skip to Main Content
7 de julho de 2020 | 03:08 am

WAGNER SE CONSOLIDA COMO O MAIOR ARTICULISTA PARA ELEIÇÕES BAIANAS DE 2022

Tempo de leitura: 2 minutos

Jerberson Josué

 

 

Os petistas propõem para as eleições de 2022 uma chapa com Wagner governador, tendo um pepista como vice e Otto assegurado na chapa para reeleição ao Senado Federal.

 

O senador Jaques Wagner é, reconhecidamente, incansável em suas movimentações políticas e este fato resultou na convergência de um arco de alianças entre correntes internas do PT, que acabou elegendo um aliado seu para o comando do partido no estado, Eden Valadares, embora o grupo do deputado federal licenciado, Josias Gomes, seja mais sólido e detenha prerrogativas para debates e decisões da Executiva do partido.

O placar ficou 14 a 12 pra o ampliado grupo de Wagner, na Executiva Estadual do PT. Quase que simultaneamente, um movimento assertivo foi feito e o nome do ex-governador Wagner virou quase que unanimidade na base e um trunfo internamente no PT. Foi praticamente alijada qualquer possibilidade de convergência à candidatura majoritária do senador Otto Alencar (PSD), para unificação do situacionismo na sucessão de Rui Costa.

Até o deputado federal Otto filho (PSD) considera impertinente o alinhamento do PSD ao grupo da oposição, tendo em vista os laços do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Os petistas propõem para as eleições de 2022 uma chapa com Wagner governador, tendo um pepista como vice e Otto assegurado na chapa para reeleição ao Senado Federal. Para os aliados do PSB e PC do B, os esforços sinalizariam para viabilizar-se a eleição de um maior número de seus representantes para o Congresso Nacional e Assembleia Legislativa da Bahia.

Este processo eleitoral tem sido, meticulosamente, bem articulado e capitaneado pelo habilidoso Jaques Wagner. Sua desenvoltura assegura favoritismo para a permanência do petismo no comando de mais quatro anos de governo estadual na Bahia e tem merecido reconhecimento, até de adversários políticos, e este é o caso do senador Flávio Bolsonaro, que vê em Wagner um dos mais inteligentes políticos do país.

Jerberson Josué se define como um estudante na escola da vida.

PARTIDOS, PESQUISAS E OS PREFEITURÁVEIS

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

 

Usando uma tabela de 1 a 10, diria que a arrumação da sucessão municipal de 2020 está em 3. Muita água para passar sob as pontes do rio Cachoeira, limpa e suja.

 

 

Tudo dentro do esperado. Nada de anormal que possa causar espanto ou qualquer outra reação de sobressalto, de ficar atônito, estupefato diante dos fatos.

Não é essa eleição de 2020, para escolha de novos prefeitos ou a permanência de quem já é no cargo, via instituto da reeleição, que vai ser diferente. As estratégias não mudaram, seguem o mesmo bê-a-bá.

São vários pré-candidatos a prefeito. Itabuna, por exemplo, no sul da Bahia, já tem 15 postulantes ao cobiçado Centro Administrativo Firmino Alves. Até o atual alcaide, Fernando Gomes, um ex-demista a procura de uma legenda, com um índice de rejeição gigantesco, beirando os 75%, pretende disputar o pleito.

Partido que não tem prefeiturável fica fora da mídia, do oba-oba do processo sucessório, sequer é lembrado. É bom ter um nome, mesmo que seja de mentirinha. O “mentirinha” termina sendo uma “moeda de troca”, geralmente com o tempo que a legenda dispõe no horário eleitoral.

E se o pré-candidato não empolgar? Alguns são logo defenestrados, sem dó e piedade, pelo comando estadual do partido. Outros dão mais sortes, são oferecidos como vice na composição da chapa majoritária. Tem também os que procuram o caminho do Legislativo, buscando uma vaga na Câmara de Vereadores.

São as pesquisas de intenções de voto, não qualquer uma, mas de instituto de credibilidade, que vão definir as coligações e quem vai encabeçar a majoritária. Pré-candidato que não alcançar uma pontuação determinada pelo partido, é logo convidado pela cúpula partidária a desistir, sonhar com outra coisa.

Portanto, essa avalanche de prefeituráveis, esse disse-me-disse é passageiro. No frigir dos ovos, na hora da onça beber água, como diz a sabedoria popular, sobram poucos para colocar a foto nas urnas eletrônicas.

Usando uma tabela de 1 a 10, diria que a arrumação da sucessão municipal de 2020 está em 3. Muita água para passar sob as pontes do rio Cachoeira, limpa e suja.

Até o dia da eleição tem que ter “couro de crocodilo”, como dizia o saudoso, polêmico e inesquecível jornalista Eduardo Anunciação, hoje em um lugar chamado de eternidade.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

A CONTA NEGRA CHEGOU PARA TODOS

Tempo de leitura: 2 minutos

Luciano Veiga

 

 

A liberação de mais recursos – financeiro, pessoal e equipamentos – se faz urgente. É o mínimo de reposta que se pode dar a uma população que esta utilizando das suas próprias mãos para fazer o papel do Estado.

 

Com o avançar dos dias de luta pelo combate ao óleo bruto nos mares e praias do nordeste, os municípios começam a sentir o preço deste desastre ambiental nos três pilares – ambiental, social e econômico. Estes elementos não foram só atingidos pelo mar de óleo que chega as praias, mas também pela falta de uma governança ampliada e articulada dos poderes federativos, em especial da União, que atua timidamente em face da extensão e propulsão alcançada pelo petróleo bruto.

Recursos financeiro, pessoal e equipamentos ofertados pelo Governo Federal são insuficientes para fazer face às necessidades impostas pela chegada do óleo a costa e as praias dos municípios do nordeste, cabendo de forma direta aos municípios arcarem com esta conta. Se não fosse a participação dos voluntários, em conjunto com os municípios e os Estados, o óleo cru estaria contaminando as nossas praias, manguezais e estuários em maiores proporções.

Se no primeiro momento, os voluntários e os municípios agiram, para fazer o primeiro combate, agora cabe a União, através do Ministério do Meio Ambiente, Ibama, Marinha e Exército, comitês do plano de ação de incidentes com óleo, conjuntamente com os entes federados, Estados e municípios assumirem os seus papéis e responsabilidades de forma integrada e compartilhada para agirem e aprenderem. Este dois elementos, AGIR e APRENDER são essenciais. O preço que ora estamos pagando tem que pelo menos nos servir de aprendizado, conhecimento e expertise. Se um navio fez tanto estrago, imagine estarmos em uma rota de várias embarcações que transporta de tudo, até óleo cru de alta contaminação.

Os voluntários, bravos guerreiros e guerreiras começam literalmente a sentirem na pele o ardor desta luta, que não tem dia e nem prazo certo para acabar. Pescadores e marisqueiros têm os seus produtos rejeitados pelos consumidores, por falta de informações via poder público sobre a qualidade do pescado. E aí cabe ao Dr. Analista Esperto “O peixe é um bicho inteligente. Quando ele vê uma manta de óleo ali, capitão, ele foge, ele tem medo”. Medo! Temos, sim, desta análise advinda de uma autoridade.

Com o cheque negro nas mãos, precisam as autoridades atuar para atacar os problemas presentes e futuros de frente e não de lado, como tem feito, infelizmente.

A liberação de mais recursos – financeiro, pessoal e equipamentos – se faz urgente. É o mínimo de reposta que se pode dar a uma população que esta utilizando das suas próprias mãos para fazer o papel do Estado. Não está sendo coletado lixo nas praias, mas um material altamente tóxico, o que em tese somente pessoas altamente capacitadas e equipadas é quem poderia agir.

É preciso refletir se temos empresa que detém a maior e melhor tecnologia na extração de petróleo em águas profundas. Precisamos também ser referência no combate a desastre de óleo no mar.

Que aprendamos com a dor. Nós somos uma nação da vida e não da morte.

Luciano Veiga é advogado, administrador e especialista em Planejamento de Cidades

NOMEAÇÃO NA VÉSPERA

Tempo de leitura: 3 minutos

Ederivaldo Benedito

 

Em síntese: a nomeação de Pinto foi publicada na edição de hoje, 1º de novembro do Diário Oficial da União, mas bem que poderia ter sido amanhã, dia 2…

 

A nomeação – neste Dia de todos os Santos – do engenheiro elétrico Waldeck Pinto de Araújo Júnior, ex-diretor da Coelba, para diretor da Ceplac é uma clara demonstração de que o Governo Federal não tem a intenção de reestruturar o principal organismo federal em atuação no sul da Bahia, de revitalizar a cacauicultura brasileira e, mais, não tem o mínimo de respeito pela região nem apreço e consideração pelas lideranças políticas e agrícolas regionais.

O atual Governo completa hoje, dia 1º de novembro, dez meses. Nesse período, o presidente da República e a ministra da Agricultura não fizeram uma referência sequer, um pronunciamento público sobre a importância da Cacauicultura para o agronegócio brasileiro ou destacaram o papel da Ceplac no fortalecimento da agricultura nacional. Nem um “tá, ok!” para as potencialidades econômicas da região.

De janeiro a hoje, a Ceplac teve três diretores gerais. Em janeiro, Juvenal Maynart – neto e filho de cacauicultores, profundo conhecer das causas do cacau – foi exonerado sem o prévio conhecimento das lideranças do cacau. Em outubro, Guilherme Galvão –cacauicultor, liderança dos agricultores e político aliado do presidente da República – se surpreendeu com a sua exoneração. Antes, porém, o Governo Federal manifestou a intenção de transferir o corpo técnico da Ceplac e desmontar o órgão.

Waldeck Pinto de Araújo Júnior é um técnico em planejamento e Tecnologia da Informática, com longa atuação no Ministério do Planejamento. Sua nomeação foi uma surpresa. As lideranças sulbaianas sequer sabiam da sua indicação, foram consultadas ou previamente informadas. Apesar de ser baiano, Pinto não tem nenhum vínculo ou convívio com o cacau ou a região sul da Bahia. Foi uma descortesia, considerando que os cacauicultores, na sua totalidade, se emprenharam diuturnamente na eleição do presidente.

Enquanto isso, desunidas, desarticuladas, desprestigiadas, despolitizadas e desinformadas, “as lideranças do cacau” insistem apenas em relembrar o passado, em reclamar e buscar culpados pelo atual estágio da lavoura. Ao invés de exigir respeito e um tratamento digno, preferem permanecer nas trincheiras virtuais dos grupos de WhatsApp, lutando contra inimigos imaginários, afastando possíveis aliados e fazendo uma intransigente defesa de Governo que não ouve seus aliados, deu as costas para o cacau e nem se importa se a Ceplac ainda existe.

O fato é que, além de lamentar, chorar e reclamar, a lavoura cacaueira vive um drama: de um lado, continua apoiando intransigentemente e defendendo ferozmente um Governo que a ignora, que não a respeita e lhe vira as costas; de outro, permanece ofendendo, agredindo, se afastando e tratando como adversárias e inimigas as lideranças políticas que poderiam ser transformadas em aliadas na luta pelo seu soerguimento. Resultado: a lavoura não tem prestígio político para ir à Brasília e sentir-se frente-a-frente à mesa com o Presidente; não tem capacidade de promover uma união de todos os segmentos em torno de uma causa, do futuro do cacau, nem humildade para estabelecer um diálogo franco e aberto com todos das forças políticas baianas e, unidos, construir um projeto coletivo para a cacauicultura baiana.

Em síntese: a nomeação de Pinto foi publicada na edição de hoje, 1º de novembro do Diário Oficial da União, mas bem que poderia ter sido amanhã, dia 2…

Ederivaldo Benedito é jornalista.

LAMA NEGRA CHEGA ÀS NOSSAS PRAIAS

Tempo de leitura: 3 minutos

Luciano Veiga

 

 

Tivemos as nossas vidas atingidas da cor do luto, na cor da morte. Podemos ressuscitar se aprender com os nossos erros ou podemos continuar morrendo na nossa ignorância e ganância. É uma questão de escolha.

 

Nos últimos anos o Brasil vem sofrendo fortes ataques ao seu maior patrimônio, o meio ambiente. Como não bastasse Mariana, vieram Brumadinho, as queimadas na Amazônia, cerrado e, agora, as praias e arquipélagos da costa marítima do Nordeste. Como diria Seu Zé, “agora lascou, fomos atingidos do Oiapoque ao Chuí”.

Das extrações minerais, madeiras e a costa litorânea, o que temos em comum?

A princípio, o descaso com o meio ambiente, com a exploração inadequada dos nossos patrimônios naturais e a forma de lidar com estes ataques ao meio ambiente. É difícil aceitar tais acontecimentos como desastre ambiental, que conceitualmente trata-se de um evento não previsível, capaz de, direta ou indiretamente, causar danos ao meio ambiente ou à saúde humana. Ora, todos os eventos citados foram e são previsíveis, e, o pior, têm como alvo certo o meio ambiente (flora, fauna e o ser humano).

Além da exploração desmedida do ponto de vista econômico, temos um Governo inapto na lida de prevenção, controle, ação mitigadora e corretiva diante dos acontecimentos expostos.

Em Mariana e Brumadinho, foi a população primeira vítima e também a primeira a colocar a mão na lama para salvar os seus. Nas queimadas, as mãos e os pulmões atingidos pelo fogo e a fumaça. E, agora, nas manchas pretas das praias, suas mãos são mais uma vez usadas para limpar a sujeira das areias, corais e pedras do nosso litoral.

Estão nos atingindo em nossos corações e almas. Podemos limpar as praias, as areias brancas marcadas pela lama preta, mas não podemos salvar os nossos peixes e mariscos, flora e fauna marinhas. Tivemos as nossas vidas atingidas da cor do luto, na cor da morte. Podemos ressuscitar se aprender com os nossos erros ou podemos continuar morrendo na nossa ignorância e ganância. É uma questão de escolha.

Este é um momento em que os entes federados têm que estar juntos, sem protagonismo, com único objetivo, primeiro mitigar os impactos, segundo criar políticas permanentes de controle e preservação, e, terceiro, entender de uma vez por todas que o maior patrimônio material e imaterial do Brasil é o seu Meio Ambiente rico e diverso.

Somos o único país no mundo com esta pluralidade de riqueza, entretanto, somos também aquele que parece distante do que pensa o seu povo. Os seus governantes persistem em ignorar a vocação natural desta nação, a de cuidar e preservar, transformando em ativo ambiental, econômico e social os seus rincões ambientais.

Para os governantes que aprendam com os voluntários, colaboradores, municipais, estaduais e também da União que colocam a suas mãos na lama preta para limpar as praias do petróleo cru, oriundo de um crime, que tem que ser descoberto a origem como forma de imputar o crime ao culpado, mas especialmente de estancar a hemorragia que ora atinge a nossa costa.

Entretanto, este é o ataque ao território brasileiro, que o conjunto das nossas forças armadas saia para fazer o bom combate, pois em uma guerra os voluntários e funcionários/colaboradores, muito das vezes sem conhecimento e mal equipados, são presas fáceis em uma luta, cujo nosso inimigo (petróleo cru), não se sabe os danos presentes e nem futuro a estes bravos soldados, que arriscam as suas vidas por outras vidas, vividas na nossa fauna e flora marítima e silvestre, podendo os nossos guerreiros sofrer danos a sua saúde no presente ou no futuro.

Que aprendamos com a dor. Nós somos uma nação da vida e não da morte.

Luciano Veiga é advogado, administrador e especialista em Planejamento de Cidades.

MINHAS RAÍZES

Tempo de leitura: 8 minutos

Elilde Browning

 

O meu coração pulava à proporção que nos aproximávamos de Itabuna. A minha mente rodopiava numa ansiedade própria de quem não vê o seu lugar de nascimento por tantos anos.

 

Estava diante daquela plateia no auditório da Câmara dos Vereadores por convite da nobre Vereadora Charliane Sousa, para falar aos meus conterrâneos sobre os meus livros E assim foi a vida e Crônicas de um tempo infinito, quando, distraidamente, o meu pensamento reviveu os momentos que antecederam esse encontro. Olhava as pessoas e tinha a certeza de que poucos tinham a minha idade. Portanto, tinha uma grande missão para relatar o que vi e vivi em todos esses anos de minha ausência desta cidade.

Depois de 61 anos voltei a minha cidade Natal, Itabuna, na Bahia. Quando o avião sobrevoou aquele lugar o meu coração disparou num misto de alegria, surpresa, curiosidade e contentamento.

No aeroporto havia um cartaz: Seja bem-vindo a Ilhéus, terra de Jorge Amado. O meu coração fez um disparo inicial elevando o meu pensar para os grandes momentos vividos no passado. As lembranças nos dão o privilégio de sentir de forma real e vivenciá-las como se elas nunca tivessem morrido.

Percebi que a cidade de Ilhéus, em sua formosura ímpar, teve notáveis avanços. Uma ponte ligando o continente à ilha onde há o aeroporto fez daquele lugar um paraíso de milionários em seus suntuosos edifícios com vista para o mar. Nesse dia o oceano estava calmo e pude me lembrar da entrada de grandes navios que levariam o cacau de nossa região para o mundo. Havia sempre a necessidade de um técnico para verificar as condições naquela entrada perigosa. Hoje o porto de Ilhéus se mudou para a praia do Malhado onde o mar é aberto e sem oferecer problemas aos navios de grande porte.

Na minha adolescência morei na praia do Malhado: um pé dentro de casa e o outro na areia nos dava a certeza de que o mar era a nossa varanda. Foi um privilégio morar naquele lugar quando os meus sonhos estavam nascendo em meu pensamento e, diante daquela imensidão de água, sabia que ali ou em outro lugar eles se tornaram realidade. Quantas lembranças afloraram a minha alma! Naquele momento ao rever este espetáculo da natureza senti uma saudade imensa dos meus tempos idos e agora a certeza de ter realizado aqueles sonhos e todos os que eu nem imaginava que pudesse realizar.

Aquela ilha lá no meio do oceano continua no mesmo lugar. E como se o tempo não tivesse passado e ela ali esperando para me rever e dar as boas-vindas de um retorno feliz.

A cidade se elevou numa posição vertical. Talvez para ser possível se descortinar em maiores dimensões um mar sem igual. Em minhas viagens pelo mundo vi muitos oceanos, todavia aquele de nossa adolescência é o mais belo, mais azul e o mais poderoso. Tive o privilégio de morar perto do mar durante toda a minha vida e sempre me recordava dos meus dias em Ilhéus.

Andando pelo centro da cidade tive um encontro com Jorge Amado ali sentadinho em frente ao restaurante Vesúvio tão antigo como a cidade nos seus primórdios. Abracei-o, beijei-o e senti-o vivo em minha memória e em meu coração. Adiante a casa que o abrigou, e, ali ele está de pé a receber carinhosamente os visitantes do mundo inteiro.

Leia Mais

GOVERNOS, PERGUNTEM AO NAZAL

Tempo de leitura: 4 minutos

Walmir Rosário 

 

 

A construção de um estabelecimento prisional nas imediações da BA-262 (Ilhéus-Uruçuca) e da BR-415 (Ilhéus-Itabuna) cairia com uma bomba atômica nos investimentos que estão sendo feitos nesses locais, com prejuízos irreversíveis.

 

Atitudes patéticas cometem os governos da Bahia e de Ilhéus ao anunciarem a construção de um novo presídio no município de Ilhéus, o que demonstra a falta de competência para gerir assuntos nem tão complicados. Inicialmente, o local definido foi próximo à BA-262, rodovia que liga Ilhéus a Uruçuca e onde o próprio Governo do Estado da Bahia desenvolve o projeto turístico Estrada do Chocolate.

Com os protestos dos investidores interessados em participar dessa nova ação turística importante para o Sul da Bahia, eis que a Prefeitura de Ilhéus e o Governo do Estado, de forma atabalhoada, anunciam um novo local: às proximidades na BR-415, a Rodovia Jorge Amado, uma “avenida” que liga Ilhéus a Itabuna. Nada mais impróprio para a escolha tão burlesca para a localização.

Antes de entrar no mérito da questão, minha humilde, mas acertada indicação aos tão perdidos governantes, é que “baixem a bola” e procurem quem realmente conhece do riscado para localizar o novo conjunto penal. E eles sabem muito bem de quem estou falando: do vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal, um estudioso da região, notadamente de Ilhéus, que conhece todas as nuances do “território ilheense”.

Lembro que até há bem pouco tempo, sempre que o Governo do Estado pretendia implantar um equipamento público num dos seus municípios, enviava seus técnicos à Prefeitura para a escolha de um local adequado. E não se tratava de simples deferência e sim de uma série de informações, que iam desde a logística, a propriedade, a conveniência e o planejamento socioeconômico da área.

No município de Ilhéus, o técnico que sempre foi consultado – de forma acertada – foi justamente José Nazal, profundo conhecedor do município de Ilhéus, não por ouvir dizer, mas por conhecer, in loco, toda a área. É José Nazal que tem trabalhado em parceria com o pessoal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos recenseamentos, junto com a equipe dos Correios na localização e dos logradouros públicos e por aí afora.

Mesmo com suas divergências em relação à administração do prefeito Mário Alexandre, asseguro que José Nazal não se eximiria de sua condição de cidadão ilheense, nesse mister, ainda mais na condição de vice-prefeito. Em outras palavras, não importa as diferenças pessoais ou políticas quando o assunto é o investimento do dinheiro público, que tem que ser usado com todos os critérios e imparcialidade.

Mas ainda está em tempo de as autoridades estaduais e municipais reconhecerem a falha até aqui cometida e prospectarem uma área adequada e segura para a construção do novo estabelecimento penal. No município de Ilhéus, o que não falta são áreas com as características pretendidas para a localização de um empreendimento desse porte, fora do zoneamento turístico e de tecnologia do conhecimento.

Tenho a convicção que mesmo numa conversa preliminar entre os técnicos governamentais e o vice-prefeito Nazal, alguns locais com as características desejadas deverão ser apresentados. Mesmo sabendo dos meus parcos conhecimentos sobre o tema, acredito que os novos locais serão mais convenientes e, por certo, menos recursos deverão ser utilizados na desapropriação da área e obras de segurança.

De minha parte – perdoe-me os entendidos no assunto –, não consigo entender como técnicos podem conceber tal projeto e ainda “vendê-los” a um prefeito e um governador, por ser tão descabido. Não quero fazer prejulgamentos, mas existe algo de errado nessas escolhas, que mais se parece com um jabuti em cima de um poste. Ele está lá, mas não se sabe quem o colocou lá, pois de motu próprio é que não foi.

Me recuso a aceitar qualquer tipo de tese estapafúrdia ou conspiratória que a construção do estabelecimento penal nessas áreas anunciadas seria uma simples falta de conhecimento técnico. Também não cabe elucubrações de que não existiria local apropriado, muito menos de que as atividades turísticas, de comércio e produção de conhecimento conviveriam perfeitamente como vizinhos civilizados.

A construção de um estabelecimento prisional nas imediações da BA-262 (Ilhéus-Uruçuca) e da BR-415 (Ilhéus-Itabuna) cairia com uma bomba atômica nos investimentos que estão sendo feitos nesses locais, com prejuízos irreversíveis. Está mais do que provado que os dois locais escolhidos – indevidamente – se transformarão em um grande conglomerado urbano em menos de cinco anos.

A poderosa mão do Estado pode e deve escolher um local diferente dos anunciados, para não incorrer em mais erro administrativo, daquele que o suado cidadão contribuinte é obrigado a pagar duas vezes. Financia a construção em lugar indevido, que será abandonado em seguida, enquanto busca-se outro local para a construção de um novo, sobrando nesta operação um famoso “elefante branco”.

Como os governos não produzem, só gastam, os contribuintes deixam de ganhar os investimentos em equipamentos de educação, saúde e outros serviços essenciais à desprovida população. Enquanto isso, os que produzem riquezas – a iniciativa privada – tomarão prejuízos irreversíveis com as atitudes mal pensadas e executadas dos governos, em que seus governantes sequer são responsabilizados.

Se pode fazer bem-feito, então faça.

Walmir Rosário é jornalista, radialista, advogado e editor do Cia da Notícia.

O ÓLEO MANCHOU MAIS QUE NOSSAS PRAIAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Jerberson Josué

 

 

 

Constatamos que nenhum município nordestino agiu e planejou gabinete de gerenciamento de risco no início do problema.

 

Há quase dois meses estamos sendo bombardeados com o noticiário da imprensa, que existem dúvidas sobre a origem do petróleo que está poluindo toda a costa do nordeste e iminência de invadir o litoral de alguns estados do sul do país.

O óleo não causa prejuízos ambientais apenas em nossas praias. Sua sujeira afetou também a imagem de políticos e governantes. Os gestores federais, estaduais e municipais estão chamuscados com a “queimada” de imagem advinda do óleo vazado e esparramado pelos mares!

Não houve e nem está havendo intervenção rápida, planejamento e o que se vê é falta de habilidade de gerenciamento no enfrentamento dessa situação trágica.

Vemos parte da nossa fauna e flora marítimas ser dizimada; nossos rios e mares serem poluídos com a mesma proporção caótica em que vemos a inaptidão das nossas autoridades responsáveis pela preservação dos nossos recursos naturais.

Constatamos que nenhum município nordestino agiu e planejou gabinete de gerenciamento de risco no início do problema. Em Ilhéus, o prefeito Mário Alexandre (Marão) e sua equipe da área ambiental não atentaram para a iminente perspectiva da poluição do óleo invadir as praias da cidade.

O governo federal desativou conselhos que deveriam tratar do problema e o Ibama, conjuntamente com o ICMBIO, foram desmantelados e desestruturado, por uma decisão política retrógrada do governo central.

Uma força tarefa é necessária ser feita Brasil a fora pra estancar o flagelo ambiental. Só uma ação planejada conjunta, envolvendo os três poderes federativos, com participação ativa de setores da sociedade, urgente!

É preciso, também, que indivíduos inescrupulosos e medíocres, parem de disseminarem notícias falsas sobre este assunto, com objetivo espúrio de sujar a imagem dos gestores de plantão.

Agora é a hora de sabermos se o lema “Brasil acima de tudo e Deus acima de todos” é verdadeiro.

Jerberson Josué se define como um estudante na escola da vida.

A BASE ALIADA E A SUCESSÃO ESTADUAL

Tempo de leitura: 3 minutos

Marco Wense

 

 

É bom lembrar que Jaques Wagner tem um fortíssimo entusiasta e defensor ferrenho da sua candidatura: o ex-presidente Lula, que anda meio chateado com o governador Rui Costa em decorrência do “Lula Livre”.

 

Na oposição, nenhum problema. O nome de ACM Neto, além de ser consenso, é o único com viabilidade eleitoral e estofo político para enfrentar o candidato do governismo, que caminha a passos largos para ser o senador Jaques Wagner (PT).

O prefeito de Salvador, que é presidente nacional do DEM, não tem como recuar, como fez na sucessão de 2018, o que terminou provocando muita insatisfação no staff político. Muitos candidatos – deputado estadual e federal – responsabilizaram o alcaide soteropolitano pelo fracasso nas urnas. Como exemplo bem tupiniquim, cito Augusto Castro. O ex-tucano (PSDB), hoje no PSD, culpa Neto por não ter sido reeleito para a Assembleia Legislativa do Estado (ALBA).

Mas imbróglio mesmo, que tende a ficar mais complicado com a proximidade da sucessão do governador Rui Costa, é na base aliada, com o senador Otto Alencar disposto a não desistir da sua legítima e democrática candidatura ao Palácio de Ondina.

O que está escancarado é que existe uma articulação para isolar o dirigente-mor estadual do PSD, tendo na linha de frente o vice-governador João Leão (PP), a primeira liderança da base de sustentação governista a declarar apoio à postulação de Wagner. Com efeito, a candidatura do ex-governador é favas contadas, 2+2=4.

O que se comenta nos bastidores, longe dos holofotes e do povão de Deus, é que existe um compromisso de Rui Costa com Otto. Não se sabe é se Wagner tem conhecimento desse ajustamento entre o governador e o senador. Se tem, está fazendo de conta que não sabe de nada, dando uma de “João sem braço”, como diz a sabedoria popular.

O PP e o PSD vêm travando uma luta por mais espaços no governo. Esse pega-pega ficou mais acirrado neste segundo governo de Rui, obviamente porque o governador, com seus bons índices de aprovação, está impedido de disputar o terceiro mandato consecutivo, à re-reeleição.

A pergunta oportuna e pertinente não pode ser outra: Como irá se comportar Otto Alencar diante dessa articulação para tornar sua pré-candidatura cada vez mais enfraquecida? E o pior é que Rui Costa começa a dar os primeiros sinais de que não tem outro caminho que não seja o de seguir a cartilha do seu criador. Qualquer atitude contrária pode ser interpretada como uma gigantesca ingratidão.

Cabe ao senador Otto, se quer realmente tornar sua pretensão viável e não ser sucumbido eleitoralmente, procurar se aproximar de outras legendas da base aliada, sob pena do sonho de ser o morador mais ilustre do Palácio de Ondina virar um irreversível pesadelo.

O PCdoB, de Davidson Magalhães, e o PSB, de Lídice da Mata, dificilmente tomariam uma posição que contrariasse o chefe do Executivo. São legendas tidas como obedientes, longe de qualquer ato de rebeldia. Já o PDT de Félix Júnior não pode ficar como eterno coadjuvante do petismo, não sendo reconhecido na sua importância, sendo tratado com desdém, como uma legenda de segundo escalão.

É bom lembrar que Jaques Wagner tem um fortíssimo entusiasta e defensor ferrenho da sua candidatura: o ex-presidente Lula, que anda meio chateado com o governador Rui Costa em decorrência do “Lula Livre”.

Para uma análise mais consistente, vamos esperar o comportamento de Otto Alencar diante dessa já iniciada fritura.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

NÃO É FÁCIL SER “NOVO”

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

Nos bastidores da legenda, em conversas reservadas, o que se comenta é que haverá um novo comando do Novo em Itabuna, que Harrison não será mais o porta-voz da agremiação partidária.

 

O partido Novo de Itabuna não conseguiu empolgar uma considerável fatia do eleitorado ávido por um caminho diferente na política.

A legenda, sob a tutela nacional de João Amoêdo, ex-postulante à presidência da República, esperava muito mais da coordenação do partido em Itabuna. A meta de 150 filiados, condição para a formação do diretório municipal, não foi atingida.

Amoêdo deve ter ficado insatisfeito com a coordenação do partido em Itabuna, que tem na linha de frente Harrison Nobre, ex-filiado do PDT. A exigência não foi cumprida. “Conseguimos pouco mais de 120 filiados ativos, mas vamos continuar firmes tentando fazer o partido crescer no município”, disse Harrison, coordenador geral do núcleo de Itabuna.

Nos bastidores da legenda, em conversas reservadas, o que se comenta é que haverá um novo comando do Novo em Itabuna, que Harrison não será mais o porta-voz da agremiação partidária.

O partido não terá candidato a prefeito e nem a vereador, o que não deixa de ser um preocupante baque para a sigla. O apoio a um determinado prefeiturável não está descartado, desde que não seja nenhuma velha e empoeirada raposa que quer retornar ao centro administrativo Firmino Alves.

Muita gente séria, qualificada e honrada com respaldo para disputar a sucessão de 2020. Só tenho a lamentar o desfecho do Novo em Itabuna.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

Back To Top