skip to Main Content
20 de fevereiro de 2020 | 04:53 am

BENTO.COM

Tempo de leitura: < 1 minuto
.

Bento 16 aconselha padres a entrarem no mundo digital, mas os exorta a apreciar com moderação

Por Deus, tenham um blog! A mensagem não é de nenhum nerd, ou de alguma celebridade que recém-aprendeu a digitar um endereço eletrônico. É de Sua Santidade, o papa Bento 16, e foi endereçada aos padres católicos de todo o mundo, hoje, pela passagem do Dia Mundial da Comunicação.

O objetivo do sacerdote é disseminar de maneira mais eficaz a mensagem de Deus numa sociedade cibernética. O problema é que Bento 16 é conhecido por não gostar de computadores nem de internet.

Há ainda os que dizem que ele poderia, no embalo, flexibilizar alguns dogmas, a exemplo da proibição do uso da camisinha e da pílula anticoncepcional entre os fiéis.

Mas isso não parece nem perto de acontecer. Para não passar uma ideia de ‘porteiras abertas no clero’, o santo padre tratou de frear seus comadados: “Os padres no mundo das comunicações digitais devem ser mais chamativos pelos seus corações religiosos do que por seus talentos comunicativos”.

ITABUNA JOGA PELA LIDERANÇA NO BAIANÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto
.

Um empate em Salvador e uma vitória em Ilhéus. É tudo o que o Itabuna sonha nesse domingo. Caso o embalado Bahia tropece no Vitória, o Azulino precisa ‘apenas’ vencer o Colo Colo para assumir a liderança isolada do Baianão 2010. Colo Colo x Itabuna será às 16 horas.

Por enquanto, apenas o Azulino e o Tricolor aparecem com 100% de aproveitamento (seis pontos em duas rodadas), mas o Bahia leva vantagem no saldo de gols.

O problema é que o Tigre ilheense está “mordido”, e joga pela sobrevivência no campeonato. Mas, como em futebol também tudo é relativo, talvez essa seja, justamente, a vantagem do Itabuna, que pode explorar o desespero do adversário.

Enfim, levando em conta as pretensões do Itabuna nesse campeonato e a realidade do adversário, esse é o jogão da rodada. Por outro lado, conhecendo a rivalidade que envolve a disputa de amanhã, espera-se que a segurança no estádio Mário Pessoa e arredores esteja à altura do clássico.

A CONDENAÇÃO DA ESCOLHA

Tempo de leitura: 3 minutos

70-mm

Final 3

Leandro Afonso | www.ohomemsemnome.blogspot.com

Muito tem se falado, com justiça, de Anna Muylaert e seu É Proibido Fumar (2009). Acessível à maioria sem apelar para imbecilização, ele é uma exceção simples e possível dentro das crônicas urbanas do cinema brasileiro atual. Assim como também é o primeiro filme de Muylaert: Durval Discos (idem – Brasil, 2002).

A história se passa em 1995, quando a defesa do vinil como mercado (independente do som) ainda não soa anacrônica. A resistência da loja que dá nome ao filme acompanha a trajetória de Durval (Ary França), envolvido em uma situação cujo desfecho tende a ser tudo, menos simples.

.

O roteiro de Muylaert parece ser tão interessante quanto difícil de fazê-lo palpável. Suas amarras por vezes têm a perfeita ligação do extraordinário com o banal, como a surpresa informada pela TV e que leva ao principal conflito do filme, mas em outras nem tanto – dando a impressão de que foram feitas por um fio menos convincente que necessário para a história acontecer.

Na primeira parte, as atuações parecem estar todas uma nota acima do tom, e embora exista aí uma sintonia, esse exagero quase teatral e que flerta com cômico não se encaixa tão bem com o rumo tomado pelo filme. Na segunda parte, quando um certo desespero casa com esse tom, o maior porém talvez seja uma reviravolta cuja morte envolvida parece difícil de engolir num pensamento mais racional. Por outro lado, como ser 100% racional numa situação tão inimaginável, e sem o devido tempo para se pensar?

O desfecho do filme traz uma melancolia que vai muito além, por exemplo, do fim dos discos de vinil como indústria – não soando apenas como a nostalgia pela nostalgia. É uma aflição que envolve a perda da inocência, e traz uma sensação de egoísmo compreensível e inerente ao ser humano, ainda que um ente deveras querido seja prejudicado – o que não é fácil de se dizer, mas Muylaert consegue. Nesse momento, antes de optar por um didatismo talvez desnecessário (e que ela evitou em É Proibido Fumar), ela tem delicadeza suficiente para deixar a tragédia ser completada pela cabeça de um. Ainda que mostre sinais de alguém que ainda pode evoluir (e o fez), também mostra a beleza de uma angústia que incomoda.
Durval Discos (idem – Brasil, 2002)

Direção: Anna Muylaert

Elenco: Ary França, Etty Fraser, Isabela Guasco, Marisa Orth

Duração: 93 minutos

Projeção: 2.35:1
Filme visto em DVDRip – Salvador, janeiro de 2010.

8mm

O Ouro do Globo

Não vi o Globo de Ouro (ô saudade da TV a Cabo…) mas, não tendo visto alguns filmes, odiei – Avatar e Se Beber, Não Case? Embora, por outro lado, depois do ano da maior crise econômica mundial em décadas, nada mais americano do que premiar filmes que, antes de qualquer outra coisa, ficaram marcados pelo retorno financeiro.

Filmes da semana:

1. Durval Discos (2002), de Anna Muylaert (DVDRip) (***)

2. Cartola – Música para os Olhos (2007), de Lírio Ferreira e Hilton Lacerda (DVDRip) (***)

3. Um Namorado para minha Esposa (2008), de Juan Taratuto (**1/2) (Cine Vivo)

4. Não, Minha Filha, Você Não Irá Dançar (2009), de Christophe Honoré (***) (Cinema da Ufba)

5. A Teta Assustada (2009), de Claudio Llosa (Cinemark) (**1/2)

6. Amor sem Escalas (2009), de Jason Reitman (Multiplex Iguatemi – cabine de imprensa) (**1/2)

7. O Franco Atirador (1978), de Michael Cimino (DVDRip) (**1/2)

Curtas:

1. A Padeira do Bairro (1963), de Eric Rohmer (DVDRip) (***)

2. O Encontro (2002), de Marcos Jorge (Porta Curtas) (**)

3. Vinil Verde (2004), de Kleber Mendonça Filho (Porta Curtas) (***)

4. Noite de Sexta, Manhã de Sábado (2007), de Kleber Mendonça Filho (Porta Curtas) (****)

______________

Leandro Afonso é comunicólogo, blogueiro e diretor do documentário “Do goleiro ao ponta esquerda”

SPARRING

Tempo de leitura: < 1 minuto
vieiraerenan

Vieira, alvo preferido de Renan.

Após ejetar o secretário de Saúde de Itabuna da sua chapa reeleitoral à provedoria da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, Renan Moreira parece ter tirado Antônio Vieira para “sparring”.

Estocadas em restrito e em público são direcionadas a Vieira – e devolvidas, naturalmente. A última delas foi desferida hoje, na TVI, durante o programa Fórum de Debates, apresentado pelo empresário e jornalista José Adervan. Ao analisar o ex-companheiro de provedoria, Renan atacou:

-É um excelente médico, mas péssimo administrador.

O telefone da emissora de tevê a cabo não parou de tocar – para alegria do apresentador e de convidados como Manuela Berbert e Paulo Lima.

POVO QUE NÃO SE EMENDA

Tempo de leitura: 2 minutos
O deputado Paulo Magalhaes 'inovou' ao prometer verba para estádio, dividida em três parcelas anuais

Paulo Magalhaes 'inovou' ao prometer verba para estádio, dividida em três parcelas anuais

Depois de ler aqui no Pimenta o comentário do provedor da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, Renan Moreira, sobre as promessas de emendas parlamentares de deputados em busca de apoio, graúdo integrante do governo Azevedo desabafou com este blogueiro: tudo não passa de golpe publicitário.

Ele, que já foi vítima de várias “emendas parlamentares”, diz que essa é a forma que os deputados encontraram para ganhar as manchetes na mídia, a um custo baixíssimo, principalmente às vésperas das eleições. “Eles estão fazendo isso, principalmente com prefeitos e secretários neófitos, pelo país afora”.

O esquema das emendas é simples: o deputado chega num município e, para garantir o apoio do prefeito e seus colaboradores nas próximas eleições, promete verbas para diversas obras. Mas fazem isso de acordo apenas com o desejo dos ingênuos prefeitos, sequer procuram saber se já existe projeto para as obras prometidas.

“Para que uma verba seja realmente garantida, o município deve ter um projeto cadastrado no Siconv (Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse), e o número do seu protocolo deve estar alienado à verba prometida”.

Ele diz que quando isso não é feito, o deputado pode movimentar a mesma verba – desde que no ministério de origem – por inúmeras cidades. Traduzindo: a mesma mentira pode ser contada em todo o estado.

Exemplo clássico: em novembro, o deputado Paulo Magalhães prometeu uma verba de R$ 1,2 milhão, dividida em três parcelas anuais de R$ 400 mil, para a construção do estádio amador de Itabuna.

O preposto da prefeitura observa que o simples fato de dividir a promessa em três anos já é motivo para desconfiança. “No mínimo ele está vinculando a liberação do dinheiro à sua reeleição. Porque as verbas se referem ao orçamento anual, não se acumulam”.

Resta ao eleitor se emendar e punir os golpistas nas urnas.

UNIVERSO PARALELO

Tempo de leitura: 8 minutos

“QUERO ASSISTIR AO SOL NASCER”

Ousarme Citoaian

.

A meu entender de ouvinte, nenhuma lista de melhores da MPB poderia excluir Antônio Carlos Candeia Filho, o Candeia (foto). Nascido em casa de bamba, criado a feijoada, caipirinha e partido alto, Candeia era autêntica liderança do samba, empenhado em manter a tradição. Reuniu pessoas, criou a Escola de Samba Quilombo e, publicou, em parceria, o livro Escola de samba, árvore que esqueceu a raiz. Policial com fama de truculento, recebeu um tiro na coluna e perdeu o movimento das pernas. A partir daí, sua produção passa a refletir um pungente diálogo com a fatalidade, sabendo ter a morte nas imediações. Em cadeira de rodas, amargurado, não saía de casa, não recebia ninguém, mas prosseguia na resistência: um verso seu diz “de qualquer maneira, meu amor, eu canto”. Pintura sem arte, Peso dos anos, Anjo moreno, Preciso me encontrar e Eterna paz são seus sambas mais notáveis. Morreu em1978, aos 43 anos.

GRITO QUE VEM DA ALMA

.

Pintura sem arte, que teve uma ótima gravação de Alcione (foto), a cantora que mais gravou Candeia. Nesse samba está escancarado o sofrimento do poeta, e seu orgulho, também ferido de morte: “Mas se é pra chorar/ Choro cantando/ Pra ninguém me ver sofrendo/ E dizer que estou pagando”. A cantora maranhense gravou também O mar serenou (que se tornara famosa na interpretação de Clara Nunes) e outras seis composições do sambista carioca. A obra-prima de Candeia, entretanto, é Preciso me encontrar – um lamento arrancado das entranhas do homem preso à tragédia irremediável: “Deixe-me ir/ Preciso andar/ Vou por aí a procurar/Rir pra não chorar”. O texto, muito bem escrito, é exemplo da boa regência do verbo “assistir” e correto emprego do infinitivo, onde tantos tropeçam: “Quero assistir ao sol nascer/ Ver as águas dos rios correr/Ouvir os pássaros cantar”. Mestre em MPB, sem dúvida.

Clique e saiba por que famosa estrela de música baiana tanto tentou ser Marisa Monte, sem êxito.

PostCommentsIcon Comente »

AOS MESTRES, COM (MUITO) CARINHO

.

Adoro listas (de músicas, filmes, livros, mulheres bonitas, políticos corruptos etc.), pela polêmica que tendem a provocar. Elas são, em geral, imperfeitas, na medida em que refletem o gosto pessoal de quem as fez, nem sempre alcançável pelo público a que se destina. Tenho em mãos a relação das Cem canções essenciais da MPB, que a revista Bravo! (foto) publicou há algum tempo. “Uma gracinha”, como diria aquela simpática loura do sofá (com todo respeito), que em outros tempos também solfejou umas canções, embora um tantinho desafinada. No topo (as dez mais votadas), ficaram: 1) Carinhoso (Pixinguinha/Braguinha), 2) Águas de Março (Tom Jobim), 3) João Valentão (Dorival Caymmi), 4) Chega de Saudade (Tom Jobim/Vinicius de Moraes), 5) Aquarela do Brasil (Ary Barroso), 6) Tropicália (Caetano Veloso), 7) Último Desejo (Noel Rosa), 8) Asa Branca (Luiz Gonzaga/Humberto Teixeira), 9) Construção (Chico Buarque) e 10) Detalhes (Roberto Carlos/Erasmo Carlos). Um trecho defensável da relação geral, embora pareça tentar agradar a variadas preferências.

Mas listas são listas, sempre sujeitas a aplausos e apupos.

O MAIOR NOME DA MODERNA MPB

.

Em certo sentido, a relação me satisfaz: cinco canções de Noel Rosa (foto), mesmo para fãs como eu, está além da expectativa. Tom Jobim, o maior nome da moderna MPB, comparece com dez composições e ainda teria direito a várias outras. Os demais escolhidos: Chico Buarque (10 músicas), Caetano Veloso (5), Caymmi (4), Ari Barroso (3), Gilberto Gil (3), Lupicínio Rodrigues (3), Cartola (2), Luiz Gonzaga (2), Nelson Cavaquinho (2), Pixinguinha (2), Paulo Vanzolini (2), João Bosco-Aldir Blanc (2), Paulinho da Viola (2), Milton Nascimento (apenas 1), Antônio Maria (só 1), Geraldo Vandré (1), enfim, a presença dos mestres indefectíveis. Mas os furos são enormes, com alguns tangenciando o crime contra a canção popular brasileira.

MENESTREL DO SERTÃO PROFUNDO

.

Além da já vista Preciso me encontrar (Candeia), a lista “grita” a ausência de Inútil paisagem, Vozes da seca, Viagem, Apelo, Andança, Atrás da porta, Até quem sabe, Modinha, Coração de estudante e Ilusão à toa, para não nos alongarmos. Quanto aos autores, não se explica o silêncio a respeito de Edu Lobo e Baden Powell, por exemplo. Mas lá estão coisas como As curvas da estrada de Santos, Você não soube me amar, Óculos e Exagerado (de Cazuza, seriam adequados  Blues da piedade e Codinome beija-flor). Em todo caso, a lista nos surpreende (em centésimo lugar!) com Cantiga de amigo, de Elomar Figueira de Melo (foto), menestrel do sertão profundo. Deve ser o cumprimento de penas alternativas pelos crimes.

JORNAIS, BLOGS E VÍTIMAS FATAIS

No fim do ano e começo de 2010 registraram-se muitas vítimas fatais no trânsito da região. Um dos principais jornais diários de Itabuna estampou: “Grave acidente deixa três vítimas fatais na BR-101”; um importante blog anotou: “Acidente em Ibicaraí deixa três vítimas fatais”; outro: “Três vítimas fatais em violento acidente”; o mais importante semanário da região foi na mesma linha: “Operação Fim de Ano registrou duas vítimas fatais”; outro dos principais jornais diários de Itabuna saiu-se com esta: “Pároco de Buerarema é vítima fatal em acidente na BR-101”; por fim, o melhor dos blogs (cujo nome não digo porque o pessoal do Pimenta sofre de modéstia incurável) também se mostrou contaminado e disse, a propósito de um acidente, que “profissionais de saúde não confirmam a existência de vítimas fatais”.

COM UM PÉ NA TRAGÉDIA GREGA

.

A vítima fatal é como a girafa do zoológico, que nunca penetrou a compreensão do português, mesmo que lhe tenha, em absoluto desrespeito, lambido a careca. O gajo estava certo: um animal daquela altura, com um pescoço descomunal terminado numa ridícula cara de gafanhoto, do qual emergem dois surpreendentes chifres parecidos com antenas, não existe. A vítima fatal é assim: campeã de popularidade nas redações, dela não se tem notícia na língua culta. Fatal significa, de acordo com vários dicionários, o que há-de acontecer, inevitável, funesto, seguido de morte, prescrito pelo fado ou destino. É algo com um pé na tragédia grega. Todos se lembram de Édipo Rei (foto), que nasceu fadado a matar o pai e casar-se com a própria mãe, por determinação inapelável dos deuses. Pois é. Fatal é o que mata. A dengue é fatal, mata as pessoas. O acidente foi fatal, porque matou o motorista. Alhures, escrevi, com pesar, sobre a grande Elis Regina: “Uma mistura de tranqüilizantes, cocaína e álcool lhe foi fatal”. A mistura matou a artista, para meu desespero.

UMA VÍTIMA BEM TRAPALHONA

.

A vítima fatal teria, para fazer jus ao adjetivo que carrega pregado ao nome, que matar alguém. Como a vítima, por definição, está morta, teria que se valer de forças imponderáveis, para provocar algum acidente, cair por cima de alguém, estrangular um desafeto, essas coisas só possíveis em filme de terror, Ou no fantástico (não o da Globo, mas o da ficção). A vítima fatal (a vítima que mata) teria de ser muito… desastrada, bem trapalhona. Já se vê que é impossível a alguém estar morto e, ainda assim, ser fatal. Morto, até que me provem o contrário, não mata. Mas existe gente fatal, funesta, como Jararaca Ensaboada, que onde pisa mata a grama. A PM Anamara Barreiros de Brito (foto), de acordo com a abalizada e insuspeita opinião do ex-governador Paulo Souto, é fatal: deixa o bandido paralisado, pensando besteira e até com vontade de ser honesto. Certo prefeito foi fatal para Itabuna; outro foi fatal para Ilhéus. O governo tem prazo fatal para receber os impostos escorchantes que nos cobra… Dirão que vítima fatal já está (quase) consagrada pelo uso. Creio que seria a lamentável consagração do erro.

MAÇÃ MADURA E DESAMPARO

.

Mas Anamara, por quem o trovador Agulhão Filho se derrete feito manteiga no calor de janeiro, tem, se não na PM, antecedentes no cinema: Rita Hayworth (foto) foi a mais famosa mulher fatal de todos os tempos. A cena do strip-tease que ela faz em Gilda (Charles Vidor/1946) tornou-se histórica. E ela nem faz, é só uma sugestão: La Hayworth tira apenas a comprida luva de um dos braços. Foi bastante. Nunca houve mulher como Gilda. Igual à minha vizinha do 6º andar: quando a vejo, sinto (além do assalto de ideias impublicáveis) um friozinho na barriga, a respiração apressada, um pouco de taquicardia e suor nas mãos. Impávido colosso, ela passa por mim e não olha. Deixa no ar uma fragrância de rosas amassadas em tarde de primavera, o que me lança numa espiral de absoluto desamparo. Eu, vítima; ela, fatal.

COMO UM LUAR DESESPERADO

.

Modinha foi gravada pela primeira por Elizeth Cardoso, no lendário LP Canção do amor demais, de 1958. Vocês lembram: é aquele disco que tem Chega de saudade, com João Gilberto ao violão, e que marcou o nascimento da Bossa-Nova. O pequeno grande poema de Vinícius (musicado pelo maestro soberano) ganhou, ao longo de mais de meio século, muitas gravações. Eu tenho as de Elizeth Cardoso, Alaíde Costa, Elis Regina e Teresa Salgueiro (foto), uma portuguesa incrível, que canta sem nenhum sotaque. Além da de Elis Regina, é óbvio. Há notícia de registros da sempre correta e esquecida Jane Duboc e de Olívia Byinton, que não acrescenta muito. Betânia também gravou, mas eu não ouvi e não gostei.

Aqui, nossa homenagem a Elis Regina, que morreu a 19 de janeiro de 1982.

JOTAÉ LEVA AFLIÇÃO AO COMÉRCIO

Vi Jararaca Ensaboada em loja chiquíssima do Shopping Jequitibá, provavelmente em manobras para povoar seu guarda-roupa de verão. Não me apraz saber o que a nefasta criatura comprou, nem o tamanho da despesa contraída. Mas aposto dois contra um como a conta foi “pendurada” e que as ações para “despendurá-la” vão provocar choro e ranger de dentes. Daqui a uns trinta dias, quando vencer o primeiro papagaio, haverá lojista em aflição, incerteza e desesperança, propondo ao travesseiro, em longa jornada noite adentro, esta profunda indagação filosófico-existencial: “Por que não fui ser bancário, em vez de comerciante”?
(O.C.)
</span><strong><span style=”color: #ffffff;”> </span></strong></div>
<h3 style=”padding: 6px; background-color: #0099ff;”><span style=”color: #ffffff;”>E FRED JORGE CRIOU CELLY CAMPELLO!</span></h3>
<div style=”padding: 6px; background-color: #0099ff;”><span style=”color: #ffffff;”>No auge do sucesso, em 1965, a música teve uma versão no Brasil, gravada por Agnaldo Timóteo. Como costuma ocorrer com as

A ESPERADA CONVERSA

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

.

.

Toda vez que é questionado sobre o segundo turno da sucessão estadual, na hipótese de ficar de fora da disputa pelo Palácio de Ondina, o ministro Geddel Vieira Lima sai pela tangente.

O ministro Geddel (Integração Nacional) tem um prazo limite para tergiversar diante da sua posição em relação ao processo sucessório, mas especificamente no tocante ao segundo round.

Esse prazo encerra na conversa que deverá ter com o presidente Lula assim que se desincompatibilizar do ministério para disputar o cobiçado cargo de governador da Bahia.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com sua popularidade lá nas nuvens, vai cobrar uma posição de Geddel diante de um eventual segundo turno com o petista Wagner e o democrata Paulo Souto.

Lula, que não criou nenhum obstáculo para a construção de dois palanques para a presidenciável Dilma Rousseff, vai exigir do ministro uma contrapartida, que é o apoio ao governador Jaques Wagner.

O ministro Geddel, com a desincompatibilização – condição sem a qual não poderá ser candidato –, se quiser indicar o seu substituto no ministério da Integração Nacional, terá que apoiar Wagner na segunda etapa.

Não tem cabimento Geddel indicar o seu sucessor e, depois, junto com ele, apoiar o candidato do DEM, partido que o presidente Lula escolheu como seu principal adversário na eleição de 2010.

O presidente Lula, que não é nenhum “menino” e, nem tão pouco, um “Zé Mané”, não vai aceitar um Geddel escorregadio, titubeante, saindo pela tangente. Um Geddel, digamos, atucanado, em cima do muro.

E o segundo turno, como fica, deve perguntar o presidente Lula a um Geddel que não poderá ser evasivo diante daquele que foi o responsável direto por sua ascensão política.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia

Back To Top