skip to Main Content
3 de abril de 2020 | 07:39 pm

VICE-MINISTRO DA AGRICULTURA DA CHINA É ELEITO PARA SUBSTITUIR BRASILEIRO NA FAO

Tempo de leitura: 2 minutos

Vice-ministro chinês ao lado do atual diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano (Foto Divulgação)

Os países-membros da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) elegeram, neste domingo (23), o novo diretor-geral, que ficará à frente do órgão pelos próximos quatro anos. Qu Dongyu, vice-ministro da Agricultura da China desde 2015, foi eleito com 108 votos.

O governo brasileiro declarou apoio formal ao candidato chinês. O escolhido substituirá o brasileiro José Graziano, que encerra em julho seu segundo mandato. O vice-ministro Qu Dongyu assumirá o cargo de diretor-geral da FAO no dia 1º de agosto.

Apesar dos avanços alcançados nas últimas duas décadas, 821 milhões de pessoas ainda passam fome no mundo. A meta das Nações Unidas é erradicar a fome global até 2030. No entanto, a fome não é o único problema nutricional que o novo diretor-geral da FAO deverá enfrentar.

Atualmente, mais de 2 bilhões de adultos – com mais de 18 anos – estão acima do peso, sendo 670 milhões considerados obesos. De acordo com a FAO, estima-se que o número de pessoas obesas no planeta irá superar o de famintos em poucos anos. Ao mesmo tempo, 2 bilhões de pessoas sofrem de deficiências nutricionais.

Entre os motivos para o crescimento da obesidade mundial está o consumo de alimentos ultra processados, que têm altos níveis de sódio, açúcar refinado, gorduras saturadas e aditivos químicos.A FAO aponta como desafio a implantação de sistemas de produção que forneçam alimentos saudáveis e de qualidade.

PROJEÇÕES

As projeções apontam que a população global deve ultrapassar 9 bilhões de pessoas em 2050. Para suprir a demanda global por alimentos, o Brasil é um dos países em condições de fornecer cada vez mais alimentos de qualidade para o mundo.

Até 2026 e 2027, a previsão é da produção agropecuária brasileira crescer 41% – a maior do mundo, aliada ao uso de apenas 30,2% do território nacional, tecnologia e técnicas sustentáveis.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back To Top