skip to Main Content
3 de março de 2021 | 05:31 pm

O OCASO DA BITWAY (E DO POLO DE INFORMÁTICA)

Tempo de leitura: 2 minutos

Polo de Informática de Ilhéus tem sobrevivência ameaçada (Foto Zeka).

O segundo semestre de 2010 e a campanha eleitoral começam com uma péssima notícia para a economia sul-baiana e, especificamente, para o Polo de Informática de Ilhéus.
O pedido de recuperação judicial da Bitway é algo que pode significar até o fim do polo que já concentrou mais de cinco dezenas de indústrias de eletroeletrônicos e responde por dois terços do PIB de Ilhéus.
Genuinamente ilheense, a  Bitway entrou em bancarrota em meados de 2009 em operações mal-sucedidas de importação de componentes sem o devido seguro e outras questões de gestão do negócio (veja matéria exclusiva do Pimenta, aqui).
Fabricante de computadores (desktops e notebooks) e monitores, a Bitway chegou a empregar quase 300 pessoas no auge.
Era apontada como uma das cinco maiores montadoras de computadores do país. Expandiu suas atividades, em consórcio com capital norte-americano, e abriu uma fábrica no Paraná, visando os mercados do Sudeste e Sul brasileiros e o Mercosul. O baque é grande.
Tecnicamente, o pedido de recuperação judicial tornado oficial pela empresa na semana passada – revelado aqui no Pimenta – dá um fôlego  à Bitway para quitar suas dívidas. Fôlego de, pelo menos, dois anos. É tempo para a recuperação ou a temível falência.
A empresa havia iniciado em 2010 um processo de demissões que praticamente foi encerrado na semana passada. Todos os demitidos o foram sem receber o que lhes é devido, tamanha a crise financeira.
Há alguns anos o pólo de informática ilheense vem perdendo competitividade. Empresas têm migrado para outros destinos, como o estado de Minas Gerais. Alegam questões como infraestrutura por exemplo. Para fechar o cenário, algumas delas praticamente fecharam as portas após uma operação de combate à sonegação fiscal.
Quais serão os caminhos apontados pelos governos federal e estadual para evitar a morte do polo ilheense? Até aqui, os sinais são desanimadores.
O cenário fica ainda mais tenebroso quase se tem à mente que investimentos em pesquisa e novos empreendimentos em informática são desviados de Ilhéus para a Região Metropolitana. Aos 15 anos e antes de completar a maioridade, o Polo de Informática ameaça sumir do mapa.

Esta publicação possui 12 comentários
  1. Onde estão nossos representantes? Cadê os politicos que amam tanto a terra da Gabriela? Se vocês não se pronunciarem teremos famílias desempregadas, veremos mais uma vez Ilhéus sumir do mapa. Claro que deve haver uma saída, basta o querer daqueles que tiverem interesse. Chamo a atenção de todos para o CUIDADO a quem daremos nosso voto em outubro. Não é justo que nossa cidade seja uma eterna TETA para ser sugada sempre. Acorda minha gente, dormir no ponto fará do prejuizo um certificado de incompetência coletiva.É preciso botar a boca no trombone para que os políticos reajam.Eu Amo Ilhéus.

  2. #
    Pelo que sei a Bitway detonou seus principais e primeiros parceiros pelo Brasil a fora, estes ajudaram a criar a empresa, vestiram a camisa porem a Bitway acabou com todos eles. Cresceu o olho com a venda de grande volume para a Insinuante, isto é colocou todos os ovos em uma cesta só, agora que recebeu um pontapé, está procurando desculpas de crise internacional para tapar o buraco. Desviou muito dinheiro da empresa subsidiados pelo governo para comprar prédios, carros e mansões particulares. Quanto maior o Gigante, maior a queda. Ja existe em andamento processos de milhoes de reais contra o Grupo da Bitway, basta saber se eles terão dinheiro para pagar quando a sujeira que esta debaixo do tapete aparecer. O Estado não pode pegar dinheiro do contribuinte para ajudar uma empresa que destruiu muitas outras para sair de bom moço. Daniel Sandes
    #

  3. O problema é que Ilhéus sempre quer tudo, mas não oferece a mínima estrutura para coisa alguma, …!!!
    O resultado: Nós já conhecemos, …!!!

  4. Vamos com calma, a Bitway é uma empresa privada, tem ótimos incentivos fiscais e já tem gente perguntando cadê os políticos!?
    Tenha dó…
    De quem lê!

  5. Sr. Editor,
    Esse negócio de sensibilizar a sociedade com desemprego de 300 funcionários, e na realidade não passa de pouco mais de 120 funcionários, é coisa para boi dormir, o que é preciso debater onde foi parar os milhões de reais, dinheiro do contribuinte injetado na empresa, através dos organismo federais e que por incompetência de um bando de maloqueiros foi desviado para o patrimônio dos sócios da empresa. É preciso um basta nestes embustes.
    Pr. Tito Ramos
    PS: Kila, o povo não está mais nessa não, neste mato tem coelho…

  6. O pólo não se resume a fracassada política da Biway…que exagero…não dá para fazer planos mau elaborados…dar salto maior do que a perna e dizaer que o pólo vai morrer por causa dela…é um fato lamentável, mas o pólo não é só Bitway…o Colega Sandes mandou bem.

  7. Ilhéus continua sendo a cidade do JA TEVE.
    Pior que nessa história quem se f@d# são os EMPREGADOS
    porque os PATRÕES JA GUARDARAM OS SEUS MILHÕES. DUVIDAM???

  8. Acho realmente que tem algo errado, mas o engraçado e que todo mundo nota na região, é que apenas um dos sócios enbanja dinheiro, carrões, mansões,etc., enquanto o outro, leva uma vida digamos mais discreta. O que será que acontece??
    Se fosse eu o outro sócio abriria meu olho!!!!

  9. Interessante é como ainda aparece quem defenda a Bitway, Eles tiraram o dinheiro de Ilheus, depois de tantos anos sulgando a cidade com os incentivos recebidos aqui, para investir em uma outra mega fabrica em Piraquara-Curitiba (Diga-se de passagem que continua a todo vapor sem demitir ninguem por lah) Depois querem ajuda do municipio e do governo para fechar o rombo, se ja estavam em dificuldades, porque investiram tanto em outro estado? e se iriam demitir porque nao fizeram lah amenizando a demissão em massa na terra de origem, são tantas perguntas, gostaria de ter todas as respostas. Sandro Neto…

  10. Depois de tanto ler a respeito, alguns posicionamentos chocados, outros de protesto, muitos sem o menor conhecimento do que se passa no mundo empresarial, vou tentar fazer um resumo – desculpem se cometer alguma falha ou impropério.
    Primeiro Ponto – Incentivo Fiscal:
    Muitos comentários de que a empresa sugou recurso público, recebeu injeção de recursos, etc., até onde se sabe, NENHUMA empresa do Pólo de Informática recebeu UM CENTAVO de injeção de recurso federal ou estadual ou muito menos municipal.
    O que existe aqui em Ilhéus, na Bahia e em praticamente TODOS OS ESTADOS e na União (A nível de tributos federais), são programas de incentivos fiscais, plenamente legais e que muitas empresas enquadradas gozam destes benefícios, em contrapartida de algumas exigências, mas nem TODOS os tributos são incentivados, portanto uma parcela dos tributos é paga. O município por sua vez, SEMPRE recebeu o repasse do ICMS, o estado concede o incentivo mas não deixa de fazer o repasse da quota municipal.
    Para aqueles que “acham” que o estado injetou recurso nas empresas, sinto decepcioná-los mas estão redondamente enganados. Já para quem “acha” que a empresa BITWAY “desviou” recursos para montar uma mega fábrica no Paraná, sinto também decepcionar, pois segundo “matéria de seu pimenta”, e cremos ser verdadeiro, a sua fábrica do Paraná tem capacidade de montagem mensal de 1/6 (um sexto) da fábrica de Ilhéus, então a MEGA fábrica deve ser a daqui e não aquela de lá, é uma questão matemática.
    Segundo Ponto – Mercado:
    Na matéria de “seu pimenta” ele elenca e com muita propriedade que o ponto crucial desta fase negra da BITWAY foi a perda da parceria com um grande magazine regional (Insinuante), que deveria responder por uma polpuda parcela da produção da empresa, este fator a nosso ver implica então na produção da fábrica de Ilhéus, infelizmente para nós e temos certeza que mais ainda para a empresa e seus sócios – ambos Ilheenses, não se pode demitir onde tem produção e sim onde não há produção.
    A BITWAY é a bola da vez do Pólo de Informática, já se foram Bahiatec, Waytec, Ibracomp, Notecel, Linear, Sense, Advanced, Netgate, Megaware, Preview, e outras que não lembro agora, algumas se mudaram e outras fecharam mesmo, isto sem citar outras tantas de porte menor que “fecharam” após algumas ações da Receita e Polícia Federal, neste sentido NUNCA se ouviu falar da BITWAY envolvida em nenhum dos escândalos que estouraram em cima do Pólo de Informática, alguns orquestrados por interesses de outros centros produtores.
    O mercado de computadores vem mudando rapidamente para Notebook, e quem não planejou sua logística, produção, parceiro de tecnologia e principalmente o seu CAIXA, não vem e não vai sobreviver, produzir notebook com incentivo fiscal é extremamente complicado e CARO, são operações que envolvem recursos de grande monta, e cremos que por aí tenha começado a queda da BIT e de outras tantas empresas do ramo.
    Poucas empresas conseguirão sobreviver, terão que repensar sua engenharia, linha de montagem, para um número cada vez menor de microcomputadores e cada vez maior de notebook, se não produzir o notebook vai ficando fora do mercado que naturalmente ficará seleto e nesta seleção natural quem vai terminar pagando a conta é o consumidor, pois onde não tem ou é pequena a concorrência a tendência é de PREÇOS ALTOS.
    Caminhos para a BITWAY e outras empresas do ramo e do nosso Pólo:
    Certamente Paulô, Martial, e equipe saberão encontrar o caminho do equilíbrio e dar a volta por cima, se houver ajuda melhor ainda, não necessariamente ajuda financeira pois esta dificilmente virá, mas existem outras formas de ajuda – políticas industriais, fiscais, entre outras. Algumas das empresas citadas anteriormente ficaram em dificuldade financeira e com muita grana de CREDITO FISCAL, porém a nossa boa Receita Federal para devolver, ainda que seja em compensação de tributos leva SÉCULOS, reduzir este tempo é uma forma de ajuda, uma política industrial mais flexível para a produção de notebook, que não imponha uma logística tão cara e complicada como é hoje em dia, é outra forma de ajuda, tá vendo que em duas linhas encontramos duas alternativas de ajuda sem mexer com os cofres do estado, cremos então que outras tantas devem existir, é uma questão de trabalhar em conjunto com entidades de classe, legislativo e executivo municipal para “tentar” sustentar o nosso Pólo de Informática, caso contrário, temo que num curto espaço de tempo possamos estar lamentando outras perdas de dezenas ou centenas de postos de trabalho.

  11. Quando terminei de ler a msg do Sr Jose, surgiram algumas duvidas e perguntas em minha mente, então resolvi perguntar:
    * Ele pode ter muito dinheiro aplicado na Bit e precisa ajudar a defendeh-la para proteger os R$ em jogo?
    * Ele realmente não tem conhecimento das armações da Bitway (nao conhece as armações da dita cuja) mas entende muito de incentivos fiscais?
    * ou será que a carta lançada pelo Sr Jose já veio editada e corrigida pela diretoria da Bitway, soh para confundir a opniao publica ?
    = Já que ele esta tão bem informado, porque esqueceu de citar o famoso “Varejo do Brasil”? ja’ que e’ uma das formas que a Bitway encontrou para burlar o fisco, haja vista que da maneira que a coisa acontece so’ a Bitway sai ganhando , veja como acontece há muitos anos:(Atraves de mais de 200 revendas espalhadas pelo Brasil (ver lista no site da própria Bitway) , milhões de R$ deixam de ser cobrados porque o Cliente vai na loja que tem CNPJ diferente da Bitway, faz o orçamento, efetiva a compra e faz o pagamento , porem quem emite a nota fiscal e’ a Bitway em Ilheus endereçando diretamente para o cliente usuario final e não para a revenda, como deveria acontecer de acordo com a Lei, para que os impostos fossem gerados e cobrados, como a BITWAY tem isenção fiscal total ninguém paga imposto, nem a Bitway nem as revendas, com isto as pequenas empresas que não aderem ao esquema da Bitway ficam de fora do mercado e muitas destas já ateh fecharam as portas pois comprando para revender tem que pagar impostos e consequentemente não tem preço para concorrer com as revendas que usam o esquema da Bitway ”isto no mínimo e’ concorrência desleal” ( será que algum fiscal do Estado ou da União vai ler esta msg para dizer se isto eh legal ou não?) milhões de Reais em impostos deixam de ser arrecadados anualmente principalmente para as vendas efetivadas para outro estado “isto e’ matemática” so’ que ninguém sabe aonde este dinheirão foi parar.
    Geraldo Neves

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top