skip to Main Content
11 de maio de 2021 | 04:27 pm

ANTÔNIO OLÍMPIO E A IMPRENSA INDEPENDENTE

ANTÔNIO OLÍMPIO E A IMPRENSA INDEPENDENTE
Tempo de leitura: 3 minutos

Se eu agora pago essa mensagem os maledicentes, inimigos de Ariston, vão dizer que eu comprei a opinião dele. Isso será péssimo, pois as pessoas vão achar que o Diário da Tarde não é mais independente. E eu defendo, como ele sabe, a imprensa independente…

 

Antônio Lopes || abcdlopes@gmail.com

Antônio Olímpio fez em Ilhéus, de 1976 a 1981, o que se chamou Governo da Renovação: substituiu João Lyrio, um prefeito discreto, que, como se diz, chegou mudo e saiu calado. O que em João Lyrio parecia ausência de vocação para o cargo, encontrou em AO (aos 45 anos, advogado e professor) o oposto: vontade de mudar a cidade, transformar, sacudir a poeira do marasmo. Urbanizou ruas, construiu uma nova Central de Abastecimento, transferiu a grande feira de Ilhéus da Dois de Julho para o Malhado, atualizou a legislação sobre uso do solo, doou ao município o velho “Cine Theatro Ilheos”, então patrimônio da família Rhem.

Esse dinamismo como prefeito lhe amealhou popularidade e reconhecimento bastantes para eleger-se deputado estadual, com mandato de 1983 a 1986. Na ALBA (em tempo anterior a esta mania das siglas), teve atuação notável: foi presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural e titular das Comissões de Turismo, de Minas e Energia, de Ciência e Tecnologia, de Saúde e Saneamento e de Empreendimento Social, dentre outras.

AO teve seu tempo sabático, voltou à pescaria, à culinária e ao papo com os amigos, três passatempos que o identificam, retornando aos palanques só no começo dos anos noventa, quando se elegeu, outra vez, prefeito de Ilhéus para o período de 1993 a 1996, e logo levou seus admiradores a uma indagação machadiana: “Mudaria Antônio Olímpio ou mudamos nós?”

O fato é que o novo AO não tinha o mesmo ímpeto do primeiro mandato: mostrava-se desmotivado, sem “apetite” para o exercício da função. Aparecia (quando aparecia) nas solenidades oficiais com evidente tédio. Mal comparando: um João Lyrio intelectualizado, verve em dia, ironia à flor da pele, pronta pra ser sacada contra os críticos. Ia mal a administração, os problemas se acumulavam. Um deles, as muriçocas, que infernizavam, em zumbidos e picadas, a vida do ilheense.

Certa feita, o delegado regional Luís do Amaral Carneiro, com ares de autoridade, interpelou AO, de público: “Não é possível continuar desse jeito, com as muriçocas me chupando a noite inteira!” Foi mal. A resposta de AO, em alto e bom som, imprópria para ouvidos pudicos, bendizendo a sorte que o Dr. Luís tinha, naquela idade etc., fez do bravo delegado um inimigo, por muitos dias.

Tempos depois, descontraídos entre copos de cerveja, Carlos Farias, amigo de longa data, levantou a indagação famosa. “O que mudou entre um mandato e outro?”

– O dinheiro – responde AO, sem pestanejar. E explica que, na primeira gestão, o programa chamado Caritas “municiou” a Prefeitura de Ilhéus. Na segunda, os cofres estavam vazios o tempo inteiro. Elementar, meu caro Farias: Sem dinheiro, não há administrador que preste…

Pra terminar: na segunda gestão de Antônio Olímpio, o Diário da Tarde estava em mãos de Ariston Cardoso – advogado (primeira turma de Fespi), ex-prefeito (Arena) e crítico do prefeito – e num dia sim, no outro também, estampava títulos nada lisonjeiros ao chefe do executivo. AO, na dele, engolia tudo, adotando a filosofia de que “o bom cabrito não berra”. Num 28 de junho, Dia da Cidade, quando o jornal aproveitava pra faturar uma publicidade extra em forma de saudação oficial aos munícipes, vai um desavisado representante do DT procurar o prefeito, com a proposta de “uma mensagem de página inteira por apenas…” AO, com toda a educação de que é portador, fez entrar o sujeito incauto, deu-lhe cafezinho, saudou-o no “como vai, como passou”, “a quantas anda o preço do cacau”, elogiou a iniciativa das mensagens, descontraiu o homem e exarou a sentença, final e irrecorrível:

– Por favor, diga a Ariston que eu gosto muito dele e do Diário da Tarde, mas não posso autorizar esta despesa. Sinto muito por isso.

– !!!

– É que o jornal bateu em mim o tempo todo. Se eu agora pago essa mensagem os maledicentes, inimigos de Ariston, vão dizer que eu comprei a opinião dele. Isso será péssimo, pois as pessoas vão achar que o Diário da Tarde não é mais independente. E eu defendo, como ele sabe, a imprensa independente…

Antônio Lopes é jornalista e escritor.

Este post tem um comentário

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top