skip to Main Content
24 de maio de 2020 | 07:25 pm

ARTISTA, DINHEIRO E CRIATIVIDADE

Tempo de leitura: 2 minutos

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

Bem humorado, o músico explicou que recebeu 15 mil e ironizou: “se eu ganhasse R$ 75 mil por show estaria rico. E eu não quero ficar rico, porque não quero me tornar imbecil”

O filme Não olhe pra trás, com Al Pacino, se baseia inicialmente numa carta escrita por John Lenon para o músico britânico Steve Tilston. Nela, ele comenta uma entrevista concedida pelo jovem músico falando temer que sua inspiração fosse afetada, caso conquistasse riqueza.

Lenon discorda e convida o jovem para uma conversa. Mas a carta, escrita em 1971, só chegou ao conhecimento de Tilston 34 anos depois, mais de duas décadas após a morte do ex-Beattle.

Aqui no Brasil dinheiro é tema de várias composições. Elomar, por exemplo, nos versos de O Violeiro destaca as três coisas mais importantes deste mundo:

Ia pois pro cantador e violeiro
Só há três coisas nesse mundo vão
Amor, forria, viola, nunca dinheiro
Viola, forria, amor, dinheiro não

Inspirado nestes versos Caetano Veloso escreveu Beleza Pura:

Não me amarra dinheiro não!

Na mesma linha o Rappa em Vapor barato canta que não precisa “de muito dinheiro/ graças a Deus” e Tim Maia fez sucesso com seu vozeirão cantando Não quero dinheiro:

Quando a gente ama
Não pensa em dinheiro
Só se quer amar

Tilston temia a interferência negativa do dinheiro na capacidade criativa do artista. Já a personagem Joana, da peça Gota D’Água (Chico Buarque e Paulo Pontes), tem certeza. Ao ser abandonada por Jasão, que vai casar com a filha do rico Creonte em busca de conforto, profetiza:

Você pode dar banquete Jasão, mas samba é que você não faz mais não, não faz… e aí é que você se atocha, porque vai tentar e sai samba brocha. Essa é a minha maldição, Gota d’água nunca mais seu Jasão.

Cruel com relação ao tema foi o poeta francês Honoré de Balzac, que disparou: “Atrás de toda grande fortuna, tem algum crime”.

Em janeiro último, os jornais publicaram, equivocadamente, que a prefeitura de Salvador pagou 75 mil reais a Hermeto Pascoal para uma apresentação. Bem humorado, o músico explicou que recebeu 15 mil e ironizou: “se eu ganhasse R$ 75 mil por show estaria rico e eu não quero ficar rico, porque não quero me tornar imbecil”.

Marival Guedes é jornalista.

Este post tem um comentário

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top