skip to Main Content
16 de janeiro de 2021 | 11:32 am

HOSPITAL SÃO JOSÉ REALIZA TRATAMENTO INÉDITO, EM ILHÉUS, DE ANEURISMA CEREBRAL

Tempo de leitura: 2 minutos
Setor de hemodinâmica do Hospital São José (Foto Meire Borges).

Setor de hemodinâmica do Hospital São José (Foto Meire Borges).

A unidade de hemodinâmica do Hospital São José (Intercor Bahia) realizou tratamento inédito, em Ilhéus, de embolização de aneurisma cerebral. A intervenção ocorreu no último dia 22, pelo médico neurocirurgião Francisco de Lucca, acompanhado de uma equipe médica especializada do município sul-baiano. A paciente recebeu alta nesta quarta.

O procedimento invasivo de alta complexidade durou cerca de uma hora e meia e foi feito com a introdução de um cateter na artéria, chegando ao aneurisma no cérebro. De acordo com o médico Francisco de Lucca, a intervenção foi realizada com grande sucesso.

– Foi um procedimento tecnicamente difícil. O aneurisma estava em uma difícil localização, mas foi tranquilo, já que tínhamos uma estrutura adequada, um aparelho de hemodinâmica e materiais de embolização de excelentes qualidades e uma equipe médica com treinamento adequado.

Para o médico, a estrutura de equipamentos que existe no Hospital São José equipara–se à de grandes centros avançados de hemodinâmica do país, compatível com qualquer tratamento endovascular.

O médico Edgar Teixeira Falcão, neurologista que diagnosticou o aneurisma e acompanha a recuperação pós-cirúrgica, informa que a paciente ficou sem sequelas, pois o atendimento foi feito de forma rápida e a intervenção realizada com sucesso absoluto. “Em pouco tempo, a paciente voltará ter a sua vida completamente normal, realizando os acompanhamentos médicos específicos”, disse ele.

“PENSEI QUE NÃO SOBREVIVERIA”

A paciente Ducinete Rodrigues, de 49 anos, teve alta ontem. Ela diz ter pensado que não sobreviveria, porque chegou ao São José com o lado esquerdo do corpo paralisado e fortes dores de cabeça. “Senti um estouro muito forte na cabeça. Pensei que morreria naquele momento, mas, graças a Deus e aos médicos, já estou de pé. Posso andar, movimentar os braços e as pernas, estou me sentindo bem e voltando para casa.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top