skip to Main Content
14 de abril de 2021 | 01:04 am

GUERREIROS E GUERRAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Daniel Thame | www.danielthame.blogspot.com

Houve um tempo em que nos estádios de futebol as torcidas vestiam a camisa do time do coração e faziam tremular as bandeiras, entoando hinos de apoio ao clube e a seus ídolos. Um tempo em que ir ao estádio era um programa tipicamente familiar.

Era um tempo, também, em que se praticava o futebol-arte, de toques, dribles, lançamentos precisos e gols que, de tão bonitos, mereciam placas.

Vão longe esses tempos quase poéticos, em que Pelé, Garrincha, Didi, Rivelino, Falcão e Zico, só para citar os craques nacionais, desfilavam talento pelos gramados.

Da arte, sobraram lampejos perpetrados vez ou outra por um jogador extraclasse, cada vez mais raro, que insiste em romper as amarras de esquemas táticos que priorizam a força bruta.

E, por força de um espírito competitivo em que se joga para vencer ou vencer, a arte deu lugar à correria, à preparação física que transforma meninos talentosos em atletas-robôs.

Saiu a inspiração, entrou a transpiração.

Saíram os craques, entraram os guerreiros.

Sim, os guerreiros, que motivam até propaganda de cerveja e que transmutam, sem a menor sutileza, campos de futebol em campos de batalha.

Se o que temos é batalha campal, guerra pelo resultado positivo, nada mais natural que esse espírito guerreiro se espalhasse para as arquibancadas.

E se espalhou mesmo.

O torcedor espontâneo, apaixonado pelo time, deu lugar às chamadas torcidas organizadas, verdadeiras facções que se dirigem aos estádios como quem se dirige a uma guerra, onde é preciso abater o inimigo a qualquer preço.

Nada de apitos, buzinas, fogos de artifício.

Pedaços de pau, barras de ferro, bombas de fabricação caseira e revólveres compõem o kit-guerreiro. Um verdadeiro arsenal, para ferir e, se for o caso, matar o inimigo.

No futebol guerreiro, a guerra se dá em todas as frentes.

Alex Furlan de Santana, 26 anos, é a mais recente vítima dessa guerra. Ele foi baleado na cabeça durante um confronto entre torcedores do São Paulo e do Palmeiras. Outras 12 pessoas saíram feridas.

Em tempo: em campo, os guerreiros do Palmeiras venceram os guerreiros do São Paulo por 2×0.

Mas quem se importa com isso?

Leia outros textos geniais de DT no www.danielthame.blogspot.com

Esta publicação possui 4 comentários
  1. Parabéns pela matéria. Um profissional de imprensa tem de ser imparcial. Nada de demonstrar publicamente a sua paixão. Isso deve ser apenas papel de torcedores anônimos que mostram o amor ao seu time com deboche, mas também com respeito ao próximo.

    Sou botafoguense desde criancinha e convivi com flamenguistas, onde um deles o primeiro a me levar a um campo de futebol, pois meus pais não gostavam do esporte.

    Quero parabenizar aos flamenguistas não arrogantes, que admitem quando o seu time é abatido sem interferências extras.

  2. Só uma pequena correção no texto do Daniel.

    O Alex Furlan morreu num confronto de gangues e não de torcedores. Torcedor de qualquer agremiação não saí de casa para marcar briga com outro torcedor. Isso é coisa de marginal!!!

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top