skip to Main Content
11 de maio de 2021 | 07:19 am

WALDICK SORIANO II

Tempo de leitura: 2 minutos

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

O artista olhou pra ele, pediu mais uma, chegou mais perto e gritou: “é claro, porra!”

Perdoem-me a overdose “waldickiana”. Mas, além de comentários através de telefonemas e mensagens, o secretário Estadual de Cultura, Jorge Portugal, me contou duas histórias. Começo opinando sobre comentário do leitor, Sergio Malvar:

“Marival bem que poderia ter feito uma abordagem do lado positivo do artista baiano. Bem sei que o ser humano é composto de dualidade, daí só abordar o lado negativo é complicado.”

Meu caro Sergio, entendo que o embate em Itabuna teve desfecho positivo. Em vez de ficar magoado, Waldick foi cantar gratuitamente na janela do hotel. Atitude inusitada e grandiosa.

Do amigo Antonio Lopes, jornalista e escritor de mão-cheia: “Muito bom (não Waldick, o texto!). Não sabia desse arranca-rabo dele com meu compadre Hercílio Nunes, grande figura. Tenho lido semanalmente, com prazer, suas publicações no Pimenta. Bola pra frente!”

Uma informação fora deste contexto que merece ser compartilhada. Com bom humor e criatividade características, Lopes informa que está “finalizando um livrinho, que pretendo apresentar à Editus ainda este mês, esperando que cometam a insensatez de publicá-lo.”

De Cuiabá, a jornalista Luana Rodrigues escreveu: Fiquei saudosa. “Aos oito anos, em Fortaleza, cheguei empolgada para a professora e mostrei um autógrafo ‘de um artista famoso que me recebeu super bem no aeroporto.’ Ela olhou e disse: ‘Não tinha outro artista melhorzinho que o Waldick Soriano, não?’. Fiquei chateada e frustrada, kkkkkk. Beijos.”

Já o também compositor Jorge Portugal, me contou que, ainda garoto em Santo Amaro, entrou num bar e fez uma pergunta/provocação: “Waldick , Tortura de amor é realmente composição sua?”

O artista olhou pra ele, pediu mais uma, chegou mais perto e gritou: “é claro, porra!”

Anos depois, Portugal produziu show do cantor. Um grupo de ciganos ficou em frente ao palco. Quando ele chegou, tiraram o chapéu, curvaram-se e o chefão falou: “Sr. Waldick, estamos ao seu dispor”.

Encerro com mais uma confissão de Waldick: “passei dois anos num garimpo sem ver uma mulher. A salvação foi que meu pai mandou um presente.”

O que ele recebeu, não revelo nem sob tortura.

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas semanais no PIMENTA.

Este post tem um comentário
  1. A música é uma arte universal que interagem com o ouvinte e cuja celebração faz o espirito humano flanar.

    Três artistas imortais,Fredde Mercury.
    Elvis Presley.
    Waldick Soriano.

    Reginaldo Rossi,é uma entidade.

    O dia ei de visitá-lo,cada túmulos e cantarei uma das belas músicas em vossa homenagem e fazer uma oração. Beijos!

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top