skip to Main Content
28 de março de 2020 | 11:58 pm

COMÉRCIO SE REINVENTA COM A CRISE DO CORONAVÍRUS

Tempo de leitura: 3 minutos

Essa é uma forma de aprisionamento das forças comunistas para tomar o poder e se manter por tempo indeterminado no comando de um país sob o regime de força.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Como em todo o tempo em que uma crise assola uma determinada região, um país ou o mundo, a sabedoria popular consegue reverter a situação negativa e encontrar meios de subverter a ordem imposta pela adversidade. Não está sendo diferente neste Brasil de 2020, em que impera o medo e o terror imposto pelo Coronavírus, por meio do Covid-19, os meios de comunicação e os políticos de esquerda.

Não fosse a iniciativa privada, não teria sobrado um só brasileiro para contar a triste história dessa pandemia, do jeitinho que gostam os marajás da Organização Mundial de Saúde (OMS). Ditam as regras que querem, do jeito que querem, condenam os que não comungam com suas ideologias, não contribuem financeiramente e se acham os donos da verdade, mesmo sem conhecer a realidade de cada país.

Como ia dizendo, mesmo com as portas fechadas a criatividade da iniciativa privada – do norte a sul, leste a oeste – passou a operar por delivery, que nada mais é do que a simples entrega, remessa. Se antes esse serviço se restringia a alimentação e correspondência, hoje tomou conta de todos os ramos, com a maior naturalidade, apesar da proibição dos governos em teimar com o fechamento das empresas.

Ainda, na iniciativa privada, surgiu em Canavieiras uma proposta de um jornalista desocupado, que apresentou uma ideia espetacular a um proprietário de bar e restaurante para funcionar com toda a segurança. Seria tão somente Panela de Barro adquirir no mercado máscaras de segurança suficiente e oferecer aos clientes, que poderiam beber suas cervejas com toda a tranquilidade e dentro do protocolo de defesa do coronavírus. Só falta registrar a patente.

Sim, a iniciativa privada merece aplausos por bancar grande parte das despesas da população, mesmo com o castigo imposto pelos governos em manter as portas de seus estabelecimentos fechadas. O olhar dos governadores e prefeitos não consegue alcançar a situação real da população. Ela [a população] tem consciência de que é importante não ser infectada, mas não tem a capacidade de pregar a bunda do sofá.

E não pode ficar em casa simplesmente porque não quer e sim por faltar recursos financeiros para manter sua família. E esse suado dinheiro é oriundo dos produtos que vende nas ruas, nos bicos que fazem, do parco salário que recebem. Sim, eles não têm poupança como nossos prefeitos, governadores, deputados, embora também tenham estômago, por incrível que pareça.

No poder público – governos estaduais e municipais – sobram pedidos de muitos recursos  ao governo federal, sob o argumento de que precisam cuidar das pessoas. Como sempre, esquecem suas obrigações e gastam desbragadamente, endividando os entes federativos, apesar da Lei de Responsabilidade Fiscal, sob a falácia do argumento da independência, até a bancarrota.

Neste Brasil, após os tristes anos de roubalheira petista, se constroem discursos com as narrativas de desconstrução, bastando que os inimigos – deveriam ser adversários – não rezem por sua cartilha. E como vemos, apesar de o governo federal bancar todas as despesas, ainda sofre violentas perseguições da oposição política e de comunicação, além dos malefícios do Coronavírus.

Para tentar tirar o poder do presidente tentam o enxovalhamento do presidente, pelo simples fato de querer manter a economia funcionando, dentro dos padrões ditados pela triste e nefasta cartilha comunista. De uma vez, querem assumir o poder por meio de um golpe, já que foram derrotados na eleição. Além de promover a falência da iniciativa privada, buscam a bancarrota do Brasil.

Ora, está mais do que provado que o isolamento deve ser mantido na forma vertical, apenas com os grupos de risco e não encurralando uma população ativa em suas casas, por tempo indeterminado. Essa é uma forma de aprisionamento das forças comunistas para tomar o poder e se manter por tempo indeterminado no comando de um país sob o regime de força.

Exemplo maior está dando a população de rua, que não dá bolas para o coronavírus e continua no mesmo habitat como se nada de ruim estivesse acontecendo. Pior ainda, é o caso da Cracolândia paulista – um antro de degradação do ser humano, que se transformou no xodó do governo petista de Fernando Haddad e agora de Dória. Pois bem, não se tem notícia de infecção pelo Coronavírus neste e outros locais análogos.

Indo sempre na contramão do governo federal, os governadores e prefeitos querem manter o país paralisado, como se a população tivesse o sagrado direito de escolher qual sua morte preferida: Coronavírus ou de fome. Agora, a população ganha outro inimigo, um juiz federal que proíbe o presidente Bolsonaro de se abster de falar sobre o fim do confinamento.

Além da queda, coice.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

QUE SORTE A SUA, HEIN, PRESIDENTE?!

Tempo de leitura: 2 minutos

Começamos todos os dias em um cenário e adormecemos em outro completamente diferente. Aqui fora e dentro dos hospitais também, já que os mesmos começam a receber os primeiros figurantes dessa história. Uns com sintomas mais brandos da Covid-19, outros com danos intensos comprometendo sua saúde física e mental.

Manuela Berbert || manuelaberbert@yahoo.com.br

De dentro da minha residência (#FiquemEmCasa) assisto uma grande novela brasileira: tabelas e mais tabelas compartilhadas com números em movimento crescente; cenas das mais diversas, que vão desde diálogos entre líderes a grandes centros comerciais do país fechados; e, como em todo grande enredo, diversos personagens. O mais pitoresco deles, vale ressaltar, chama-se Bolsonaro, que discursa quase sempre em um tom ainda capaz de me confundir: seria uma novela de suspense ou de humor?

Infelizmente, preciso lembrar a todos que o grande persona do momento não é o senhor político, e sim o popularmente conhecido coronavírus, embora eu ache, diante do sorriso de deboche do capitão durante o pronunciamento nacional da última terça-feira (24), que o seu sonho, realmente, é ser um grande protagonista, mas não é.

Não, ele não pode ser um grande protagonista,  porque desdenha do impacto social (vidas) e considera apenas o impacto econômico (dinheiro) de uma grande crise. Ele não pode ser um grande protagonista, porque promove justamente esta desavença em uma nação de mais de 200 milhões de habitantes, onde o poder de fala do grande é sempre mais alto.  E o do oprimido, sempre abafado. Ele não pode ser um grande protagonista, porque reage às organizações mundiais capacitadas que traçam possíveis cenas de terror no país com politicagem e infantilidade.

Estamos nos primeiros capítulos disso tudo. Começamos todos os dias em um cenário e adormecemos em outro completamente diferente. Aqui fora e dentro dos hospitais também, já que os mesmos começam a receber os primeiros figurantes dessa história. Uns com sintomas mais brandos da Covid-19, outros com danos intensos comprometendo sua saúde física e mental.

Particularmente (e acho que a maioria dos brasileiros), me sinto bastante arrependida por não ter seguido nenhuma carreira como atleta. Que sorte a sua, hein, presidente?!

Manuela Berbert é publicitária.

O CORONAVÍRUS E AS NECESSIDADES DO ESTADO DE BEM-ESTAR SOCIAL

Tempo de leitura: 2 minutos

No Brasil, o obscurantismo não nos garantirá saídas, portanto, caberá ao Congresso Nacional, Câmara Federal e Senado, liderar uma saída através de um pacto social, trazendo para ele o Executivo e o Judiciário.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

O mundo assiste a um momento de extrema dificuldade e de incerteza. Mesmo diante dos avanços tecnológicos e da ciência, o momento atual acaba sendo fora da curva e põe de joelhos países poderosos e os seus líderes: China, Estados Unidos, Alemanha, Itália e outros. Todos estão diante do mesmo desafio: usar mecanismos do estado para assistir as suas populações, evitando o caos humanitário e sustentar a roda econômica diante do novo coronavírus. Os cientistas, profissionais de saúde, de segurança e comunicação estão no epicentro do problema, assim também devem estar os governantes.

Cabe a cada governo adotar medidas urgentes, responsáveis, éticas e de bem-estar social para mitigar os efeitos do Covid-19. Um programa de socorro econômico para setores essenciais, mais vulneráveis, redução de tributos, alargamento de prazos para pagamentos de obrigações, suspensão de pagamento da dívida pública, uso de reservas externas, manutenção dos empregos e outras alternativas.

Será necessário agir na direção das políticas de transferência de renda e assistenciais, liberando os pagamentos suspensos do Programa Bolsa Família, aposentadorias, auxílio-saúde, Benefício de Prestação Continuada (BPC), repactuação de financiamentos e liberação de um valor para desempregados e profissionais informais.

São 50 milhões de brasileiros nessa condição, população superior à da Argentina, além de garantir transferências de recursos para os municípios, possibilitando a esses a adoção de medidas de isenção de água, assistência social às populações em situação de rua, investimentos em saúde e outras emergências inerentes ao funcionamento das administrações. Enfim, atenuar os desdobramentos desse severo momento é tarefa urgente, e, se não forem adotadas, poderemos ter uma escalada da violência e da calamidade.

O momento requer união, cooperação de esforços, equilíbrio. Os líderes mundiais precisarão exercer um papel global, possibilitando um novo arranjo ao sistema econômico para termos fluxos econômicos globais e paz social, possibilitando recuperação aos países atingidos direta e indiretamente pelo coronavírus.

No Brasil, o obscurantismo não nos garantirá saídas, portanto, caberá ao Congresso Nacional, Câmara Federal e Senado, liderar uma saída através de um pacto social, trazendo para ele o Executivo e o Judiciário. Sem esse esforço, nos perderemos no ideologismo inconsequente e colheremos as consequências irreparáveis que poderão nos empurrar para um ciclo de perversidades e atrocidades ainda piores do que as mais realistas previsões possam nos fornecer.

Rosivaldo Pinheiro é economista e especialista em Planejamento de Cidades (Uesc).

DIÁRIO DE UM ISOLAMENTO SOCIAL – CAPÍTULO 01

Tempo de leitura: 2 minutos

É sábado à noite. Escrevo enquanto escuto um especialista explicar no Jornal Nacional, da Rede Globo, que é preciso viver um dia de cada vez para evitar o estresse e a ansiedade. Respiro fundo, mas confio na seriedade e serenidade do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Manuela Berbert || manuelaberbert@yahoo.com.br

Fui uma das pessoas que, ao ficar em casa voluntariamente, chamei o meu movimento de quarentena, até entender que não é isto o que estou vivendo. Estou isolada socialmente, em minha própria residência, respeitando uma medida preventiva dos Governos, na tentativa de amenizar a disseminação do COVID-19, conhecido popularmente como coronavírus.

Tenho um coração dividido, neste momento: de um lado, a tentativa de não acompanhar todas as notícias e me distanciar de sentimentos como medo e ansiedade. Do outro, uma curiosidade absurda para tentar entender o que está acontecendo de fato, e porque a Itália divulgou, há algumas horas, a morte de 793 pessoas em um único dia, inclusive ultrapassando o número de vítimas da China, onde tudo começou.

Uma das palavras que mais tenho escutado, há alguns dais, é Lombardia, região mais populosa da Itália cuja capital é Milão. A tão sonhada por tantos brasileiros! Tão sonhada quanto o Rio de Janeiro e São Paulo. Impossível não fazer a associação. Impossível não lembrar que as primeiras mortes pela infecção estão acontecendo por lá. Impossível não pensar que o COVID-19 está pontuando nas regiões da classe média e alta, e que se chegar a um barraquinho sequer de uma daquelas tantas favelas do Rio, ou na gigantesca população que mora nas ruas de São Paulo, o Brasil não terá a menor condição de contabilizar ou conter. Lamentavelmente.

É sábado à noite. Escrevo enquanto escuto um especialista explicar no Jornal Nacional, da Rede Globo, que é preciso viver um dia de cada vez para evitar o estresse e a ansiedade. Não sabemos quanto tempo tudo isso irá durar. Respiro fundo, mas confio na seriedade e serenidade do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O nosso presidente, Bolsonaro, chama a pandemia de gripe e desfaz das ações enérgicas dos Governadores dos Estados Brasileiros. Desconfiam que ele esteja negando a própria infecção. Desconfio que muitos ainda negam sua insanidade…

Manuela Berbert é publicitária.

O CORONAVÍRUS E AS ARTES

Tempo de leitura: 3 minutos

Aproveite para resenhar. Vamos lá! Precisamos mudar nossos hábitos. Abuse dos telefonemas. Abuse das lives. Mas, por favor, lembre-se de limpar o celular. Vale ouvir uma música também! Vale desenhar. Vale criar! Vale todo esse esforço coletivo! Vale viver solidariamente, mesmo que eu não possa te dar um abraço neste momento.

Efson Lima || efsonlima@gmail.com

Senhores e senhoras, somos uma geração que pouco conheceu o sofrimento coletivo. Poucas vezes paramos diante da televisão para acompanhar os acontecimentos. Lembro-me do 11 de setembro de 2001 nos EUA, que minha geração ficou vidrada diante da TV. Naquele dia e nos outros que sucederam, tivemos nossas rotinas alteradas, mas nada igual a este momento. Nada!

Somos pequenos diante da realidade que ousa a nos impor. A palavra de ordem é: ficar em casa, preferencialmente, a 2 metros de cada pessoa. Para nós baianos, que adoramos os apertos de mãos, os beijos – não basta um, tem que ser dois, tem sido difícil. O tocar respeitosamente é marca de nossa identidade. Tão identificador que surge logo a pergunta: você é baiano? É muito pegar. É muito se aproximar.

Agora, nossos medos, nossos pessimismos ou nossa histeria, caso se aproxime do (não) presidente Bolsonaro são vivenciadas na TV, pelas redes sociais, pelos computadores. Tudo tem sido instantâneo. A pessoa morre e a família sabe pela TV.

Quem diria! está tudo paralisado! O futebol, o vôlei, Formula 1. Tudo segue parado! Vozes do mundo todo surgem para solicitar a mudança de data das Olimpíadas de Tóquio, cujo evento só três vezes foi cancelado, justamente, quando das duas grandes guerras. A Covid-19 paralisou os esportes. Certamente, vão surgir os campeonatos virtuais. O contato físico e a aproximação nem pensar nesse momento trágico. Tem sido um ano que parece ter ensinado a sermos pequenos.

E as artes? Os espetáculos foram suspensos. Ensaios reprogramados. Ontem, perguntei a minha amiga se o bar dela já havia sido fechado. Ela respondeu que sim e que nem pode fazer a festa de despedida. Estamos a viver dias com “Caras sem Bocas”, fiz um trocadilho com o nome do bar que era” Caras e Bocas”, pois, as cortinas se fecharam, não havia cenário, o palco estava sem ator e a plateia não foi. Os dias soluçam, cujo soluço parece sem fim.

Não é possível, temos que construir outro fim, pois, a criatividade humana, tão buscada e tão cara aos tempos atuais, surge com força. Inovamos nos processos, fazemos adaptações, novos modelos e modelagens, consolidamos a palavra mágica: design thinking. Assim surgem diversas práticas que estimulam as nossas presenças em casas.

Por vezes, questiono-me até onde vai o nosso limite ético, por exemplo, as livrarias aproveitam o momento para vender mais livros, induzem-nos a comprar. Aperfeiçoaram rapidamente o serviço de entrega nas casas. Na alimentação, os aplicativos não param de nos seduzir com promoções. Você não vai ao restaurante, mas eles vêm até nós.

Lembre-se, mesmo em casa, não podemos nos aglomerar. O sistema capitalista se renova e se reinventa. Vai percorrendo suas mazelas sem piedade. Sem crime, sem castigo. As missas podem ser online. Podemos de casa nos livrar do mal. Outras igrejas insistem em realizar cultos, mesmo diante de uma eventual aglomeração. São estratégias para sobreviverem diante do cenário da dor, do pessimismo e do desalento. Amém?

Em Portugal, os artistas se juntaram e fizeram um festival pela internet. No Brasil, já temos o nosso programado. Diversos artistas se juntaram para fazer uma maratona. A Academia Brasileira de Letras enviou e-mails para os seus contatos informando que vai turbinar o projeto, a ABL em Sua Casa, com entrevistas, contos dramatizados… Assim, poderemos acompanhar o conteúdo de nossos lares.

Então, é tempo de assistirmos a um bom filme. Rever aquele filme que marcou sua adolescência. Que tal fazer a leitura de um livro regional? Tantos são os escritores. Pode fazer a leitura de um clássico também. Aproveite para resenhar. Vamos lá! Precisamos mudar nossos hábitos. Abuse dos telefonemas. Abuse das lives. Mas, por favor, lembre-se de limpar o celular. Vale ouvir uma música também! Vale desenhar. Vale criar! Vale todo esse esforço coletivo! Vale viver solidariamente, mesmo que eu não possa te dar um abraço neste momento.

Efson Lima é doutor em Direito (UFBA), especialista em Gestão em Saúde (Fiocruz), escritor e advogado.

SÃO JOSÉ, PERDOA-LHES, POIS NÃO SABEM O QUE FAZEM

Tempo de leitura: 4 minutos

Nesta quinta-feira (19) espero que São José possa abençoar todos os seus fiéis de Itabuna e outras cidades brasileiras que tanto sofrem com as más ações de seus políticos, livrando-os de todo o mal que eles [os maus políticos] pretendam causar.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Neste 19 de março, dia consagrado a São José, os fiéis e devotos do Santo Pai de Jesus Cristo não poderão acompanhar as tradicionais procissões em homenagem ao seu protetor, em várias cidades. A mística religiosa e os dogmas da Igreja Católica são importantes para manter a fé, porém o medo de uma epidemia (já pandemia) é maior e novos hábitos sucederão os mais antigos.

Ainda mais nos tempos atuais em que a tecnologia nos leva (ou impõe?) novos costumes, os virtuais, em que assistimos a celebração de missas em diversas igrejas do mundo inteiro pelas telas dos aparelhos de TV. Não tenho a menor ideia do que representará para o Santo Carpinteiro deixar de percorrer as ruas de Itabuna e outras cidades desacompanhado daquela multidão orando e cantando em seu louvor.

Para os católicos mais fervorosos a falta da tradicional procissão é uma tragédia nos mesmos parâmetros da pandemia do Coronavírus, que assola o mundo, ainda mais partindo da China, um país comunista. Mas não existe outro recurso senão obedecer aos padrões de comportamento a nós impostos pelos órgãos governamentais, a começar pelo Ministério da Saúde.

Concordo plenamente com os cuidados constantes nos procedimentos, protocolos que teremos que obedecer, pois têm força de lei e a desobediência poderá ser enquadrada nos crimes contra a saúde pública (arts. 267 e 268 do CPB). Por mais que as administrações públicas se esforcem, é da natureza do brasileiro desobedecer as recomendações, inclusive em prejuízo próprio.

Lendo e relendo a nota oficial publicada pela Diocese de Itabuna, confesso que fiquei com dúvidas a respeito das decisões das autoridades eclesiásticas, após ouvirem os médicos especialistas. Isto porque, cancelada a procissão, ficaram mantidas as celebrações de três missas (7, 10 e 15 horas), cujo número foi ampliado para quatro, com a missa a ser celebrada às 17 horas.

Como não sou autoridade em assunto algum – embora apenas me dê ao luxo de praticar a teimosia, já vislumbro e comparo generalidades –, comparei as multidões de fiéis que assistem às missas e acompanham a procissão. Foi então que me dei conta de que, como o propósito é reduzir as multidões e, consequentemente, o risco de contaminação pelo Coronavírus, me dei conta que tanto fazia seis como meia dúzia.

Pelos meus tresloucados cálculos, a procissão reúne um número bem maior de pessoas que as missas, porém se alguns dos fiéis estiver infectado pelo coronavírus o risco é o mesmo, por mais cuidados que tomem os participantes. Acredito – não tenho certeza – que no caso das missas – em ambiente fechado – a gravidade é ainda mais acentuada que na procissão, em local aberto, nas ruas de Itabuna.

Não é de hoje nem de ontem que a procissão em louvor a São José vem sendo contaminada pelo pior vírus que se conhece no mundo, o do mau político, que há muito teimam em participar – como todo o destaque – das procissões. Em todos os anos – notadamente os eleitorais, dois em dois anos – eles brotam do limbo e se apresentam ao lado do andor para carregar o santo, com a única finalidade de aparecer nas fotos.

Procissão de São José foi cancelada em 2020 por causa do coronavírus

São políticos que não dispõem da mínima intimidade com o Glorioso São José e com a comunidade itabunense, dentre outras em que é o Padroeiro, e mesmo assim se acham no direito de se postar à frente dos Congregados Marianos. Muitos desses políticos sequer são católicos e nem têm a intenção de se converter ao catolicismo, pelo contrário, são materialistas, comunistas, que alardeiam ser a religião o ópio do povo.

Pior, ainda, do que a conduta desses maus políticos – os mesmos que brigam de unhas e dentes por um estado laico na forma mais esdrúxula – são dos representantes da igreja que comungam do mesmo sentimento dos políticos. Somente para ilustrar, os comunistas – portanto, materialistas – Haddad e Manoela, em campanha presidencial foram à Basília de Aparecida e ainda comungaram o sagrado corpo de Cristo, o Santíssimo Sacramento.

Dizem que o castigo vem a cavalo e, ao que parece, estamos justamente no período da pré-campanha eleitoral e, por certo, em volta do andor do Glorioso São José estariam a rodá-lo esses fariseus para levar o andor. Lembro-me muito bem da campanha vitoriosa feita pelo jornalista Charles Henri para separar o joio do trigo, ao destinar aos membros do Tiro de Guerra a função de carregar o andor.

Nesta quinta-feira (19) espero que São José possa abençoar todos os seus fiéis de Itabuna e outras cidades brasileiras que tanto sofrem com as más ações de seus políticos, livrando-os de todo o mal que eles [os maus políticos] pretendam causar. Rogo, ainda, que os padres com orientações políticas materialistas também tenham a ombridade de defender o comunismo em outra freguesia.

Mas como São José é Pai de Jesus e Deus de todos nós, confiemos nesse milagre.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

EM TEMPOS DE HISTERIA VIRTUAL, PRIORIZEMOS A NOSSA SAÚDE MENTAL!

Tempo de leitura: < 1 minuto

A pulverização de notícias inverídicas e de números inexistentes é um desserviço à população. Em tempo de histeria virtual, priorizemos a nossa saúde mental!

Manuela Berbert || manuelaberbert@yahoo.com.br

Uma população curiosa, agoniada, com um celular nas mãos e inúmeras fontes de notícias e opiniões à disposição. Uma população que compartilha o que vê sem observar a fonte, sem checar a veracidade dos números. Sem certeza de tudo o que está acontecendo, mas lotando os grupos de whatsapp de amigos e familiares de informação, na tentativa vã de contribuir com o todo. Uma histeria virtual, um caos mental.

Um país que já apresenta uma desigualdade social absurda, taxa de desemprego alta, educação e saúde precárias. Um país que já não atende às demandas básicas do seu próprio povo. “Fiquem em casa”, dizem alguns. “Mas o próprio presidente estava nas ruas abraçando as pessoas”, retrucam outros. “Se isolem! Não vão trabalhar, nem estudar!”, alardeiam alguns. “Não posso perder meu emprego”, respondem outros. Ansiedade e instabilidade emocional nas alturas. Sistema imunológico no pé.

Nem é preciso ser profissional de saúde para identificar que esse desespero relativo à expansão, causas e possíveis sequelas da popularmente conhecida coronavírus trará imensas e intensas consequências à nossa população. De um lado, é realmente inegável a preocupante pandemia mundial. De outro, é sabido que as medidas relacionadas à prevenção e contenção, quando tomadas mais cedo, mais eficazes se tornam. Mas a pulverização de notícias inverídicas e de números inexistentes é um desserviço à população. Em tempo de histeria virtual, priorizemos a nossa saúde mental!

Manuela Berbert é publicitária.

MARÃO, O PROSELITISTA

Tempo de leitura: 4 minutos

Alguns desses invejosos tentam jogar a população contra quem trabalha pelo povo e para o povo, tentando ludibriá-la alardeando que as obras só têm dinheiro de fora e que Rui Costa é o prefeito de Ilhéus. “Puro xaveco, pois quem foi eleito foi euzinho aqui”, reclamou ao seu terceirizado.

 

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

De proselitismo em proselitismo o cidadão ilheense vai sendo engambelado pelas elucubrações mal-ajambradas ditas e repetidas pelo alcaide, sobre fatos que mereceriam ser levados a sério. Mas esse não é o forte de Marão, que prometeu durante a campanha política cuidar dos ilheenses, o que não deixou de ser apenas mais um apelo fabricado pelos marqueteiros de plantão.

Não é de agora que os ilheenses vêm fazendo um apelo patético ao alcaide, cobrando sua promessa de campanha: “Marão, cuida de mim!”. Em que pese a necessidade dos cuidados não apenas na saúde, Marão, o médico, não se sensibiliza. E não é pra menos, sua ocupação é monumental, tem de participar de reuniões em cima de reuniões, para prometer resolver todos os problemas de Ilhéus. Mas que eles serão amplamente solucionados no segundo mandato, como sem falta, como anuncia.

Porém, os ilheenses não pensem que Marão não está atento às questões mais prementes da cidade, e, agora mesmo, com a ajuda da competente equipe de assessores, colocou em prática um projeto que vai dar o que falar pelo Brasil afora. Embora tenha se sentido exausto pelo grande número de reuniões nas casas dos colaboradores mais leais, valeu o esforço e já está em prática um projeto social da maior grandeza: o “Me Ajuda, Rui”.

Num desses dias estafantes, reunidos na casa de um habilidoso secretário, Marão não suportou o cansaço e resolveu tirar uma rápida pestana. Enquanto o suave repouso restabelecia as energias, os secretários trabalhavam incessantemente para mostrar serviço quando Marão acordasse. Nesse interregno, os fiéis servis resolveram fazer um joguinho para ver quem seria o mais inteligente, e entre um sou eu, não é você, resolveram disputar na mão grande.

Foi uma glória quando o chefe acordou – refeito, por sinal – pronto para a labuta, e não se recusou a dar uma de médico – olha o juramento de Hipócrates – e engessou a mão do colaborador que se deu mal na contenda. Como é estafante essa vida de prefeito. Mas nada que não possa ser resolvido com prontidão pelos fiéis colaboradores, comemorando o sucesso do duplo empreendimento com uma boa taça de vinho, importado, como merecia a brilhante ocasião.

E quem disse que dessa reunião foram para casa descansar? Nada disso, rumaram para uma outra, preparatória para a próxima que terá com o governador Rui Costa, em Salvador, bastante estafante, com o sobe e desce de avião e o tráfego complicado da capital. Ufa! No recôndito do gabinete que comanda a Bahia – e Ilhéus, é claro – decidirão o futuro dos ilheenses, tema sério que não logrou solução nesses 486 anos de fundação e 138 de elevação à categoria de cidade.

Finalmente, agora vai! Marão pedirá ao governador Rui Costa permissão para ser candidato à reeleição, uma decisão por mais difícil e complicada, não fosse esses petistas teimosos anunciar candidato próprio. E a parceria de Marão com o governador não vale nada? Pura ingratidão com um alcaide que não faz outra coisa a não ser o futuro de minha querida Ilhéus…

Se não bastasse esses adversários – verdadeiros inimigos de Ilhéus –, ainda existe essa malfadada imprensa que não enxerga as relevantes obras construídas com muito esforço para o povo. Alguns desses invejosos tentam jogar a população contra quem trabalha pelo povo e para o povo, tentando ludibriá-la alardeando que as obras só têm dinheiro de fora e que Rui Costa é o prefeito de Ilhéus. “Puro xaveco, pois quem foi eleito foi euzinho aqui”, reclamou ao seu terceirizado.

Mas essa imprensa não perde por esperar! A da Prefeitura ele já tomou satisfações e mandou embora dois secretários e não custa demitir o terceiro, já na marca do pênalti e com outro em vista. E Marão está certo, pois cansou de ler nos jornais e blogs os muitos erros e troca-troca de releases. Era um tal de desconsidere o outro e vale esse que já estava incomodando todo o mundo.

Mas esse povo da imprensa não sabe que em meu governo tem autoridade? Não importa quem disse, mas os textos têm de ser passados a limpo por quem de direito, gente letrada e de minha confiança, com assento no meu gabinete, experts em política. Eles que se aquietem, do contrário decretará pão e água para essa cambada, como uma medida pedagógica até que aprendam quem realmente manda na cidade.

E por falar em quem manda, Marão já tomou uma decisão inédita! Depois de muitas horas de reunião, finalmente vai dar prosseguimento à pista marginal à BA-001, na zonal sul, para que, finalmente, consiga chegar ao conjunto habitacional do Ceplus. Após um brainstorming (tempestade de ideias) com os briosos secretários e assessores, elaboraram dois projetos para dar continuidade à marginal direita.

Os dois grandiosos projetos já estão com a equipe técnica para analisar qual o mais viável, se a construção de um viaduto ou de um túnel para que o tráfego possa fluir com toda a tranquilidade por baixo ou por cima do restaurante Psiu!. São atitudes como essa que demonstram competência, o denodo e determinação da administração pública ilheense.

E na próxima campanha continuará a conclamar o eleitor ilheense a se manifestar nas praças públicas: “Marão, continua cuidando de mim…”. Agora, vai!

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

A CHUVA EM ITABUNA – PLANEJAMENTO URBANO E CONSCIENTIZAÇÃO COLETIVA

Tempo de leitura: 2 minutos

É preciso preparar os cidadãos/cidadãs para estas questões, envolver o poder público, manter um planejamento urbano, não como um projeto de um gestor público, mas como um projeto de município, um projeto de Estado.

João José || jjsantos@uesc.br

A chuva que atingiu a cidade de Itabuna não foi a causa para o alagamento do seu principal centro comercial: a Avenida do Cinquentenário, como também outros espaços da cidade. O que aconteceu na sexta feira (06/03/20) consistiu em um chamamento para a questão do planejamento urbano, do planejamento da cidade em nível macro.

Se constrói aleatoriamente, inclusive onde a “natureza já deu o seu recado que é área natural, que é preciso poupar estes espaços, para o seu papel enquanto agente de transformação”.

Pois bem, as cidades não nascem aleatoriamente. A aglomeração de pessoas em determinada região tem a ver com algo ligado à produção: seja natural, comercial, ou mesmo aquelas impulsionadas pela ação humana. Um exemplo é a busca pelo ouro, as incursões de terrenos por populares, proximidade de determinado polo mercantil, etc.

Entretanto, nestes possíveis nascimentos de uma localidade/cidade, é de crucial importância a ação do poder público, no planejamento, no redirecionamento para área apropriada para habitação humana.

As Cidades de Ilhéus e Itabuna são peculiares nestas questões climáticas. No caso de Ilhéus, praias, manguezais, rios etc. Portanto, Itabuna está mais ligada a área do Rio Cachoeira, assim como ocupações de extensões inadequadas para residir.

Logo, as causas das enchentes e alagamentos não estão relacionadas apenas com fatores naturais. Igualmente, podem estar relacionadas a ações humanas ou até mesmo pela junção dos dois fatores. É notório que isso pode acontecer por causa de um problema na atmosfera, por causa do aquecimento global ou de uma catástrofe climática natural.

Ruas e avenidas alagadas durante chuva da sexta (6), em Itabuna.

Por outro lado, é preciso preparar os cidadãos/cidadãs para estas questões, envolver o poder público, manter um planejamento urbano, não como um projeto de um gestor público, mas como um projeto de município, um projeto de Estado. Assim, tem-se a oportunidade de tentar minimizar os possíveis estragos provocados pelas chuvas.

Portanto, para evitar que as enchentes continuem originando mais prejuízos, é preciso uma conscientização coletiva. Consequentemente, parar de jogar lixo ao chão, que, por sua vez, entope bueiros e galerias construídas para reter e impedir o acúmulo de água das chuvas nas ruas.

João José é graduado em Ciências Sociais, mestrando em Educação e especialista em Planejamento de Cidades; Gestão Municipal; e História do Brasil.

QUE POLITICAGEM BARATA É ESSA, ACM NETO?

Tempo de leitura: < 1 minuto

Aplaudo de pé a sua competência enquanto administrador. Acredito que seja, hoje, um dos melhores gestores do país. A politicagem barata do “maloqueiro ousado” não te fará governador do estado!

Manuela Berbert || manuelaberbert81@yahoo.com.br

Um microfone nas mãos. Uma multidão aos seus pés. Dentre milhares de pessoas, uma instituição paga pelo povo, para protegê-los. “Eu quero pedir uma vaia para os Policiais Militares”, gritava o intérprete da canção Maloqueiro Ousado, no maior carnaval do mundo.

Compreendo a identificação da grande massa. Um país que não oferece educação, saúde, esporte e lazer de qualidade mina toda e qualquer possibilidade de desenvolvimento real. Pauta a identidade por gestos e sons. O que eu não compreendo é ver um cara que “chegou lá” incitar justamente a marginalização e a revolta. Como não compreendo a necessidade de quem tem total entendimento disso tudo dar asas a esta ousadia.

A omissão diante de quem se vale da altura de um trio elétrico para parecer zelador do povo não te fará mais forte, Prefeito! “Aqui é favela, não mexa com meu povo!”, gritou quem não mora nela. Quem não vai à mídia fazer uma campanha real, apresentar projetos coesos, fazer valer cada voto de esperança depositado naquelas urnas, em 2018. Quem só aparece em benefício próprio, querendo justificar o tema da SUA música do ano.

Fui filiada ao DEM em maio de 2014. Participei de inúmeros evento do DEM Jovem na capital baiana, a partir de então. Acompanhei os discursos e o trabalho do então deputado. Te vi ser eleito prefeito. Vivo a transformação de Salvador. Aplaudo de pé a sua competência enquanto administrador. Acredito que seja, hoje, um dos melhores gestores do país. A politicagem barata do “maloqueiro ousado” não te fará governador do estado!

Manuela Berbert é publicitária.

Back To Top