skip to Main Content
29 de setembro de 2020 | 10:45 pm

CESTA BÁSICA TEM FORTE ALTA EM ILHÉUS E ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos

Pesquisa apura feijão mais caro nas prateleiras.

O custo da cesta básica disparou em outubro na comparação com setembro tanto em Ilhéus (alta de 7,28%) como em Itabuna (4,28%).
A cesta básica saltou de R$ 168,55 em setembro passou para R$ 180,82 em outubro em Ilhéus e de R$ 168,31 para R$ 175,51 em Itabuna. Numa rima sem graça para o bolso do consumidor, pode-se dizer que o vilão da cesta básica foi o feijão.
Enquanto em setembro o quilo do brasileirinho podia ser comprado a R$ 3,46, em outubro a conversa foi outra. Pra levar um quilo do produto, o consumidor precisava desembolsar R$  4,55 em feiras e supermercados ilheenses. Alta de 31,54%.
Já na vizinha “Tabocas City”, o feijão danado pulou de R$ 3,49 para R$ 4,35 entre setembro e outubro. A pesquisa de preços foi feita pelo Departamento de Economia da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).
Pra não deixar o feijão sozinho nessa história sem graça e nada doce, lá vem o açúcar. Fez docinho e, na média, ficou 14% mais caro em Ilhéus e Itabuna. O aumento do feijão se deve a problemas climáticos. O açúcar está mais caro por causa da demanda de outros países pelo produto brasileiro, conforme os coordenadores da pesquisa mensal.
Apesar da elevação de preços nas duas maiores cidades sul-baianas em outubro, a cesta básica está mais em conta do que há seis meses. Em abril, a cesta custava R$ 192,67 em Ilhéus e 185,17 em Itabuna.

PERRENGUE NO RESTAURANTE DO POVO, PIZZA NA CÂMARA E FEIJOADA NA PREFEITURA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Vejam como estão as coisas em Itabuna. No Restaurante do Povo, a despensa está cheia… de débitos. Na Câmara de Vereadores, aguarda-se  que uma pizza tamanho família seja servida a qualquer momento e, na Prefeitura, o cardápio desta sexta-feira, 06, será feijoada.
Não é brincadeira! O almoço será oferecido para servidores do município pelo sindicato da categoria, numa iniciativa para dar um sabor diferente ao protesto iniciado nesta quinta-feira, 04, quando funcionários do poder público local acamparam no estacionamento do Centro Administrativo.
A ocupação da Prefeitura é uma estratégia para forçar o prefeito José Nilton Azevedo a cumprir acordo feito com a categoria, sob a supervisão do Ministério Público do Trabalho. O acordo prevê o pagamento de comissões, adicionais e horas extras, que o gestor vem sonegando ao funcionalismo.
Nem precisa dizer que Azevedo não foi convidado para o feijão.
(E essa história de feijoada acaba virando pretexto pra gente ouvir música boa. É só clicar no vídeo abaixo)

CARRETA DE AUTO-ESCOLA ERA USADA PARA TRANSPORTAR CARGA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Carreta transportava cacau, ilegalmente (Foto Pimenta).

Uma carreta de uma auto-escola foi apreendida pela Polícia Rodoviária Estadual na Operação Rodovia em Paz. O veículo estava sendo usada ilegalmente no transporte de cacau. A irregularidade foi anotada durante abordagem no quilômetro 32 da BR-415 (Posto da Nova Itabuna).
Segundo o Código de Trânsito Brasileiro, veículos de auto-escola são proibidos de ter outro fim que não seja o de aprendizagem. Para isso, as empresas pagam impostos reduzidos desde a compra do veículo. A carreta foi apreendida, ainda, por circular em péssimo estado de conservação, a exemplo dos pneus carecas.
Policiais relatam que, durante a abordagem, o motorista da carreta tentou dar a conhecida “carteirada” para liberar a carreta irregular. Não funcionou.

SURPRESA?

Tempo de leitura: < 1 minuto

A massa está pronta, o forno já foi ligado, o pizzaiolo preparou um recheio dos bons, mas pizzaria legislativa de Itabuna pode ter uma sexta-feira diferente da que se projetava.
Aliás, tem dia melhor para surpresa do que uma sexta?

SALÁRIO MÍNIMO FICARÁ ENTRE R$ 560 E R$ 570

Tempo de leitura: < 1 minuto

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, afirmou hoje que o novo salário mínimo, a vigorar a partir de 1º de janeiro de 2011, será fruto de negociações do governo com partidos políticos e centrais sindicais, e deve ficar entre R$ 560 a R$ 570. “Menos que esse patamar não deve ser”, afirmou. Por enquanto, a proposta do governo é de R$ 538, que poderia ser arredondado para R$ 540. As centrais sindicais já pediram, contudo, para que a mínimo suba dos atuais R$ 510 para pelo menos R$ 580 (IG).

BACTÉRIA KPC PODE TER CAUSADO MORTE DE CRIANÇA

Tempo de leitura: < 1 minuto

A superbactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase (KPC) é apontada como provável causadora da morte de uma criança de nove anos, em Itabuna.
Ela estava internada no hospital pediátrico Manoel Novaes e faleceu no final da manhã desta quinta-feira, 4. A criança era portadora da Síndrome de Down.

IONÁ CONTINUA NO CARGO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Bahia Notícias publicou nota, há pouco, afirmando ter sido um equívoco a informação divulgada de que a prefeita de Camamu, Ioná Queiroz, teria sido cassada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), ontem.
Ioná continua no cargo.
O processo por crime eleitoral ainda é apreciado pelo TRE e a votação está empatada em 3 a 3, faltando apenas o voto de desempate do presidente do tribunal, Mário Alberto Hirs.

MASSA NO CAPRICHO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O relatório da Comissão Especial de Inquérito (CEI) que investiga desvios de R$ 1 milhão na Câmara de Vereadores de Itabuna não mais será lido em plenário amanhã (5). A desculpa da vez é que o documento não foi encaminhado aos vereadores.
A apresentação foi remarcada para o dia 16, às 14 horas.
Por certo, dará tempo para que os malfeitores arranjem desculpa melhor para as suas traquinagens naquela casa de santos…
(O adiamento tem a ver, também, com a bomba que explodiu na Câmara neste final de semana. O ex-assessor da presidência da Casa, Eduardo Freire, revelou esquema de corrupção que garante ao vereador Clóvis Loiola (PPS) o embolso de R$ 20 mil por mês. Os vereadores sabem que outra bomba será detonada neste final de semana nas páginas d´A Região. Por isso, decidiram adiar a leitura do relatório da CEI.)

NEM "RACIONAMENTO" DÁ JEITO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Clientes fazem fila à espera de carne (Foto Pimenta).

O Restaurante do Povo foi reaberto nesta quinta, mas enfrentou dificuldades no reabastecimento. Apesar de reduzir em 70% o número de refeições comercializadas a R$ 2,00, faltou comida por volta das 13h10min.
Acima, foto do Pimenta revela o instante em que os clientes tiveram de aguardar pela chegada alimentos, a exemplo de carne bovina. O detalhe é que o restaurante fechou as portas por mais de uma semana porque não pagava o frigorífico Frigobom e este cortou o fornecimento de carne.
Segundo o secretário de Assistência Social de Itabuna, José Formigli Rebouças, o débito da prefeitura com o Frigobom é de, aproximadamente, R$ 80 mil.

ÁGUA NO FEIJÃO: RESTAURANTE DO POVO "APERTA O CINTO"

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Restaurante do Povo (Restaurante Popular) foi reaberto nesta quinta-feira, 4, em Itabuna, após dez dias de portas fechadas. O estabelecimento ficou temporariamente desativado porque a Prefeitura acumulou dívidas com quem abastecia a dispensa. Somente com um frigorífico de Itabuna o débito chegou a R$ 80 mil.
Bem antes de fechar, o RP já vinha amargando dias de penúria e a clientela já notava que eram tempos de vacas magras. Uma fonte do Pimenta informou que o calote nos fornecedores gerou uma crise entre o secretário da Fazenda, Carlos Burgos, e o da Assistência Social, José Formigli Rebouças.
E quem perdeu foi Formigli. A partir desta quinta-feira, o restaurante não mais está sob a gestão da Secretaria de Assistência Social, mas sim da pasta da Agricultura, comandada por Antônio Marcelino. É esta área que também cuidará do abastecimento da cozinha, com víveres adquiridos pelo PAA (originalmente, este programa tem o objetivo de fornecer alimentos a creches, escolas da rede municipal e instituições filantrópicas, e teme-se o risco de desabastecimento).
Ao Pimenta, o secretário Formigli confirrmou que o Restaurante do Povo não está mais sob os seus cuidados. Também informou que, nesta nova fase, o estabelecimento não poderá atender ao mesmo número de pessoas de antes. O público médio era de 1.000 clientes, mas agora é possível servir apenas 300 pratos.
Tá servido?

Back To Top