skip to Main Content
1 de março de 2021 | 09:26 am

DONA MAURINA, 88 ANOS, PERDE CASA EM AÇÃO JUDICIAL E AMIGOS FAZEM “VAKINHA”

DONA MAURINA, 88 ANOS, PERDE CASA EM AÇÃO JUDICIAL E AMIGOS FAZEM “VAKINHA”
Tempo de leitura: 2 minutos

– GRUPO KAUFFMANN DEIXA IDOSA SEM MORADIA

Celina Santos

Está só na lembrança a imagem de dona Maurina dos Anjos Oliveira, de 88 anos, passeando entre as plantas do quintal onde viu seus nove filhos crescerem, na avenida Princesa Isabel, bairro Banco Raso, em Itabuna. Ao redor, a casa cedida há mais de 60 anos ao saudoso marido dela, seu Casé – um dos operários do grupo Kauffmann.

A mulher viveu naquela morada, onde lavou roupas para contribuir com a renda da família, regou plantas e aprendeu sobre a arte de educar os meninos e meninas que trouxe ao mundo. Mas um dos filhos dela, inadvertidamente, um dia assinou um contrato de aluguel. Aí começou um processo de despejo, fruto de vários recursos (em diferentes instâncias).

O desfecho teve dezembro de 2020 como marco. Dona Maurina só tem um dos nove rebentos vivendo com ela. E decidiu não mais lutar na Justiça pelo espaço onde construiu a família e vivia cercada de vizinhos/amigos. “Era a batalha dos Kaufman contra os Oliveira”, definiu, assim que buscou alugar uma casa no mesmo bairro e antecipar-se ao constrangedor despejo.

Vale lembrar que outras casas foram igualmente cedidas a operários naquela rua. Como nenhum assinou qualquer documento que remetesse a aluguel, não houve caminhos legais para o mesmo desfecho a que dona Maurina foi submetida.

Entre plantas, vivia uma rotina tranquila até dezembro de 2020

“VAKINHA” VIRTUAL

Lúcida e forte, ela prefere ficar sozinha no quarto quando uma pontinha de tristeza chega mais perto. Devido à pandemia, pelas óbvias medidas de prevenção, não vai à missa de que tanto gosta. Enquanto isso, amigos e familiares abraçaram a ideia de uma campanha solidária.

Quem sabe uma “vakinha virtual” – tão em alta pelo amplo universo da internet – consegue recursos para esta mulher tão batalhadora adquirir um imóvel. “Não quero morrer sem ter um teto”, costuma dizer, emocionada. A todos que já conheciam ou que estejam conhecendo agora a história da querida dona Maurina, é possível contribuir com esta verdadeira corrente. (Contribua você também pelo link https://www.vakinha.com.br/vaquinha/idosa-de-itabuna-sonha-com-casa-propria).

Esta publicação possui 4 comentários
  1. Dona Maurina é uma mulher doce e faz parte da história VIVA daquele lugar. História de trabalhadores e trabalhadoras que dedicaram uma vida para o desenvolvimento local e recebem o despejo como recompensa da ganância latifundiária.
    TODO APOIO À DONA MAURINA !!!

  2. Desde 2014 os kaufmans receberam propostas pela área para construção de um grande shopping/supermercado que abraçaria da rotatória a prefeitura. Dentre esses eventos os prefeitos que aqui passaram sempre souberam e apoiaram.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top