skip to Main Content
29 de setembro de 2020 | 08:39 pm

CALOTE DE AZEVEDO DEIXA CONTRIBUINTES NA MÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto

A prefeitura de Itabuna deu novo calote na empresa que fornece o sistema para emissão de notas fiscais eletrônicas, a E-maiss. O calote seria de aproximadamente R$ 100 mil. Desde o início da tarde, os contribuintes não podem emitir notas fiscais eletrônicas a partir do site.

Quem acessa a página http://itabuna.emaiss.com.br/ depara com aviso de que a inoperância do sistema não se deve a “problemas técnicos”. O contribuinte (pessoa jurídica ou física) que necessitar emitir nota fiscal deve procurar o Departamento de Tributos, no centro administrativo Firmino Alves.

Da última vez, o calote do município era superior a R$ 74 mil, conforme informação da Secretaria da Fazenda ao Pimenta (relembre aqui).

Calote deixa sistema de notas fiscais eletrônicas fora do ar.

Esta publicação possui 5 comentários
  1. Mais uma vez coloco que esta é uma excelente oportunidade para o pessoal da área de TI da UESC mostrar que tem condições de prestar serviços às Prefeituras Regionais.
    Organiza um Grupo de Trabalho, desenvolve rapidinho um Sistema para emissão e controle de Notas Fiscais Eletrônicas e fornece a tôdas as Prefeituras da Rergião.
    Resolve o problema das Prefeituras e gera receita.

    Carlos Mascarenhas

  2. É de uma ignorãncia terrivel quem opina aqui, primeiro dizem que desenvolver um sistema dessa magnitude é rapidinho, desconhecendo a parte de segurança de dados,que pode provocar perdas inimagináveis se u hacker acessar e manipular os dados, segundo a rapidez de acesso às páginas de emissão com tecnologia de ultima geração e sem querer alongar muito, ninguem diz que a empresa presta assessoria de alto nível a prefeitura em inteligência fiscal conseguindo elevar a receita de 700 mil mês para 1,4 milhões mensal, alem de uma recuperação de passivo da ordem de 50 milhões nos dois anos de trabalho.
    Cobrar um percentual do que foi recuperado é melhor do que voltar a receita aos antigos 700 mil.
    Sera que existe mesmo economia?
    o Ganho anual para a prefeitura é de cerca de 10 milhões a mais num ano, fora o passivo.
    Quanto ao fato do atraso… Nenhum banquete é gratuito.

  3. O augusto devia fazer parte da comidilha do sistema anterior, cu ja o custo anual chegava a quase dois milhões de reais ano, o que é um absurdo para locação de sistemas, além do que a emissão fica por conte do cermeciante, ninguém nem o sistema corre atrás de contribuinte para emitir a nota é a obrigatoriedade da emissaõ da nota fiscal eletrônica que melhorou a arrecadação e não o sistema a ou b.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top