WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘Whatsapp’

ÁRVORE DE NATAL DE 8 METROS DA BURITI É ATRAÇÃO NA AVENIDA JURACY MAGALHÃES

Árvore de Natal de 8 metros de altura é atração na Juracy Magalhães

Uma árvore de Natal de 8 metros de altura rapidamente está se transformando em atração da filial das Lojas Buriti na Avenida Juracy Magalhães, no Alto Maron, em Itabuna, antes mesmo de ser concluída a montagem. A árvore está sendo montada e decorada no estacionamento da loja e ainda tem a Casinha de Papai Noel. O trabalho deve ser concluído neste domingo (9).

O diretor comercial das Lojas Buriti, Mauro Ribeiro, diz que a árvore e o espaço ambientado foi pensado para envolver o comércio de Itabuna e região no clima natalino, época que aquece as vendas e favorece as confraternizações.

– Nós somos responsáveis pela cidade e região que vivemos, e pensamos em fazer a nossa parte. A árvore está ficando linda e gigantesca. Proporcionaremos um Natal com mais beleza e esperamos que seja um espaço visitado por todas as famílias. O clima do Natal, por si, já é contagiante – destaca Mauro.

Nas redes sociais, a árvore é um dos assuntos neste domingo. Quem passa em frente à loja, fotografa, filma e compartilha em mídias digitais como o WhatsApp ou mesmo Facebook e Instagram.

BB INICIA SERVIÇOS DE TRANSAÇÕES FINANCEIRAS PELO WHATSAPP

Correntista do BB poderá fazer transações pelo WhatsApp

Clientes do Banco do Brasil (BB) agora podem fazer transações financeiras por meio do WhatsApp. Ao todo, 11 tipos de serviços podem ser realizados pelo aplicativo de mensagens. O banco está liberando a novidade para cerca de 500 mil clientes a cada semana, mas a ferramenta estará disponível a todos os correntistas nas próximas semanas.

De acordo com o BB, as seguintes transações estão disponíveis por meio do WhatsApp: transferências, consulta do código Iban (que indica o número de conta internacional), recarga de celular, liberação de cartão, saldo de conta-corrente, extrato de conta-corrente, saldo de poupança, extrato de poupança, extrato de fundos de investimento, rastreio de cartão e emissão de fatura de cartão.

Desde junho, o banco oferece consultas pelo WhatsAp e pelo Twitter. Agora, a ferramenta foi expandida para transações financeiras. Todas as operações são executadas por meio de um sistema de inteligência artificial. Segundo o Banco do Brasil, as transações são seguras porque são criptografadas de ponta a ponta.

Para acessar o Banco do Brasil no WhatsApp, é necessário apenas salvar o telefone (61) 4004-0001 no celular e iniciar uma conversa. No caso de consultas, o banco envia um código de confirmação por meio de notificações push ou por SMS. Para as demais transações, o cliente também deverá digitar a senha, antes de receber uma resposta em texto confirmando a transação. Se houver necessidade de atendimento humano, o cliente será encaminhado a um funcionário do banco.

COMO O WHATSAPP MOBILIZOU CAMINHONEIROS, DRIBLOU O GOVERNO E PODE IMPACTAR ELEIÇÕES

A convocação e os cards para a mobilização dos caminhoneiros || Fotomontagem BBC Brasil

Da BBC Brasil

A greve dos caminhoneiros, que interditou milhares de trechos de rodovias em todo o país ao longo de dez dias, é a maior mobilização mundial já feita pelo WhatsApp, dizem Yasodara Córdova, pesquisadora da Escola de Governo de Harvard, nos Estados Unidos, que estuda como os governos lidam com a Internet, e Fabrício Benevenuto, professor de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pioneiro na pesquisa de conteúdos compartilhados em grupos de WhatsApp. “A mobilização ocorre por motivos sociais. As redes dão uma vazão a esses sentimentos”, diz Yasodara.

“Na quarta-feira antes da greve, o (preço do) diesel aumentou. Desci para Santos para levar carga. Quando voltei, o diesel já tinha aumentado. Na sexta, aumentou de novo. A galera se comunicou no WhatsApp e falou: não está dando mais”, lembra o caminhoneiro Moisés de Oliveira, que ficou parado na Rodovia Régis Bittencourt, em São Paulo, onde ajudou a organizar um grupo de grevistas, sempre com o celular à mão.

A essência do trabalho do caminhoneiro é circular. Isso facilitou que as mensagens se espalhassem rapidamente por diferentes pontos do Brasil. “A gente viaja o Brasil inteiro e vai conhecendo outros caminhoneiros. Quando chega no posto para dormir, a gente conversa, troca o (número de) WhatsApp. Aí, quando chegou a greve, já havia vários grupos montados e a gente distribuiu a informação”, diz Oliveira, de 40 anos, 22 anos deles passados atrás do volante do caminhão.

A greve dos caminhoneiros atingiu todo o país || Foto Agência Brasil

“O Whatsapp facilitou demais a nossa comunicação. Antes, a gente era desconhecido (um do outro). Agora, o pessoal faz um vídeo e, em dois minutos, já espalhou pelo Brasil”, completa. “A gente não é envolvido com partido político nenhum. Mas a gente tem a nossa logística”.

Na última quinta-feira, apesar de já não haver mais pontos de interdição nas estradas, segundo a Polícia Rodoviária Federal, os apelos pela continuidade da greve não haviam parado de circular pelo WhatsApp. Eram desde pedidos para caminhoneiros irem até Brasília, para que ficassem parados em casa, até convocações de protestos nas cidades. Confira íntegra da reportagem da BBC.

BANDIDOS USAM NOME DO DETRAN-BA PARA APLICAR GOLPE VIA WHATSAPP

Detran alerta para golpe por meio de aplicativo

O Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran)  informou, nesta segunda-feira (26), que a sua Ouvidoria  registrou denúncias de usuários que receberam mensagens via whatsApp, em nome de pessoas se passando por funcionários públicos. Durante o contato, os bandidos apresentam oferta de vantagens na realização de procedimentos de trânsito, mediante o pagamento em dinheiro.

Segundo a direção do Detran-BA , trata-se de um golpe praticado por uma quadrilha que atua também em outros estados.  A autarquia alerta que não entra em contato com o cidadão por meio das redes sociais, e-mail, whatsApp ou ligação telefônica, para oferecer facilidades em serviços, como a liberação de veículos removidos em blitzen.

O departamento comunicou o crime à Secretaria de Segurança Pública (SSP), que está investigando o caso. O Detran  alerta para que os cidadãos busquem os serviços do órgão somente por meio dos canais de comunicação oficiais.

O usuário tem à disposição o call center, pelo telefone (71) 3535-0888, portal na internet, o aplicativo para smartphones Detran.BA Mobile e WhatsApp, que funciona com respostas automáticas, pelo número (71) 9 9978-4858. Em caso de dúvidas, a pessoa deve se dirigir às unidades de atendimento do órgão, na capital e no interior.

“É CILADA, BINO”: GOLPE NO WHATSAPP PROMETE CUPOM DE DESCONTO NO BURGER KING

Novo golpe pelo WhatsApp promete cupom de desconto no Burger King

Um novo golpe com um cupom de desconto para a rede de fast-food Burger King circula no WhatsApp. A mensagem propagada no aplicativo promete um suposto desconto de 50 reais e leva as pessoas a uma página falsa de cadastro para capturar os dados pessoais das vítimas.

Após o preenchimento do formulário, como em diversos outros golpes semelhantes, uma mensagem aparece pedindo que a promoção falsa seja compartilhada com 10 amigos ou três grupos para que o desconto seja liberado.

Um golpe semelhante a esse já circulou pelas mensagens do WhatsApp em 2016.

De acordo com a companhia de segurança digital PSafe, o golpe já atingiu 350 mil brasileiros.

Se você procura cupons de desconto, vale notar que o próprio Burger King tem um app (Android e iPhone) para isso e outras empresas, como a Cuponeria, oferecem apps com descontos baseados em geolocalização.

Para evitar golpes como esse relacionado ao Burger King, a empresa de segurança digital Eset recomenda o seguinte:

– Use uma solução de segurança no smartphone;
– Não clicar em links estranhos ou suspeitos recebidos por mensagem;
– Não fornecer dados pessoais a fontes não confiáveis;
– Não instalar apps de fontes não oficiais;
– Não compartilhar mensagens suspeitas.

Da Exame

GUIA ENSINA A VENDER MAIS PELO WHATSAPP

Guia ensina a vender mais pelo WhatsApp.

Guia ensina a vender mais pelo WhatsApp.

O potencial de vendas pelo WhatsApp se revela nos números de usuários da plataforma que, só no Brasil, supera 100 milhões, ou seja, 1 a cada 2 brasileiros faz uso dele. Pensando em orientar os empreendedores diante desse modelo a mais de oportunidade, as Unidades de Mercados do Sebrae Bahia e do Rio Grande do Norte desenvolveram o guia virtual “Como vender mais pelo WhatsApp, disponível aqui.

Uma das dicas para garantir sucesso no uso do aplicativo é solicitar dos clientes o contato de celular e, em seguida, elaborar um pedido gentil para adicioná-lo no WhatsApp de uso exclusivo para a empresa e, então, desenvolver estratégias de como conquistar sua atenção.

Analista da Unidade de Acesso a Mercados do Sebrae, Bahia Diógenes Silva orienta a oferta de atendimento personalizado. “Educadamente, o vendedor ou pessoa responsável pelo canal WhatsApp se apresenta ao cliente e se identifica, oferece produtos de acordo com a última compra realizada pelo cliente e encaminha um código para que ele tenha pequenos descontos”, detalha. “Dependendo da resposta do cliente, é possível que, com o tempo, seja criada uma relação de confiança”.

Outra possibilidade com o WhatsApp é, segundo ele, a divulgação do lançamento de novos produtos e eventos. No caso de produtos com giro baixo, pode ser uma promoção para clientes de uma lista específica, visando fidelizá-los. “É importante ter cuidado com a qualidade das fotos e vídeos, utilizar fundos adequados, posições claras que tornem o produto visível e valorizado. Também é recomendado que o conteúdo utilizado seja objetivo e curto, para que a atenção do cliente não seja dispersada”, acrescenta Diógenes.

Divulgar o número do WhatsApp em outras redes sociais e em cartões impressos é uma boa alternativa para donos de pequenos negócios, pois clientes com interesse em consumir o conteúdo da empresa adicionam o contato de forma espontânea. “Uma sugestão é pedir que, ao adicionar o contato da empresa, os clientes se apresentem com algum código promocional de um certo produto, pois, dessa forma, a empresa tem controle dos clientes que têm seu contato”, explica o analista.

O empreendedor pode criar também a Listas de Transmissão, um recurso que enviará a mesma mensagem individual para todos os contatos selecionados, sem que os destinatários sejam revelados. Segundo Diógenes, uma das vantagens desse recurso é a possibilidade de segmentar os clientes de acordo com o perfil de cada um ou tipo de relacionamento. “Assim, sempre que a empresa quiser lançar, por exemplo, uma promoção para quem visitou a loja uma única vez, ela pode acessar uma lista. Ou sempre que quiser mandar promoções de produtos femininos, pode segmentar as mulheres”, conta.

Uma dica essencial está no tempo de resposta aos clientes. Por ser uma ferramenta de mensagem instantânea, o ideal é ser hábil no intervalo de interação com o público, mas sem enviar muitas mensagens, evitando, assim, ser desagradável e comprometer a imagem da marca. Nesse quesito, o WebWhatsApp pode contribuir, já que é possível acessar todas as mensagens do WhatsApp por um notebook ou desktop.

BOMBANDO NA REDE

IMG-20170128-WA0025
Foragido da Justiça e fichado pela Interpol, Eike Batista bomba nas redes e mídias digitais estampando embalagem de escondidinho daquela marca famosa. A montagem é de autoria desconhecida.

PRESIDENTE DO STF DERRUBA BLOQUEIO DO WHATSAPP

lewandowskiO presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, decidiu derrubar a decisão da Justiça do Rio de Janeiro que suspendeu o serviço do aplicativo de troca de mensagens WhatsApp. O aplicativo deve voltar a funcionar após as operadoras de telefonia serem notificadas da decisão. O pedido liminar, feito pelo PPS, foi encaminhado para o presidente da Corte devido ao período de recesso de julho no tribunal.

Na decisão, Lewandowski entendeu que a suspensão do serviço do aplicativo viola o princípio constitucional da liberdade de expressão e de comunicação. Além disso, o ministro também cita que intimações judiciais são emitidas por meio do aplicativo.

O bloqueio do WhatsApp foi determinado hoje (19) pela juíza Daniella Barbosa Assumpção de Souza, da 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias. Na decisão, a magistrada alegou que o aplicativo descumpriu decisão judicial de interceptar mensagens postadas para uma investigação criminal. Essa é a terceira vez que o WhatsApp é suspenso no país.

Após a decisão, Facebook, que é proprietário do aplicativo WhatsApp, alegou que não poderia cumprir a decisão porque as mensagens são criptografadas e, portanto, não acessíveis. Desde abril deste ano, o WhatsApp começou a adotar o recurso de segurança chamado criptografia de ponta-a-ponta. Com informações da Agência Brasil.

DESPEDIDA DO WHATSAPP

Cel artigo 2016Celina Santos | celinasantos2@gmail.com

 

Há casos de quem não consiga separar-se do celular sequer para ir ao banheiro. Duas ou mais pessoas chegam a conversar pelo “Whats” estando numa mesma casa.

 

O bloqueio do WhatsApp durante 24 horas esta semana – um terço do tempo inicialmente determinado pela Justiça – levanta uma série de questões para serem pensadas pelos 100 milhões de usuários do aplicativo no Brasil. A primeira diz respeito ao comportamento das pessoas diante das redes sociais, sendo o “zap” (como é carinhosamente apelidado) o mais usado.

Por mais que se reconheçam as vantagens de uma comunicação instantânea, nessa era da velocidade, e o uso do programa até para fins profissionais, é impossível negar que muitos estejam nutrindo certa dependência. A ponto de, muitas vezes, deixarem de perceber o ambiente real em volta, para alimentar primeiro as relações virtuais.

É possível conviver com gente já incapaz de travar um diálogo “cara a cara” por cinco minutos, sem abaixar as vistas para olhar o celular – leia-se WhatsApp. Também se tornou comum ver grupos de amigos (e até casais!) reunidos em bares e restaurantes, estando cada um em seu respectivo aparelho telefônico. Tem, ainda, os encontros – e reencontros – presenciais em que a maior parte do tempo é consumida na postagem de fotos nas redes.

Há os casos de quem não consiga separar-se do celular sequer para ir ao banheiro. Outra estranha, mas frequente rotina: Duas ou mais pessoas chegam a conversar pelo “Whats” estando numa mesma casa. Sem falar, já que o assunto é a residência, no quanto as famílias deixam de bater papo e de “compartilhar” a vida no sentido não virtual da palavra.

São muitos os exemplos que poderiam traduzir uma nociva realidade envolvendo todos nós: existe uma legião de presentes-ausentes. Estamos tratando de uma multidão solitária, pois há um embarque no mundo virtual, muitas vezes em detrimento do real. A manhã que prenunciou a “despedida” temporária do WhatsApp refletiu o desespero de usuários que se diziam viciados no aplicativo. Certamente foi um dia que pareceu mais longo para a maioria dos citados 100 milhões.

Resta saber qual é o caminho de volta, quando o sujeito se der conta de que tem deixado o tempo passar estando um tanto anestesiado diante da tela touch screen do smartphone. O episódio da segunda suspensão do “zap” merece uma ponderação sobre a forma como lidamos com as redes. Ou se, ao contrário, estamos sendo apenas “pescados” por elas, sem a autonomia apontada como trunfo do internauta desde que a web se popularizou.

Uma ressalva: para além do comportamento, é mesmo inadmissível que a empresa se negue a contribuir com investigações de crimes que utilizam o WhatsApp como instrumento. Obviamente, a privacidade dos usuários precisa ser preservada – mas a exceção é mais do que legítima se tal pessoa estiver se valendo dessa tecnologia para afetar a coletividade. No caso do crime em questão – o tráfico de drogas –, todos sabem o quanto ele alimenta a violência, evidente no alto índice de assassinatos Brasil afora.

 

Celina Santos é pós-graduada em Jornalismo e Mídia e Chefe de Redação do Diário Bahia.

ALTERNATIVA À ABSTINÊNCIA DO “ZAP”

Telegram vira alternativa

Telegram vira alternativa

Diante do bloqueio do WhatsApp por determinação judicial (ver nota abaixo), usuários do aplicativo buscam alternativas para evitar uma síndrome de abstinência.

A principal alternativa é o Telegram, um similar também gratuito e que supre perfeitamente a lacuna deixada pelo “zapzap”, apelido carinhoso do aplicativo bloqueado no Brasil.

Desde ontem, acredita-se que milhões de pessoas baixaram o Telegram e outros substitutos em seus smartphones. Também se popularizam aplicativos como VPN, que driblam o bloqueio judicial e viabilizam o uso do próprio WhatsApp.

JUSTIÇA SERGIPANA MANTÉM BLOQUEIO DO WHATSAPP

whatsappO Tribunal de Justiça de Sergipe negou recurso do WhatsApp e manteve decisão em primeira instância que bloqueou o aplicativo por 72 horas, a contar do início da tarde de ontem (2). A ação atinge as operadoras Tim, Oi, Vivo, Claro e Nextel, que juntas detém mais de 100 milhões de clientes.

Ao analisar o recurso, o desembargador Cezário Siqueira Neto justificou que o WhatsApp “nunca se sensibilizou em enviar especialistas para discutir com o magistrado e com as autoridades policiais interessadas sobre a viabilidade ou não da execução da medida. Preferiu a inércia, quiçá para causar o caos, e, com isso, pressionar o Judiciário a concordar com a sua vontade em não se submeter à legislação brasileira”.

A decisão foi tornada pública na madrugada de hoje. No último dia 26, o juiz Marcel Montalvão, havia determinado o bloqueio, que começou a valer ontem. Atendia pedido da Polícia Federal em inquérito que investiga o tráfico de drogas.

JUIZ USA O WHATSAPP PARA FAZER JUSTIÇA

whatsappO juiz Djalma Moreira Gomes Júnior se valeu do aplicativo WhatsApp para comunicar a uma vítima a decisão quanto a medida protetiva depois que ela foi ameaçada pelo companheiro. Titular da 2ª Vara de Mococa, o magistrado usou o aplicativo no feriado do último final de semana, após a mulher fugir de casa com o filho de 9 anos, informa o Estadão.

A vítima denunciou o marido e acionou a polícia e o Ministério Público, que obteve medidas protetivas com base na Lei Maria da Penha. E, como havia risco para a vítima, o juiz mandou remeter cópia da decisão à mulher. O atendimento foi realizado no plantão judiciário do feriadão.

De acordo com o juiz Djalma Moreira Gomes Júnior, a intenção da vítima era fazer a denúncia e dormir na rua para, no dia seguinte, viajar até a casa de sua mãe, em outro município.

Ele então proibiu o homem de manter qualquer tipo de contato com a mulher e que respeite distância mínima de 200 metros. Determinou ainda que o não cumprimento das medidas implicará prisão preventiva.

LIDA
Por saber que a mulher estaria viajando para ficar com a mãe, o juiz determinou que ela recebesse cópia da decisão pelo aplicativo WhatsApp. Um escrevente enviou o documento e, depois, encaminhou para o magistrado a resposta da vítima, confirmando a leitura da mensagem.

Através do Tribunal de Justiça, o magistrado declarou que situações como essa “dão um especial sentido à Justiça e ao seu valoroso plantão judiciário”.

NÃO SOMOS “ANJOS” NEM “DEMÔNIOS”. SOMOS A GERAÇÃO “Y”…

Elton OliveiraElton Oliveira | srelton@hotmail.com

 

Um bom exemplo de quebra de paradigma é a eleição de Barak Obama à presidência dos Estados Unidos da América (EUA). Quando ele anunciou sua pretensão de se tornar candidato, a maioria das pessoas não o levou a sério.

 

A mais célebre representante da Geração “Y” é a mais jovem ganhadora da história do Prêmio Nobel da Paz, a paquistanesa Malala Yousafzai, que ganhou em 2014 o prêmio ao lado do indiano Kailash Satyarthi, de 60 anos. A paquistanesa de 18 anos é ativista dos direitos das mulheres e meninas para terem amplo acesso à educação.

Malala ficou mundialmente conhecida após ter sobrevivido a uma tentativa de homicídio empreendida pelo grupo radical talebã, porque queria frequentar normalmente aulas em uma escola. A palavra de ordem da Geração “Y” é o “Ativismo”. Neste presente artigo, trataremos de como os pertencentes à tribo “Y” compreendem Liderança.

Assim definimos a Geração “Y”: como sendo os nascidos após o ano de 1978, conhecidos como a geração da Internet. Imediatistas, buscam significados para a vida, são focados em valores éticos, valorizam o aprendizado e as relações sociais. Conferem relevância insubstituível à velocidade e agilidade. São “multitarefas” e conseguem ouvir música, assistir à TV digital, ler notícias na internet, responder às redes sociais e ainda são capazes de captar uma conversa ao redor.

Também, a Geração “Y” inovou a maneira de se fazer marketing. Não são fiéis a marcas, convivem em tempo integral com instrumentos virtuais e consideram a novidade muito mais importante do que a necessidade. Substituem os livros pelos computadores, preferencialmente móveis. A internet é tão comum para a Geração “Y” quanto as bancas de jornais, bibliotecas e sebos eram para as gerações que a precederam.

Pensando um pouco nas eleições de 2016 e no primeiro voto de muitos integrantes da Geração “Y”, além da utilização do aplicativo de celular Whatsapp que caiu nas graças desse nicho de eleitores. A pergunta que não quer calar é como a Geração “Y” pensa liderança. Num passado recente, ser um líder era algo tão simples quanto a definição do Dicionário Aurélio para a palavra: “chefe e/ou guia”. Ou ainda, do Dicionário Houaiss: “indivíduo que tem autoridade para comandar ou coordenar outros”.

As definições de liderança citadas acima se referem ao modelo aprendido por aqueles de nós que têm mais de quarenta anos. Um modelo que nos foi apresentado na infância pelos nossos pais, a quem chamávamos de senhor e senhora os quais temíamos desobedecê-los e não nos atrevíamos a questionar.

O mesmo modelo pode ser encontrado, também, no relacionamento com os professores e, mais tarde, com os gestores que tivemos no começo da trajetória acadêmica e profissional. Por tudo isso, para nós, liderança tornou-se algo que poderia ser traduzido como “manda quem pode e obedece quem tem juízo”.

:: LEIA MAIS »

FALHA PERMITE “ROUBAR” CONVERSAS NO WHATSAPP

whatsappUm estudante de 19 anos descobriu uma falha que permite “roubar” conversas do WhatsApp. O marroquino Ahmed Lekssays, que cursa o primeiro ano de engenharia na Universidade Al Akhawayn, afirmou que a brecha existe nos aplicativos baixados em celulares iPhone. Além das mensagens trocadas em privado, o estudante conseguiu extrair todos os contatos salvos no aplicativo.

O problema foi descoberto há um mês, durante a realização de um “teste de intrusão”. Segundo o estudante, foi possível acessar conteúdos até mesmo em aparelhos bloqueados. A falha já foi comunicada ao Whatsapp.

Essa não é a primeira vez que o estudante descobre brechas e tem acesso a informações secretas de aplicativos. Ele também encontrou uma falha no Twitter, que permitia acessar as contas de quem usava o app no iPhone. Informações do Correio.

DILMA DESMENTE BOATO DE INTERNAÇÃO

Dilma desmente boato (Foto Reprodução).

Dilma desmente boato (Foto Reprodução).

A presidente Dilma Roussseff desmentiu hoje (22) o boato que circulou ontem pela rede de mensagens WhatsApp de que estivesse internada em um hospital. Após o lançamento do Plano Nacional de Agricultura Familiar, a presidente fez questão de se aproximar dos jornalistas para negar as informações.

“Eu vim falar com vocês hoje, apesar de não ter tempo, porque me disseram, há pouco, que corria o boato de que eu estava internada. Vocês acham que eu estava?”, perguntou Dilma, que concluiu a conversa mandando um beijo para os jornalistas.

Dilma disse que não daria entrevista porque tinha um telefonema internacional para fazer. Informações da Agência Brasil.

JUIZ MANDA SUSPENDER WHATSAPP NO BRASIL

whatsappO Núcleo de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí confirmou a existência de uma ordem judicial que exige a suspensão do aplicativo WhatsApp em todo o território nacional.

Mesmo tendo caráter sigiloso, a decisão do juiz Luiz de Moura Correia, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina, tomada no dia 11 de fevereiro, vazou na internet nesta quarta-feira (25).  O serviço não foi interrompido ainda porque os provedores teriam entrado com recurso na Justiça contra a decisão de Correia.

A sentença, segundo esclareceu o Núcleo de Inteligência, foi expedida em virtude de anterior descumprimento judicial do WhatsApp. Como as ações correm em segredo de justiça, não foram revelados os tipos de descumprimentos, mas, como aponta o órgão, estão baseadas em infrações referentes ao Marco Civil da Internet.

As referidas decisões tiveram início em 2013, mas até a presente data os responsáveis pelo WhatsApp não acataram as ordens judiciais. A suspensão atinge os domínios whatsapp.net e whatsapp.com. Segundo a sentença, os provedores devem garantir a “suspensão do tráfego de informações de coleta, armazenamento, guarda e tratamento de registros de dados pessoais ou de comunicações entre usuários do serviço e servidores do aplicativo”. Leia mais no Uol.

WHATSAPP VIRA ALVO DE CRACKERS

whatsappDo A Tarde

O aplicativo Whatsapp se tornou um dos principais alvos de crackers (pessoas que quebram um sistema de segurança de forma ilegal ou sem ética) de smartphones, por conta do seu crescimento em número de usuários – segundo a própria empresa, são cerca de 25 milhões de novos adeptos por mês.

“Toda a ferramenta que é muito utilizada acaba chamando a atenção dos usuários maliciosos e não é diferente com o WhatsApp”, aponta o especialista em segurança da informação Rovercy de Oliveira, em entrevista ao site Uol.

Apesar da vulnerabilidade em relação aos invasores, os usuários podem adotar medidas para manter o Whatsapp longe de possíveis ataques. Confira algumas destacadas pelo especialista:

– Instale um antivírus e o mantenha atualizado: a medida permite que o celular fique protegido de invasões como vírus, vulnerabilidades no sistema e programas que executam anúncios sem permissão, entre outros;

Apague as conversas periodicamente: além de eliminar o histórico das conversas pessoais, também é recomendado desabilitar a opção que salva fotos e vídeos automaticamente e evitar transmitir informações sigilosas pelo aplicativo;

– Não receba arquivos de desconhecidos: não baixe conteúdos de origem desconhecida nem propague mensagensque podem conter vírus;

– Tenha cuidado com os grupos: conteúdos compartilhados nos grupos podem estar infectados sem que os outros membros percebam. O ideal é evitar este tipo de compartilhamento;

– Não compartilhe imagens comprometedoras: não divulgue fotos íntimas no aplicativo, pois elas podem cair em mãos erradas ou servir de vingança por algum conhecido;

– Cuidado com as redes públicas de Wi-FI: evite utilizar estas redes, que oferecem riscos para o compartilhamento de informações pelos aplicativos e internet de modo geral;

– Bloqueie o smartphone: adote uma senha de acesso para se proteger das invasões que podem ser feitas de forma presencial.

WHATSAPP “ENTREGA” TRAFICANTE QUE TENTOU EXTORQUIR EX-PREFEITO NA BA

Polícia chegou a Maurício dos Santos por meio do WhatsApp (Foto Divulgação).

Polícia chegou a Maurício dos Santos por meio do WhatsApp (Foto Divulgação).

O traficante Maurício dos Santos, o “Budel”, de 30 anos, foi preso, ontem (24), por policiais do Grupo Especializado de Repressão aos Crimes por Meios Eletrônicos (GME), que investigavam denúncia de extorsão feita a Aldemir Moreira, ex-prefeito de Jaguaquara, no sudoeste baiano. “Budel” foi localizado na Fazenda Grande I, em Salvador, flagrado com dez trouxas de maconha. Uma equipe da Delegacia de Repressão ao Estelionato e Outras Fraudes (Dreof) prestou apoio à ação.

As investigações foram iniciadas em 18 de setembro, quando Aldemir Moreira registrou queixa no GME, informando que, dois dias antes, o criminoso, até então não identificado, ligou para o seu celular ameaçando matar seus familiares, caso a quantia de R$ 20 mil não fosse depositada numa conta bancária fornecida por ele. As ameaças incluíam mensagens de texto encaminhadas ao celular da vítima.“Budel” chegou a diminuir o valor exigido para R$ 3 mil, mas não foi atendido.

O celular do ex-prefeito foi periciado e, por meio de uma foto existente numa conta do WhatsApp, o GME obteve uma pista sobre quem seria o criminoso. Ao investigar a conta bancária, descobriu-se que pertencia a um amigo do traficante. Ouvido pela polícia, o titular da conta informou que forneceu seus dados bancários para Maurício, que alegou precisar receber um dinheiro que lhe era devido.

O amigo também informou aos policiais que Maurício poderia ser encontrado na Fazenda Grande I. Depois de preso, “Budel” confessou que encontrou o nome e o número do telefone do ex-prefeito na agenda de um celular usado, comprado de um desconhecido. Ele disse ainda que teve a ideia de praticar a extorsão depois de pesquisar na Internet sobre quem era Aldemir Moreira.

Autuado em flagrante por tráfico de drogas, Maurício será ouvido, nos próximos dias, pelo titular do GME, delegado Charles Leão. A polícia vai investigar se ele também extorquiu outras pessoas cujos nomes constam na agenda do celular que foi apreendido. “Budel” já foi encaminhado ao Núcleo de Prisão em Flagrante (NPF), na Mata Escura.

HUMOR: ESSE TAL DE ZAPZAP…

Senhor Epaminondas Gustavo, lá do Pará, não sabe mais a quem recorrer. Os filhos estão, segundo ele, encegueirados nesse negócio de Zapzap. “Já não se estuda, não se trabalha, não faz mais nada. Eu digo, larga disso, cão”.  Quem souber, que apresente uma saída para que Seu Epaminondas possa tirar os filhos desse “mau caminho”…

OS CARAI, A MÃE DESBOCADA E O WHATSAPP

Pais que têm – e sustentam – filhos universitários morando fora sabem bem como é o drama. A turma d´OsCarai-BA sintetizou “a coisa” com boa dose de humor e sem esquecer de um novo recurso para economizar na hora de ficar, digamos, por dentro das fofocas. Confira o vídeo hilário – e não indicado para menores de 14 anos…






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia