skip to Main Content
23 de janeiro de 2021 | 04:53 pm

“Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros”. – CHE GUEVARA

Tempo de leitura: 3 minutos

Daniel Thame | danielthame@hotmail.com

Do Blog do Thame

O que você faria se num final de tarde sombria, naquela imensidão de solidão coletiva que é a capital paulista, durante a visita ao túmulo de um parente num cemitério praticamente vazio, presenciasse dois policiais militares assassinando friamente uma pessoa algemada e sem condições de se defender?

Conhecendo o modus operandi da polícia brasileira e sua clássica versão ´o marginal foi baleado e veio a óbito após reagir à ordem de prisão e trocar tiros com os homens da lei´, é bem provável que você tratasse de deixar o local o mais rápido possível, rezando para não ser visto e fazer companhia ao recém-assassinado e ao parente ora visitado e pranteado.

Fez o certo, diriam os amigos, ao tomar conhecimento da aventura quase transformada em desventura.

Fez o certo, dirão todos aqueles que sabem que diante da violência extrema e do rompimento frequente dessa linha cada vez mais tênue que separa uma parcela (pequena é verdade) da polícia da bandidagem, o melhor a fazer é se omitir.

Se possível, apagar da mente o testemunho daquele assassinato, como se ele não fosse real, mas uma aparição fantasmagórica, num cemitério de almas penadas e vidas friamente penalizadas.

Há, entretando, os que, desafiando a lógica e o bom senso, são capazes de tremer de indignação quando presenciam o que consideram uma injustiça.

Foi o que fez uma moradora de Ferraz de Vasconcelos, na periferia da Grande São Paulo, que, ao presenciar o assassinato de um jovem dentro de um cemitério, ligou para o telefone de emergência da PM, o 190, e narrou, ao vivo, a execução:

– A Polícia Militar acabou de entrar com uma viatura aqui dentro do cemitério, com uma pessoa dentro do carro, tirou essa pessoa do carro e deu um tiro. Eu estou aqui próximo à sepultura do meu pai.

Em seguida, passa o prefixo da viatura policial e, ainda com o fone ligado, num gesto temerário, aborda um dos policiais, que diz que apenas está prestando socorro. “É mentira. É mentira, senhor. É mentira. Eu sei bem o que ele fez”, diz a mulher ao atendente do 190.

Além da extrema coragem, a ligação provavelmente evitou que a mulher se tornasse aquilo que no jargão marginal se convencionou chamar de queima de arquivo.

De acordo com o que apurou o comando da PM, o rapaz assassinado tinha passagens pela polícia e trocou tiros com os soldados, sendo atingido na perna e capturado. O procedimento padrão seria levar o bandido a um pronto-socorro para receber atendimento e sem seguida ele que pagasse por seus crimes, como determina a lei.

Pelo menos quando se trata da lei que vale para pobres coitados…

Mas no meio do caminho havia um cemitério, havia a lei não escrita de que bandido bom é bandido morto. E mortos, à exceção do que acreditam os adeptos do espiritismo, não falam.

No meio do caminho havia, também, uma mulher, que está sob proteção e que se tornou um exemplo de anônima coragem, que, ao se indignar, não pensou no bandido, mas no ser humano que estava sendo vítima de uma atrocidade.

Lapidar, nesse caso, é a frase do comandante da PM ao se referir ao, digamos, azar dos policiais-assassinos:

-Talvez eles tenham acreditado que não tivesse ninguém. Mas num cemitério, num sábado à tarde, sempre tem alguém chorando por alguém.

Não apenas chorando por alguém, mas reagindo por alguém, como se, com uma simples ligação telefônica, fosse possível tornar o mundo menos brutal e animalesco.

Daniel Thame é jornalista.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top