Estado brasileiro foi edificado pelo negro, cuja presença é marcante em todos os aspectos da vida econômica, social, política, religiosa e cultural”. Ainda, de acordo com Kátia Vinhático e Flávio Gonçalves: “Eles [os escravizados] não se comportaram, não se sentiram e não se pensaram como subalternos. Subalternizados, inferiorizados, subestimados, sim. Não se pode dizer, no entanto, que foram subalternos, pois para isso seria necessária a aceitação dessa condição por parte deles”. Os demais textos de Mejigã…, todos de alta qualidade (não citados por falta de espaço), são de André Luiz Rosa Ribeiro, Ivaneilde Almeida da Silva, Mary Ann Mahony e Teresinha Marcis.

 

COMENTE! »

VANDALISMO: “A DESTRUIÇÃO DO NOTÁVEL”

Com os protestos de rua em moda no Brasil democrático, abusa-se do termo “vândalo”, para caracterizar o bandido travestido de manifestante. O termo remonta a um povo do século V, que tomou e saqueou Roma, destruindo muitas obras de arte. Isto ocorreu no mês de junho, à semelhança das nossas manifestações. Por certo, a palavra “vandalismo” viria daí (“Destruição ou mutilação do que é notável pelo seu valor artístico ou tradicional”, segundo o Priberam). Nada errado em chamar esses marginais de “vândalos”, salvo a repetição exaustiva do termo, o que atesta a já sabida indigência vocabular da mídia, particularmente da tevê.
______________

5MonalisaNapoleão e os especialistas em saque

Os dicionários apontam alternativas para vândalo: bárbaro, selvagem, destruidor, grosseiro, violento, bruto, truculento, iconoclasta e outros. Para manter a linguagem jornalística distante das escolhas sofisticadas (comme il fault), eu empregaria para o indivíduo desse comportamento a boa e sonora palavra “bandido”. É tempo de lembrar outra curiosidade: Roma teve, em 1798, novo saque de obras de arte, desta vez por Napoleão, cujo exército tinha um grupo “especialista” em… roubar. Só os nazistas pilharam mais do que o velho Bonaparte. Mas não foi ele quem levou a Monalisa pro Museu do Louvre, como dizem as más línguas.

COMENTE! »

DE ERROS “HISTÓRICOS” E “OCASIONAIS”

3AracyPra não dizer que só falo de espinhos
Com (talvez) irritante frequência tem esta coluna se referido a erros perpetrados contra a canção brasileira. Parece que não há exceção: de Nelson Gonçalves a Maria Betânia, de Alcione a Ângela Maria, novos e velhos vocalistas decidem alterar as letras e o fazem impunemente, como se tivessem tal direito. Há erros “históricos”, como o de Aracy de Almeida em Último desejo e Gastão Formenti em De papo pro ar (dois deslizes que foram repetidos tempos afora por outros cantores), e há os equívocos ocasionais, aqueles “próprios” de um vocalista, mas que outros não copiam. É o caso de Marisa Monte.
_________________

7GibãoA garota não quer mais vestir “gibão”

Há dias, postamos aqui um vídeo em que ela canta O xote das meninas (Luiz Gonzaga – Zé Dantas), com uma derrapada das mais escabrosas da MPB. “Meia comprida, não quer mais sapato baixo, vestido bem cintado, não quer mais vestir timão”, diz a letra, mostrando o estado de espírito da menininha que vira moça e quer namorar. Pois a bela Marisa, sabe-se lá o motivo, canta “… não quer mais vestir gibão” – e não houve no estúdio um filho de Deus que atentasse para esta barbaridade. Timão é uma espécie de camisola; gibão até seria defensável em outro lugar, não no Nordeste): além de ser vestimenta de vaqueiro, não está no texto original. Menina vestindo gibão só mesmo na cabeça dessa gente tonta.

COMENTE! »

QUE A SIGLA SEJA MENOR DO QUE A OBRA

Todos metem sua colher, também vou meter a minha… Calma. Invoco essa paródia de Casemiro de Abreu, que ninguém mais lê, apenas para introduzir minha escolha sobre a sigla da Universidade Federal do Sul da Bahia. É que o tema, bem ao nosso estilo de trocar o atacado pelo varejo, caminha para se tornar mais substantivo do que a própria escola. Dito o que, informo aos que desta coluna tomarem conhecimento que minha preferência não é Ufesba, Ufsulba, UFSB ou UFSBA, mas um acrônimo ainda não sugerido: UFESB. Mas, quero deixar claro, pouco importa por qual sopa de letrinhas será identificada a Escola – ela é que nos importa – mesmo chamada por qualquer nome exótico. Para ficar coerente, vamos de Alobêned, que esta coluna disse (e repete!) ser “um furacão negro, uma monarca africana”.

 (O.C.)

ENEM 2013 JÁ TEM 6,3 MILHÕES DE CANDIDATOS; PRAZO DE INSCRIÇÃO ACABA HOJE

Uesc (foto) e Ufesba vão utilizar notas do Enem em 2014.

Uesc (foto) e Ufesba vão utilizar notas do Enem em 2014.

Os estudantes que desejam participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano têm até as 23h59min de hoje para fazer inscrição, no site do Enem (confira aqui). São exigidos dados do CPF e da carteira de identidade do participante. A edição deste ano já é a que possui o maior número de candidatos (6.342.250).

A taxa de inscrição custa R$ 35,00 e deve ser paga até a próxima quarta, 29. Ficam isentos os concluintes do Ensino Médio em 2013 ou inscritos que possuam renda per capita de até um salário mínio e meio (veja edital).

As provas do exame deste ano serão aplicadas nos dias 26 e 27 de outubro. As notas do Enem são usadas por instituições de ensino superior para acesso pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) ou Programa Universidade para Todos (Prouni). O Sisu é utilizado pelas instituições públicas, e o Prouni pelas faculdades privadas.

UESC E UFESBA UTILIZARÃO NOTAS DO ENEM

Os estudantes que desejam ingressar na Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) ou na Universidade Federal do Sul da Bahia (Ufesba) terão que fazer o Enem. Desde o ano passado, a Uesc já utiliza as notas do exame como forma de ingresso nos cursos de graduação.

A coordenação de implantação da Ufesba publicou nota oficial, no início deste mês, orientando a inscrição no Enem para aqueles que planejam estudar na universidade. O projeto de lei da Ufesba foi aprovada pelo Congresso Nacional no início deste mês e aguarda sanção da presidente Dilma Rousseff. A coordenação trabalha para que a aula inaugural ocorra já em 2014.

Após a sanção presidencial, começarão os trâmites para realização de concurso a fim de contratar professores e servidores administrativos para a Ufesba, num total de 1,2 mil funcionários. A universidade terá campi em Itabuna, onde funcionará a reitoria, Porto Seguro e Teixeira de Freitas. A área do campus de Itabuna ainda não foi definida.

GREVE À VISTA NA UESC

Professores da Uesc e das demais universidades estaduais ensaiam greve.

Professores da Uesc e das demais estaduais podem entrar em greve.

Os professores da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) participam de assembleia na próxima sexta, 24, às 10h, para avaliar o andamento das negociações de reajuste salarial com o governo baiano. Por enquanto, dirigentes da Adusc, a associação de docentes da Uesc, avaliam que o comportamento do governo nas negociações está empurrando os professores par a greve.

O humor da categoria não é dos melhores depois que o governo voltou à estaca zero nas negociações, mesmo com os docentes das universidades estaduais reduzindo o percentual reivindicado – de 28% para 24% – e novo calendário de incorporação da CET (Certificação das Condições Especiais de Trabalho).

A assembleia será no auditório do pavilhão do curso de Direito.

NESEP PROMOVE CICLO DE DEBATES

uesc 2O Núcleo de Estudos Sociedade, Educação e Políticas Públicas (Nesep), da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), promove ciclo de debates, na próxima terça, 14. Fernando Tula Molina e Gesil Amarante participam de mesa redonda com o tema Políticas Científica e Tecnológicas e Práticas Cidadã, a partir  das 19h, no auditório de Direito, no campus da Uesc.

Fernando Molina abre a série com a abordagem “A responsabilidade tecnológica: um desafio contemporâneo”. Gesil Amarante falará sobre “Inovação tecnológica e cidadania”.

As inscrições podem ser feitas no local.

PIMENTA DO DIA

Comentário do leitor Sérgio Oliveira à nota do assalto a um ônibus da Rota que fazia a linha Itabuna-Salobrinho(Uesc), ontem.

Pouco antes desse horário do assalto, relatado no post, eu passei pelo Posto Policial (TOR), retornando da Uesc, de carro, após ter ministrado aulas, e pensei comigo mesmo: Por que o Posto Policial está fechado, em plena tarde, parecendo até mesmo estar desativado?

Se o referido Posto estivesse em atividade, talvez facilitasse a prisão dos assaltantes, ou mesmo teria inibido a ação dos mesmos!

A falta de Segurança Pública no nosso estado, definitivamente, passa por falta de inteligência – e de estratégia!

A “ousadia” dos bandidos passa pela ausência do estado!

PREAFRO TEM AULA INAUGURAL HOJE

A aula inaugural do curso Pré-Universitário para Afrodescendentes (PreAfro) será nesta sexta-feira, 3, às 19h, no auditório do Sindicato dos Comerciários de Itabuna, na Avenida do Cinquentenário.

As aulas do PreAfro serão ministradas de segunda à sexta, das 19h às 21h30min, nos núcleos da Escola Ubaldo Dantas (Califórnia) e Escola Dom Ceslau Stanula (Maria Pinheiro).

Egnaldo França, do Grupo Encantarte e idealizador do pré-universitário, diz que todos os educadores do PreAfro são voluntários, a maioria ex-alunos do projeto. O PreAfro aprovou 125 estudantes na Universidade Estadual de Santa  Cruz (Uesc), além de aprovação em mestrados na Uesc, Unicamp e Ufba.

 

UESC DIVULGA NOVA LISTA DO SISU

Campus da UESCA Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) divulgou a nona lista de aprovados pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O convocado deve confirmar matrícula na próxima quinta, 2, no horário das 8h às 12h e das 13h às 16h no colegiado do curso no qual foi aprovado, no campus da universidade.

A lista traz aprovados nos cursos de Ciência da Computação, Biologia, Economia (matutino e noturno), Comunicação, Engenharia de Produção, Medicina e Medicina Veterinária. Confira a relação completa clicando no “leia mais”, abaixo.

:: LEIA MAIS »

ESCOLA DEBATE HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA

abril indígena curumimA Escola Curumim promove, nos dias 29 e 30, na Universidade Estadual deSanta Cruz (Uesc), um debate sobre a lei nº 11.645, que insere no currículo escolar o estudo da história e da cultura indígena.

O encontro, denominado “Abril Indígena – Seminário I”, será aberto às 19 horas da segunda-feira (29), com uma conferência da professora Maria Rosáriode Carvalho, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), tendo logo após a apresentação de dança sagrada dos indígenas, com a participação das diversas etnias.

Até o fim da tarde da terça-feira, 30, haverá participações de outros especialistas, como o antropólogo Hugo Prudente, também da UFBA, a professora Rosilene Tuxá, representando a Secretaria Estadual da Educação, e osprofessores Carlos José, Agnaldo Pataxó e Elbert Almeida.

De acordo com o professor Jorge Luiz Batista dos Santos, um dos coordenadores do Abril Indígena, “o evento reafirma, no mês em que se comemora o Dia do Índio, a necessidade de se entender essa cultura que integra a identidade étnica nacional, mas que costuma ser comemorada de forma folclórica”.

A inscrição custa R$ 30,00 para professor e R$ 15,00 para outros interessados. A taxa deve ser paga no Banco do Brasil, agência 3175-5, conta-corrente 9043-3.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia