skip to Main Content
28 de outubro de 2020 | 06:04 pm

CALOTE E TRAPALHADA ELETRÔNICA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Matéria publicada na edição deste fim de semana do jornal A Região (pode ser lida na internet) dá a dimensão da ziquizira cometida pelos “gênios” da Prefeitura de Itabuna, a pretexto de criar um sistema próprio e supostamente mais vantajoso de emissão eletrônica de notas fiscais.

O jornal ouviu empresários, entidades e os responsáveis pelo sistema Emaiss, que foi substituído de maneira atabalhoada e irresponsável. Há unanimidade na definição do novo sistema como falho, incompleto, lento e inseguro. Aliás, todo mundo acha isso, menos os “gênios” da Prefeitura.

Entre outros problemas, os clientes estão reclamando de que o serviço recém-implantado, além de ainda não ter incorporado o histórico das notas,também passou a contar as emissões do zero. Isso gera duplicidade, ou seja, notas com a mesma numeração.

Para completar, a Prefeitura acumulou um ano de débitos com a empresa Siapiss, fornecedora do Emaiss. E ainda correu o risco de perder todo o banco de dados dos contribuintes, em função do calote. Na quinta-feira (22), a Siapiss enviou as informações, mas não aposta que o software próprio funcione a contento.

Esta publicação possui 3 comentários
  1. o QUE A EMPRESA NÃO ESCLARECEU É QUE SEU REPRESENTANTE EM ITABUNA, ERA DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE TRIBUTOS FILHO DE UM PODEROSO SECRETÁRIO, E COM UM CONTRATO CUJO O VALOR ERA VINCULADO A RECEITA ARRECADADA, O QUE É ILEGAL POIS NÃO SE PODE VINCULAR NENHHUMA DESPESA CONTRATADA A ARRECADAÇÃO ESPECÍFICA DO TRIBUTO, ISSO É CASO DE MINISTÉRIO PÚBLICO, E O MUNICÍPIO PODE TER TODO O VALOR DO CONTRATO RESSARCIDO.

  2. Uma trapalhada que supera os maiores patetas do cinema.

    Prejuízos difíceis até de se calcular, pois, quando uma nota não pode ser emitida, ou a empresa não pode vender, ou o cliente compra sem nota. A cidade perde, e muito, em negócios e em arrecadação.

    À exceção do jornal A Região e do Pimenta, o silêncio da imprensa sobre o assunto foi constrangedor. E onde estão os vereadores? Já se procunciaram sobre isso? Tamanho prejuízo para a cidade não é caso para uma ação da câmara?

    E vamos para o centenário…

    Hardy

  3. EM ITABUNA NAO EXISTE MAIS CAMARA DE VEREADORES NAO, ESSES VEREADORES SÃO PAGOS PRA QUE MESMO, PELO QUE SABEMOS É PRA FISCALIZAR O EXECUTIVO, VEM UM DESCALABRO DESTES E OS VEREADORES NAO TAUM NEM AÍ, CADE O MINISTÉRIO PUBLICO, A CDL(ESSE NAO, ENCOBRE TUDO), TEM UM SECRETARIO LÁ, CADE A ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITABUNA, O SINDICATO DOS COMERCIANTES, O SINDICATO DOS CONTADORES QUE NAO FAZEM NADA PRA ACABAR COM ESSA ESCULHAMBAÇÃO.

    SÓ NAO VENHAM RECLAMAR DE FALTA DE DINHEIRO, PORQUE PARECE QUE ESTÁ SOBRANDO DINHEIRO DOS IMPOSTOS, ELES NAO QUEREM RECOLHER, ESTÃO ATRASANDO A EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS, ATRAPALHANDO QUEM QUER TRABALHAR PARA GERAR RENDA.

    É ESSE MUNICIPIO QUE VAI COMPLETAR 100 ANOS, DE VOLTA AO MANUAL.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top