skip to Main Content
8 de agosto de 2020 | 03:21 pm

ITABUNENSE, ILHEENSE, GRAPIÚNA. JORGE, AMADO!

Tempo de leitura: 3 minutos

Escritor itabunense completaria 98 anos hoje, 10 de agosto (Foto Google).

O blog Sopa de Poesia, de Gustavo Felicíssimo, lembra que Jorge Amado, se vivo estivesse, completaria hoje 98 anos. Um dos maiores escritores da Língua Portuguesa, nascido em Itabuna, criado em Ilhéus e cidadão do mundo, Jorge fala de si numa entrevista à Literatura Comentada. Entrevista biográfica concedida ao jornalista Antônio Roberto Espinosa. Confira alguns trechos aqui e leia tudo lá no blog de Gustavo.

LITERATURA COMENTADA – Há meio século, Jorge Amado, você lan­çou seu primeiro livro. Em setembro de 1981 comemora-se o cinqüentená­rio de O País do Carnaval. Esta entre­vista será incluída num livro dedicado especialmente a você, que será lança­do no dia 10 de agosto, exatamente o dia em que você estará completando 69 anos de idade. Nossa intenção é fa­zer uma entrevista biográfica. Mas, nu­ma entrevista de 1980, à revista france­sa Lui, você disse que não gostava de falar de si mesmo. Por quê?
JORGE AMADO
– É verdade, não gosto. Tem gente que adora fa­lar de si próprio, alguns porque não têm importância nenhuma e falam para se dar importância, e outros, que são importantes, falam porque gostam. Agora, eu não sou importan­te e não gosto de falar sobre mim; aliás, não gosto nem de ouvir falar a meu respeito: fico encabuladíssimo, fico assim sem jeito… eu não gosto, é uma maneira de ser.
LC – Portanto, é normal que o públi­co tenha uma grande curiosidade so­bre o homem Jorge Amado. Em grande parte, os leitores de Literatura Comentada são jovens que não viveram tudo isso e querem saber suas opiniões, suas versões. Insistindo: essa entrevista tem um objetivo basicamente biográfico.
JA
– Está bem, concordo. Estou às ordens. Toca o bonde!
LC – Para começar, você poderia fa­lar um pouco sobre seu pai, João Ama­do de Faria, e sobre dona Eulália Leal, a dona Lalu, sua mãe.
JA
– Eu quero falar um pouco tam­bém sobre o meu nascimento porque há uma coisa controvertida. Há notícias diferentes, erradas. Há muitíssimos anos, na Enciclopédia Larousse, da França, existe um verbete que me dá como nascido em Piranji. Pi­ranji é uma coisa que não existe mais. Deve existir outro no Brasil, porque aquele teve que mudar de no­me, passou a ser Itajuípe. Outro dia, num texto que escrevi para uma re­vista que dedicou um número a mim, a Vogue, eu disse que não nas­ci em Piranji, ao contrário, Piranji eu vi nascer. Eu assisti ao seu nasci­mento, desde as primeiras casas que foram construídas.
Em geral, me dão como nascido em Ilhéus, o que é muito compreen­sível, pois eu fui pra Ilhéus com um ano, ou, para ser exato, com um ano e cinco meses, pois fui pra lá em janeiro de 14 e nasci em agosto de 12. Mas eu nasci realmente numa fazen­da de cacau que meu pai estava montando, perto de um arraial cha­mado Ferradas, distrito do municí­pio de Itabuna. O nome da fazenda era Auricídia… hoje, o arraial cres­ceu, chegou lá, chegou até a casa on­de nasci. Aliás, faz poucos anos, eu estive lá e a população foi muito ge­nerosa comigo, muito cordial, todo mundo me esperando na rua…
Sou nascido em Ferradas, distrito de Itabuna, sou itabunense, ou seja, sou um grapiúna da região do ca­cau. Mas Ilhéus também é minha ci­dade no sentido de que é o lugar on­de eu vivi a minha infância – a in­fância, um tempo muito importante na vida da gente. E também a mi­nha adolescência, as férias. Ilhéus é uma cidade extremamente ligada à minha vida, como todo o sul da Ba­hia, toda a região do cacau. Itabuna fica a 25 quilômetros de Ilhéus. Quando estava em Ilhéus, ia pra Ita­buna sempre. Quando morreu meu irmão Jofre, nós fomos pra Itabuna porque minha mãe não quis ficar em Ilhéus. Passamos lá um ano e tanto, foi quando nasceu meu irmão Joelson, que é médico e mora em São Paulo. Dos três irmãos, o único nascido em Ilhéus é James.
Assim, eu sou, ao mesmo tempo, um menino de Itabuna e Ilhéus, co­mo o Adonias Filho, que é nascido em ltajuípe, o antigo Piranji, e cria­do em Ilhéus.
LC – Seu pai era fazendeiro, pioneiro do cacau …
JA
– Meu pai foi um homem que viera muito cedo de Sergipe, da cida­de de Estância. Viera no início do sé­culo, quando das grandes lutas en­volvendo o cacau, ele se envolveu nessas lutas, participou delas…
LC – Lutas pela posse das terras?
JA
– A terra não era de ninguém, era mata, ele veio para ocupar a ma­ta. A luta era para ver quem ficava com as melhores terras para plantar cacau. Meu pai plantou essa fazenda Auricídia – aliás, a saga que es­tá contada em Terras do Sem Fim – e, bastante tempo depois, casou­-se com minha mãe, dona Eulália Leal, que também era de uma famí­lia de desbravadores da terra.
Confira a íntegra da entrevista

Esta publicação possui 2 comentários
  1. Bom ler está entrevista do nosso mais expressivo “contador de estórias”. Nada mais do que isso, foi o nosso JA! E já era muito para a época e as pirambeiras donde veio à luz!
    Seu talento extraordinário estava em florear e fantasiar os fatos de sua época, transferindo-os para um papel por meio de um processo de digitação aracaico: a antiga máquina de escrever.
    Sei muito bem o que utilizar esse equipamento para redigir. As correções precisavam ser feitas com o que, na época, se chamava “bacalhau”. O “bacalhau” era uma errata colada ao texto original, depois de riscado. Assim, uma única folha de papel podia ter tantos “bacalhaus” quanto as necessidades de dar uma nova redação ao que não ficou bom, aos olhos do redator, depois da revisão.
    Estejas com Deus, “Contador de Estórias”!

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top