skip to Main Content
20 de abril de 2021 | 05:51 pm

UNIVERSO PARALELO

Tempo de leitura: 7 minutos

AFINAL DE CONTAS, QUEM É A BOLA?

Ousarme Citoaian

A grã-fina das narinas de cadáver chega ao Maracanã em dia de Fla-Flu e, diante daquele espetáculo de povo, pergunta, entediada, a seu acompanhante igualmente grã-fino: “Quem é a bola?”. A grã-fina das narinas de cadáver é um dos tipos do escritor Nelson Rodrigues, reinventor da crônica esportiva – e que também poria em campo o Sobrenatural de Almeida. No geral, é lembrado pela criação de expressões como o óbvio ululante, toda unanimidade é burra, Palhares (o canalha), a freira de minissaia, o padre de passeata e outras, entre elas A Pátria em chuteiras, para justificar a paixão brasileira pelo futebol.

COLEÇÃO DE CHUTES NA LINGUAGEM

Mas estes tempos sem bom senso estão mais propícios aos atentados à linguagem do que ao lirismo rodrigueano. O treinador do Brasil já deu a saída, com uma exortação sobre patriotismo. O discurso do “sargento” Dunga (foto), eivado de sandices sobre atitude, doação, emoção, sonho de vestir a camisa verde-amarela e comprometimento (a última invenção do indigente vocabulário esportivo) é ridículo. Mais curioso é que no MVD (Manual de Virtudes do Dunguismo) não entra a palavra “técnica”. Saudades de João Saldanha, para quem a prioridade na convocação era saber jogar bola. Agora, é preciso ser “patriota”. Futebol é futebol, guerra é guerra e patriotismo é outra coisa.

“PATRIOTAS” BERRAM DIANTE DA TEVÊ

É possível incluir na categoria “patriota” quem (ou aquele que) pretende reduzir desigualdades, integrar negros, favelados, índios, sem-terra e outros grupos “vegetativos”. Transferir esse “comprometimento” para um jogo de futebol é ser, além de simplório, alienado – quando não posto a serviço da consolidação do atraso. Não é por se vestir de verde e amarelo, agitar a bandeira brasileira e berrar diante da tevê que alguém se faz patriota. De igual modo, ser indiferente a um negócio que movimenta milhões de reais, dólares e euros não transforma ninguém em mau brasileiro. Temos direito de não torcer (ou até – que Deus me perdoe! – torcer pela Argentina), e continuarmos patriotas.

DUNGA, SE ACASO LEU, NÃO ENTENDEU

“A Pátria em chuteiras” é só uma criação literária de um cronista genial, que Dunga não leu, e se leu não entendeu as circunstâncias históricas em que nasceu a expressão. Sobre a importância da Copa do Mundo para o patriotismo, acho ilustrativa uma historinha de Garrincha, talvez inventada por Sandro Moreyra: em 1958, quando lhe disseram que aquele jogo (Brasil 5×2 Suécia) era o último, o ponta-direita do Botafogo saiu-se com este comentário judicioso: “Que torneiozinho mais mixuruca!…”. Pela parte que me toca, continua sendo.

PostCommentsIcon Comente »

“ATÉ MEU PADECER, DE TODO FENECER”

Se alguém ganhou o CD do prêmio (semana passada), pelos erros descobertos na interpretação de Luciana Mello, em Rosa, do misterioso Otávio de Sousa, procure o Pimenta. Todos já sabem, o prêmio é o CD O melhor do arrocha, com a faixa bônus “Rebolation”, interpretada por Caetano Veloso. Brincadeiras à parte, Rosa é um tour de force capaz de desafiar qualquer cantor. Enquanto Garota de Ipanema tem 100 palavras simples, Rosa abriga mais de 220, em 42 versos, com expressões pouco utilizadas: rósea cruz, sândalos olentes, ativo olor, láctea estrela, alma perenal, remir desejos (que rima com nuvens de beijos), isso tudo “até meu padecer, de todo fenecer”. Um trava-língua, sem dúvida.

MÁGICA ORAÇÃO À MULHER AMADA

Erros de Luciana Mello (foto): “É preferida pelo beija-flor” (transformou-se em “és preferida pelo beija-flor”); “Aqui nesse ambiente de luz” (ela diz de dor ou algo parecido – de cor?); “sepultas o amor” (ficou “sepultas um amor”).  Rosa teve falta de sorte desde o início, pois na gravação original Orlando Silva comete um erro de concordância – e o disco foi pra rua assim mesmo: ele canta “sândalos olente” (em vez de “sândalos olentes”). Erro imperdoável. Já os equívocos de Luciana são “desculpáveis”, por serem num espetáculo ao vivo. De toda forma, Rosa conserva sua magia de pungente oração à mulher amada. É “uma prece comovente, aos pés do Onipotente”, sem dúvida.

CANÇÃO PREFERIDA DE DONA BALBINA

Qualquer dia desses vamos relacionar aqui alguns erros famosos, de cantores igualmente famosos. Por enquanto, fiquemos com (mais) uma curiosidade sobre Rosa: Francisco Alves (o Chico Viola, Rei das Voz) e Carlos Galhardo se recusaram a fazer a primeira gravação dessa música porque o lado A do disco (eram, então, só duas canções por disco)  tinha Carinhoso. Orlando Silva (foto) pegou a oportunidade, e o resto todo mundo sabe. Recentemente, numa velha entrevista de Orlando Silva, soube que a partir de 1968 ele deixou de cantar Rosa, pois caía no choro a cada tentativa. Era a canção preferida de sua mãe (Dona Balbina), que morreu naquele ano.

PostCommentsIcon Comente »

A “CULTURA” ESTÁ NAS ORELHAS

Uma amiga me pede sugestão de livros. “Por quê?” – pergunto; “Porque quero ser culta”, me responde. Explico que para ser “culta” ela não precisa ler livros; basta ler as orelhas dos livros. Certo “lingüista” leu as orelhas de Chomsky e Saussure, e está “se achando”. Mas a leitura que se recomenda tem outro caminho. “Ler, para mim, é importante porque dá alegria”, diz o escritor Rubem Alves (de Boa Esperança-MG, onde está a serra homônima, imortalizada por Lamartine Babo e que tem gravação recente de Marcelo Ganem). Segredo: só li dois terços de A montanha mágica, de Thomas Mann (larguei porque não me deu alegria…).

DE LEITURAS, RELEITURAS E SAUDADES

Permitam-me a inconfidência. Certa vez, em encontro com Telmo Padilha (foto), lhe perguntei se estava lendo muito. O autor de Onde tombam os pássaros respondeu de pronto, com  a mansidão de sempre: “Não estou lendo muito, mas relendo muito”. Hoje, após tantos anos e tantas saudades, entendo melhor a mensagem: também releio muito mais do que leio. Uma crueldade com os novos autores e livros que me chegam? Talvez. Mas tenho compromissos anteriormente assumidos com os já provados grandes escritores, sendo que de alguns deles, dói-me confessar, não fiz até hoje a primeira leitura.

EM DÉBITO COM HOMERO, ESOPO E MARX

É permitido a alguém ler apenas uma vez Cem anos de solidão, Dom Casmurro, Grande sertão: veredas, Dom Quixote, Madame Bovary, Menino de engenho, Os galos da aurora, Memórias póstumas de Brás Cubas, Vidas secas, Sagarana (para citar apenas alguns livros “obrigatórios”)? E a mitologia grega, o Eclesiastes (onde Hemingway foi buscar o título O sol também se levanta), a poesia popular (que os mais esnobes chamam cordel)? Como encontrar tempo para (re) ler Homero, as fábulas de Esopo, Dyonelio Machado, Graciliano, Marx e princípios de filosofia (indispensáveis para o entendimento do mundo)?

CONTOS DE CYRO, POEMAS DE BANDEIRA

Por isso, que me perdoe meu amigo oculto, pela não leitura daquele seu livro, com o qual ele imagina (talvez, com boa margem de acerto) revolucionar a literatura brasileira. Mas compreenda que até hoje só li A pedra do Reino (Ariano Suassuna) três vezes, As velhas (Adonias Filho) duas; O coronel e o lobisomem (José Cândido de Carvalho) “apenas” umas dez. E há muita gente na fila de espera da releitura: Bandeira, Drummond, Cecília Meireles, versos de Dinah Hoisel (foto), crônicas de Carlinhos Oliveira, contos de Cyro de Mattos, pesquisas de Jorge Araujo. É curta a vida para tanto livro .

PostCommentsIcon Comente »

QUALQUER-COISA-COM-QUALQUER-COISA

Não falemos das letras de axés e pagodes da Bahia (que encontram defensores até em Caetano Veloso!), pois isso já foi feito magistralmente por Los Catedrásticos, com o Novíssimo recital da poesia baiana, lá pelo finzinho dos noventa (na foto, Maria Menezes, do grupo). O que me atordoa é o nome das bandas, com sua carga de mau gosto atroz, algo nunca imaginado num ambiente artístico. Há quase vinte anos, num lance de criatividade, os cearenses descobriram a fórmula “qualquer-coisa-com-qualquer-coisa”, criando a vitoriosa Mastruz com leite. O filão mostrou-se irritantemente inesgotável.
</span><strong><span style=”color: #ffffff;”> </span></strong></div> <h3 style=”padding: 6px; background-color: #0099ff;”><span style=”color: #ffffff;”>E FRED JORGE CRIOU CELLY CAMPELLO!</span></h3> <div style=”padding: 6px; background-color: #0099ff;”><span style=”color: #ffffff;”>No auge do sucesso, em 1965, a música teve uma versão no Brasil, gravada por Agnaldo Timóteo. Como costuma ocorrer com as

O MAU GOSTO QUE VEM EM ONDAS

O que surgiu em seguida, em vários pontos do Brasil (incluindo Itabuna, com a banda Cacau com leite), foi uma onda de plágios. Mas esse pastiche (Acarajé com camarão, Limão com mel, Caviar com rapadura, Mingau com cevada, Mel com terra, Sarapatel com pimenta) ainda seria preferível à lista de nomes grosseiros que assola o meio: Mulheres perdidas, Raio da silibrina, Calcinha preta, Levanta a saia, Cangaia de jegue, Fogo na saia, Unskaraí e outras de igual estupidez. Sinto saudades de nomes como Premeditando o breque, Joelho de porco (foto), Casa das máquinas, A cor do som e Ultraje a rigor.

A PRIMEIRA GRAVAÇÃO É DE PERY RIBEIRO

Voltemos ao sério. Garota de Ipanema foi lançada num show na boate Au bon gourmet em 1962, com a presença dos autores (Tom Jobim/Vinícius de Moraes) e João Gilberto. Uma das mais gravadas do mundo, a canção nasceu, dizem os pesquisadores, com o nome de Menina que passa, não foi feita numa mesa de bar, conforme o folclore, e o primeiro registro em disco não foi com João Gilberto, mas com Pery Ribeiro (foto). Mostramos aqui uma raridade: o texto introdutório usado no Au bon gourmet pelos três artistas (hoje há apenas um sobrevivente). Como não foi recuperada nas gravações, esta parte ficou desconhecida da maioria do público.
Clique e veja um João Gilberto (em 1992, nas comemorações dos 30 anos de Garota de Ipanema) inusitadamente bem humorado, aplaudido de pé por Tom Jobim.


(O.C.)

Esta publicação possui 11 comentários
  1. leu as orelhas de alguns livros escrito por Chomsky, Saussure, Moita, Bagno e outros ai.

    E APRENDI QUE CULTURA TEM UMA INFINIDADE DE SIGNIFICADOS.

    PODENDO SER, DE FORMA RESUMIDA, ENTENDIDA COMO AQUILO QUE SE CULTIVA.

    Logo que cultivei fui culto; ou sou.

  2. Caro Grapiúna:
    “Por quê?”. Correção feita, agradeço pelo puxão de orelhas (com perdão do trocadilho).
    Quanto ao resto, eu me referi a “cultura” – no sentido equivocado de leitura de livros, aquela coisa da erudição – não cultura, propriamente.
    Mas também entendo que até não ler é cultura, por ser parte do nosso comportamento ou, se posso dizê-lo, de nossa herança… cultural!
    Obrigado pela presença crítica.

  3. 1- A (re) descoberta da releitura foi, para mim, um achado…

    2- Como pode Ousarme ter Jorge Araújo na fila? É como se Tristão de Athaíde estivesse lendo Alceu de Amoroso Lima. A inteligência e a fina escrita de Ousarme me direciona a um só nome: Jorge Araújo.

  4. Diz o vagalume de Machado de Assis, em Círculo vicioso:
    “Quem me dera que fosse aquela loura estrela,
    Que arde no eterno azul, como uma eterna vela!”
    Ao ser comparado a Jorge de Souza Araujo, tive (para mantermos a referência machadiana) meu “domingo de almirante”. Hoje,segunda-feira, dia de branco, desmonto essa doce farsa e volto à realidade, esclarecendo as coisas: eu, o pirilampo inquieto; mestre Jorge Araujo, a eterna vela.
    Sinto que a conclusão de “Isaac” não seja verdadeira. Mesmo assim, agradeço.

  5. Concordo com tudo que é dito no texto [b]“PATRIOTAS” BERRAM DIANTE DA TEVÊ[/b]. Em geral, brasileiro só lembra que é brasileiro em época de Copa do Mundo. Depois que o torneio consagra seu campeão, a bandeira que o torcedor agitava feito um retardado volta a ficar jogada no mesmo canto qualquer de sempre, pra sair de lá de novo só em 2014. Quem ama mesmo seu país trabalha, paga seus impostos e faz alguma coisa para melhorar a vida em sociedade. Com bem disse o autor, ignorar a Copa não implica ser mau brasileiro e nem torcer contra o Brasil implica ser menos patriota.

  6. A frase “O melhor do Brasil é o brasileiro” me parece um produto destinado aos palanques. Tem lá sua utilidade como ferramenta de marketing turístico, mas, olhada de perto, é uma bobagem, como muitas que a publicidade cria.
    Construímos, ao longo de cinco séculos, uma sociedade conservadora, repressora, machista e preconceituosa. Somos formados por brasileiros bons, ruins, generosos, mesquinhos, imbecis, cruéis, oportunistas e toda a gama de adjetivos disponível no dicionário. Quem duvidar, abra o jornal ou ligue a tevê.
    Identificar todos nós como “sangue bom” (talvez inspirado naquele tipo cordial de Sérgio Buarque de Holanda) é uma redução que nos distancia muito da verdade. É minha opinião, dada a pedido.

  7. …Há pouco tempo atrás, estava na moda a campanha: “O melhor do Brasil é o brasileiro”. Era o que faltava para completar a cena. Esse paradoxo biruta tira o sossego, provoca ira. Pois, o Brasil é um país excelente, com belezas naturais e extraordinária diversidade ecológica. O melhor do Brasil é o Brasil; não os brasileiros.
    Não é interessante dizer “o melhor do Brasil é o brasileiro”, vejo isso como uma tentativa frustrada de enterrar os nossos erros. Um faz de conta, ultra-ilusório, que tudo vai ficar bem. Quando na verdade não vai.
    Basta um poucochinho de inteligência política para perceber que o Brasil não terá um bom futuro, se não mudarmos urgentimente as “regras” criadas e utilizadas por muitos ufanicos. Tudo vai continuar sendo a desordem que é, simplesmente porque o povo brasileiro já se acostumou com isso…

    De O Grapiúna
  8. O Grapiúna,

    Teoricamente o melhor do Brasil seria o brasileiro, porque é o cidadão quem constrói o país trabalhando, pagando seus impostos e ajudando a combater as desigualdades sociais. O problema é que muita gente transfere essas responsabilidades para um jogo de futebol, como se a vitória da Seleção resolvesse todos os problemas do País como num passe de mágica. Isso aí já não é mais patriotismo, já vira uma patriotada. Depois, o povo reclama que o Brasil tá uma bagunça geral.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top