skip to Main Content
8 de maio de 2021 | 11:42 pm

LACEN-BA FAZ MAIS DE 1 MILHÃO DE TESTES DE COVID-19 DURANTE PANDEMIA

LACEN-BA FAZ MAIS DE 1 MILHÃO DE TESTES DE COVID-19 DURANTE PANDEMIA
Tempo de leitura: 2 minutos

O Laboratório Central e Saúde Pública da Bahia (Lacen-BA) já realizou mais de 1 milhão de testes RT-PCR para diagnóstico do coronavírus (Covid-19) desde o registro do primeiro caso da doença no estado, em 6 de março do ano passado. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), o Lacen investiu R$ 20 milhões em obras e equipamentos para atender a demanda gerada pela pandemia da covid-19, inclusive tornando o laboratório o maior do país em capacidade de realização de exames.

A diretora-geral do Lacen-BA, Arabela Leal, detalha que foram comprados extratores, pipetadores, amplificadores, termocicladores, insumos, além de um sequenciador, equipamento que realiza o sequenciamento genético do coronavírus. Além disso, foi realizada a contratação de pessoal para ampliação do serviço e, desse modo, a unidade passou a funcionar 24 horas, 7 dias por semana.

“O Lacen-BA mudou toda a sua logística de trabalho. Tivemos que nos adaptar completamente às novas rotinas e temos feito isso diariamente, já que estamos trabalhando por demanda espontânea. É interessante observar como comparativo que, no ano de 2019 inteiro, realizamos um total de 27 mil exames de biologia molecular, somando todos os agravos, como vírus respiratórios e arboviroses”, acrescenta a diretora-geral da unidade.

SEQUENCIAMENTO E NOVAS LINHAGENS

Durante o período de 18 de setembro até 30 de março de 2021, o Lacen-BA realizou o sequenciamento de 175 genomas completos do SARS-CoV-2 (coronavírus), identificando a circulação de 13 linhagens diferentes de coronavírus. A unidade tornou-se referência nacional para fazer o sequenciamento genético de amostras da Bahia e de outros cinco estados (Sergipe, Alagoas, Piauí, Pernambuco e Rio Grande do Norte).

Em janeiro de 2021, foram também detectadas no estado as novas variantes do SARS-CoV-2, recentemente identificadas no Brasil, sendo elas a variante P.1 e P.2 isoladas pela primeira vez no Norte (Manaus, Amazonas) e no Sudeste do país (Rio de Janeiro).

Já em fevereiro deste ano, também foi detectada a linhagem peruana C.14, marcando a introdução da mesma através de um viajante por meio de um navio, e a linhagem B.1.1.7 ou variante do Reino Unido ou britânica, detectada no Reino Unido pela primeira vez no início de dezembro de 2020.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top