skip to Main Content
5 de junho de 2020 | 12:27 pm

PIMENTA DO DIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Comentário do leitor Sérgio Oliveira no post Eles voltaram, que mostra cavalos revirando lixo e se alimentando na Praça do Trabalho:

É um novo sistema ecológico de aparar grama das praças! Esse tipo de funcionário não recebe salário, não faz greve, não reclama… e por aí vai! Outros parceiros têm sido os urubus, principalmente quando o lixo não é coletado, …!!!

POLÊMICA NO PRESÍDIO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O policial militar Bernardo Dutra foi nomeado diretor adjunto do Conjunto Penal de Itabuna. A nomeação foi publicada no Diário Oficial do Estado neste final de semana. O soldado e bacharel em Direito vai substituir o advogado Roney Franco.
Há um ano e meio, Dutra se envolveu em grande polêmica ao ser acusado de abuso de autoridade e agressão contra o jornalista Ederivaldo Benedito, durante a Parada Gay (relembre aqui). O policial negou que tenha agredido o jornalista. O caso foi parar na Justiça.

PROFESSOR KARAMELO MORRE ELETROCUTADO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Professor Karamelo

O professor de dança Moab Karamelo Andrade, de 26 anos, morreu eletrocutado na noite deste sábado, 23, no bairro Ferradas, em Itabuna.
A vítima subiu em um poste e foi lançado ao chão após sofrer choque elétrico. Testemunhas afirmam que ele chegou a ser socorrido e levado para o Hospital de Base, mas não resistiu.
Moab fazia parte do programa federal para alunos adolescentes, o Projovem, onde ensinava a arte da dança. Segundo amigos, ele era uma pessoa muito querida pela classe e colegas de trabalho. Informações do Portal Sul da Bahia.

ELES VOLTARAM…

Tempo de leitura: 2 minutos

Animais na Praça do Trabalho4 foto ZekaQuem passava pelo Pontalzinho, hoje pela manhã, via quatro eficientes equinos fazendo “rebaixamento de grama” e separação de resíduos na Praça do Trabalho. A presença ostensiva dos quadrúpedes chamou a atenção de religiosos que seguiam em procissão pelo bairro itabunense.

Moradores, aliás, lembram que antes era apenas um casal de equinos, que hoje apareceu com dois filhotes. A família cresceu, assim como o “trabalho” nas vias públicas. A tarefa foi encerrada ainda pela manhã, afinal, hoje é domingo… O flagrante é do fotógrafo Zeka.

APÓS O TRABALHO…

Animais na Praça do Trabalho1 foto Zeka
… A FAMÍLIA SEGUIU PARA “CASA”
Animais na Praça do Trabalho3 foto Zeka
MAS NÃO PASSOU DESPERCEBIDA
Animais na Praça do Trabalho2 foto Zeka

UNIVERSO PARALELO

Tempo de leitura: 5 minutos

PROFESSOR ILHEENSE VAI PRESIDIR A ABL

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

1ABL“A noite da última quinta-feira, 14, foi marcada pela retomada das atividades da Academia Brasileira de Letras e posse da nova diretoria, que será presidida pelo professor Josevandro Nascimento. Durante o evento, que contou com a presença do prefeito Jabes Ribeiro, foram prestadas homenagens póstumas ao poeta baiano Castro Alves, que nasceu na mesma data da solenidade”, dizia a notícia lida em respeitável blog. “Ora, vejam só!”, pensei de olho nos botões da blusa: “Um ilheense presidindo a Casa de Machado de Assis!” – e quase saí aos gritos e pulos, tomado dum agudo e justificado frenesi bairrístico.

________________

Castro Alves acaba de nascer, aleluia!
Mas, macaco antigo das redações, mantive minhas dúvidas e, como diriam os juristas, fui às provas: consultei dezesseis (!) blogs e dois importante jornais diários de Itabuna (os nomes não declino, mas adianto que o meu blog preferido, um que não gosta de molho agridoce, não está na lista). No entanto lhes digo, por ser rigorosamente verdadeiro, que os dezesseis veículos deram a notícia, fazendo do referido professor presidente da ABL – e criando uma barrigada monumental. Solidário, esperei uma semana pelo desmentido, que não veio; então, de alma lavada, enxaguada e embandeirada, comemoro publicamente o evento, pois não é toda hora que temos um ilheense a presidir o grande sodalício.
______________
O dia em que “mataram” Edivaldo Brito
E aquela parte que diz ter Castro Alves nascido “na mesma data da solenidade” me levou às lágrimas: é imenso privilégio ter aqui o Poeta dos Escravos bebezinho, em fraldas, nascido no dia 14 de março deste ano – mudando o curso da história. Falemos sério: a mídia contribui para a desinformação (e neste caso, o ridículo), ao publicar notinhas de assessoria sem submetê-las a copidesque, revisão e edição. O lastimável texto da prefeitura de Ilhéus foi replicado ipsis litteris, com erros gritantes, a ponto de dar o palestrante Edivaldo Brito como patrono da ABL – o que significa estar o mesmo morto e sepultado há, no barato, 120 anos. É demais pra minha paciência.
COMENTE |

COMILANÇA, OU O CASO DOS 3.600 PRATOS

4Comilança
Conhecido restaurante de Itabuna faz uma divulgação em que oferece “mais de 60 variedades de pratos”, num claro atentado à boa linguagem. O texto só pode ser salvo pelo cinismo daqueles para quem o importante é que a mensagem seja entendida. Eu entendi que a casa oferece “uma diversidade superior a 60 pratos”, só que isto não está dito em língua portuguesa. Como foi posto, o reclame gastronômico põe à disposição (há quem prefira “disponibiza”, argh!) 60 variedades multiplicadas por 60 pratos: 3.600 ofertas. Quer dizer: se o cliente quiser um churrasquinho de gato, por exemplo, será chamado a optar entre 60 tipos diferentes. Mesmo com o exagero a que a publicidade se dá direito, contenhamo-nos.
________________
Estupidez elevada à quarta potência
Tautologias à parte, a indigência vocabular da mídia tem mostrado disparates a todo momento, a ponto de sepultar termos consagrados pelo uso, em benefício de “novidades”. Vejam que, no noticiário policial, não mais existe a palavra “bala”, trocada por “munição”. Troca malsã: bala é munição, mas munição nem sempre é bala: um é termo genérico; o outro, específico. O pior é quando um repórter mais ignorante pouquinha coisa, diz que “a polícia apreendeu várias munições”. Esta palavra, se lhe cabe o uso, fica bem no singular; quando empregada no plural, em lugar de “balas”, temos um estranho caso de estupidez elevada à quarta potência. Ou, para quem prefere a medicina à matemática, um quadro de asnice recidivante.
COMENTE |

(ENTRE PARÊNTESES)

6Estória de facão e chuvaPermitam-me o pequeno anúncio: o livrinho Estória de facão e chuva (de 2005), esgotado, acaba de ter sua 2ª edição, por nímia gentileza da Editus (Editora da Universidade Estadual de Santa Cruz), tendo Rita Virgínia Argolo à frente. O pequeno volume (184 páginas) reúne 35 crônicas e dois discursos, sendo um deles de Hélio Pólvora, na Academia de Letras de Ilhéus, em 2001. A professora Maria Luiza Nora, na apresentação de Estória… diz que o autor “com sua escrita, nos descomplica, nos tira aquela pose que pode estar querendo se instalar, nos humaniza a ponto de darmos boas risadas de nós mesmos, e risadas de deboche, o que é melhor”. O autor, cativo, agradece.

BARDOT E DENEUVE – REALIDADE  E LENDA

7Catherine DeneuveCanções com uma história real a sustentá-las são corriqueiras. Mas algumas conseguem se debater entre a realidade e a lenda, sem que nós, ouvintes distantes da cena da gênese, saibamos a verdade. É o caso de Belle de jour (sic), momento romântico de Alceu Valença, que é cercado por essa magia do sim e do talvez. Dizem que Alceu estava num café, em Paris (mas já pra lá de Bagdá), quando lhe surgiu à frente Catherine Deneuve e, com ela a lembrança do filme Belle du jour: ali mesmo ele escreveu a canção, para depois descobrir que não vira La Deneuve, mas Brigitte Bardot! Outros falam de incerta moça que caminhava todas as tardes na praia da Boa Viagem, no Recife, e que se afogou…
_______________
O sotaque de Alceu nem a Sorbonne tira
Claro que a versão de que a letra foi inspirada no filme de Buñuel não interessa, por ser muito óbvia, pouco instigante. E também não faltam os psicólogos de mesa de bar, a explicar que “azul” é referência a heroína (a bela estaria, nesta visão, chapada!), enquanto a Boa Viagem teria duplo sentido: não seria apenas a praia, mas também aquela “boa viagem” patrocinada pela droga (“A belle de jour no azul viajava…”). O artista não esclareceu a dúvida, preferindo reforçar o mito de que a canção foi feita num bar parisiense, quando ele, doidão da silva, teve um delírio e viu… sabe Deus quem! Eu gosto mesmo é do francês de Alceu: o accent pernambucano de São Bento do Una nem a Sorbonne tira. Graças a Deus.

(O.C.)

SEMÁFOROS DEFEITUOSOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

O conjunto de semáforos dos cruzamentos da Avenida Amélia Amado com as avenidas do Cinquentenário e Juracy Magalhães vem apresentando seguidos problemas. Ontem, dois deles acendiam os sinais verde e vermelho ao mesmo tempo, causando confusão no trânsito.

Sinais verde e vermelho em conjunto de semáforos na Avenida Amélia Amado (Foto Pimenta).

Sinais verde e vermelho em conjunto de semáforos na Avenida Amélia Amado (Foto Pimenta).

"FÁBRICA DE MULTAS" EM ILHÉUS VIRA NOTÍCIA – E CHACOTA – NACIONAL

Tempo de leitura: < 1 minuto

Do Jornal Bahia Online

Alexandre: 23 pontos na carteira porque deveria dirigir a 0,5 KM/h.

Alexandre: 23 pontos na carteira porque deveria dirigir a 0,5 KM/h.

O sistema de trânsito do município de Ilhéus volta a ser notícia nacional.
Reportagem exibida pela Rede Record sobre absurdos e exageros na emissão de multas pelo Brasil, apresenta o caso do brasiliense Alexandre Ribeiro, durante viagem de férias ao município baiano. Alexandre perdeu 23 pontos da carteira de habilitação, três a mais que o permitido, por dirigir na avenida Proclamação, bairro Jardim Savóia, a um quilômetro por hora.
De acordo com as multas emitidas pela Secretaria de Trânsito do Município, neste local está previsto apenas a tolerância de 0,5 quilômetro por hora, condição que teria levado o motorista à entrar na lista de absurdos apurada pela emissora de televisão em matéria exibida nacionalmente.
O motorista alega que a cidade vivencia “uma fábrica de arrecadação de dinheiro” e lamenta que, até agora, esteja tentando se defender da infração que, lógico, não cometeu. O limite de velocidade na Avenida Proclamação é de 50 quilômetros por hora e não 0,5 conforme consta nas multas expedidas. Não se sabe se o absurdo foi gerado por erro na digitação ou se por exagero mesmo.
Leia a íntegra no JBO
Back To Top