skip to Main Content
28 de fevereiro de 2021 | 01:23 am

PANDEMIA REDUZ FATURAMENTO DE 86% DAS EMPRESAS BAIANAS, APURA SEBRAE

PANDEMIA REDUZ FATURAMENTO DE 86% DAS EMPRESAS BAIANAS, APURA SEBRAE
Tempo de leitura: 2 minutos

A pandemia do coronavírus reduziu o faturamento de 86% das empresas baianas, de acordo com a segunda edição da pesquisa feita pelo Sebrae Bahia para analisar os impactos econômicos da pandemia. O resultado deste levantamento capta os efeitos econômicos dos últimos três meses. O percentual é menor que os 91% da primeira rodada da pesquisa, em abril.

O levantamento de agora foi feito no período de 18 a 28 de maio, com empresários de várias regiões do estado. A pesquisa mostrou também que 45% dos estabelecimentos estão em atividade e outros 44% suspenderam, temporariamente, os serviços.

Com a mudança de comportamento do consumidor, devido ao isolamento social, 58% dos entrevistados disseram que estão atendendo à distância, sendo que 26% do total começou a atender nesta modalidade após o isolamento social. As principais dificuldades relatadas pelos empreendedores quanto à esta forma de atendimento são falta de sistema de tecnologia e estrutura para logística de entrega.

FINANÇAS

Com a redução do faturamento, as empresas baianas estão recorrendo a alternativas para manter o funcionamento. Pela pesquisa, 26% dos negócios suportam apenas mais um mês de fechamento das atividades econômicas. Cerca de 46% dos empresários terão que solicitar empréstimos se a quarentena durar até o final de junho.

A pesquisa mostrou também que apenas 16% das empresas já foram beneficiadas com prorrogação de dívidas junto aos bancos. Conforme o levantamento, 47% dos empresários acreditam que a economia brasileira voltará a se recuperar em 12 meses.

NOVAS MEDIDAS

A chegada do coronavírus trouxe também um novo comportamento para as empresas, com adoção de medidas que reduzam a possibilidade de transmissão do vírus. Apesar de 96% das empresas que participaram da pesquisa não apresentarem caso de COVID-19, mais de 50% delas iniciaram práticas de higiene e evitaram aglomerações no ambiente de trabalho, estabelecendo o distanciamento físico adequado no atendimento ao público e entre os colaboradores.

A pesquisa mostra também que 67% das empresas irão dar continuidade às práticas de higiene e 40% dos empresários afirmaram que irão incluir o atendimento digital para ajudar na manutenção do distanciamento social.

Ainda após o isolamento social, 51% dos empresários acreditam que seus consumidores darão preferência a lugares com continuidade das práticas de higiene e 30% deles disseram que a preferência será por atendimento digital, lugares com menos aglomeração e com distanciamento físico adequado.

A segunda edição da pesquisa do Sebrae Bahia entrevistou mais de 570 empresários e faz parte do acompanhamento dos impactos da crise causada pelo novo Coronavírus nas micro e pequenas empresas. O relatório completo da pesquisa com o comparativo em relação à primeira edição pode ser acessado neste link.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top