skip to Main Content
25 de setembro de 2020 | 07:59 pm

ACIDENTE COM 5 VEÍCULOS MATA MOTOCICLISTA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um acidente envolvendo cinco veículos, no quilômetro 14 da rodovia Ilhéus-Itabuna (BR-415), matou o motociclista Jonelson Gonçalves dos Santos, 37, por volta das 21 horas deste domingo (23). Jonelson pilotava uma moto Honda Titan, placa JRP-7547.

De acordo com informações preliminares, o motorista do carro que provocou o acidente conseguiu fugir, abandonou o veículo no Salobrinho, em Ilhéus, e buscou atendimento médico em um hospital de Itabuna, onde foi detido pela polícia. O acidente causou grande engarrafamento na rodovia Ilhéus-Itabuna.

A polícia rodoviária também anotou, neste final de semana, outro acidente falta envolvendo uma moto. O casal Joilson de Oliveira e Rosane Almeida estava numa moto que colidiu com um Fiat Pálio, no quilômetro dois da BA-001, ontem, por volta das 19h. Rosane teve morte instantânea e o esposo foi encaminhado com escoriações para o Hospital Geral Luiz Viana Filho, em Ilhéus. O casal residia em Itabuna. As informações são do repórter Costa Filho, da rádio Jornal de Itabuna.

DEIXA PRIMEIRO ARROMBAR A PORTA

Tempo de leitura: 2 minutos

Ricardo Ribeiro | ricardoribeiro@pimentanamuqueca.com.br

O poder público mente na maior parte das vezes em que alega ter sido pego de surpresa. Tanto no que se refere às crises como às catástrofes, existem hoje conhecimento acumulado e instrumentos hábeis  a prevenir. Claro que o fator surpresa não pode jamais ser descartado, mas que seja exceção e não regra.

O caso das chuvas na região Sudeste é emblemático. Todos os anos elas vêm torrenciais e implacáveis, destruindo casas em “situação de risco”, dissolvendo encostas e matando gente. A cada uma dessas ocorrências lamentáveis, as autoridades perfilam-se diante dos microfones da imprensa para declarar, impávidas e solenes, que foi tudo uma fatalidade para a qual não estavam preparadas.

Tão destruidora quanto as catástrofes é a presença da droga em nossa sociedade. Sua ação deletéria é mais lenta, contudo provoca igualmente muito sofrimento, desagregação de famílias e um sem número de mortes, que atordoam as autoridades. Estas, como de praxe, são sempre pegas “de surpresa”.

Em Itabuna, já foram duas dezenas de homicídios nos 20 primeiros dias do ano. Média de um por dia e a repetida motivação relacionada às drogas. Segundo o geógrafo Roberto José, que é também escrivão de polícia na cidade, entre 70% e 80% dos assassinatos ocorridos por aqui têm a ver com o tráfico de drogas. Nessas estatísticas, o famigerado crack se tornou um formidável aliado da morte.

Diante de tal situação, nossas autoridades ainda mantêm grande timidez. O crack foi assunto do programa eleitoral da então candidata – e hoje presidente – Dilma Rousseff – , assim como foi tema de campanha publicitária do Governo da Bahia. E por enquanto é só.

O assunto não é policial, pois exige abordagem ampla e ação enérgica de toda a sociedade. É problema social, de saúde, já que se trata de verdadeira epidemia a se alastrar por todo o país, dos grandes centros às pequenas vilas do interior. Encontra terreno fértil na miséria, ausência de perspectivas, desestruturação familiar e falta de de referências.

Na última semana, uma adolescente de 16 anos incendiou o barraco onde morava, na periferia de Salvador, porque a avó não queria lhe dar dinheiro para comprar droga. Quantos pais, mães e avós não estão neste momento enfrentando a ameaça de jovens enlouquecidos pelo crack? E quantos filhos não estão crescendo a ver seus próprios pais se drogando?

Essa é uma realidade que, queiramos ou não, está bem próxima de nós. Uma catástrofe sem fim.

Ricardo Ribeiro é um dos blogueiros do Pimenta na Muqueca e editor do Política Etc.

PEGA LEVE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um turista mineiro assustou-se neste domingo, 23, com os valores contidos no cardápio da cabana da praia de Itacarezinho, em Itacaré. A praia tem cenário deslumbrante, é uma das preferidas dos chiques que visitam a cidade, e é natural que cobre preços diferenciados, mas…

Uma porção de batatas fritas por R$ 18,00 e uma de filezinho com aipim frito por R$ 65,00 é meio exagerado.

O turista, que costuma viajar por outras regiões do Brasil e também outros países, jura que poucas vezes viu uma exploração tão grande.

JUIZ BRIGA COM PRESIDENTE DA OAB. CONFUSÃO PODE PARAR NA CORREGEDORIA DO TJ

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um entrevero entre o juiz Valdir Viana, da 4ª Vara Cível de Itabuna, e o presidente da subseção local da OAB, Andirlei Nascimento, deverá provocar uma representação contra o magistrado junto à Corregedoria do Tribunal de Justiça da Bahia.

Segundo informações colhidas pelo PIMENTA, uma forte discussão aconteceu na tarde desta sexta-feira, 21, quando Nascimento – na qualidade de presidente da Ordem – foi chamado para socorrer um advogado que desejava retirar um processo no cartório da Vara do Júri, mas não teve permissão para tanto.

Ao chegar à Vara do Júri, cuja titular é a juíza Cláudia Valéria Panetta, o presidente da OAB encontrou vários PMs e o juiz Valdir Viana, que não tem nada a ver com a Vara do Júri, senão pelo fato de ser marido de Cláudia Panetta.

A discussão com o magistrado, segundo apurado pelo blog, descambou para o campo da ofensa e Nascimento se queixa de que a própria OAB foi desrespeitada na condição de entidade que tem a competência de velar pelos direitos e prerrogativas dos advogados.

O assunto, delicadíssimo, será debatido em uma reunião extraordinária na sede da subseção, nesta segunda-feira, 24, a partir das 18 horas.

CLIMA QUENTE SÓ NA ARQUIBANCADA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O clima no jogo entre Colo Colo e Fluminense na tarde deste domingo só esquentou mesmo na arquibancada do estádio Mário Pessoa (leia post abaixo). Em campo, as duas equipes fizeram um jogo de poucos lances emocionantes, que terminou com um diplomático empate.

Vantagem para o Flu, que jogou fora de casa, embora a equipe feirense tenha saído de Ilhéus com um gostinho de derrota. Isto porque foi o time de Feira que abriu o placar e sustentou os três pontos até o finalzinho da partida, quando acabou facilitando e permitindo que o Colo Colo empatasse.

EX-CONTROLADOR E FAMÍLIA DE ADVOGADO SÃO DETIDOS APÓS CONFUSÃO NO MÁRIO PESSOA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Estudante é conduzido para a viatura no Mário Pessoa.

O jogo entre Colo Colo e Fluminense de Feira nem bem havia começado e a polícia teve que trabalhar. Edson Silva e os irmãos Thomas e Jeferson Araújo trocaram sopapos e acabaram algemados e levados para a delegacia de polícia. Um “debate” sobre a política ilheense teria acirrado os ânimos dos “brigões”.

Edson Silva é ex-controlador geral da prefeitura de Ilhéus. O advogado Cosme Araújo, pai dos jovens, também se envolveu na confusão. Edson levou socos no rosto. Araújo saiu com a boca machucada após levar um soco do ex-controlador e funcionário do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

EM BUSCA DE UMA SINECURA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Tempos atrás, o secretário da Fazenda de Itabuna, Carlos Burgos, andou dizendo que sairia em breve do governo, partindo diretamente, sem escalas, para seu escritório de advocacia. Burgos adora dar a impressão de que o cargo público é um fardo, que ele carrega em nome de um puro e verdadeiro amor a Itabuna.

Não é o que o secretário demonstra neste momento, quando a sua saída da Fazenda é dada como favas contadas. Ao prefeito José Nilton Azevedo, o secretário afirmou que deseja outra pasta no primeiro escalão, o que deixou o chefe do executivo na maior saia justa.

“Desapego” é isso aí!

UNIVERSO PARALELO

Tempo de leitura: 7 minutos

ONDE O VERSO “CRISTALINO” DE BILAC?

Ousarme Citoaian
Certa vez, falamos que a boa linguagem tem alguma feição “matemática”.  Há uns 300 anos, quando passei pela escola pública, estudava-se uma coisa chamada análise lógica – e é por aí que, mesmo aos trancos e barrancos, caminho: a frase bem feita há de ser lógica, sim, racional, cartesiana, precisa, clara – se possível, cristalina, saindo da oficina sem um defeito, conforme ensinou Bilac (foto). Por isso me chamou a atenção a fala do novo mandatário da cooperativa que administra o Hospital de Base de Itabuna. “A população pode esperar um atendimento extremamente humanizado, porque quando a fatalidade bate à porta não manda avisar”, disse ele – para meu completo espanto.

A CONJUNÇÃO EXPLICATIVA… EXPLICA!

“Porque” é conjunção. Logo, liga ideias que se complementam logicamente: “Não foi ao cinema, porque não tinha dinheiro”. O dirigente poderia ter dito “… porque haverá investimento nesta área”, ou “… porque nós vamos contratar pessoal especializado”, ou “… porque este é um objetivo do prefeito” – e por aí vai, em quase infinitas possibilidades. Mas “… porque quando a fatalidade bate à porta…” não passa de abjeta subliteratura. É quase como um cartola dizendo que o time vai ganhar “porque a torcida merece”. O que leva o time a ganhar não é a vontade da torcida, mas outros fatores (nem sempre lícitos, é verdade). A fatalidade bater ou não à porta não influencia nível do atendimento.

DIFERENÇA ENTRE A PEDRADA E O DESCUIDO

E antes que me esfreguem nas fuças as elipses e outras figuras que costumam acobertar as derrapagens linguísticas, valho-me de um exemplo colhido no próprio autor, na mesma solenidade, e também divulgado pela mídia. Falando de o estado passar a cobrir as despesas do hospital, ele disse, em bom português: “Mas o estado não pode fazer isso, porque o Hospital de Base é do município”. Mais adiante, o mesmo dirigente afirma que a Prefeitura de Itabuna nada pode fazer para melhorar a situação, porque não tem suporte financeiro”. Duas frases que nos fazem pensar que a inicial não foi uma pedrada, mas mero descuido. A lógica chegou atrasada, mas chegou.

BRASIL, DITADURA, REDE GLOBO, COLLOR

As eleições de 1989, após mais de duas décadas de ditadura militar, criaram no brasileiro uma motivação nunca vista antes nem depois. Ainda estávamos sob o efeito da campanha “Eu quero votar pra presidente” (Diretas já), e os eleitores mais à esquerda se sentiam de alma lavada, estrela na lapela e, na ponta da língua, o jingle de Hilton Acioly (Lula lá/ brilha uma estrela/ Lula lá/ cresce a esperança…). Aí, deu Collor, com a luxuosa ajuda da Rede Globo e quase tivemos de começar tudo de novo. Mas, mesmo com a eleição do dito caçador de marajás, “valeu a espera”: o Brasil não mais estava sob as botas do Exército. Dos males, o menor.

ELEIÇÃO COM PRESENÇA DE 22 CANDIDATOS

Foi uma eleição memorável, com embates candentes entre a direita e a esquerda, confrontos em que vários candidatos se sobressaíam. Tudo muito distante desse bom-mocismo a que assistimos, aos bocejos, em 2010. Desta vez, só Plínio de Arruda Sampaio (remanescente da velha escola) queria ver o circo pegar fogo; em 1989, todo mundo levava gasolina para o debate: Brizola, Lula, Covas, Maluf, Caiado, Collor, Ulisses Guimarães, Roberto Freire… Os novos (e não versados em política) dirão que minto. Mas digo e provo que havia nada menos do que 22 candidatos, o mais amplo leque ideológico representado. E (quase) todos tinham propostas.

COVAS “À ESPERA” DE ULISSES GUIMARÃES

Mário Covas dava uma coletiva em Ilhéus, respondia no limite da cortesia a todos que o interrogavam, até que o caldo foi entornado, quando um repórter lhe propôs a seguinte questão: “O candidato Ulisses Guimarães chega à região depois de amanhã, em campanha. O senhor pretende ficar aqui para conversar com ele e acertar algum tipo de composição?” Covas (foto), que tinha intolerância a bobagens, esteve para explodir. Contou até cinco, digeriu a asneira e disse, com seu vozeirão contido: “Dr. Ulisses e eu moramos em São Paulo e conversamos frequentemente. Se eu quiser falar com ele, atravesso a rua e falo. Não preciso ficar aqui dois dias esperando”. E encerrou a coletiva.

UMA ESTRANHA FORMA DE PERNOSTICISMO

Não sei em que circunstâncias, em que livro ou jornal conheci esta avaliação de Aurélio Buarque de Holanda, aquele mesmo (foto): a pior forma de pernosticismo que alguém pode ter é falar errado para ser agradável aos outros. Pois eu conheço gente que pratica a heresia da linguagem incorreta, para parecer “simples”. Quem estudou até a oitava série, pelo menos (e conservou a faculdade de discernir), sabe que, na linguagem, como na vida em geral, ser simples não é ser simplório. E simplicidade, é bom repetir, não é defeito, mas qualidade de escrever e falar. E de viver. Ser simples não é ser rasteiro.

É MUITO FEIO FAZER-SE DE ANALFABETO

A feira livre (um traço importante da cultura brasileira) é o local típico onde homens e mulheres se comunicam eficientemente, numa linguagem estranha à norma livresca. Mas as pessoas que “alisaram os bancos escolares” precisam honrar o investimento que receberam (às vezes um pouco à custa desses mesmos feirantes). E uma forma de responder ao tempo e dinheiro que consumiram na escola é falar corretamente, embora sem afetação e rebuscamento. Deficiência quanto à escolaridade adequada não é bonito – e mais feio ainda é alguém se travestir de analfabeto para atrair simpatia.

IGNORÂNCIA NÃO É DIREITO, É CASTIGO

Dito de outra forma, analfabetismo não é direito de ninguém; é castigo de muitos, patrocinado por governos que, ao longo do tempo, descobriram que a ignorância é poderoso instrumento de dominação. É uma espécie de camisa de força, algo que nos impede os movimentos e nos impele o olhar para o foco que interessa ao sistema. A ignorância das massas é programada pelos mais “sabidos”, ou empiricamente entendida pelo mais bisonho dos governantes como uma ferramenta de trabalho. Pessoas de melhor nível intelectual precisam ser humildes, não manipuladoras.

COMENTE! »

SOLITÁRIO, ALMA MAGOADA, VIDA TRISTE

Minha vizinha comprou um aparelho de som (aquilo que nos últimos tempos a galera chama apenas de “um som”). Potente de não sei quantos decibéis. Ela é vidrada numa canção que fala de um homem solitário (parece que a companheira o mandou pastar – e teve lá suas razões), de “alma magoada, vida triste e abandonada” e que está tentando esquecer a sujeita. Mas o inferno são os outros: “Alguém da casa ao lado/ vive com o rádio ligado/e isso faz lembrar você”. É a tragédia do cara: toda vez que ele escuta uma besteira no rádio sente alimentada sua dor-de-cotovelo. Esta pérola, que de tanto escutar já decorei uma parte, chama-se, ironicamente, A casa ao lado.

“VOCÊ SEM MIM TAMBÉM ESTÁ NA SOLIDÃO”

Quis fazer uma notinha sobre este tipo de música, mas os jornalistas Daniel Thame e Ricardo Ribeiro, aqui mesmo no Pimenta, anteciparam o assunto – e eu, além de me recolher quando eles escrevem, vi que seus exemplos eram bem mais agressivos do que o meu. O repertório de minha vizinha, diga-se por motivo de justiça, não tem essa baixaria de botar a B… no pau, a mão naquilo ou aquilo na mão. Com ela é tudo família, puro romantismo, na base do “Você sem mim também está na solidão/ acho que é melhor te procurar”, ai Deus que eu morro! E não reclamem da salada pronominal, pois a um tipo assim ardente de paixão tudo é permitido, até mandar a gramática às favas.

NA ESTRADA, “CADA ESTRELA É UMA FLOR”

Tem emprego, a vizinha, graças a Deus. Assim, só em fins de semana, feriados e dias santificados ela encontra oportunidade de ligar sua potente aparelhagem e desfilar esse rosário de sofrimento amoroso rimando canção com coração. “É preciso cantar para alegrar acidade”, parece ser seu lema, acrescido de “E que tudo o mais vá pro inferno”. Eu, de minha parte, rezo e torço para que ela não perca o emprego, de sorte que venha a perturbar meu silêncio de segunda a sexta-feira. Para a vizinha (em represália), Daniel e Ricardo (em solidariedade), É de manhã, a primeira canção de Caetano (gravada por Betânia, a mana). Aqui, com Elizete, a divina.


(O.C.)

COMENTE! »

(O.

SERVIDOR PÚBLICO DETIDO POR DIRIGIR BÊBADO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O servidor público federal Railton Guimarães Santana, 56, foi preso ao dirigir embriagado e fazendo ziguezague na BR-415, ontem à noite. Agente de inspeção sanitária da Ceplac, Railton saía do bairro Morumbi, às margens da rodovia, em direção ao centro de Itabuna e quase provoca colisões com um caminhão e um carro de passeio em frente ao Posto da Polícia Rodoviária, na Nova Itabuna, ao invadir a contramão.

Uma guarnição composta pelo Sargento Dias e os soldados Valdir e Costa perseguiu o motorista, que dirigia um Fiat Uno (JRM-9169), e o alcançou já no viaduto do entroncamento das BRs 415 e 101. A embriaguez ficou constatada no teste do bafômetro, que assinalou 0,78 mg/l.

O servidor federal foi conduzido para o Complexo Policial de Itabuna, terá a carteira apreendida, multa de R$ 957,00 e responderá pelo crime de direção perigosa, conforme o Código de Trânsito e a Lei Seca.

CAETANO: “VAMOS DEMONSTRAR QUE É POSSÍVEL RESOLVER OS PROBLEMAS”

Tempo de leitura: 4 minutos

Amigo do governador, Caetano diz que UPB não será entidade chapa-branca (foto José Nazal)

Duas eleições tranquilas ocorrerão esta semana na Bahia. Sem grande dor de cabeça, o prefeito de Camaçari, Luiz Caetano, do PT, será eleito no próximo dia 27 como o novo presidente da UPB (União dos Municípios da Bahia). É candidato de consenso, após ter perdido por 12 votos em 2009. Outro que vencerá sem disputa é o prefeito de Ibicuí, Cláudio Dourado (PTB), candidato único à presidência da Amurc (Associação dos Municípios do Sul, Extremo-Sul e Sudoeste da Bahia).

Caetano e Dourado se reuniram com 21 prefeitos sul-baianos na noite deste sábado, 22, em um jantar no Hotel Jardim Atlântico, em Ilhéus. No encontro, falaram de uma nova agenda para o municipalismo, do fortalecimento da luta pela reforma tributária e da consolidação dos territórios.

O prefeito de Camaçari defende uma UPB renovada e incorpora bandeiras como a luta pela distribuição dos royalties do pré-sal com base no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) dos municípios e a implantação de cursos de capacitação profissional no interior da Bahia.

O PIMENTA compareceu ao encontro e bateu um papo com Caetano sobre a eleição mais fácil da vida dele. Confira abaixo:

PIMENTA – O senhor tem pregado uma UPB mais forte e incisiva na defesa do municipalismo. Como está sendo formatada essa nova União dos Municípios?

LUIZ CAETANO – Nós estamos formatando um novo modelo de municipalismo, a luta do novo municipalismo. Estamos construindo essa nova agenda, em função de que o município de hoje não é como o da época de Lomanto Júnior, ou de outras épocas atrás. Hoje, com a globalização, a internet, a criação dos territórios, as novas leis, tudo mudou bastante.

PIMENTA – Mudou em que sentido?

CAETANO  – Por exemplo, hoje nós temos que pensar mais no território, o prefeito não pode ficar com a cabeça só no município, ele tem que estar unido em seu território com os outros prefeitos para que ele seja um líder regional e trabalhe regionalmente. Observe que são poucos municípios que podem fazer um aterro de lixo, e ainda tem a questão do transporte, da segurança pública, o problema ambiental, o desenvolvimento econômico com sustentabilidade… Essas questões todas precisam ser trabalhadas dentro de um perfil mais amplo e, para isso, nós precisamos de nossa entidade fortalecida. Ela precisa se comunicar, ter um sistema de comunicação, precisa ter uma estrutura para ajudar o conjunto dos gestores  a capacitar suas equipes. Por isso eu quero construir a escola de gestores, a escola de governo junto à UPB.

PIMENTA – E o que fazer para oxigenar o caixa dos municípios, já que quase todos estão sem recursos sequer para o custeio?

CAETANO – Nós não podemos deixar de lado a luta pela reforma tributária, a luta pela distribuição dos royalties do pré-sal, que deve ocorrer com base no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e não apenas para os estados produtores. Tudo isso está lincado com o discurso da (presidenta) Dilma. Se ela quer erradicar a miséria, nós vamos entrar com a agenda positiva para que isso possa de fato acontecer em nosso país.

Será uma relação elegante. Nós não vamos ser entidade chapa-branca, seremos independentes (sobre a relação da UPB com o governo Wagner).

PIMENTA – Mesmo após o governo Lula, ainda persiste essa queixa com relação à divisão do bolo tributário. Isso nos leva a entender que o presidente mais popular da história do país não foi assim tão bom para o municipalismo?

CAETANO – Lula ajudou muito os municípios e a maior conquista é a relação que passou a existir entre o poder central e o poder local. Lula fez a relação direta. Existe município que recebe mais recursos do Bolsa Família do que registra de arrecadação. Há uma relação mais direta e a tendência é cada vez mais descentralizar porque o cidadão mora no município. Então cada vez mais a federação vai ser o município. O que nós precisamos para ter essa independência maior? Reforma tributária, distribuição dos royalties do pré-sal. Vamos construir essa agenda e não é só gritando, brigando. É gritando, brigando, mas apresentando solução, demonstrando como é possível resolver os problemas.

PIMENTA – O senhor coordenou a campanha do governador Jaques Wagner à reeleição. Como será a relação entre a UPB e o governo?

CAETANO – Será uma relação elegante. Nós não vamos ser entidade chapa-branca, seremos independentes. Vamos nos mobilizar e criar um canal de negociação com o governo. Nós queremos fazer as escolas regionais de capacitação profissional e buscaremos a contrapartida do Governo do Estado, do Governo Federal. Queremos criar grupos de projetos para ajudar regionalmente os municípios e vamos precisar da ajuda do Estado e da União. Vamos realizar um grande seminário de planejamento, para não ficar com a agenda só de acordo com a cabeça do presidente. Ela deve ser fruto de um conjunto, que é esse movimento do novo municipalismo da Bahia.

PIMENTA – O senhor falou que foi uma maravilha construir uma chapa de consenso, mas que agora está complicado fechar a composição da chapa. Como está sendo esse processo?

CAETANO – Tem mais candidato a candidato do que vaga, mas esse é um bom problema. Isso mostra que o nosso discurso e que a nossa proposta estão empolgando e mobilizando as pessoas. É por isso que elas querem compartilhar. Eu deixei por último (o fechamento da chapa) exatamente por isso. Para o prefeito sentir que quem tem de ir pra lá é quem tem condição de dedicar um tempo maior, pra gente botar pra frente, botar pra brilhar.

PIMENTA – Já tem uma data prevista para o fechamento dessa composição?

CAETANO – Até terça-feira a gente tem que fechar, porque quarta tem que registrar.

PIMENTA – Como será a participação do sul da Bahia na chapa? A região terá duas vagas?

CAETANO – Teremos participação de praticamente todas as regionais, mas é um pouco complicado ter duas vagas. A indicação está sendo feita pela própria regional, sem a nossa interferência. Agora, repito: quem for pra lá, vai sabendo que terá de fazer alguma coisa e terá de prestar contas do que está fazendo. Cada integrante vai ter que dar plantão na UPB, pelo menos uma vez na semana.

Back To Top