skip to Main Content
15 de julho de 2020 | 04:22 am

FTC CONTESTA DÍVIDA DE R$ 8,5 MILHÕES E CITA ACORDO

Tempo de leitura: 2 minutos

Numa nota enviada pela assessoria de comunicação em Salvador, a direção da FTC Itabuna negou que tenha dívida superior a R$ 8,5 milhões com o município. A faculdade cita a cessão de terreno de terreno 50 mil metros quadrados em 2002 para o programa Habitar Brasil e um acordo proposto ao prefeito Claudevane Leite, em março.

Segundo a nota, o município – em 2002 – se comprometeu a ceder outra área no entorno do terreno , mas não teria honrado acordo. Agora em 2013 teria sido proposta análise do acordo, baseando-se em tratativas anteriores. A faculdade cita que o terreno cedido ao município está avaliado em R$ 10 milhões. Confira a íntegra da nota no “leia mais”.

Após receber notificação da Procuradoria Jurídica do Município em fevereiro último, representantes da FTC Itabuna se reuniram com o Prefeito e, posteriormente, no dia 5 de março de 2013, protocolaram junto ao Gabinete do Prefeito uma proposição de acordo.

No documento, a Faculdade solicitou do Executivo Municipal uma análise da situação, considerando que, em 2002, a Instituição cedeu 50 mil metros quadrados – do terreno de 147 mil metros adquirido para a edificação em definitivo do seu campus em Itabuna – com a finalidade de atender ao pedido do município, visando viabilizar a execução do Projeto Habitar Brasil, que previa a construção de casas populares com recursos do Banco Mundial;

À época, o governo municipal se comprometeu em ceder outra área próxima ao terreno da Faculdade, como forma de ressarcimento. Entretanto, o acordo inicial não foi cumprido, embora a Faculdade tenha buscado nos últimos anos um entendimento, inclusive propondo um encontro de contas entre as partes. Cabe destacar que o terreno em questão está avaliado em R$ 10 milhões;

A FTC Itabuna esclarece ainda que em 2007 o contrato de locação foi renovado. Reitera o seu compromisso de buscar um entendimento, tendo em vista que, desde a sua instalação , a Instituição de Ensino muito tem contribuído para o desenvolvimento desta Cidade.

Esta publicação possui 7 comentários
  1. Não existe justificativa para o injustificável, se tivessem ficados calados seria melhor, como perguntar não é crime: e os processos trabalhistas como eles querem justificar???O não depósito do FGTS é perseguição da Caixa?!O INSS só vive às turras com a “digna” empresa?!E o empregados são terríveis recebem e depois cobram na Justiça!!!!Poupe-me…

  2. A FTC é igual ao colunista da casa verde da colina, maravilhosamente instalado, mas pagar o aluguel que é bom,”patavinas”, e ainda ocupa as colunas sociais com maestria. No ritmo que vai, a marca passará a ser chamada Faculdade da Turma do Calote – FTC.

  3. A FTC deve lembrar que o imóvel terreno 50 mil m² caso seja passado como parte de transação imobiliaria com municipio ele (terreno) será negociado pelo valor venal(aquele valor que o municipio utiliza para calculo de imposto IPTU do proprio terreno de acordo com tabela propria existente é assim que diz a lei, válida em todo território nacional) e não comercial ou de mercado, como pretende a FTC.

  4. O certo é que este governo que está na prefeitura deveria esta preocupado em trabalhar, porque o povo elegeu par isto não em ficar com brigas com FTC e coisa menor, o que é que Vane esta fazendo mesmo?
    FTC é só um detalhe,deve ser porque o procurador não tem tempo para se preocupar com os contratos irregulares do governo anterior para punir, fica pegando as coisas de Carlos Burgos.
    Quando é mesmo que este governo vai começar? estão enganando o povo ali no beira rio, e as obras mesmo ? tem inicio quando?

  5. Nunca entendi como um prédio construído com dinheiro do erário público foi parar nas mãos de empresários da iniciativa privada.

    Parece que há outros casos semelhantes em Itabuna. Isto é legal? É moral? Com a palavra nossos vereadores.

  6. A direção da FTC deveria construir o seu campus no terreno que possui perto do Aeroporto,pois traria mais investimentos em infraestrutura por parte do governo para aquela área que se encontra abandonada,a prefeitura deveria desocupar o seu prédio no centro e colocar a disposição para a UFESBA e a FTC alugaria outro imóvel,até a construção do seu novo campus ficar pronta.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top