skip to Main Content
13 de agosto de 2020 | 02:16 am

O COMÉRCIO E A PANDEMIA

O COMÉRCIO E A PANDEMIA
Tempo de leitura: 3 minutos

Agora é observar os erros e inovarmos para outra concepção estratégica em que haja a equação do bom senso entre a preservação das vidas e a solução para salvar o nosso comércio, e consequentemente a nossa economia.

Mark Wilson Teixeirinha || markwilsonadm@gmail.com

É incrível como muitas ações governamentais são desconexas, ineficientes e ineficazes em nosso país, ignorando a administração científica, que nos fornece soluções práticas com foco no objetivo.

Logo que se iniciou a pandemia, três coisas me causaram estranheza: o governo central menosprezar a gravidade da situação; não fecharem de imediato os limites municipais; e não obrigar o uso de máscaras caseiras.

O novo coronavírus se propaga com a mobilidade entre os seres humanos e leva até 14 dias para se constatar a infecção. Porém, quando oficializada a pandemia, se fossem adotadas estas medidas que – julgo – seriam lógicas, teríamos evitados milhares de mortes e, certamente, minorados os prejuízos à economia. O comércio não estaria hoje em situação de tanta penúria e o governo iria ter menos custos.

Vou dar um exemplo prático que poderia ser estendido país afora. Itacaré, Uruçuca, Itabuna, Ilhéus e seus respectivos distritos seriam um conjunto de CIDADES ILHADAS, com barreiras sanitárias entre elas, mas com bloqueio total para outras cidades durante um mês nas entradas pela BR-101 onde ninguém entrasse e ninguém saísse além de seus limites.

Assim, não haveria precipitações do “faz que abre, faz que fecha o comércio” e as atividades comerciais e cotidianas estariam sendo exercidas normalmente até que fosse constatado algum caso de infecção, quando, aí sim, poderiam se aplicar o isolamento social e demais ações de forma mais planejada na respectiva cidade, de acordo com a disponibilidade dos equipamentos de saúde. Além do que, seria um curto período para o desabastecimento em geral, destes municípios.

Numa primeira frente, se faria o ISOLAMENTO DAS CIDADES COMO ILHAS, E NÃO DAS PESSOAS, com o comércio funcionando normalmente e cada cidade sendo monitorada para verificação de algum caso com infecção durante um mês. Apenas obrigando as pessoas a usarem máscaras caseiras e a fazerem distanciamento social, sem fechamento de comércio ou isolamento social. Consequentemente muitas cidades de pequeno e de médio portes em nosso Brasil ainda estariam com o comércio funcionando, algumas até normalmente.

Porque as pessoas não aguentam ficar tanto tempo dentro de casa, principalmente pelas suas condições sociais de moradia, e também porque os comerciantes não conseguem honrar compromissos e garantir empregos sem ter lucratividade em seus negócios.

Em Itabuna ainda não sabemos qual será o índice de mortalidade ao final da pandemia, mas com certeza será quase uma centena de comerciantes formais que fechará definitivamente seus negócios, fora os informais e os autônomos, com mais de dois mil desempregados já previstos extra oficialmente. Mas sabemos também que as aglomerações favorecem a disseminação da covid-19 e as mortes.

Em uma outra frente, em relação à economia, penso que seria salutar um congelamento geral dos juros e de preços por três ou quatro meses; e de acordo a geodinâmica da situação o adiantamento de férias coletivas e de 13º salário; liberação do FGTS e do PIS/PASEP; linhas de créditos aos pequenos e médios comerciantes a juros mais baixos que os de mercado; e o auxílio emergencial. Com menor burocracia.

O governo federal deveria ser proativo e realizar estas ações logo assim que declarada a pandemia, dialogando com congresso e com o judiciário, se tornando o grande articulador entre os estados e municípios, indistintamente.

Mas agora é tarde. Agora é observar os erros e inovarmos para outra concepção estratégica onde haja a equação do bom senso entre a preservação das vidas e a solução para salvar o nosso comércio, e consequentemente a nossa economia.

Mark Wilson é formado em Administração (Uesc) e tem especialização em Gestão Pública Municipal e em Administração Pública e Gerência de Cidades.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top