skip to Main Content
12 de abril de 2021 | 02:17 pm

MP E TJ-BA ENCERRAM MEDIAÇÃO PELO FIM DA GREVE DOS PROFESSORES

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Ministério Público do Estado da Bahia e o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), diante do fracasso nas negociações iniciadas na última semana, encerraram a mediação para pôr fim à greve dos professores estaduais.

As duas instituições emitiram nota pública detalhando as ações empreendidas para encerrar o movimento que já soma 105 dias e dá sinais de radicalização ainda maior, agora envolvendo a desocupação do prédio da Assembleia Legislativa.

– (…) Não resta outra alternativa às referidas Instituições-Mediadoras senão considerar, nas atuais circunstâncias, concluídas as negociações, sem prejuízo da inevitável obediência aos demais desdobramentos legais – é o que dizem os representantes em nota pública.

A nota está abaixo transcrita:

NOTA PÚBLICA

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA e o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, ciosos da dignidade constitucional da educação como um valor fundamental e conclamados pela APLB (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia), e, em seguida, pelo Estado da Bahia, para mediação conjunta, realizaram numerosas atividades mediadoras, nos últimos dias, voltadas à obtenção de um consenso para o término da greve dos professores da rede pública estadual, que perdura há quase cem dias – com graves prejuízos para toda a coletividade.

Persistindo o impasse, em razão da não obtenção de um acordo em tempo hábil e aproximando-se uma situação de dano irreversível ao calendário escolar, após empreendidos todos os esforços e ante a ausência de condições objetivas de resolução no âmbito da mediação, não resta outra alternativa às referidas Instituições-Mediadoras senão considerar, nas atuais circunstâncias, concluídas as negociações, sem prejuízo da inevitável obediência aos demais desdobramentos legais.

Salvador (BA), 16 de julho de 2012

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA

Esta publicação possui 11 comentários
  1. A greve é apenas um instrumento a ser utilizado nas movimentações sindicais, de classes, para reivindicar melhorias (seja salariais e/ou de condições de trabalho), mas não o único, …!!!

    O prolongamento excessivo da greve poderá colocar a comunidade em geral contra os Professores, nas não a favor do (des)governo, …!!!

    Fazendo uma analogia, a greve com mais de 100 dias poderá ter o mesmo efeito colateral que a ditadura em Cuba, por mais de 50 anos, …!!!

    Todos já sabem que o Governador não vale coisa alguma, e a resposta de agora em diante devera ser dada nas urnas, …!!!

    O movimento já foi vitorioso no sentido de ter ganho o apoio popular e ter desmoralizado o governo estadual, que, dentre outras coisas, não tem palavra, …!!!

    Agora, a permencer a greve, aí sim, poderá começar a dividir as opiniões, …!!!

    Melhor usar o embuste, isto é, fazer de conta que está recuando, para ganhar muito mais à frente, .., até as leoas, exímias caçadoras, fazem isso, para conseguir derrubar e subjugar os búfalos, muito mais fortes que elas, e em maior número, mas sem uma estragégia definida, …!!!

    Acordem, Professores, …!!!

    E lembrem-se de que: A diferença entre o remédio e o veneno é a dose, …!!!

  2. Vamos passar de ano sem estudar.. e depois frequentar um pasto… Irresponsabilidade dos dois lados .. Professor e Governo, e pronto ñ vamos aqui só culpar apenas uma a culpa dos dois, e pronto ESTAMOS A CEM ANOS ATRAS DE UM PAIS DE 1º MUNDO NO QUE SE REFERE A EDUCAÇÃO, MAIS QUREMOS GANHAR A COPA.. E AS ELEÇÕES COM RIOS DE MENTIRAS.

  3. nós é que temos razão de ficarmos com ciúme,estamos jogados à sorte dos órfãos ,sujeitos à não educação. Nós sim somos cuidadosos zelosos dos nossos deveres apesar de não haver recíproca mútua !

  4. Quer dizer que o GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA não respeita a LEI FEDERAL (Lei do Piso Nacional), o Procurador do MP/BA, nos faz a mesma proposta indecente do Governador e temos que: “por o rabinho entre as pernas e voltar-mos para a sala de aula”? Não consigo visualizar esse “radicalismo” por parte da categoria, pois os professores tem direito a manifestar a sua indignação e os mesmos não estão depredando da Assembléia Legislativa da Bahia, a presença dos colegas incomoda pq esses passam a ver o “trabalho pesado e exaustivo” da maioria dos Deputados Estaduais, para massacrar a população pobre e o funcionalismo, em especial, ” professores e policiais”. Daí, vem um nova reflexão, somente o professore deve cumprir a LEI? Pois, quando fui aceita no funcionalismo público tive que cumprí-la, com a apresentação de antecedentes criminais, diploma de graduação, dente outros. Para onde vai a nossa DEMOCRACIA?

  5. Parabéns Sergio Oliveira pela sua análise. É uma pena que algumas instituições estão assistindo a toda esta tragédia social de camarote, com a maior naturalidade. Aliás esta é realmente a atitude de quem não se preocupa com os estudantes baianos. Nós Professores realmente acreditamos em valorização, entretanto, para nossos governantes e membros das AL’s a valorização deve ser feita somente através de uma propaganda que tem uma música até “bonitinha” e algumas palavras para confortar o “coraçãozinho” desta categoria que é constantemente enganada. Um dia quem sabe, a sociedade vai se dar conta do verdadeiro papel do Professor e de sua importância, e aí quem sabe, talvez em um tempo muito distante, um futuro governante, vereadores, deputados e senadores estejam realmente preparados para serem justos com aqueles que os colocaram no poder. Independência entre os três poderes ? ….

  6. o Governador está conseguindo o que queria! Jogar os alunos e seus Pais , contra os professores!Hitler fazia isso na Alemanha!Uma mentira contada mais de mil vezes poderá virar uma verdade!!!! Nao tem problema nao governador! as urnas dirao a verdade!Nao é atôa que Salvador hoje, é a opior cidade para se viver e morar!A Bahia entao… nem se fala!

  7. É, “professora” Luciana Sertório, depois de ler o seu comentário, abaixo transcrito, me deu arrepio e fiquei a pensar como seus alunos estão sendo formados para a vida. Não precisa “por o rabinho entre as pernas” mesmo, mas, tirar o hífen de “voltar-mos, melhorar a concordância, usar melhor a vírgula e voltar a estudar para poder galgar um melhor salário.

    Luciana Sertório disse:
    17 17UTC julho às 13:52
    Quer dizer que o GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA não respeita a LEI FEDERAL (Lei do Piso Nacional), o Procurador do MP/BA, nos faz a mesma proposta indecente do Governador e temos que: “por o rabinho entre as pernas e voltar-mos para a sala de aula”? Não consigo visualizar esse “radicalismo” por parte da categoria, pois os professores tem direito a manifestar a sua indignação e os mesmos não estão depredando da Assembléia Legislativa da Bahia, a presença dos colegas incomoda pq esses passam a ver o “trabalho pesado e exaustivo” da maioria dos Deputados Estaduais, para massacrar a população pobre e o funcionalismo, em especial, ” professores e policiais”. Daí, vem um nova reflexão, somente o professore deve cumprir a LEI? Pois, quando fui aceita no funcionalismo público tive que cumprí-la, com a apresentação de antecedentes criminais, diploma de graduação, dente outros. Para onde vai a nossa DEMOCRACIA?

  8. Seria maravilhoso se o Srº Sérgio Oliveira, usasse desta mesma opinião em relação ao governo municipal.Quando se trata de mostrar ou criticar o comportamento de políticos da esquerda, o Sérgio Oliveira é de um patriotismo espetacular, mas, quanto ao desmandos do prefeito Azevedo, o srº Sérgio, quando não se cala, bate palmas. Lamentável.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top