skip to Main Content
28 de maio de 2020 | 10:34 pm

LIVRO CONTA A HISTÓRIA DE CLARINDO SILVA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Clarindo Silva, a figura mais emblemática do Terreiro de Jesus, no Centro Histórico de Salvador, é personagem de uma das três biografias que serão lançadas no próximo dia 20, a partir das 16h30, na Assembleia Legislativa da Bahia. Os outros dois livros abordam, respectivamente, a vida do médico Juliano Moreira e a do geógrafo Milton Santos.

O trabalho sobre Clarindo é de autoria do escritor e jornalista Vander Prata, que compilou mais de 80 horas de entrevistas com o ilustre proprietário da Cantina da Lua, além de amigos e parentes.

Durante muitos anos, a Cantina foi um dos centros da efervescência cultural da capital baiana e símbolo da luta pela preservação do Pelourinho como patrimônio arquitetônico da humanidade. Relata o autor que “sob o comando de Clarindo Silva, (a Cantina da Lua) tornou-se um espaço democrático, que reunia poetas, músicos, jornalistas, radialistas, artistas, políticos, nativos e turistas, reinando absoluto como ponto de encontro da cena cultural baiana, principalmente durante as décadas de 1970 e 1980”.

Ainda segundo Prata, “Clarindo Silva estimulava a pluralidade de pensamentos, proporcionando boa comida e bebida de primeira, apreciadas principalmente quando rolava samba”. O livro que conta a bela história de Clarindo e de seu boteco mágico no Pelourinho tem prefácio do escritor e jornalista José de Jesus Barreto e contracapa do poeta Fernando Coelho.

A NOVA SILHUETA DO DIRETOR DA CAR

Tempo de leitura: < 1 minuto

José Vivaldo, durante entrega de implementos agrícolas para pequenos produtores em Lagoa Real, Sudoeste da Bahia

Depois de perder 57 quilos em sete meses sem fazer cirurgia, José Vivaldo, diretor-executivo da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), vive tendo que explicar o fenômeno.

Na terça-feira, 13, quando participou de uma mesa redonda no Congresso Brasileiro do Cacau, em Ilhéus, Vivaldo contou que a decisão de se submeter a uma dieta radical se deu quando ele subiu na balança e o equipamento não servia mais para indicar seu peso (a balança só pesava até 150 quilos e o diretor já estava com 152).

A diminuição de quase metade do peso ainda não foi suficiente, pois ele ainda pretende se livrar de mais 9 quilos e depois entrar em uma etapa de “manutenção”. O fato é que a mudança na silhueta foi tamanha, que Vivaldo precisou renovar todos os documentos pessoais. Pelo menos fisicamente, pode-se dizer que é outra pessoa.

CLUBE ALEMÃO ANUNCIA SEGURO PARA FILHA DE ALEX ALVES

Tempo de leitura: < 1 minuto

Do A Tarde

O Hertha Berlim prometeu, em nota no seu site oficial, fazer “um seguro educação” para a filha de 13 anos do jogador Alex Alves, Alessandra. O ex-atacante de 37 anos faleceu na última quarta-feira, 14.

Segundo o diretor esportivo do Hertha, Michael Preetz, que chegou a jogar com Alex Alves no time alemão, Alessandra poderá usar os recursos (valor não divulgado) quando for maior de idade, para dar continuidade em seus estudos.

O time também prestará uma homenagem ao jogador baiano na partida da próxima segunda-feira, 19, contra St. Pauli, quando jogará de luto e fará um minuto de silêncio antes do início do jogo.

Leia mais

ITABUNA VENCE NA ABERTURA DO MASTER DE HANDEBOL

Tempo de leitura: < 1 minuto

Competição reúne atletas baianos a partir dos 35 anos (Foto Pimenta/Arquivo).

O Torneio Master de Handebol começou ontem, na Vila Olímpica, em Itabuna, com dois jogos. No masculino, Itabuna bateu o Olímpicos por 37 a 31. Já no feminino, a Seleção de Itabuna derrotou Santa Cruz da Vitória por 20 a 8.

A competição tem sequência nesta noite de sexta, 16, com três jogos. Às 18h30min, Itabuna enfrenta o Poli, no masculino. O Olímpicos encara o selecionado de Itapetinga, às 19h45min. Logo após, Itabuna e Santa Cruz da Vitória voltam a se enfrentar no feminino.

As semifinais e finais serão disputadas amanhã, na Vila Olímpica. A competição idealizada pela professora Júvia Dantas e a atleta Eliana Santos entra na quarta edição e atrai equipes baianas e de outros estados.

MINISTÉRIO DA SAÚDE SUSPENDE REPASSE A MUNICÍPIOS BAIANOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Ministério da Saúde decidiu suspender repasse de recursos para a área de vigilância sanitária a 96 municípios baianos. A decisão está publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União e atinge outros 1,3 mil municípios brasileiros que deixaram de abastecer o Sistema de Informação Ambulatorial.

CONFIRA LISTA COMPLETA

Dentre os municípios baianos atingidos, estão Camamu, Caravelas, Dário Meira, Itagi, Itamaraju, Itapitanga, Mascote, Maraú, Valença e Ubatá, localizados na macrorregião sul-baiana.

As verbas somente serão liberadas quando os municípios atualizarem os dados. De acordo com a portaria, os municípios não repassavam informações de vigilância sanitária há, pelo menos, dois meses.

MUDANÇAS À VISTA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Da Tribuna:

Anda a passos largos em determinados setores do governo Jaques Wagner o debate sobre a substituição de alguns quadros na administração. Embora ainda não se possa dizer que o governador pretenda fazer uma reforma administrativa, tudo indica que as mudanças ocorrerão já no primeiro semestre do ano que vem, afetando pelo menos quatro secretarias consideras estratégicas.

OI LENTOX E O ENGODO DA BANDA LARGA

Tempo de leitura: 2 minutos

Encontra-se em vigor desde o dia 1º de novembro a lei segundo a qual a velocidade média da internet banda larga oferecida no Brasil deve ser de 60% da franquia contratada, enquanto a mínima não pode ficar abaixo de 20%. A velocidade média deverá equivaler a 70% no ano que vem e 80% em 2014, situando-se a mínima, respectivamente, em 30% e 40%.

Por enquanto, a Oi “Velox” (utililzar esse nome, que sugere velocidade, é uma piada de mau gosto) está longe de cumprir a lei. Em Itabuna, onde a empresa reina, praticamente sem concorrência (as opções são os serviços de internet a cabo e a rádio, não muito melhores), o usuário sofre até para fazer uma pesquisa no Google. Baixar um arquivo de uns 4 Mb representa verdadeiro suplício.

Pouco antes de redigir esta nota, o PIMENTA realizou um teste em um serviço Oi Lentox (mais correto chamar assim), cuja franquia é de 2 Mbps. Na real,  a velocidade chegou a sofríveis 270,7 Kbps, correspondente a pouco mais de 10% da contratada.

Somente a falta de alternativa que represente vantagem relevante faz com que o usuário continue preso a um serviço descarado (desculpem, mas essa é a palavra) como o da Oi. Com certeza, a lei não será suficiente para fazer a empresa respeitar seus clientes/vítimas, principalmente onde – como em Itabuna – estes são reféns do mau serviço. Muito mais do que a lei, o que faz uma empresa melhorar na economia de mercado é a concorrência.

PORTO SUL: CHEGA DE RADICALISMOS, É HORA DE UNIÃO

Tempo de leitura: 3 minutos

Daniel Thame | danielthame@gmail.com

Ao contrário do que dizem os radicais do movimento ambientalista, o governo cedeu em diversos pontos. E as condições que as obras saiam do papel são as melhores possíveis, mais vantajosas que outras pensadas para o restante do brasil.

ONGs ambientalistas lançaram um novo abaixo-assinado pedindo paralisação do processo de licenciamento ambiental do Porto Sul.  O documento repete argumentos fantasiosos, a exemplo daquele que diz que o Complexo Intermodal é investimento com recursos públicos para beneficiar empresas privadas e que a atividade portuária interferirá negativamente no desenvolvimento do turismo de Ilhéus e do litoral sul da Bahia.

O documento alega ainda que o EIA/Rima não teve divulgação adequada e pede a realização de nova audiência pública.

Felizmente, prevaleceu o bom senso e o Ibama acaba de conceder a  Licença Prévia para a implantação do projeto.

Não se trata de criminalizar o movimento ambientalista, até porque foi na discussão aberta com ONGs e demais representações da sociedade que o projeto evoluiu até o ponto em que se encontra hoje. Mas a hora de discutir já passou. O Ibama atesta que nenhum outro projeto portuário foi tão debatido com a sociedade organizada  quanto o Porto Sul.

O momento pede união e esforços concentrados para que o projeto saia do papel e seja definitivamente implantado, beneficiando toda a região, trazendo desenvolvimento social, econômico e ambiental.

Chega de radicalismos. Sim, porque o maior perigo para a Mata Atlântica está na pobreza. A mata na região sul da Bahia foi dizimada por que famílias de desempregados precisavam de local para morar, de caça para comer. Estas famílias produziram lixo jogado no leito de córregos e rios, afetando a qualidade destas águas.

O projeto do Porto Sul evoluiu e os ambientalistas têm muito a comemorar. O que era para ser um mineroduto de 500 quilômetros, alimentado com a água do São Francisco se transformou em ferrovia. A localização do porto foi alterada para aumentar a preservação de corais e animais marinhos. Ibama e Ministério Público têm informações profundas e detalhadas sobre o projeto, o que aumenta seus poderes de fiscalização e consequentemente a força para paralisar e suspender a obra caso haja qualquer descumprimento por parte dos empreendedores.

No lugar do radicalismo,  o momento pede racionalidade. Agora, é mais inteligente para os ambientalistas e para a sociedade discutir os condicionantes, não aqueles pensados para inviabilizar o Porto Sul, mas sim os que garantam de fato investimentos sociais e ambientais que signifiquem redistribuição das riquezas a serem geradas pelo complexo.

Não se iludam, o cobertor é curtíssimo. Ilhéus não tem recursos suficientes para, por exemplo, interligar todas as residências a um sistema de esgotamento sanitário. Os ambientalistas sabem que o esgoto não tratado é um dos maiores perigos ao ecossistema. O Governo do Estado tem um pouco mais de dinheiro, mas precisa atender 417 municípios. A União, um pouco mais ainda de recursos, mas atende a 5.550 cidades.

Logo, os investimentos são feitos em locais onde podem se potencializar. Ilhéus e região podem se tornar alvo prioritário dos investimentos estaduais e federais em esgotamento sanitário, qualificação de mão de obra, infraestrutura urbana, incluindo áreas de lazer e de preservação ambiental, a fim de assegurar melhoria na qualidade de vida de seus habitantes.

Sem o Porto Sul e sem a Ferrovia Oeste Leste,  o Sul da Bahia apenas assistirá ao desenvolvimento de outras localidades, lembrando um passado de riqueza cada vez mais afastado do presente e um futuro de desenvolvimento transformado em uma vaga miragem.

Leia Mais

PSB EMPLACA PRESIDENTE DOS RODOVIÁRIOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Bebeto procura fortalecer sua base nos sindicatos da regiao

Nem Pezão, nem Pé de Rato. O futuro presidente do Sindicato dos Rodoviários de Itabuna (Sindrod) será Arlensen Nascimento Antero de Souza, ligado à Força Sindical, que contou com apoio do ex-candidato a deputado federal Bebeto (PSB), presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Pesada (Sintepav).

A eleição aconteceu esta semana e foi precedida por um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado junto ao Ministério Público do Trabalho, no qual as três chapas que participaram do pleito se comprometeram a evitar turbulências.

Um detalhe interessante é que Bebeto tentou eleger também o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Ilhéus. Formou uma chapa competitiva, mas, faltando poucos dias para o pleito, o candidato a presidente “pipocou”. Segundo se diz, depois de ouvir “bons argumentos” das empresas.

TEM QUE DESENTERRAR A CABEÇA DE JEGUE

Tempo de leitura: < 1 minuto

O programa Alerta Geral, da Rádio Santa Cruz AM de Ilhéus, destacou nesta sexta-feira, 16, uma nota triste e melancólica sobre aquela que deveria ser uma das principais atividades da economia local.

No ano do centenário de Jorge Amado, com direito a remake de Gabriela, o turismo em Ilhéus segue capengando e a última novidade é o fechamento do escritório da CVC na cidade. Era “morte anunciada”, prevista pelos empresários do setor, que continuam sem entender como uma cidade com tanto potencial não consegue fazer o setor turístico deslanchar.

Há alguns dias, um transatlântico fez parada no porto ilheense. Ao desembarcar, os viajantes encontraram o mesmo receptivo cansado de guerra e, na cidade, decepção com a sujeira, o descuido com o patrimônio histórico, a falta de uma estrutura organizada para receber o turista.

O ano de 2012, com a bênção amadiana, teria tudo para ser um divisor de águas para Ilhéus. Infelizmente, nada mudou.

Back To Top