skip to Main Content
28 de outubro de 2020 | 10:55 pm

WAGNER E A MAJORITÁRIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Marco Wense

A composição da chapa da reeleição encabeçada pelo governador Jaques Wagner, com a proximidade da sucessão estadual, é pauta obrigatória nas reuniões do Conselho Político.

Formado pelas agremiações partidárias aliadas, o Conselho vai ter os seus momentos de grande efervescência, já que o PSB, PC do B, PDT, PP e PT não querem ficar de fora da majoritária.

Certo mesmo, sem nenhum resquício de dúvida, é que uma das duas vagas para o Senado da República é favas contadas para o conselheiro do TCM, Otto Alencar, que deve se filiar ao Partido Progressista (PP).

A outra cobiçada vaga vem sendo acirradamente disputada pelos socialistas, petistas, comunistas e brizolistas, respectivamente com Lídice da Mata, Wálter Pinheiro, Haroldo Lima e o neopedetista Marcelo Nilo.

E o senador César Borges? Se depender do comando nacional do PT, o ex-governador da Bahia, que é presidente estadual do PR, já pode se considerar integrante da chapa majoritária.

Restaria a vaga de vice-governador. Como as pesquisas de intenção de voto apontam uma provável reeleição de Wagner logo no primeiro turno, a vice não é tão ruim assim. O que é inadmissível é uma cabeça de chapa puro sangue (PT e PT).

Os deputados federais Geraldo Simões e Zezéu Ribeiro são os dois principais protagonistas do movimento petista contra a presença de dois ex-carlistas na chapa majoritária.

O comentário nos bastidores é que o governador Jaques Wagner, ex-ministro das Relações Institucionais do governo Lula, como é um hábil articulador político, vai rapidamente dissolver o imbróglio.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

Esta publicação possui 5 comentários
  1. É lastimável ver o governador rasgando sua identidade política em nome de uma governabilidade duvidosa. A chapa majoritária do PT com César Borges e Otto Alencar é pra jogar de vez o Partido do Trabalhadores na vala comum dos que só querem se perpetuar no poder. Quem conhece esses dois “ex-carlistas” sabe a que eles servem. Agora, Wagner servir a dois senhores com o voto do povo, não dar. Sendo assim, prefiro votar em Geddel ou Paulo Souto.

  2. MANDA O MARCO WENSE COMENTAR A “RESSUREIÇÃO DA TELEBRAS”!!!!
    EU QUERIA ENTENDER ESSA MANEIRA PETISTA DE ESTATIZAR!
    JA TEM CASO DE GENTE QUE INVESTIU R$1,00 E PODE SAIR COM R$200,000,000,00.
    ACHOU MUITO ZERO NA CONTA?
    POIS É ISSO MESMO. E SABEM QUEM RECEBEU UMA GORDA COMISSÃO?
    PRA SER EXATO R$:650,000,00!!!
    O EX MINISTRO CASSADO E REU NO PROCESSO DO MENSALÃO JOSÉ DIRCEU!!!
    VALE LEMBRAR QUE ELE É CORDENADOR DA CAMPANHA DE DILMA RUSSEF.
    AGORA MARCO,QUANDO FHC PRIVATIZOU AS TELES O PROCESSO FOI CHAMADO DE PRIVATARIA.E AGORA COMO É O NOME DESSA MODALIDADE DE NEGOCIO???

  3. DEU EM wwww.politicalivre.com.br

    “Dirceu recebe R$ 620 mil de empresa por trás da Telebrás, diz Folha

    O ex-ministro José Dirceu recebeu pelo menos R$ 620 mil do principal grupo empresarial privado que será beneficiado caso a Telebrás seja reativada, como promete o governo. O dinheiro foi pago entre 2007 e 2009 por Nelson dos Santos, dono da Star Overseas Ventures, companhia sediada nas Ilhas Virgens Britânicas, paraíso fiscal no Caribe. Dirceu não quis comentar, e Santos declarou que o dinheiro pago não foi para “lobby”.

    Tanto a trajetória da Star Overseas quanto a decisão de Santos de contratar Dirceu, deputado cassado e réu no processo que investiga o mensalão, expõem a atuação de uma rede de interesses privados junto ao governo paralelamente ao discurso oficial do fortalecimento estatal do setor.

    Em 2005, a “offshore” de Santos comprou, por R$ 1, participação em uma empresa brasileira praticamente falida chamada Eletronet. Com a reativação da Telebrás, Santos poderá sair do negócio com cerca de R$ 200 milhões.

    Constituída como estatal, no início da decada de 90, a Eletronet ganhou sócio privado em março de 1999, quando 51% de seu capital passou para a americana AES. Os 49% restantes ficaram nas mãos do governo. Em 2003, a Eletronet pediu autofalência porque seu modelo de negócio não resistiu à competição das teles privatizadas. Leia mais na Folha (para assinantes).”

    Tenho certeza que os amigos indepentes do Pimenta, irão reproduzir essa nota, como TODOS OS SITES DO BRASIL, com o mesmo ímpeto que reproduz que reproduz notas tão relevantes quanto “Souto elogia Anamara do BBB”

  4. que bonito cesar borge, otto alencar, eujacio simoes, ronaldo carleto juntos com zezeu ribeiro, geraldo simoes e emiliano josé que te viu quem te ver. e marcos wense pq n fala sobre coerencia politica? não acha isso importante pra politica?

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top