skip to Main Content
7 de julho de 2020 | 01:52 am

INOVAÇÕES PARA AS ELEIÇÕES DE 2020

Tempo de leitura: 3 minutos

Allah Góes || allah.goes@gmail.com

 

 

Nessas eleições, visando-se acabar com o “efeito Tiririca”, em que candidatos com poucos votos, por conta das maiores sobras impulsionadas por um “puxador de voto”, acabam sendo eleitos, em 2020, para tomar posse, o candidato tem que obter votos de, pelo menos, 10% do quociente eleitoral, o que em Itabuna deve ficar na casa dos 450/500 votos.

 

Mesmo que num clima meio morno de um ano pré-eleitoral, vinha sendo conduzida no Congresso Nacional, a pedido do TSE, discussão sobre proposta para mudar o sistema eleitoral já para a escolha, em 2020, dos vereadores nos municípios com mais de 200 mil habitantes.

Seria uma espécie de teste para a implantação definitiva do sistema distrital misto, semelhante ao que é adotado na Alemanha e em outros países, que teria o condão de tanto baratear a eleição como aproximar o eleitor do eleito, vez que seriam eleitos os candidatos com mais votos em cada Distrito Eleitoral.

A proposta que se discute no Brasil é uma combinação do voto proporcional e do voto majoritário, onde os eleitores teriam dois votos: um para candidatos no distrito e outro para as legendas (partidos).

Os votos em legenda (sistema proporcional) são computados em todo o município, conforme o quociente eleitoral (total de vagas colocadas em disputa divididas pelo total de votos válidos). Já os votos majoritários são destinados a candidatos do distrito, escolhidos pelos partidos políticos, vencendo o mais votado.

Assim, as cidades seriam divididas em distritos, cabendo esta divisão à Justiça Eleitoral, que deve usar como critério as seções eleitorais. O número de distritos será igual à metade do número de cadeiras.

Em Itabuna, que hoje tem 21 vereadores, teríamos 11 distritos. Em cada um deles, o candidato a vereador que receber mais votos será eleito. Restam então 10 vagas, que serão ocupadas de acordo com o desempenho dos partidos naquela eleição.

Os partidos deverão indicar apenas 01 nome para cada distrito, as demais vagas seriam apresentadas através de lista preordenada. No momento do voto, o eleitor fará duas escolhas: no candidato do seu distrito e no partido de sua preferência. Aí entra o quociente eleitoral: se um partido obtém votos para duas vagas, os dois primeiros da lista são eleitos, por exemplo.

Os defensores dessa ideia argumentam que o sistema Distrital Misto torna as campanhas mais baratas, já que o candidato não precisa percorrer mais toda uma cidade (e sim apenas o distrito), além de aproximar o eleitor do vereador (cuja atuação ficaria mais voltada ao distrito que o elegeu), e ao mesmo tempo, não tira a importância dos partidos, que precisam apresentar um programa único (já que o segundo voto tem de ser no partido).

Mas por conta da falta de tempo hábil, vez que toda esta mudança tem que estar aprovada até 01 ano antes da Eleição, o que de fato se terá como mudanças para o Pleito de 2020, será a Proibição das Coligações nas eleições proporcionais (vereador) e a manutenção do quociente eleitoral, onde os partidos para obter vagas e participar das rodadas referentes às maiores sobras têm que obrigatoriamente atingir este quociente.

Nessas eleições, visando-se acabar com o “efeito Tiririca”, em que candidatos com poucos votos, por conta das maiores sobras impulsionadas por um “puxador de voto”, acabam sendo eleitos, em 2020, para tomar posse, o candidato tem que obter votos de, pelo menos, 10% do quociente eleitoral, o que em Itabuna deve ficar na casa dos 450/500 votos.

Mas o interessante de tudo isto é que, mais uma vez, os vereadores é que servirão de “bucha de canhão”, tal qual ocorreu com a redução de seu número, pois serão as prováveis cobaias do novo sistema, que se não funcionar a contento, dificultará a eleição destes e será abandonado ao invés de ser aperfeiçoado para as eleições de 2022, pois o que de fato se espera com estas medidas é tão somente aplacar a indignação da sociedade quanto ao lodaçal que virou a nossa política.

Allah Góes é advogado municipalista, especialista em Direito Eleitoral e consultor de prefeituras e câmaras municipais.

SERES NEFASTOS

Tempo de leitura: 2 minutos

Cláudio Rodrigues

 

 

 

Será que o “deus” dele e de seus colegas é o mesmo Deus misericordioso que foi capaz de dar seu filho para a remissão dos nossos pecados?

 

 

Ao tomar conhecimento da morte do pequeno Arthur, neto do ex-presidente Lula, fui ao encontro do meu sogro e dei a notícia. Ele é um octagenário com uma dúzia de neto, e muito apegado ao caçula da turma, que tem seis anos.

Ao receber a notícia, ele parou por alguns segundo e me disse: “me vi no lugar do Lula. Um homem não foi feito para enterrar um filho, muito menos um neto”. Hoje, ao ler mais uma matéria da série Vaza Jato, do The Intercept Brasil em parceria com o UOL, sobre a forma debochada e repugnante com que os procuradores da Força Tarefa da Lava Jato trataram as mortes dos familiares do ex-presidente, me veio um misto de vergonha e nojo.

Vergonha por pertencer a mesma raça que eles, e nojo por saber que existem pessoas com os sentimentos mais primitivos que se possa ter na face da terra. Que tipo de sentimento têm esses sujeitos capazes de ironizar as mortes de uma esposa, de um irmão e até de um neto de sete anos de idade?

Imaginar que alguns dos membros do Ministério Público Federal fazem da religião uma de suas bandeiras, a exemplo do procurador-chefe da força-tarefa, Deltan Dellagnol. Será que o “deus” dele e de seus colegas é o mesmo Deus misericordioso que foi capaz de dar seu filho para a remissão dos nossos pecados?

Não quero entrar no mérito se o ex-presidente Lula é culpado ou vítima de uma perseguição política patrocinada pelo Poder Judiciário. O que veio à luz dos atos com as divulgações dos diálogos dos procuradores e do ex-juiz Sérgio Moro é que servidores públicos do alto escalão do judiciário usaram e usam seus poderes para tripudiar de um réu e fazer da dor da morte uma ferramenta para expressar o ódio que sentem pelo ex-presidente Lula.

Os procuradores do MPF e o hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro, envolvidos na operação Lava Jato, passaram para a opinião pública que eram os “heróis” do Brasil. Exemplos de moralidade e ética com a coisa pública. Mas tudo que já foi divulgado na Vaza Jato nos mostra que eles manipularam, alguns fizeram bons negócios, protegeram políticos, empresários e banqueiros amigos e foram responsáveis pelo exército de desempregados que assola o país ao levar à quase falência uma gama de construtoras.

Dentre do que já foi levado a público pelo The Intercept Brasil e seus parceiros, as mensagens de hoje deixam claro que o preconceito e o ódio estão enraizados nesses senhores e senhoras. Ao desdenhar das mortes de familiares do ex-presidente Lula, esses procuradores mostram que são capazes de praticar os atos mais repugnantes em busca de seus objetivos. Não sei o que a história reserva ao ex-presidente Lula, mas de uma coisa tenho certeza. Nem o lixo da história vai aceitar esses seres nefastos.

Cláudio Rodrigues é consultor.

ALIANÇA CIRCUNSTANCIAL E PRAGMÁTICA

Tempo de leitura: 3 minutos

Marco Wense

O resultado da eleição, seja com a vitória de Miralva Moitinho ou Jackson Moreira, que é o candidato da inusitada aliança, não vai mudar o relacionamento entre Geraldo e Josias. Pode até piorar.

A eleição para o comando do Partido dos Trabalhadores de Itabuna vai ficar marcada por uma união tida como improvável: Geraldo Simões e Josias Gomes de mãos dadas.

Geraldo foi prefeito de Itabuna por duas vezes. Josias é deputado federal licenciado e secretário de Desenvolvimento Rural do governo Rui Costa, cotado para ser o presidenciável do PT na sucessão de Jair Messias Bolsonaro.

O enlace político envolvendo Geraldo e Josias, com o aval de Everaldo Anunciação, presidente estadual da legenda, tem como escopo derrotar a “companheira” Miralva Moutinho, que tem o apoio discreto do senador Jaques Wagner e aberto do deputado Rosemberg Pinto, engajado cada vez mais na política itabunense, chegando ao ponto de setores do petismo tê-lo como opção para a disputa do centro administrativo Firmino Alves na eleição de 2020.

Vale lembrar que o ex-ceplaqueano Everaldo Anunciação andou ensaiando o nome do prefeito de Itajuípe, Marcone Amaral (PSD), como alternativa do PT na sucessão de Fernando Gomes, mesmo sabendo da legítima pretensão de Simões, causando assim uma revolta no geraldismo, cuja sobrevivência depende do resultado da eleição do PT. A derrota de Jackson significa o enterro político de GS. A dúvida fica por conta da presença ou não de Josias na missa de sétimo dia.

A aliança entre o ex-alcaide e o parlamentar licenciado surpreendeu a todos. Até as freiras do convento das Carmelitas sabem o quanto Geraldo sofreu com a perseguição de Josias. O ex-prefeito era uma espécie de “patinho feio” do petismo de Itabuna.

O resultado da eleição, seja com a vitória de Miralva Moitinho ou Jackson Moreira, que é o candidato da inusitada aliança, não vai mudar o relacionamento entre Geraldo e Josias. Pode até piorar.
Se Jackson ganhar, os josianistas, obviamente os maldosos, vão dizer que a vitória só foi possível devido ao apoio do líder. Se perder, a culpa será toda de Geraldo, que volta a ser o “patinho feio”.

Para quem não sabe, o primeiro emprego de Josias na Bahia foi no governo de Geraldo Simões. Não lembro o cargo. Com certeza, no primeiro escalão. Josias é agrônomo, nasceu em Amaraji, município de Pernambuco.

Entre muitos pontos que separam Geraldo e Josias, dois se destacam. O mais próximo diz respeito a sucessão de Fernando Gomes, hoje neoaliado do governador Rui Costa. Geraldo é radicalmente contra o apoio do chefe do Palácio de Ondina a tentativa de FG de buscar o sexto mandato. Josias, por sua vez, vai dançar a música do governador. Se é para apoiar Fernando, tudo bem. Pode contar comigo, caro companheiro.

Aliás, sobre essa aproximação de Rui com Fernando, Geraldo a batizou de “casamento de cobra com jacaré”, deixando no ar que a aliança duraria pouco tempo. Pois é. Ledo engano. Rui e Fernando continuam como se fossem velhos companheiros.

O segundo ponto é a sucessão estadual. Geraldo quer candidatura própria. A opinião de Josias ainda é desconhecida. A discussão, que tende a aflorar com a proximidade do pleito, e que já provoca fissuras nas hostes petistas, envolve os senadores Jaques Wagner e Otto Alencar, presidente estadual do PSD.

Portanto, depois da eleição para compor o novo diretório do PT, tudo volta ao que era antes, com Geraldo de um lado e Josias do outro. Posso até estar enganado. Mas minha intuição política aponta nessa direção.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

JORGE AMADO: UM ETERNO IMORTAL PARA ALÉM DE SUL-BAIANO

Tempo de leitura: 3 minutos

Efson Lima || efsonlima@gmail.com

 

 

 

O escritor pertence ao mundo. É símbolo de nossa terra, nascido em Ferradas, em Itabuna, não só se imortalizou, mas imortalizou-nos na literatura universal.

 

O nosso autor sul-baiano mais destacado da literatura nacional completou 107 anos em 10 de agosto de 2019. Imortalizado na Academia de Letras de Ilhéus, Academia de Letras da Bahia e Academia Brasileira de Letras permanece vivo. Certamente continuará povoando nossas cabeças, nosso imaginário e seduzindo milhares de pessoas para a literatura, assim como eu fui atraído por Capitães da Areia e Gabriela, Cravo e Canela, entre outros clássicos. Em Ilhéus. Somou-se a Abel Pereira e a Nelson Schaun, Wilde Oliveira Lima e Plínio de Almeida, os quatro últimos membros da Comissão de Iniciativa, para fundar a Academia de Letras de Ilhéus, em 1959, que vivencia o ano diamante.

Na Academia de Letras de Ilhéus pertenceu a cadeira de n° 13, cujo patrono, Castro Alves, o influenciou na produção de suas obras. Por sinal, neste ano, a Literária Internacional do Pelourinho homenageou o poeta abolicionista, cuja FliPelô, organizada pela Fundação Jorge Amado, presta homenagem ao escritor das terras do cacau, terras essas que conferem identidade à Nação Grapiúna e ao seu povo. A cadeira de n° 13 acolheu sua esposa, Zélia Gattai, e, agora, acolhe nosso escritor Pawlo Cidade, que tem prestado significativos serviços ao campo da gestão cultural no Estado da Bahia, assim como tem construído significativamente uma vasta obra literária, cuja preocupação ambiental aparece em seus livros. Tema que se tornou hodiernamente tão emblemático, especialmente com a atual gestão federal no país, que parece não ter preocupação com as gerações do presente e muito menos com as futuras.

Na Academia Brasileira de Letras, foi eleito, em 6 de abril de 1961, para a cadeira n° 23, que tem como patrono José de Alencar e por primeiro ocupante, Machado de Assis. Jorge Amado, um crítico das academias, na fase adulta, reverá seus posicionamentos, como assinalou em seu discurso de posse na ABL: “Chego à vossa ilustre companhia com a tranquila satisfação de ter sido intransigente adversário dessa instituição, naquela fase da vida, um que devemos ser, necessária e obrigatoriamente, contra o assentado e o definitivo, quando a nossa ânsia de construir encontra sua melhor aplicação na tentativa de liquidar, sem dó nem piedade, o que as gerações anteriores conceberam e construíram.” O tempo é senhor de nossas razões. E como é!

No início deste texto, disse “nosso autor”, só mesmo para ressaltar a origem. O escritor pertence ao mundo. É símbolo de nossa terra, nascido em Ferradas, em Itabuna, não só se imortalizou, mas imortalizou-nos na literatura universal. As suas obras de cunho regionalista conseguiram ter sentido no Chile, na França, em Portugal, na Itália, na antiga URSS. Conseguiu-nos orgulhar. Jorge Amado, que recebeu diversas críticas, marginalizado pela crítica do sul, continua vivo em nossas memórias e provocando críticas de diversos movimentos. Sempre que posso, pergunto-me: será que o escritor deve agradar ao seu leitor? Eu, como sou aprendiz, ainda não consigo ter clareza, mas o tempo será senhor das futuras razões.

Efson Lima é doutor em Direito pela UFBA, coordenador-geral da Pós-graduação, Pesquisa e Extensão da Faculdade 2 de Julho, das terras de Itapé (BA) e eterno ilheense adotivo.

REAGE, ITABUNA. VAI QUE DÁ!

Tempo de leitura: 2 minutos

Manoel Chaves Neto

 

 

Não minimizo a importância do setor industrial. Pelo contrário, vejo como uma grande oportunidade de crescimento, através de objetivos estratégicos para que Itabuna e região se tornem um ambiente atrativo para o setor industrial.

 

Nestlé, vai fechar… Morte anunciada já há muito tempo… Perda lastimável para nossa cidade e região. Lá se vão 240 empregos diretos, um canal de vendas para escoamento do cacau, uma perda para os steakholders e uma boa referência, quando falamos de Itabuna, num grande centro: “Lá em Itabuna, tem a fábrica da Nestlé”.

Não é consolo, mas o setor industrial em Itabuna representa 11% da locação da mão de obra municipal, enquanto os setores do Comércio e de Serviços representam acima de 70%, onde, na sua maioria, são gerados por empreendedores e empresários locais que não têm incentivos, regalias e pagam todos os tributos federais, estaduais e municipais.

Vamos nos aguerrir, unir e focar pelo melhoramento da estrutura do nosso comércio, através de uma boa segurança, iluminação, monitoramento CFTV, serviços públicos, pelo aeroporto, novo teatro, hospitais, shopping, policlínicas, faculdades e – o essencial – elevação do nível do nosso time, através cursos técnicos, treinamentos, treinamentos e muitos treinamentos para nossos vendedores, taxistas, agentes públicos, etc… tendo como objetivo, tornar Itabuna cada vez mais forte na sua principal característica de cidade comercial e prestadora de serviço.

Precisamos comunicar melhor Itabuna, torná-la atrativa.

Não minimizo a importância do setor industrial. Pelo contrário, vejo como uma grande oportunidade de crescimento, através de objetivos estratégicos para que Itabuna e região se tornem um ambiente atrativo para o setor industrial. Por fim, peço desculpa pela minha ausência e omissão nas reuniões da ACI, MESB, etc…. Procurarei remediar, me tornando mais presente junto com vocês para discutir e agir Itabuna!!!

Enquanto escrevi, vejo que já tem interessados para a área da Nestlé.

Manoel Chaves Neto é diretor-presidente do Grupo Chaves.

A UNIVERSIDADE NÃO É PARA TODOS?

Tempo de leitura: 2 minutos

Rosivaldo Pinheiro 

 

Esse novo momento na composição da Universidade no Brasil fez nascer uma série de críticas e ataques por parte de setores da elite econômica e de veículos de comunicação patrocinados e vinculados aos interesses da classe dominante e dos grandes grupos privados ligados à educação superior particular no país, agravando-se agora com a visão do governo atual e a proposta contida no projeto “Future-se”.

 

Compreender a Universidade como espaço de construção e afirmação de uma sociedade é necessário, principalmente quando assistimos ao conjunto de ataques direcionados e orquestrados com o propósito de enfraquecê-la. Ter percepção do momento atual e defender a autonomia da gestão das universidades e a sua contribuição como espaço de ensino, pesquisa e extensão – tripé principal – é tarefa urgente e imperativa para o fortalecimento desse instrumento importante à construção de uma nação.

No Brasil, a Universidade tem início com a chegada da família real portuguesa em 1808. Portanto, historicamente a universidade brasileira foi um instrumento apropriado pela elite, como um entre tantos espaços sob o seu domínio. Da sua implantação para a atualidade, muita coisa mudou, mas, ainda assim, continuou sendo um espaço onde a maioria da sua comunidade faz parte da parcela com melhor nível de renda.

Nos últimos anos, há quase duas décadas, vemos a introdução de um conjunto de políticas públicas que começaram de fato a possibilitar uma maior presença de setores mais populares socioeconomicamente falando nas universidades Brasil afora, a exemplo da nossa Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). Esse novo momento na composição da Universidade no Brasil fez nascer uma série de críticas e ataques por parte de setores da elite econômica e de veículos de comunicação patrocinados e vinculados aos interesses da classe dominante e dos grandes grupos privados ligados à educação superior particular no país, agravando-se agora com a visão do governo atual e a proposta contida no projeto “Future-se”.

Reagir e resistir a esses ataques é tarefa básica para não permitirmos o retrocesso e dificultarmos ainda mais a mudança da lógica dominante ao longo desses dois séculos de existência da universidade pública nacional, garantindo a construção de um modelo de educação superior público, voltado para o interesse de todos e, portanto, consagrando a Universidade como um espaço plural, um espaço para todos os brasileiros.

Rosivaldo Pinheiro é economista e especialista em Planejamento de Cidades (Uesc).

MAU COM U E MAL COM L. O BRASIL PADECE DOS DOIS

Tempo de leitura: 3 minutos

Cláudio Rodrigues

 

 

Mau ou bom, mal ou bem, ainda haverá 1.248 dias pela frente. É melhor jair se acostumando ou se arrependendo com o estilo e o corte de cabelo…

 

Muitos confundem ou têm que parar para pensar quando usar mau com ” U” e mal com “L” em uma frase. Mau é adjetivo. Usa-se mau como oposto, antônimo de bom. Já a palavra mal, pode ser substantivo comum, conjunção ou advérbio. É o contrário de bem.

O presidente Jair Bolsonaro faz o país padecer do mau com “U” e do mal com “L”. O mandatário brasileiro propaga o “mau” que traz em sua índole. Bolsonaro é o caso típico do escorpião. Se alguém se dispuser a perder 10 minutos para pesquisar sobre ele, verá que em toda sua carreira – desde militar até homem público – o presidente praticou e pratica o mal.

Em 1986, revoltado com os vencimentos de sargentos e capitães do Exército, Bolsonaro planejou instalar explosivos em quartéis e em outros pontos estratégicos do Rio de Janeiro, a exemplo da adutora do Guandu, que abastece a capital fluminense. Bolsonaro – que sempre negou a autoria de plano para colocar bombas em unidades militares – recorreu ao Superior Tribunal Militar (STM). A Corte, por 8 votos a 4, considerou Bolsonaro “não culpado” dessa acusação.

Em setembro de 2000, a ex-mulher e candidata a reeleição para a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, Rogéria Nantes, acusou Jair Bolsonaro de ter sido o mandante do espancamento de um assessor político e seu ex-colega de Exército Gilberto Gonçalves. O motivo, de acordo com o depoimento de Rogéria, foi o fato de Gonçalves estar trabalhando, à época, como cabo eleitoral de sua candidatura. Quando o fato ocorreu, ela já não era mais esposa de Bolsonaro, e o ex-capitão do Exército tentava eleger para o seu lugar na Câmara o filho Carlos – o 03, então um estudante do ensino médio.

Em seus 28 anos como deputado federal, a mediocridade e o mau acompanharam os mandatos de Bolsonaro. Como parlamentar ele defendeu a pena de morte, usou o auxilio moradia “para comer gente” – conforme disse em entrevista, fez uso de funcionários fantasmas, agrediu com palavras de baixo calão a jornalista da Rede TV. Já com a deputada Maria do Rosário, ele afirmou que “não a estuprava por ela ser feia”.

No ano de 2014, em uma solenidade que homenageava o ex-deputado Rubens Paiva, assassinado e que teve o corpo desaparecido pela ditadura militar, além de agredir os familiares de Paiva, o então deputado cuspiu no busto do ex-parlamentar. O busto estava sendo inaugurado no saguão da Câmara Federal.

Nos sete meses como presidente do Brasil, Jair Bolsonaro segue destilando, pregando e fazendo o mal. A educação, o meio ambiente, os direitos sociais e humanos são os alvos de destruição do mandatário de plantão. Some a isso, as ameaças à liberdade de imprensa, aos indígenas, à comunidade LGBT e aos governadores e à população do Nordeste.

A cada dia, as medidas e os disparates verbais do presidente chocam boa parte dos brasileiros e da comunidade internacional. Como indicar o filho Eduardo, o 02, para embaixador do Brasil nos Estados Unidos ou fazer uso da aeronave da FAB para seus familiares irem ao casamento do 02. Acusar o Ministério Público do Rio de perseguir o seu filho Flávio, o 01 – hoje senador da República, que é réu junto com seu assessor Fabricio Queiroz, na operação Furna da Onça, acusador de embolsar salários de funcionários de seu gabinete na época que era deputado estadual.

O Brasil padece do mal quando o presidente prega a divisão do país, ao assumir que é o presidente somente dos que votaram nele, mantendo o clima de campanha eleitoral com o debate e discussões sobre ideologias e não sobre o que mais afeta a população, a exemplo dos quase 13 milhões de desempregados, entre outras demandas.

Bolsonaro já afirmou ser fã, admirador e defensor das ações do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-CODI, acusado de torturar e matar presos políticos no período da ditadura militar. Em entrevista ao programa Roda Viva de julho de 2018, o então candidato Jair Bolsonaro disse que seu livro de cabeceira era A Verdade Sufocada – A história que a esquerda não quer que o Brasil conheça, do próprio Ustra. Mas tudo leva a crer que o presidente brasileiro é seguidor do livro Mein Kampf – em português Minha Luta, de um certo Adolf Hitler.

Mau ou bom, mal ou bem, o Brasil ainda vai padecer, pois ainda haverá 1.248 dias pela frente. É melhor jair se acostumando ou se arrependendo com o estilo e o corte de cabelo…

Cláudio Rodrigues é consultor.

FORMAR ESPECIALISTAS É MUITO MAIS DO QUE FORMAR EXCELENTES TÉCNICOS

Tempo de leitura: 2 minutos

Geandro Silva

 

A sede por novos conhecimentos e essa necessidade de se adiantar às demandas são marcas das novas gerações e funcionaram como norte para que a Rede FTC remodelasse todo o portfólio de pós-graduação. Focando em tecnologia e desenvolvimento pessoal, nosso objetivo é “formar profissionais” no aspecto mais holístico da expressão.

 

O mercado de trabalho enfrenta uma verdadeira revolução. A tecnologia avança e arrasta consigo a cultura corporativa, exigindo que profissionais assumam uma nova postura e invistam em competências diferentes das quais eram valorizadas no mercado tradicional. Se antes era bem visto o funcionário com currículo extenso, focado em sua área e satisfeito com sua posição na organização, hoje, o empregador se impressiona mesmo é com aquele profissional versátil, ousado e inquieto o suficiente para se lançar em diversas frentes, sempre buscando entender seu entorno e enfrentar novos desafios.

Estar tecnicamente preparado segue sendo fundamental para realizar sua função com excelência. Mas o profissional fruto dessa nova revolução industrial precisa de mais do que conhecimento técnico, é necessário ter certas características pessoais que, hoje, são vistas como diferenciais profissionais. Podemos falar de inteligência emocional ou sobre a flexibilidade, traços comportamentais sempre destacados como cruciais para que o profissional se adapte bem a todas as mudanças vivenciadas no dia a dia das organizações. Muito além de ter ou não essas soft skills, é preciso estar ciente de suas competências para poder potencializá-las e lançar mão de cada uma delas na rotina.

A sede por novos conhecimentos e essa necessidade de se adiantar às demandas são marcas das novas gerações e funcionaram como norte para que a Rede FTC remodelasse todo o portfólio de pós-graduação. Focando em tecnologia e desenvolvimento pessoal, nosso objetivo é “formar profissionais” no aspecto mais holístico da expressão. Nos debruçamos sobre estudos de mercado para entender quais competências carecem de mais enfoque e pensar metodologias ativas que gerem retornos imediatos.

Além da excelência técnica, todos os pós-graduandos da FTC serão incentivados a se desenvolver pessoalmente a partir da construção de um plano de carreira individual que entra na grade dos cursos como um trabalho de conclusão de curso. O Plano de Desenvolvimento Profissional (PDP) é, em linhas gerais, um mapa que vai orientar o pós-graduando na direção do que, para ele, é sucesso profissional. Neste processo, o aluno contará com a ferramenta PDA Internacional e com o suporte de um profissional Analista de Assessment. Alinhando essas metas claras traçadas pelo PDP a todo o conhecimento angariado em um ano de especialização, entregamos ao mercado aquele profissional de que falávamos lá o começo: com uma bagagem recheada de conhecimento, inclusive sobre si próprio, e pronto para se lançar em qualquer caminho.

Geandro Silva é coordenador geral de Pós-Graduação da Rede FTC.

FELICIDADE INTERNA BRUTA – FIB

Tempo de leitura: 2 minutos

Jaciara Santos

 

 

Estamos cada vez mais exigentes, e as novas gerações mudaram a forma de enxergar sua carreira profissional. A felicidade é algo cada vez mais almejado.

 

A palavra felicidade nos faz refletir quão intensa ela é na nossa existência. Viver impactando a vida das pessoas a nossa volta de forma positiva é de suma importância para nosso processo de busca pela satisfação.

Alguns sinônimos desta palavra são alegria, satisfação, contentamento, bem-estar, prazer, júbilo, ledice, gosto, aprazimento, deleite, regozijo, euforia, bem-aventurança.

Quando relato felicidade, aqui não trato apenas da visão romântica da palavra, mas levo-o  a racionalizar e identificar quais pontos e momentos da sua existência te proporcionam um sentimento de satisfação?

Identifique e reflita sobre os quesitos abaixo:

– O que te faz feliz?

– O que é felicidade para você?

– O que te faz levantar todos os dias para começar uma nova jornada?

Partindo dessas indagações, as organizações baseadas em diversos fatores começaram a se preocupar com o índice de felicidade no trabalho. Começou-se a preocupar-se com o indicador denominado FIB (Felicidade interna Bruta).

O FIB é um indicador explanado pela ONU que retrata da mensuração da Felicidade Interna Bruta,  e foi desenvolvido para medir o desenvolvimento de uma nação, baseado em alguns aspectos relacionados ao  bem-estar humano, utilização dos recursos da natureza de forma consciente, cuidados familiares e organização da utilização do tempo.

Tal indicador dentro das organizações baseia-se no levantamento de alguns fatores. São alguns deles senso de pertencimento, conhecimento e aceitação da cultura organizacional e clima, dentre outros que contribuem significativamente para que essa felicidade seja mensurada no meio institucional.

Questiono-me quando e por que esse indicador fora criado. Já que há um tempo não muito distante a produção era o fator primordial na avaliação dos indivíduos.

Porém, ao aprofundar minha pesquisa,  percebo que se trata de algo mais antigo. O FIB teve suas origens no Butão. Foi criado pelo rei butanês no ano de 1972 como uma forma de indicar o crescimento do país sem considerar apenas o aspecto econômico, mas levando em consideração conceitos culturais, psicológicos, espirituais e ambientais.

Nosso mercado mudou, as empresas mudaram, os clientes estão em busca de empresas que sejam referências em um trabalho significativo na sociedade. Estamos cada vez mais exigentes e as novas gerações mudaram a forma de enxergar sua carreira profissional. A felicidade é algo cada vez mais almejado.

Findo essa explanação com um texto de Carlos Drummond de Andrade, que diz: “Que a felicidade não dependa do tempo, nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro. Que ela possa vir com toda simplicidade, de dentro para fora, de cada um para todos. Que as pessoas saibam falar, calar, e acima de tudo ouvir. Que tenham amor ou então sintam falta de não tê-lo. Que tenham ideais e medo de perdê-lo. Que amem ao próximo e respeitem sua dor. Para que tenhamos certeza de que: “Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade”.

Sejamos felizes!

Jaciara Santos é coach.

O TEATRO, UMA REFLEXÃO

Tempo de leitura: 2 minutos

Daniel Bittencourt

 

 

O Teatro Candinha Dória não acaba com a carência de Itabuna de um local adequado para grandes eventos. Mas, enfim, fico feliz por essa obra.

 

 

Por favor, não me entendam mal, mas eu não poderia deixar de me expressar, como responsável por produções teatrais, justamente no momento em que Itabuna está de parabéns pela inauguração do Teatro Candinha Doria. Bem, não é meu intuito aqui apenas criticar, mas também fazer um desabafo por estar preocupado com o futuro do nosso teatro.

Explico: uma obra com essa grandiosidade não poderia ter apenas 597 lugares. Por todo o aparato envolvido, pode ficar caro para produções locais e desinteressante para grandes produções nacionais pelo fato de ter apenas essa quantidade de cadeiras. Para se ter uma noção, de todos os eventos que fizemos, raros foram os que tiveram um público abaixo de 600 pessoas.

Para essa quantidade de público (597 lugares), com umas poucas cadeiras extras, o Centro de Cultura Adonias Filho – que, por sinal, encontra-se abandonado pelo poder público – já resolveria.

O Teatro Candinha Dória não acaba com a carência de Itabuna de um local adequado para grandes eventos. Mas, enfim, fico feliz por essa obra. Em um país onde a cultura agoniza, e o que vemos são teatros sendo fechados, ter um teatro sendo inaugurado é maravilhoso. Outra coisa! Antes que eu me esqueça, teatro se inaugura com grandes espetáculos teatrais…

Parabéns Itabuna!

Daniel Bittencourt é produtor cultural.

Back To Top