skip to Main Content
19 de fevereiro de 2020 | 08:39 pm

É A VEZ DA CLASSE MÉDIA

Tempo de leitura: 2 minutos

Gustavo Haun | g_a_haun@hotmail.com

Cada vez mais o eleitorado vai querer saber a vida do (a) cidadão (ã) que quer se eleger. A sua biografia vai estar diretamente ligada ao processo sucessório das cidades, estados ou nação.

Quem ainda acha que é pobre que elege está totalmente equivocado. A verdade é que, a partir de agora, quem quiser disputar cargo político vai ter que agradar é a Classe Média.

Com uma importante agenda de políticas públicas, de distribuição de renda e de assistência social, ninguém imaginava que um semianalfabeto como Lula fizesse essa revolução: elevar 35 milhões de pessoas das classes mais baixas para cima.

E, hoje, o que se vive não é mais uma pirâmide que marcava as ordens socioeconômicas do país, está mais para um losango, com um inchaço no meio, no miolo.

O problema, para os politiqueiros de botequim, é que a Classe Média é mais estudada, mais ‘experta’ e mais interessada nas questões políticas, porque sabe que atua diretamente em sua vida, em sua família, em sua rua, em seu bairro, em sua cidade…

O miserável que passa fome e ganha um eternit, um saco de cimento, um dinheirinho para votar, cai no engodo da pseuda-assistência. Está na desgraça mesmo, o que vier é lucro. Embora essa seja uma mentalidade infeliz de terceiromundistas, que urge mudança!

Mas o sujeito que passa um tempo maior na escola, que trabalha e paga impostos, que lê jornal ou sites informativos, vê noticiário, mesmo que pouco, ou seja, um sujeito normal, dentro do padrão dito “médio”, é mais difícil de ser “engabelado”, “iludido”, “cair na armadilha”.

Cada vez mais o eleitorado vai querer saber a vida do (a) cidadão (ã) que quer se eleger. A sua biografia vai estar diretamente ligada ao processo sucessório das cidades, estados ou nação.

Isso acontece muito por conta da fragmentação dos próprios partidos políticos – muitos nanicos de mera conveniência, sem nenhuma história e ideologia –, agora sem mais bandeiras da Direita e da Esquerda, aí o povo “médio” vota no Homem, no Ser, no Ente que mais se adeque às necessidades coletivas.

Foi o que se viu em Itabuna e em muitas cidades do interior do estado. Um simples reflexo do que aconteceu nas eleições majoritárias para presidente há seis e dois anos.

Quem doravante quiser se eleger, independente da cor, sexo, religião ou partido, apresente projetos concretos, história de luta e honradez, trabalho real de base, interesse em solucionar os problemas dos mais carentes. Do contrário, com demagogia, pulinhos e corridinhas, não vai dar mais!

Gustavo Haun é professor, formado em Letras (Uesc), ministra aula em Itabuna e região e mantém o Blog de Redação

Esta publicação possui 15 comentários
  1. O professor precisa acompanhar mais política e economia para evitar fazer o infeliz e grosseiro comentário. Achar que os votos de Vane foram da classe média e o de Azevedo foram dos mais pobres é não conseguir fazer a leitura da eleição em Itabuna.
    É bom lembrar que também classe média recebe “eternit” para votar em candidato como Azevedo, e não são poucos.

  2. USAR A EXPRESSÃO QUE LULA É SEMIANALFABETO, É REALMENTE O FIM DA PICADA, PARA UM PROFESSOR DE LETRAS.
    GOSTARIA DE SABER DO PROFESSOR SE O AURÉLIO FEZ ALGUMA REFORMA, OU ALTERAÇÃO NO SIGNIFICADO DA PALAVRA SEMIANALFABETO.
    PROFESSOR REVEJA SEUS CONCEITOS,LIBERTE-SE DO PRECONCEITO, VEJA QUANTOS PRÊMIOS LULA GANHOU NO BRASIL E NO MUNDO.

  3. Estou impressionada com o seu ponto de vista.
    Resta-me apenas o entendimento de dor-de-cotovelo partindo de suas palavras.
    A distribuição do dinheiro público para tentar eleger novamente o atual prefeito foi notório e percebido pelos quatro cantos da cidade.
    E aí, nós somos obrigados a ler que a classe média ganha eleição?
    Não adianta remeter ao ex-presidente, para neutralizar a sua indignação pela derrota da atual gestão.
    Poupe-me, poupe-me. Sejamos mais coerentes, nobre Haun.

  4. Concordo com o professor em Genero,número e Grau!!Está assim mesmo e hoje ng se elege mais sem ter serviços prestados a comunidade!!Os candidatos a vereadores que o digam..os perdedores Kocó(Lordão)tds diziam que já estava eleito e aí???
    O Povo não é bobo,esta antenado ,cibernético,aqui na internet,somos maioria,dados de enquetes feitas aqui,VANE liderava em todas,só cego nao enxerga que a internet,será a grande arma deste século…Parabéns Professor acertou no comentário!!

  5. Se a classe média se importasse realmente com os problemas da cidade ela já teria se manisfestado a tempos. Até parece se preocupam com a vida de quem mora nas suas ou nas periferias, muito pelo contrário, como vocês estão no conforto não querem saber de quem está passando fome e frio, mesmo que a periferia não esteja tão longe assim de vocês.

    Acho ridícula algumas pessoas que quando veem um mendigo na rua faz cara de “oh coitadinho” mas é só isso e proto, porque não faz nada para ajudar ao menos uma pessoa. Porque tem que aquele pessoa possa roubar-lhe o celular ou a bolsa. Mas, é esse mesmo o resultado da preocupação da” CLASSE MEDIA”! SE PREOCUPAM TANTO QUE TÊM MEDO DE CHEGAR PERTO PARA AJUDAR. TÊM MEDO DE IR PARA AS RUAS REIVINDICAR VIDA UMA MELHOR PARA TODOS. Mas a verdade nua e crua é que não é apenas MEDO, é ACOMODAÇÃO, porque na casa de vocês não falta pão. Vocês não tem que pedir nas ruas frias e escuras e não são vistos pelas pessoas com cara de desprezo, nojo, preconceito e descriminação! Essa é a realidade da CLASSE SEM ALTA, MÉDIA, NEM BAIXA!

  6. Concordo plenamente com Marcelo e em alguns aspectos, com o articulista. Apenas duas observações a acrescentar.

    1º – pobreza não é sinônimo de burrice, pois em muitas seções eleitorais tidas como “zona de periferia” o candidato Claudivane ganhou ou disputou voto a voto com Azevedo;

    2º – temos que destacar o papel dos blogs no atual contexto da comunicação brasileira. Acabou a ditadura dos barões da mídia. (E aqui devemos incluir também a mídia regional, cujos proprietários colocam os seus jornais a serviço dos mandatários de plantão e de de seus interesse financeiros e políticos).

  7. Creio que houve interpretação equivocada de Omar, Daniel e Juliana Soledade.

    Omar, os pobres estão aos poucos ‘acabando’. Dilma põe vinte anos para o fim da pobreza absoluta no Brasil. É fato. Quem vai votar em massa é a Classe Média, quem deve ler mais talvez não seja eu.

    Daniel, a reforma coloca vogais diferentes juntas e iguais em palavras separadas com hífen. Deixe a paixão de lado, Lula é semianalfabeto, independente dos títulos ‘honoris causa’ ganhos no mundo!

    Juliana, mesmo tentando comprar a classe baixa e parte da classe média, o atual não conseguiu se reeleger. Dor de cotovelo com a vitória esmagadora? Creio que vc está muito enganada…

    Mesmo assim, o texto (que vem de tecido) serve para isso: debater, discutir, entrelaçar, etc. E a nossa intenção só foi uma: ver o novo. Ninguém está vendo a força que terá daqui para frente essa enorme Classe Média que surge, vinda da pobreza, e que está nas universidades com Prouni e Fies.

    Abraços,

  8. Eu concordo em parte com o texto do professor. Acredito que as pessoas não estão se deixando levar por estes articuladores de campanha politica, que em determinados depoimentos chegam a ser ridículos,acreditando eles que ainda estamos no tempo em que se amarravam cachoroo com linguiça, estamos no século 21, acordem para a vida e tentem fazer o que prometeram tanto durante a campanha no qual foi eleito, respeitem seus eleitores!!!!!!….
    Estou de acordo também com o texto do Observador, no qual ele destaca a importancia de redes socias, porque se fossemos dar atenção para alguns Blogs regionais ai ai …Teve um que deu um destaque imenso no dia 06, onde o titulo era O tiro de misericódia….Sem comentário!!! …só que o tiro saiu pela culatra!!!…Sem comentário……Abraços!!!! e Viva a Democracia e Viva o povo de Itabuna!!!!…

  9. A Única mentira aí é dizer que lula elevou 35 miliões de pessoas das classes mais baixas para cima, cada um fez um pouco, Collor fez FHC fez e lula fez um pouco .

  10. Veja como são os eleitores brasileiros : Fernando Henrique Cardoso é um livre-docente ou seja é o grau acadêmico mais elevado da carreira universitária que se pode chegar, Lula é um semi analfabeto preguiçoso nunca gostou de trabalhar sempre viveu envolto em greves e em mentiras e manipulando pessoas sempre viveu à custa dos outros e é considerado o melhor presidente da história isso é uma piada .O brasil elege um livre-docente logo em seguida elege um semi analfabeto . Será que o voto tem que ser pra todo mundo ?

  11. Acho que é bom analisar também alguns elementos que apontam para uma conclusão oposta à apresentada no texto. O Governo do PT foi responsável por uma intensificação no processo de privatização do ensino superior com políticas como o FIES e o PROUNI. O REUNI, por sua vez, é um programa de expansão precarizada das universidades federais que teve como reação diversas mobilizações de professores e alunos em todo o país, a exemplo da grande greve deste ano.
    A classe média tem, de fato, maior acesso a informações, mas isso não significa que essa esteja livre de ser eleitoralmente influenciada pelo aparato dos meios de comunicação que são controlados pelos “coronéis” de nosso tempo. Não significa que essa suposta “nova classe média brasileira” esteja livre da influencia de um sistema eleitoral antidemocrático que garante que alguns candidatos tenham muito mais tempo de TV e radio na propaganda eleitoral que outros, e que não garante a todos o direito de participar dos debates realizados pelas emissoras de TV.
    Outro fator que deve ser observado é a influencia do pensamento individualista que leva muitas pessoas de todas as classes a enxergar a política como meio de enriquecer ou de obter certos privilégios apoiando o candidato que “tem maior chance de ganhar”. Assim como a imensa diferença na quantia de dinheiro que é investido nas campanhas. Há também um alto número de pessoas que trabalham para a prefeitura em cargos de indicação, que votam e fazem campanha para seu “padrinho” político. Isso sem falar nos analfabetos e analfabetos funcionais que representam uma parcela significativa da população brasileira, sobretudo em nossa região e cidade.
    Acredito que esse negócio de votar na pessoa desconsiderando o partido que ele faz parte é errado. Se o sujeito faz parte de um partido é porque ele comunga com as ideias e práticas daquele grupo político. Caso ele seja eleito o partido terá grande influencia sobre seu governo. E na maioria dos casos quem governa é o próprio partido. É preciso também ter critérios bem definidos para, ao menos de forma aproximada, saber distinguir projetos concretos de falsas promessas. Penso que um desses critérios é o conhecimento sobre o partido ao qual o candidato é filiado.

  12. Prof Gustavo,

    Não se preocupe com os comentários. Muitos brasileiros revelam-se incompatíveis com a verdade. Como regra, o brasileiro prefere a demagogia do “politicamente correto”. Mas há quem prefira a verdade.
    Certamente que nossa democracia tem muitas deformações, a maior delas, sendo o voto como DEVER, e não como DIREITO (sendo obrigatório, não é direito, é claro). Segundo é forçar ao voto o sujeito que está (deveria ser temporariamente) improdutivo, vivento da “assistência social”, das bolsas famílias. Ora, como votar é escolher o sujeito que vai gerir o dinheiro dos impostos, só poderia fazê-lo quem paga impostos, e não quem depende deles para sobreviver…
    Existem países sérios onde o título de eleitor é substituído pelas guias de depósitos de impostos. Aliás, em condomínios alguém já viu inadimplente votar na escolha do síndico?
    O prefeito não passa do síndico de um grande condomínio chamado cidade….

  13. Sempre que leio os textos do Sr. Haun, fico impressionada com seu ponto de vista! Credo! Não sei nem por onde começar a comentar…
    “Mas o sujeito que passa um tempo maior na escola, que trabalha e paga impostos”… Todos os cidadãos pagam impostos! E a classe menos favorecida paga proporcionalmente (%) mais que que qualquer outra classe! Meu Deus!
    Aff!

  14. Realmente esse seu palavreado todo não me convenceu:

    1º Chamar Lula de Semianalfabeto e´no minimo uma pessoa grosseira, preconceituosa e invejosa.

    2º Quem elegeu Vane foram todas as classes sociais conscientes

    3º Quem votou em Azevedo foram muitos da classe Média e uns po “miseráveis”como tú faz questão de escrever.
    Aposto que tu mesmo votou em Azevedo
    Mas Concordo contigo que Lula foi e será o melhor presidente e o verdadeiro pais dos menos favorecidos.

  15. “O Radar, Social, estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) confirma que 1% dos brasileiros (1,9 milhão de pessoas) detém uma renda equivalente a da parcela formada pelos 50% mais pobres (96,5 milhões de pessoas). Isso mesmo depois de 8 anos do governo Lula, 1% da população, os verdadeiramente muito ricos, possuem uma renda igual a de metade do povo brasileiro.”
    Valério Arcary, UM REFORMISMO QUASE SEM REFORMAS Uma crítica marxista do governo Lula em defesa da revolução brasileira. Editora: José Luis e Rosa Sundermann

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back To Top