skip to Main Content
20 de outubro de 2020 | 11:34 pm

BUERAREMA: MANIFESTANTES E TROPA DE CHOQUE ENTRAM EM CONFRONTO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Tropa de Choque da PM age para dispersar manifestantes (Foto Gilvan Martins/Pimenta).

Tropa de Choque da PM age para dispersar manifestantes (Foto Gilvan Martins/Pimenta).

Uma tropa de choque com aproximadamente sessenta policiais militares tenta dispersar a multidão que interdita a BR-101 no quilômetro 526 desde as 10 horas da manhã desta terça-feira (11). A revolta começou nas primeiras horas da manhã com a execução do produtor rural Juraci Santana, em Una (acompanhe aqui).
O Batalhão de Choque usa bombas de efeito moral e balas de borracha contra os manifestantes. A multidão reage à ofensiva da polícia militar. Parte dos manifestantes atira pedra contra os policiais. O objetivo é, além de liberar a pista, evitar que uma ponte seja destruída. O asfalto foi removido e havia a ameaça de uso de dinamite pelos populares.
FORÇA NACIONAL FORA
Ao contrário de outros protestos, nem a Polícia Federal nem a Força Nacional de Segurança participam das ações para reprimir os manifestantes. A Força Nacional deixou as bases de segurança na última sexta-feira (7). Uma das bases fica na região onde o produtor rural foi assassinado nessa madrugada.
O clima de revolta da população levou comerciantes a baixarem as portas ainda pela manhã. Uma parte temia onda de saques, enquanto outra mostrava-se solidária aos produtores rurais. Buerarema, Una e Ilhéus são atingidos pela disputa de terras entre produtores rurais e índios e autodeclarados tupinambás. O alvo são 47,3 mil hectares que a Fundação Nacional do Índio (Funai) diz ser dos indígenas.

Esta publicação possui 9 comentários
  1. a santa casa há muito não tem nada de Santa. SeU pimenta mandE alguem agora no PA DO CALIXTO VAI VER UM SENHOR QUE ESTÁ NUMA MACA Á DOIS DIAS EM ESTAGIO AVANÇADO DE CANCER . É DESUMANO O QUE ESTÃO FAZENDO DANDO DESCULPA QUE NÃO HÁ VAGA, ONTEM O PLANTONISTA HUMBERTO NEM OLHOU O PACIENTE.

  2. Tudo isto ocorrendo aos olhos da lei. O Ministro da Justiça deveria ter mantido a Força Nacional na zona conflituosa, o que, certamente, não teria acarretado o óbito do agricultor. E agora? Quem responderá pelo homicídio? Se fosse um agricultor, denúncia certa. Mas, como se trata de um índio….
    O que se percebe é que o Babau está com o poder nas mãos e sapateando em cima das leis. Babau e demais apoiadores deveriam estar sentado agora no banco dos réus. Babau não é índio,isto todo mundo sabe, inclusive o próprio Babau e os poderes constituídos, mas nada se faz para deter a sanha violenta do pseudo índio.

  3. VOU TE FALAR UMA COISA.
    VOCE TEM UMA TERRA , COMPROU OU HERDOU , PÕE DINHEIRO, APLICA EM NOVAS TECNOLOGIAS, PLANTA . E DE REPENTE . INVADE SUA TERRA.
    VOCÊ É OBRIGADO A SAIR DE SUA CASA , LARGAR TUDO POR CAUSA DA INVASÃO.
    E A LEI AINDA PROTEGE ESSES INVASORES.
    SOU CONTRA A INVASÃO , TENHE QUE HAVER UMA SOLUÇÃO , SE O GOVERNO NÃO RESOLVER LOGO, CHUMBO NESTE INVASORES .
    é BRASIL QUE O ERRADO SE TORNA CERTO. VOCÊ INVADE O GOVERNO DEFENDE.
    É UMA GUERRA CIVIL , E FODA-SE.
    O FAZENDEIRO JÁ PERDEU TUDO , RESTA O QUE PRA ELE.INDIO INVADINDO TERRAS,SEM TERRA INVADINDO , ONDE VAMOS PARAR. CADÊ AS LEIS DO BRASIL , CADÊ A LEIS DA CONSTITUÍÇÃO. DEIXANDO UMA CIDADE REFÉM DO ABANDONO ,SEM PERPECTIVAS DE CRESCIMENTO , SEJA NA EDUCAÇÃO, SAÚDE ,EM TUDO.UMA CIDADE REFÉM DO INVASORES. PURA REALIDADE.O BRASIL DO PT , DA DILMA, DE LULA.DOS POLITICOS CORRUPTOS.

  4. É simples resolver esse problema: como os fuzileiros chegaram, que trabalhem juntamente com o serviço de investigação a fim de capturar o tal Babau e o irmão com os seus devidos seguidores ‘criminosos’ e os levarem para algum presídio especial fora da Bahia. O Governo do Estado só vai tomar essa atitude depois que isso se tornar um massacre. Como podem deixar dois marginais, que lideram esse movimento supostamente indígena, bater seguidamente na cara da Lei? Uma vergonha!

  5. Índio não vai preso né???Essa justiça do Brasil é realmente um cocô.Concordo que os indios tem direitos as suas terras…mas destruir,assassinar,aí já e´demais!risão para os verdadeiros culpados.

  6. Carta ao Leitor…
    Hora de emancipar
    Já passou da hora de o Brasil discutir a emancipação dos índios, hoje impunes por ser tutelados do Estado. Na prática, são cidadãos acima dos outros brasileiros, com direitos e uma impunidade que não temos. indio
    Um grupo de índios sequestrou 6 caminhoneiros em Prado, Outro grupo de índios assassinou 3 fazendeiros no AM. 70 fazendas foram invadidas por “índios” no sul da Bahia, armados e violentos.
    A lei que rege as relações dos índios tem 68 artigos, a maioria descrevendo direitos e nenhum, nenhum mesmo, com algum dever para eles.
    A lei separa os índios em 3 grupos: isolados (aqueles que estão na floresta, sem nenhum contato com o branco, raridade), semi-integrados (tem contato com brancos, mas mantém seus costumes, vivem em ocas, etc) e os integrados.
    Os dois primeiros podem fazer o que quiser, matar quem quiser e continuar impunes.
    Um exemplo aconteceu em 2004, perto de Espigão d’Oeste, em Rondônia, na reserva Roosevelt.
    Ela abriga uma das maiores jazidas de diamantes do mundo e é habitada por índios cintas-largas.
    No dia 7 de abril daquele ano, 60 índios capturaram um grupo de 29 garimpeiros. Eles foram amarrados com cipós, assassinados a tiros e golpes de borduna, e incendiados.
    Nenhum índio foi punido, porque são isolados e, portanto, não podem responder por seus atos, segundo o Estatuto do Índio, criado em 1973 no governo militar de Médici.
    Se eu ou você invadirmos uma área indígena, seremos condenados a 2 a 5 anos de prisão mais multa.
    Se um índio, mesmo o integrado, invadir sua fazenda, nada acontece com ele. Mesmo que sejam índios falsos, como no sul da Bahia, onde os dois tipos se misturam.
    A lei 6.001 vem de uma antiga utopia, batizada de “O bom selvagem”, espalhada pelo mundo graças aos livros do filósofo Jean-Jacques Rousseau, em 1755, que diz que o homem por natureza é bom, nasceu livre e a maldade vem da sociedade. Ou seja, o índio é “puro”.
    A ideia é de que o índio é uma criatura pura, cheia de boas intenções, inocente, mansa e dotada de uma sabedoria enorme vinda de seu contato com a “Mãe Terra”. Um monte de baboseiras cientificamente erradas, mas que até hoje mantém a ideia de que o índio tem que ser protegido.
    Isso em uma época em que os índios vendem madeira nobre da reserva para a Europa, plantas e extratos para laboratórios estrangeiros. Em algumas reservas, a língua oficial não é o português e sim francês ou inglês, tal a relação de clientes e vendedores.
    O Estatuto do Índio reconhece como um apenas aqueles “cujas características culturais o distinguem da sociedade nacional”.
    A dupla Lula / Dilma, para agradar sua base mais ideologicamente insana, mudou a lei para que qualquer um se autodenomine índio e passe a ter seus direitos.
    Daí a “explosão demográfica” de índios no sul da Bahia, de 300 para 30 mil em 10 anos. Outra mudança foi em relação ao que é “aldeia”.
    Ludilma passou a considerar qualquer bairro como “aldeia”, enquanto na lei aldeia é um conjunto de famílias ou comunidades índias não integrados à sociedade.
    Exceção feita aos que vivem na Amazônia, os “índios” vivem em casas, usam carro, celular, tablet, internet, tv a cabo, parabólica e nem de longe pensam em viver numa oca.
    Esta mesma lei diz que, se um índio for condenado, “a pena deverá ser atenuada e na sua aplicação o Juiz atenderá também ao grau de integração do silvícola”. E que “as penas de reclusão e de detenção serão cumpridas em regime especial de semiliberdade”.
    Não importa aqui se o crime foi assassinato, estupro, sequestro, invasão, agressão, pedofilia ou o que seja.
    Isso deu margem a que todo pilantra se autodenomine índio e passe a ter estes direitos que, lembro, nós não temos.
    Um item curioso é o que define como crime “propiciar, por qualquer meio, a aquisição, o uso e a disseminação de bebidas alcoólicas nos grupos tribais”, com detenção de 6 meses a 2 anos. Só que os índios não só compram como vendem bebidas livremente.
    Outro detalhe infame é o que garante que “os bens e rendas do Patrimônio Indígena gozam de plena isenção tributária”. Ou seja, eles não pagam impostos nem taxas.
    Depois de mais de 500 anos é preciso rediscutir as leis e a situação dos índios.
    Para mim é preciso lei de apenas um artigo: estão emancipados todos os índios.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top