skip to Main Content
25 de setembro de 2020 | 11:15 pm

AS LETRAS E AS MULHERES NA PRESIDÊNCIA DE SUAS CASAS ACADÊMICAS

AS LETRAS E AS MULHERES NA PRESIDÊNCIA DE SUAS CASAS ACADÊMICAS
Tempo de leitura: 4 minutos

Constatamos que a passagem delas foi representativo, pois ocorreu em um momento do centenário das Casas Literárias. Não podemos menosprezar esses espaços. Trata-se de um lugar de poder. Falar e escrever são verbos de ação e são poderosos. Portanto, que as mulheres tenham sempre a palavra.

Efson Lima || efsonlima@gmail.com

Mulheres, mágicas para o bem viver humano. Em outra oportunidade, escrevi sobre a presença das mulheres nas Academias de Letras. Hoje, lembrei-me de escrever e pensei nessa temática. Eu nem estava associando ao mês, mas caiu minha ficha ao traçar a primeira linha: maio é o mês das mães (deve ser sempre todos os meses). Vamos lá!

Sabemos que a primeira Casa Literária a surgir no Brasil com esse espirito de congregar pessoas interessadas nas letras, artes e se mantém atuante é a Academia Brasileira de Letras. É verdade que tivemos outras agremiações antes, mas elas não se mantiveram. Coube a Machado de Assis puxar as rédeas para a criação do sodalício nacional. No nascimento, temos a primeira injustiça: Júlia Lopes. Ela não pôde fazer parte do quadro de fundadores, pois era mulher e no seu no lugar foi indicado o esposo.

O machismo é tão perverso que muitas mulheres são forçadas a esconder o feminino. Os homens são humilhados quando os traços sobressaem. Uma pena: mulheres são a razão da reprodução humana; a alma feminina é razão de parte de nossas emoções. Mulheres, para além da função biológica, são competentes no que fazem, naquilo que ocupam, naquilo que lideram. Inteligentes por excelência! O nosso machismo de cada dia é que ousa aniquilá-las e invisibilizá-las. Mas elas brotam como rosas, não desistem. A existência feminina é ato político diário.

Temos uma plêiade de mulheres na literatura, na produção do conhecimento, nas artes: Cecília Meirelles, Clarice Lispector, Rachel de Queiroz, Lygia Fagundes Telles, Gláucia Lemos, Conceição Evaristo, Zélia Gattai, Carolina Maria de Jesus…. São muitas. “Ler mulheres” é uma oportunidade de redescobrir caminhos. É fazer novos percursos. É oportunidade de aprender.

Retomando o percurso, o nosso bate-papo é sobre mulheres na liderança desses espaços acadêmicos coletivos, que ocupados por homens, coube a elas liderarem em um determinado período. Penso que não foi fácil. Tomando como referências a Academia Brasileira de Letras (ABL), a Academia de Letras da Bahia (ALB) e a Academia de Letras de Ilhéus (ALI), nas três já tivemos presidências femininas. Interessante que tanto na Academia brasileira e quanto na Baiana coube às mulheres o exercício da presidência no transcurso de seus respectivos centenários.

A acadêmica Nélida Piñon foi eleita em 27 de julho de 1989 e tomou posse em 3 de maio de 1990, tornando-se a primeira mulher a ser presidente da Academia Brasileira de Letras, entre 1996 e 1997 (um ano), no período do centenário. Ela é jornalista de formação e tem livros de romances, contos, crônicas, memórias, ensaios. Veio ao mundo como escritora em definitivo com a obra Guia -mapa de Gabriel Arcanjo (1961). O espaço é majoritariamente masculino e tem um longo caminho a percorrer, pois, até então, somente oito mulheres foram (são) membros da ABL. Foi também a primeira mulher a presidir uma Academia de Letras, de caráter nacional, no mundo.

E mais recente a acadêmica Ana Maria Machado entre 2012/2013 (dois anos) liderou a centenária instituição, de cujo espaço se tornou membros a partir de 2003. É uma escritora premiadíssima. Professora universitária e tem várias inserções internacionais. Tem uma forte ligação com a literatura infantil, inclusive, foi uma das fundadoras da Malasartes, sendo a primeira livraria especializada no gênero infantil no país.

No Estado da Bahia, a presença feminina ocorreu 21 anos depois de fundada a Academia de Letras da Bahia, precisamente em 1938, com Edith Mendes da Gama Abreu. O fato é um avanço quando comparado temporalmente com a Academia brasileira. A presidência da ALB foi exercida por uma mulher, pela primeira vez, com Evelina Hoisel, que tomou posse, em 09 de abril de 2015, então, na gestão da Senhora Hoisel, coincidentemente, foi comemorado o centenário da Casa de Arlindo Fragoso.

Em um artigo – a “Academia de Letras de Ilhéus – A chegada das Mulheres”, de autoria da professora Maria Luiza Heine, pontua-se o envolvimento feminino nos quadros literários das academias. A senhora Heine ingressou na Academia de Letras de Ilhéus por volta de 1997 e ocupa a cadeira nº 20. Ela tem formação em Filosofia e é doutora em Educação pela UNEB. Tem uma vasta obra sobre a história regional, especialmente, sobre Ilhéus e meio ambiente. Foi professora da Faculdade de Ilhéus e do IME e presidiu a Fundação Cultural de Ilhéus.

O Blog Ilhéus com Amor, de sua lavra, é um manancial de conhecimento sobre a São Jorge dos Ilhéus e às questões culturais e ambientais. Através da rede foi popularizando as informações sobre a nossa origem e cumprindo uma das funções da investigação científica. Ser acessível.

O exercício da presidência na ALI, como ela pontua em uma entrevista, talvez tenha ocorrido pelo acaso, mas não obstante a função de vice-presidente já o colocava em uma posição ativa. Então, o presidente ao tempo era o acadêmico João Hygino Filho e ela fazia parte da diretoria como vice-presidente e no decorrer do mandato o presidente teve problemas de saúde e ela teve que assumir até terminar o mandato, o que durou pouco mais de um ano. A professora Maria Luiza Heine é um livro. É prova viva do amor à cultura e às artes.

Assim, rapidamente verificamos que as presenças das mulheres nas presidências de algumas Academias de Letras são recentes. Não obstante, é possível inferir que esses espaços continuam sendo ainda de poucas e a liderança feminina tem sido pontual. Entretanto, em dois momentos, constatamos que a passagem delas foi representativo, pois ocorreu em um momento do centenário das Casas Literárias. Não podemos menosprezar esses espaços. Trata-se de um lugar de poder. Falar e escrever são verbos de ação e são poderosos. Portanto, que as mulheres tenham sempre a palavra. E não esqueçamos, as escritoras também são mães. Um excelente dia. Hoje e sempre!

Efson Lima é coordenador-geral da Pós-graduação, Pesquisa e Extensão da Faculdade 2 de Julho e doutor em Direito pela UFBA. Das terras de Ilhéus/Itapé.

Este post tem um comentário

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top