skip to Main Content
23 de junho de 2021 | 03:46 am

FUNDADOR DO JORNAL AGORA, JOSÉ ADERVAN MORRE AOS 74 ANOS

Tempo de leitura: 2 minutos
Adervan deixou legado na área de comunicação.

Adervan deixou legado na área de comunicação.

O jornalista e um dos fundadores do Jornal Agora, José Adervan de Oliveira, faleceu na tarde deste domingo (12), no Hospital Calixto Midlej Filho, em Itabuna, após lutar contra câncer de próstata.

O corpo do jornalista será velado no SAF de Itabuna, na Juca Leão, ao lado do Grapiúna Tênis Clube, a partir das 20 horas deste domingo. O enterro está previsto para as 16 horas desta segunda (13), no Cemitério Campo Santo, em Itabuna.

Adervan deixa viúva, Ivone, e as filhas Andréa, Fernanda e Roberta.

Bancário aposentado, Adervan fundou o Jornal Agora, na década de 80, com o também jornalista Ramiro Aquino. Inicialmente semanal, a publicação passou a ter edições diárias, de terça a sábado. Pela redação, passaram nomes como Antônio Lopes, Maurício Maron, Walmir Rosário, Ricardo Ribeiro e Kleber Torres.

À frente do Agora, foi ousado. Investiu por muitos anos em cadernos especiais para revelar o potencial da agricultura, do comércio e da economia sul-baiana. Ou abrir espaço para a cultura, com o Caderno Banda B. Os aniversários de Itabuna sempre eram marcados por edições especiais com a nossa história e as perspectivas para a economia.

O jornal era uma das suas razões de vida. Uma outra era a política. Adervan tinha militância desde os tempos de juventude e foi um dos fundadores do PSDB itabunense. Em 2008, disputou a Prefeitura de Itabuna pelo PSDB, tendo a médica Zina Macedo (PSDB) como vice. Também presidiu o diretório do partido. A política era um dos assuntos principais de sua coluna no jornal.

Marco Wense, que por muitos anos escreveu sobre política em sua coluna no Agora, assim se expressou em um aplicativo de mensagens:

“O jornalismo político fica mais pobre. Adervan era apaixonado pelo fascinante mundo do comentário, da análise e da opinião, seja na sua coluna nas páginas do Agora ou em qualquer outro lugar”.

E completa:

“Lá, em um lugar chamado de eternidade, vai se encontrar com [Eduardo] Anunciação. E o óbvio ululante, é dizer que vão conversar sobre política, política e política”.

Esta publicação possui 0 comentários
  1. Muito triste! Foi quem me recebeu de braços abertos, quando eu e Almir Neto chegamos em Itabuna. Foram anos no Jornal Agora e mesmo após termos saídos, continuávamos a encontrá-lo e a aprender ainda mais. Chamava-o carinhosamente de chefinho. Vai fazer muita falta. Descanse em paz! Meus pêsames a família.

  2. Lamentável!
    Pai de família exemplar, cidadão de bem, jornalista que se caracterizou por seus artigos serenos, racionais e equilibrado. Sem dúvida deixa uma lacuna irreparável na imprensa baiana e na sociedade de Itabuna. Meus sentimentos e solidariedade aos familiares.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top