skip to Main Content
28 de maio de 2020 | 03:40 pm

"AINDA ESTOU VIVO!"

Tempo de leitura: 2 minutos

O professor, radialista e jornalista Odilon Pinto emocionou – e surpreendeu- leitores e colegas de profissão ao retratar em sua coluna, no Diário Bahia, a luta pela vida.
Doutor em Linguística, professor de redação, radialista e jornalista, o profissional que lançou o Namoro no Rádio, na Rádio Jornal, sofre de diabetes, pressão alta e catarata, ele escreve: “Odilon ainda não se rendeu! Ainda estou vivo!”. Confira a íntegra da coluna:
AINDA VIVO… E STALINGRADO AINDA NÃO SE RENDEU…
Odilon PintoNa Segunda Guerra, o poderoso exército de Hitler cercou a cidade russa de Stalingrado. O mundo inteiro ficou aguardando a manchete inevitável da iminente vitória nazista. No entanto, os dias foram se passando e, ao final de cada boletim de notícias, ouvia-se a teimosa repetição: “E Stalingrado ainda não se rendeu!” Os russos lutavam desesperadamente por sua pátria e por suas vidas. Os alemães resolveram manter o cerco e o bombardeio à cidade, deixando que a fome dizimasse sua população. Mas os dias continuaram passando, enquanto os rádios bradavam ao mundo: “E Stalingrado ainda não se rendeu!” Homens, mulheres e crianças comiam pedaços de pano, folhas de árvores, solas de sapato, pedaços de madeira e tudo o mais que pudessem cozinhar, mantendo-se abraçados aos seus poucos fuzis de combate. Finalmente, após alguns meses, o povo derrotou o exército nazista. Estou lembrando esse fato histórico porque estou vivendo situação parecida, em meus 66 anos de idade. O exército nazista da Morte avança sobre meu corpo, cercando-o com diabetes, pressão alta, neuropatia nas pernas e catarata nos olhos. Resisto como posso, mas não tenho sequer o último direito à esperança: sei que minha batalha será definitivamente perdida. De nada adiantarão os remédios, as dietas nem os exames: nunca terei a glória de um final feliz. O único sonho que ainda posso ter é o de um fim rápido e sem dor. Não serei um herói, nem receberei honras, Serei despachado da vida sem indenização, apenas com o recibo de óbito. Por isso, a notícia de mim mesmo que posso dar por este jornal é repetir, enquanto posso: “Odilon ainda não se rendeu! Ainda estou vivo!”

Este post tem um comentário
  1. Boa noite!
    Quando criança ouvia na Rádio Educadora de Ipiaú um programa chamado “Vida na Roça”, em que um senhor de nome Odilon Pinto lia cartas de pessoas que viviam na roça. Era maravilhoso. Meu pai me acordava para escutar e eu adorava. Odilon interpretava as falas e era como se eu visse de perto as cenas. Gostaria de saber se o professor odilon Pinto da UESC e o Odilon de Vida na Roça são a mesma pessoa. Se forem, gostaria de obter o e-mail dele. Quem souber, por favor, escreva para mim. Meu e-mail é juniorbaiano7@yahoo.gr
    Muito obrigado

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top