skip to Main Content
3 de junho de 2020 | 08:21 pm

UNIVERSO PARALELO

Tempo de leitura: 7 minutos

NUM SÓ DIA, DUAS PEDRADAS NOS JORNAIS

Ousarme Citoaian

No mesmo fim de semana, recebo duas pedradas, vindas de veículos diferentes, mas igualados no mesmo desleixo com a linguagem. Um dos principais diários de Itabuna estampa no alto da página: “Gisnática Laboral em alta no setor empresarial”; e o dito mais importante jornal do Nordeste, de Salvador, saiu-se com esta pérola, também num título: “O medo não é só da mulher. Não tem haver com gênero”. Um caso, além dessa incômoda gisnática, tem o agravante da rima (“laboral-empresarial”), o que já condenaria o título. O outro (pela relevância do jornal) é ainda mais grave.

OS ERROS NOS ESPREITAM TODO O TEMPO

Quem conhece, mesmo sem aprofundar-se, a rotina de uma redação sabe que os erros nos espreitam todo o tempo. Mas há erros e erros (até já abordamos aqui os famosos erros de digitação, outrora chamados erros de imprensa). Escrever gisnática (em vez de ginástica) é erro de digitação, ao levar o “s” para um lugar estranho. É acidente de trabalho que precisa ser atendido pelo próprio redator, o editor ou por um profissional em extinção, chamado revisor). Nada justifica (principalmente em letras grandes) que chutes na canela cheguem às bancas e atinjam leitores incautos.

DIFERENÇA ENTRE ACIDENTE E IGNORÂNCIA

Mais difícil ainda é aceitar como “normal” que um redator (muito provavelmente com formação universitária) grafe tem haver em lugar de tem a ver, pois aqui não se trata de simples derrapagem a que todos temos direito, mas de ignorância crassa de princípios elementares de língua portuguesa. Como disse um cínico, “herrar é umano”, mas se a gente usa mais a borracha do que o lápis, é preciso desconfiar. Não entendo que um grande jornal tenha o direito de cometer erros desse nível. Em qualquer boa escola de segundo grau essa construção receberia um zero bem grande e redondo.

A LEI DE LAVOISIER NO TEXTO LITERÁRIO

O crítico Hélio Pólvora compara a literatura a uma olimpíada, afirmando que “na boa literatura a lanterna de Diógenes passa de mão em mão, como tocha olímpica”. O autor de Itinerários do conto acrescenta que as consequências desse caminhar da tocha “são as aparentes imitações, que, na verdade, aproximam temperamentos, sensibilidades, experiências comuns”. Passando de uns para outros, a arte recebe acréscimos que a engrandecem, de sorte que nada é propriamente novo, mas transformado, uma espécie de Lei de Lavoisier. Por mais criativo que pareça o autor (foi assim que entendi), sempre há alguém que o inspirou e motivou.

O TEXTO RESULTA DE TRABALHO COLETIVO

Para Hélio, nada acontece por acaso em literatura, sendo esta uma obra de arte coletiva. “Para cada grande escritor que surge (…) em língua portuguesa, haverá sempre uma geração ou mais de escritores diversos que prepararam alicerces às suas descobertas”, afirmou o crítico em 1985, em palestra na Universidade Federal da Bahia. Por ser a literatura um trabalho “de equipe”, matéria que se transforma ao longo da existência, ao agregar autores diversos, ela cria dificuldades extras para os não iniciados, como eu. É muitas vezes torna-se difícil separar a homenagem e a deslealdade: citação e pastiche, referência e plágio .

A OLAVO BILAC O QUE É DE OLAVO BILAC

Tenho consciência de que a citação possa, diante de leitores menos atentos, soar como apropriação indébita, mesmo assim a uso. Há pouco, empreguei aqui, sem aspas nem nada, a expressão “nasceu pequeninho, como todo mundo nasceu”, uma referência (tomara que) óbvia a Caymmi; também reproduzi, aspeado, o verso “[Em que Camões] chorou no exílio amargo, o gênio sem ventura e o amor sem brilho”, citação intencional clara do soneto “Língua portuguesa”, de Olavo Bilac. Não me apropriei de produção alheia, apenas considerei que os leitores não exigem bula, e precisam ter sua inteligência respeitada. Mas vou tomar mais cuidado.

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE ANTÔNIO OLINTO

O jornalista João Lins de Albuquerque (foto), ex-chefe da Divisão de Língua Portuguesa da Rádio das Nações Unidas (ONU) em Nova York, tem na praça o livro Antônio Olinto – memórias póstumas de um imortal. É uma entrevista com o mineiro Antônio Olyntho Marques da Rocha (Ubá/MG 1919-Rio/RJ 2009), de quem extraiu histórias magníficas. Intelectual dos mais aparelhados que o Brasil produziu, Olinto (vejam que ele “consertou” o pernóstico Olyntho) brilhou em várias atividades, sobretudo a de professor: latim, português, história da literatura, francês, inglês e história da civilização. Seu livro Jornalismo e Literatura foi adotado em diversos cursos de jornalismo..

NOME QUE DISPENSA APRESENTAÇÕES

Antônio Olinto (foto) é uma das melhores justificativas para o lugar-comum “dispensa apresentações”. Como “apresentar” alguém que foi, com invulgar entusiasmo, professor, jornalista, crítico literário, autor de dicionários e de gramática, ensaísta, autor de literatura infantil, acadêmico (ocupou a Cadeira nº 8 da Academia Brasileira de Letras), contista, romancista, poeta – e ainda encontrou horas vagas para se dedicar às artes plásticas? É melhor não identificá-lo por nenhuma dessas habilidades, pois qualquer delas nos levaria ao pecado da omissão. Chamemo-lo, simplesmente, de Antônio Olinto. Para quem o conhece deve ser suficiente.

MURUCUTUTU, SAFADO, LUPANAR E SAUDADE

Em matéria para O Globo, Olinto perguntou a dez escritores, por telefone, qual era a palavra mais bela da língua portuguesa. Guimarães Rosa escolheu murucututu, segundo ele, uma corujinha amazônica, afirmando que “nenhum país tem uma palavra tão bonita quanto esta, cinco ´us´ numa palavra só”. Jorge Amado (foto), provocador, preferiu safado (de Safo, a poeta grega), mas Roberto Marinho vetou a publicação, o que levou o escritor a escolher outra: lupanar. “Pior ainda!”, lamentou Olinto, pois esta é que não seria publicada mesmo. Ele disse que lupanar é uma palavra bonita, mas que safado era de “um mau gosto atroz”. A vitoriosa no concurso de Globo foi… saudade.

PALAVRAS COM SEDUÇÃO E ENCANTO

Para Antônio Olinto, alegria era a palavra mais bonita da língua portuguesa. Ele conta que, em Londres, viu uma casa em cuja fachada estava escrito: “Alegria”. Sem pensar duas vezes, tocou a campainha, ouvindo de um inglês meio atônito a explicação: “Eu morei no Brasil um bom tempo e achava a palavra alegria tão bonita que, quando voltei, resolvi decorar a entrada da minha casa com ela!”. Eu tenho cá comigo algumas palavras que acho muito bonitas: encanto e sedução, por exemplo. E você, quer entrar no jogo e dizer quais as duas palavras que mais o seduzem ou encantam na língua portuguesa? Parece que cometi um trocadilho…

“FASCINANTE” CANÇÃO QUE VIROU MANIA

Fascinação enraizou-se na MPB a ponto de a gente nem lembrar que ela é francesa. De 1905, a canção só chegou à língua portuguesa em 1943, na versão de Armando Louzada, gravada por Carlos Galhardo. Foi mania nacional, aliás, mundial: teve registros de Dinah Shore, Nat King Cole, Jane Morgan (para o filme Amor na tarde, de 1957), Connie Francis, Dean Martin, Edith Piaf, Pat Boone, Demis Roussous. Entre nós, foi entoada, além de Galhardo, por Nana Caymmi, Agnaldo Rayol, Francisco Petrônio, José Augusto, Agnaldo Timóteo, Jorge Vercillo e até por uma dupla chamada Sandy e Júnior .
</span><strong><span style=”color: #ffffff;”> </span></strong></div> <h3 style=”padding: 6px; background-color: #0099ff;”><span style=”color: #ffffff;”>E FRED JORGE CRIOU CELLY CAMPELLO!</span></h3> <div style=”padding: 6px; background-color: #0099ff;”><span style=”color: #ffffff;”>No auge do sucesso, em 1965, a música teve uma versão no Brasil, gravada por Agnaldo Timóteo. Como costuma ocorrer com as

A GRANDE VOZ DA NOVELA “O CASARÃO”

Em 1976, quando ninguém mais queria saber de Fascinação, a música foi incluída no álbum Falso Brilhante, de Elis Regina, e daquele momento em diante tornou-se um dos temas românticos mais presentes no repertório da cantora – com a luxuosa ajuda das novelas O Casarão/1976 e O profeta/2006, ambas da Globo, de que fazia parte da trilha sonora. Mais tarde, com sua reconhecida criatividade, o SBT também teve Fascinação como tema (e título) de novela, só que na voz de Nana Caymmi. Tem mais: em 2007, com a letra em francês, o tema foi usado em Piaf – um hino ao amor, filme baseado na vida de Edith Piaf.

VERSÃO CORRIGIU FRAQUEZAS LITERÁRIAS

Canção de amor desesperado, bem ao feitio das escolhas de Piaf, a versão brasileira é “leve”, e poeticamente mais consistente, no estilo dos nossos letristas românticos. (curiosidade: nos mais de 30 versos de  Fascination não há esta palavra nem uma vez). As fraquezas literárias saltam logo nos primeiros versos: Je t’ai rencontrée simplement/ Et tu n’as rien fait pour chercher à me plaire (algo como “Eu lhe encontrei simplesmente/ E você nada fez para tentar me agradar”). Louzada corrigiu isto, com o lirismo de “Os sonhos mais lindos sonhei/ De quimeras mil um castelo ergui”. Com (letrista) brasileiro não há quem possa. Clique e veja/ouça.

(O.C.)

FORÇA NACIONAL NO SUL DA BAHIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Os conflitos envolvendo índios tupinambá e pataxó e proprietários de fazenda no sul da Bahia acirraram os ânimos às vésperas das eleições e, neste sábado, homens da Força Nacional de Segurança Pública foram deslocadas para Pau Brasil, onde um indígena foi morto há uma semana.
Cerca de 30 homens da Força Nacional saíram de Itabuna para a região de Camacan e Pau Brasil ao final desta tarde, distribuídos em seis picapes. A polícia recebeu informações de que estradas seriam interditadas nesta noite e havia a ameaça de novos conflitos.
Segundo os produtores, houve mais de uma dezena de invasões de propriedades nos últimos 20 dias. Outras equipes da força também vão cobrir a área de Buerarema, Ilhéus, Una e São José da Vitória.

"LOIOLAGATE": HOMEM-BOMBA CONTA TUDO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Freire entrega esquema de Loiola.

Nitroglicerina pura a entrevista que o ex-assessor do presidente da Câmara de Itabuna, Clóvis Loiola, concedeu ao jornal A Região. Eduardo Freire conta, com riqueza de detalhes, como o político do PPS de Itabuna embolsava – todos os meses – R$ 20 mil em dinheiro público, a título de mesada.
Parte da mesada, contou, era garantida pela empresa de publicidade Mozaico Propaganda. Seriam exatos R$ 11 mil desviados da Câmara para o bolso de Loiola, conforme Eduardo Freire. A empresa repassava a grana em cheque do Banco do Brasil, na mesma agência onde o presidente da Câmara mantém conta, localizada no Centro Administrativo Firmino Alves.
Além disso, Eduardo Freire conta como funcionava o esquema de obtenção fraudulenta de empréstimo consignado na rede bancária, usando contracheques adulterados na Câmara. A denúncia atinge desde o presidente Clóvis Loiola ao colega de legislatura Ruy Machado (PRP).
Freire abriu a boca e resolveu contar tudo porque, segundo ele, o presidente foi a emissoras de rádio responsabilizá-lo pelos desvios. Segundo Freire, Loiola embolsou algo como R$ 200 mil retendo dinheiro de empréstimos consignados contraídos por seus assessores.
Confira a íntegra

REJEIÇÃO AO NOVO CENTRO ADMINISTRATIVO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Surgem as primeiras reações à intenção do prefeito ilheense, Newton Lima, de instalar o Centro Administrativo no antigo galpão da Bitway, no Distrito Industrial. A fábrica de computadores encerrou suas atividades em Ilhéus no mês de julho, quando a empresa entrou com pedido de recuperação judicial.
Embora não tenha relação com a indústria de informática, o presidente do Sindicacau (Sindicato da Indústria de Produtos de Cacau), Luiz Fernandes, já deu o seu pitaco sobre a mudança, que considera equivocada.
Para Fernandes, o governo deveria torcer para que a Bitway reativasse sua produção em Ilhéus e não ocupar o espaço da fábrica. “É preciso lembrar que o distrito é industrial deve acolher empreendimentos deste segmento e não repartições da prefeitura”, critica o sindicalista.
O presidente do Sindicacau afirma que vai incentivar a realização de protestos de trabalhadores contra a ideia do prefeito.

PESQUISAS APONTAM VITÓRIA DE DILMA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Dilma em vantagem na reta final (Foto Monica Alves/Exame).

O eleitorado brasileiro assiste a uma enxurrada de pesquisas neste sábado (30). Seja Datafolha, Ibope, Vox Populi ou Sensus, todas apontam a eleição de Dilma Rousseff (PT) com vantagem que varia de 10 a 21 pontos, a depender do instituto, diante de José Serra (PSDB).
CONFIRA PESQUISAS FEITAS HOJE (VOTOS VÁLIDOS %)
Datafolha
Dilma Rousseff (PT) – 55%
José Serra (PSDB) – 45%
Pesquisa ouviu 6.554 eleitores neste sábado (30) e foi encomendada pela Folha e Rede Globo. A margem de erro é de 2 pontos.
Ibope
Dilma Rousseff (PT): 56%
José Serra (PSDB): 44%
Pesquisa ouviu 3.010 entrevistas neste sábado (30), sob encomenda do Estadão e Rede Globo. Margem de erro de 2 pontos.
Vox Populi
Dilma Rousseff (PT) – 61%
José Serra (PSDB) – 39%
Pesquisa ouviu 3 mil eleitores neste sábado (30), encomendada pelo Portal IG. Margem de erro de 1,8 ponto.
Sensus
Dilma Rousseff (PT) – 57,2%
José Serra (PSDB) – 42,8%.
Pesquisa ouviu 2 mil eleitores neste sábado (30), encomendada pela Confederação Nacional de Transporte (CNT). Margem de erro de 2,2 pontos percentuais.

VOTAÇÃO SEGUE HORA LOCAL

Tempo de leitura: < 1 minuto

A votação neste segundo turno obedecerá à hora local dos estados, não seguindo o horário de verão. Portanto, assim como ocorreu no primeiro turno, as seções eleitorais irão abrir às 8 horas e fecham às 17 horas.
Por conta do horário de verão e da diferença de fuso horário em quatro estados (Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima), as pesquisas de boca de urna somente poderão ser divulgadas a partir das 19 horas.

PERIGO NA RODOVIA ILHÉUS-ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O trecho da rodovia Ilhéus-Itabuna que compreende o final da avenida Juracy Magalhães e o acesso ao condomínio residencial Jardim das Acácias é mal sinalizado, escuro e representa perigo para pedestres e motoristas. Praticamente não há acostamento.
A pista esburacada aumenta os riscos. Se o motorista não percebe, é jogado facilmente para dentro do rio. Toda semana há registro de acidente. Mais um destes ocorreu há pouco, envolvendo pelo menos dois veículos – um Volkswagen Gol e um Fusca.

CORPO ENCONTRADO EM ITAJUÍPE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Pode ser de Luciano Lima dos Santos, vulgo “Cheiro”, o corpo encontrado no final da tarde desta sexta-feira, 29, na Fazenda Luzerna, às margens da BA-262, em Itajuípe. O cadáver foi localizado por um trabalhador da propriedade, que acionou imediatamente a polícia. Mas a remoção do corpo só ocorreu na manhã deste sábado, pois os policiais alegaram que não havia condições de retirá-lo ontem à noite, por causa da pouca luminosidade.
Familiares de Luciano dos Santos, que está desaparecido há cinco dias, afirmaram que ele usava roupas idênticas às que vestiam o corpo encontrado ontem. No entanto, a identificação somente será confirmada após a perícia no Departamento de Polícia Técnica de Itabuna.

COM A BOCA NA BOTIJA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Por muito pouco não foi registrada mais uma fuga na cadeia pública de Almadina. A tentativa aconteceu na madrugada deste sábado, 30, quando o carceireiro da unidade percebeu estranha movimentação em uma das celas. Pediu reforços e em minutos uma guarnição da PM, juntamente com um agente da Polícia Civil, apareceram no local.
Ao chegar à carceragem, os policiais flagraram um dos presos escavando a parede com uma barra de ferro pontiaguda. O “tatu”, cujo nome não foi revelado, assim como os que dividiam com ele o mesmo espaço, foram transferidos para outra cela.
Dessa vez, não houve debandada.

PROCURA-SE UM PRESIDENTE PARA O BRASIL!

Tempo de leitura: 3 minutos

Manuela Berbert
Sentei para escrever esse texto e fiquei me perguntando, de frente para o computador, como começar. Minha maior preocupação hoje é não parecer aqui uma pessoa partidária. Até porque, neste exato momento, confesso não ter vontade de torcer por nenhuma das duas opções que estão aí, candidatos a governar o meu Brasil.
Procurei no dicionário virtual o conceito da palavra INTEGRIDADE.  E li que “ela significa a qualidade de alguém ou algo ser íntegro, de conduta reta, pessoa de honra, ética, educada, imparcial, brioso, pundonoroso, cuja natureza de ação nos dá uma imagem de inocência, pureza ou castidade, justo e perfeito, puro de alma e de espírito”. Onde está a integridade nas duas opções que temos?
Definitivamente, estou confusa. Montaram um personagem chamado Dilma, que eu não sei de onde saiu nem o que já fez da vida, e querem que eu a eleja como a autoridade máxima do Poder executivo e da República, a maior liderança do meu país. Lula tem feito campanha para ela 24 horas por dia, empenhado, e eu gostaria de prestigiá-lo nessa empreitada, mas não tenho coragem. Falta alguma coisa nessa mulher. Às vezes acho que é simpatia. Às vezes acho que lhe falta inspirar confiança. Não tenho certeza do que falta, e por isso fico receosa.
Conheço José Serra. Lembro dos seus grandes feitos na área da saúde no Brasil. Aliás, foi levantando a bandeira da qualidade da saúde que eu o conheci, e aprendi a admirá-lo. Já parei na frente da TV para vê-lo explicar campanhas de vacinação, dentre outras coisas. Mas o tempo e a convivência podem ser cruéis com as pessoas. E acho que foi mais ou menos isso que aconteceu. A convivência, especialmente nesse período de campanha eleitoral, arranhou a minha simpatia por ele.

O horário político é ridículo e os debates foram, TODOS, um atentado à moral da população.

O horário político é ridículo e os debates foram, TODOS, um atentado à moral da população. Não vi nem ouvi propostas, planos de governo, promessas. Essas duas pessoas que estão aí hoje almejando liderar o meu país conseguiram denegrir a própria imagem dia após dia, numa luta incansável de provar que o outro é PIOR. Estou quase acreditando que correto foi o palhaço Tiririca, que foi autêntico ao ‘dar as caras’ dizendo que ‘pior do que está não fica’.
Abri os jornais e as revistas, buscando informações, e não as tive. Só li dossiês pagos, agressões, desafetos. E ainda tive que recordar episódios tristes da história do meu Brasil, porque eles fizeram questão de resgatar e citar indivíduos que eu gostaria de esquecer. Enquanto um dizia ‘fulano é seu amigo e isso prova que você não presta’, o outro respondia ‘mas você é amigo de fulano de tal, que fez pior ainda’. Aquele velho ‘jogo infantil’ que algumas mães têm, colocando sempre a culpa no comportamento do filho do vizinho.
É, querido fiel leitor, sinto uma dor no peito ao dizer que a impressão que tenho é que domingo o Brasil vai eleger o menos pior. A que ponto chegamos hein? Triste realidade. O poeta e dramaturgo inglês Willian Shakespeare disse um dia que ‘os miseráveis não têm outro remédio a não ser a esperança’. A mais pura verdade. Independente do nosso voto e partido estamos todos pautados na incerteza do futuro e somos todos miseráveis, vestidos da esperança de que aquele que seja eleito não nos decepcione TANTO.
Procuro um presidente para o meu Brasil e não acho. Não acredito nas opções que me deram. Não confio nas informações que tenho. Sequer posso observar as pesquisas. Baiana de nascimento e de alma me apego às frases de efeito, como a de Marcio Vitor, do Psirico. Sim, a desilusão já chegou à nossa cultura popular. Numa de suas canções, em que relata a miséria do povo que vive nos morros, há uma frase interessante: “‘ê chuá chuá, temporal que leva tudo, só minha fé não vai levar”…
Manuela Berbert é apresentadora de TV, publicitária e colunista do Diário Bahia.

Sentei para escrever esse texto e fiquei me perguntando, de frente para o computador, como começar. Minha maior preocupação hoje é não parecer aqui uma pessoa partidária. Até porque, neste exato momento, confesso não ter vontade de torcer por nenhuma das duas opções que estão aí, candidatos a governar o meu Brasil.
Back To Top