skip to Main Content
14 de julho de 2020 | 06:57 am

GOVERNOS, PERGUNTEM AO NAZAL

Tempo de leitura: 4 minutos

Walmir Rosário 

 

 

A construção de um estabelecimento prisional nas imediações da BA-262 (Ilhéus-Uruçuca) e da BR-415 (Ilhéus-Itabuna) cairia com uma bomba atômica nos investimentos que estão sendo feitos nesses locais, com prejuízos irreversíveis.

 

Atitudes patéticas cometem os governos da Bahia e de Ilhéus ao anunciarem a construção de um novo presídio no município de Ilhéus, o que demonstra a falta de competência para gerir assuntos nem tão complicados. Inicialmente, o local definido foi próximo à BA-262, rodovia que liga Ilhéus a Uruçuca e onde o próprio Governo do Estado da Bahia desenvolve o projeto turístico Estrada do Chocolate.

Com os protestos dos investidores interessados em participar dessa nova ação turística importante para o Sul da Bahia, eis que a Prefeitura de Ilhéus e o Governo do Estado, de forma atabalhoada, anunciam um novo local: às proximidades na BR-415, a Rodovia Jorge Amado, uma “avenida” que liga Ilhéus a Itabuna. Nada mais impróprio para a escolha tão burlesca para a localização.

Antes de entrar no mérito da questão, minha humilde, mas acertada indicação aos tão perdidos governantes, é que “baixem a bola” e procurem quem realmente conhece do riscado para localizar o novo conjunto penal. E eles sabem muito bem de quem estou falando: do vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal, um estudioso da região, notadamente de Ilhéus, que conhece todas as nuances do “território ilheense”.

Lembro que até há bem pouco tempo, sempre que o Governo do Estado pretendia implantar um equipamento público num dos seus municípios, enviava seus técnicos à Prefeitura para a escolha de um local adequado. E não se tratava de simples deferência e sim de uma série de informações, que iam desde a logística, a propriedade, a conveniência e o planejamento socioeconômico da área.

No município de Ilhéus, o técnico que sempre foi consultado – de forma acertada – foi justamente José Nazal, profundo conhecedor do município de Ilhéus, não por ouvir dizer, mas por conhecer, in loco, toda a área. É José Nazal que tem trabalhado em parceria com o pessoal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos recenseamentos, junto com a equipe dos Correios na localização e dos logradouros públicos e por aí afora.

Mesmo com suas divergências em relação à administração do prefeito Mário Alexandre, asseguro que José Nazal não se eximiria de sua condição de cidadão ilheense, nesse mister, ainda mais na condição de vice-prefeito. Em outras palavras, não importa as diferenças pessoais ou políticas quando o assunto é o investimento do dinheiro público, que tem que ser usado com todos os critérios e imparcialidade.

Mas ainda está em tempo de as autoridades estaduais e municipais reconhecerem a falha até aqui cometida e prospectarem uma área adequada e segura para a construção do novo estabelecimento penal. No município de Ilhéus, o que não falta são áreas com as características pretendidas para a localização de um empreendimento desse porte, fora do zoneamento turístico e de tecnologia do conhecimento.

Tenho a convicção que mesmo numa conversa preliminar entre os técnicos governamentais e o vice-prefeito Nazal, alguns locais com as características desejadas deverão ser apresentados. Mesmo sabendo dos meus parcos conhecimentos sobre o tema, acredito que os novos locais serão mais convenientes e, por certo, menos recursos deverão ser utilizados na desapropriação da área e obras de segurança.

De minha parte – perdoe-me os entendidos no assunto –, não consigo entender como técnicos podem conceber tal projeto e ainda “vendê-los” a um prefeito e um governador, por ser tão descabido. Não quero fazer prejulgamentos, mas existe algo de errado nessas escolhas, que mais se parece com um jabuti em cima de um poste. Ele está lá, mas não se sabe quem o colocou lá, pois de motu próprio é que não foi.

Me recuso a aceitar qualquer tipo de tese estapafúrdia ou conspiratória que a construção do estabelecimento penal nessas áreas anunciadas seria uma simples falta de conhecimento técnico. Também não cabe elucubrações de que não existiria local apropriado, muito menos de que as atividades turísticas, de comércio e produção de conhecimento conviveriam perfeitamente como vizinhos civilizados.

A construção de um estabelecimento prisional nas imediações da BA-262 (Ilhéus-Uruçuca) e da BR-415 (Ilhéus-Itabuna) cairia com uma bomba atômica nos investimentos que estão sendo feitos nesses locais, com prejuízos irreversíveis. Está mais do que provado que os dois locais escolhidos – indevidamente – se transformarão em um grande conglomerado urbano em menos de cinco anos.

A poderosa mão do Estado pode e deve escolher um local diferente dos anunciados, para não incorrer em mais erro administrativo, daquele que o suado cidadão contribuinte é obrigado a pagar duas vezes. Financia a construção em lugar indevido, que será abandonado em seguida, enquanto busca-se outro local para a construção de um novo, sobrando nesta operação um famoso “elefante branco”.

Como os governos não produzem, só gastam, os contribuintes deixam de ganhar os investimentos em equipamentos de educação, saúde e outros serviços essenciais à desprovida população. Enquanto isso, os que produzem riquezas – a iniciativa privada – tomarão prejuízos irreversíveis com as atitudes mal pensadas e executadas dos governos, em que seus governantes sequer são responsabilizados.

Se pode fazer bem-feito, então faça.

Walmir Rosário é jornalista, radialista, advogado e editor do Cia da Notícia.

O ÓLEO MANCHOU MAIS QUE NOSSAS PRAIAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Jerberson Josué

 

 

 

Constatamos que nenhum município nordestino agiu e planejou gabinete de gerenciamento de risco no início do problema.

 

Há quase dois meses estamos sendo bombardeados com o noticiário da imprensa, que existem dúvidas sobre a origem do petróleo que está poluindo toda a costa do nordeste e iminência de invadir o litoral de alguns estados do sul do país.

O óleo não causa prejuízos ambientais apenas em nossas praias. Sua sujeira afetou também a imagem de políticos e governantes. Os gestores federais, estaduais e municipais estão chamuscados com a “queimada” de imagem advinda do óleo vazado e esparramado pelos mares!

Não houve e nem está havendo intervenção rápida, planejamento e o que se vê é falta de habilidade de gerenciamento no enfrentamento dessa situação trágica.

Vemos parte da nossa fauna e flora marítimas ser dizimada; nossos rios e mares serem poluídos com a mesma proporção caótica em que vemos a inaptidão das nossas autoridades responsáveis pela preservação dos nossos recursos naturais.

Constatamos que nenhum município nordestino agiu e planejou gabinete de gerenciamento de risco no início do problema. Em Ilhéus, o prefeito Mário Alexandre (Marão) e sua equipe da área ambiental não atentaram para a iminente perspectiva da poluição do óleo invadir as praias da cidade.

O governo federal desativou conselhos que deveriam tratar do problema e o Ibama, conjuntamente com o ICMBIO, foram desmantelados e desestruturado, por uma decisão política retrógrada do governo central.

Uma força tarefa é necessária ser feita Brasil a fora pra estancar o flagelo ambiental. Só uma ação planejada conjunta, envolvendo os três poderes federativos, com participação ativa de setores da sociedade, urgente!

É preciso, também, que indivíduos inescrupulosos e medíocres, parem de disseminarem notícias falsas sobre este assunto, com objetivo espúrio de sujar a imagem dos gestores de plantão.

Agora é a hora de sabermos se o lema “Brasil acima de tudo e Deus acima de todos” é verdadeiro.

Jerberson Josué se define como um estudante na escola da vida.

A BASE ALIADA E A SUCESSÃO ESTADUAL

Tempo de leitura: 3 minutos

Marco Wense

 

 

É bom lembrar que Jaques Wagner tem um fortíssimo entusiasta e defensor ferrenho da sua candidatura: o ex-presidente Lula, que anda meio chateado com o governador Rui Costa em decorrência do “Lula Livre”.

 

Na oposição, nenhum problema. O nome de ACM Neto, além de ser consenso, é o único com viabilidade eleitoral e estofo político para enfrentar o candidato do governismo, que caminha a passos largos para ser o senador Jaques Wagner (PT).

O prefeito de Salvador, que é presidente nacional do DEM, não tem como recuar, como fez na sucessão de 2018, o que terminou provocando muita insatisfação no staff político. Muitos candidatos – deputado estadual e federal – responsabilizaram o alcaide soteropolitano pelo fracasso nas urnas. Como exemplo bem tupiniquim, cito Augusto Castro. O ex-tucano (PSDB), hoje no PSD, culpa Neto por não ter sido reeleito para a Assembleia Legislativa do Estado (ALBA).

Mas imbróglio mesmo, que tende a ficar mais complicado com a proximidade da sucessão do governador Rui Costa, é na base aliada, com o senador Otto Alencar disposto a não desistir da sua legítima e democrática candidatura ao Palácio de Ondina.

O que está escancarado é que existe uma articulação para isolar o dirigente-mor estadual do PSD, tendo na linha de frente o vice-governador João Leão (PP), a primeira liderança da base de sustentação governista a declarar apoio à postulação de Wagner. Com efeito, a candidatura do ex-governador é favas contadas, 2+2=4.

O que se comenta nos bastidores, longe dos holofotes e do povão de Deus, é que existe um compromisso de Rui Costa com Otto. Não se sabe é se Wagner tem conhecimento desse ajustamento entre o governador e o senador. Se tem, está fazendo de conta que não sabe de nada, dando uma de “João sem braço”, como diz a sabedoria popular.

O PP e o PSD vêm travando uma luta por mais espaços no governo. Esse pega-pega ficou mais acirrado neste segundo governo de Rui, obviamente porque o governador, com seus bons índices de aprovação, está impedido de disputar o terceiro mandato consecutivo, à re-reeleição.

A pergunta oportuna e pertinente não pode ser outra: Como irá se comportar Otto Alencar diante dessa articulação para tornar sua pré-candidatura cada vez mais enfraquecida? E o pior é que Rui Costa começa a dar os primeiros sinais de que não tem outro caminho que não seja o de seguir a cartilha do seu criador. Qualquer atitude contrária pode ser interpretada como uma gigantesca ingratidão.

Cabe ao senador Otto, se quer realmente tornar sua pretensão viável e não ser sucumbido eleitoralmente, procurar se aproximar de outras legendas da base aliada, sob pena do sonho de ser o morador mais ilustre do Palácio de Ondina virar um irreversível pesadelo.

O PCdoB, de Davidson Magalhães, e o PSB, de Lídice da Mata, dificilmente tomariam uma posição que contrariasse o chefe do Executivo. São legendas tidas como obedientes, longe de qualquer ato de rebeldia. Já o PDT de Félix Júnior não pode ficar como eterno coadjuvante do petismo, não sendo reconhecido na sua importância, sendo tratado com desdém, como uma legenda de segundo escalão.

É bom lembrar que Jaques Wagner tem um fortíssimo entusiasta e defensor ferrenho da sua candidatura: o ex-presidente Lula, que anda meio chateado com o governador Rui Costa em decorrência do “Lula Livre”.

Para uma análise mais consistente, vamos esperar o comportamento de Otto Alencar diante dessa já iniciada fritura.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

NÃO É FÁCIL SER “NOVO”

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

Nos bastidores da legenda, em conversas reservadas, o que se comenta é que haverá um novo comando do Novo em Itabuna, que Harrison não será mais o porta-voz da agremiação partidária.

 

O partido Novo de Itabuna não conseguiu empolgar uma considerável fatia do eleitorado ávido por um caminho diferente na política.

A legenda, sob a tutela nacional de João Amoêdo, ex-postulante à presidência da República, esperava muito mais da coordenação do partido em Itabuna. A meta de 150 filiados, condição para a formação do diretório municipal, não foi atingida.

Amoêdo deve ter ficado insatisfeito com a coordenação do partido em Itabuna, que tem na linha de frente Harrison Nobre, ex-filiado do PDT. A exigência não foi cumprida. “Conseguimos pouco mais de 120 filiados ativos, mas vamos continuar firmes tentando fazer o partido crescer no município”, disse Harrison, coordenador geral do núcleo de Itabuna.

Nos bastidores da legenda, em conversas reservadas, o que se comenta é que haverá um novo comando do Novo em Itabuna, que Harrison não será mais o porta-voz da agremiação partidária.

O partido não terá candidato a prefeito e nem a vereador, o que não deixa de ser um preocupante baque para a sigla. O apoio a um determinado prefeiturável não está descartado, desde que não seja nenhuma velha e empoeirada raposa que quer retornar ao centro administrativo Firmino Alves.

Muita gente séria, qualificada e honrada com respaldo para disputar a sucessão de 2020. Só tenho a lamentar o desfecho do Novo em Itabuna.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

O LEGISLATIVO E A SUCESSÃO MUNICIPAL

Tempo de leitura: 3 minutos

Marco Wense

 

 

No frigir dos ovos, Charliane Souza, Babá Cearense e Jairo Araújo vão perceber que o melhor conselho é o de buscar a recondução ao cargo. O caminho da prefeitura é cheio de obstáculos e, como consequência, pode até provocar um ponto final na carreira política.

 

Eram cinco vereadores-prefeituráveis. Agora só três continuam dizendo que vão disputar a sucessão de Fernando Gomes: Charliane Souza (PTB), Babá Cearense (PSL) e Jairo Araújo (PCdoB). Enderson Guinho (PDT) e Júnior Brandão (PT) desistiram. Foram os primeiros a tomar juízo.

Devo logo esclarecer, para evitar que os maldosos e as mariquinhas de plantão comecem a espalhar mentiras pelos cantos da cidade, que “tomar juízo” não significa desqualificar os vereadores e, muito menos, ir de encontro ao legítimo e democrático direito de postular uma candidatura a prefeito. Diz respeito a trocar um caminho mais fácil (reeleição) para entrar em uma aventura.

Vamos analisar cada um deles, começando pelos que já recuaram da ideia.

Leia Mais

BOLSONARO, POLÍTICA, ECONOMIA E IMPEACHMENT

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

 

Que situação, hein! Os senhores políticos, independente de ideologia, seja de esquerda, direita ou qualquer outro rótulo, adoram acordar o “monstro” do impeachment, que não consegue passar um bom tempo dormindo.

 

Torcer para que a economia possa apresentar bons resultados. É o que pode salvar o atabalhoado governo do presidente Jair Messias Bolsonaro. Do contrário, o nevoeiro pela frente, a incerteza e a instabilidade.

Quando a economia vai bem, os problemas no campo político, por mais graves que sejam, terminam sendo superados. Mas o coquetel com economia sem mostrar sinais de recuperação e imbróglio na seara política é preocupante. Esses dois ingredientes juntos terminam acordando o “monstro” do impeachment.

Deixando a economia de lado, cuja deflação não é vista com bons olhos pelos renomados economistas, vamos nos ater ao péssimo ambiente político, com o chefe do Palácio do Planalto brigando com seu próprio partido, o PSL, que de nanico passou a integrar o rol das maiores legendas do Congresso Nacional.

A permanência do presidente da República na sigla que o elegeu, que abraçou sua campanha quando todos achavam que sua candidatura era de brincadeirinha, ficou insustentável depois das declarações de desprezo pelo partido e sua liderança maior, Luciano Bivar.

Bivar, presidente nacional da sigla, ficou perplexo, sem os pés no chão, quando soube da fala de Bolsonaro, pedindo para que seus apoiadores esquecessem o PSL. Em tom de desabafo e revolta, Bivar disse que a declaração foi “terminal”, que Bolsonaro “já está afastado do partido”. E mais: “Não estamos em grêmio estudantil. Ele pode levar tudo do partido, só não pode levar a dignidade, o sentimento liberal que temos e o compromisso com o combate à corrupção”.

Esse pega-pega, Bolsonaro versus PSL, vai servir para apontar quem são os verdadeiros bolsonarianos. Quem for, tem que acompanhar o presidente na sua procura por outra agremiação partidária, mostrar que a fidelidade ao líder é intocável. Os senhores presidentes de comissões provisórias, sejam nos estados ou municípios, devem deixar imediatamente o comando do partido, sob pena de serem taxados de bolsonaristas de mentirinha ou oportunistas de plantão.

Que situação, hein! Os senhores políticos, independente de ideologia, seja de esquerda, direita ou qualquer outro rótulo, adoram acordar o “monstro” do impeachment, que não consegue passar um bom tempo dormindo.

Concluo fazendo uma pergunta: O que o “monstro” do impeachment diz quando é acordado pelo jogo do poder? Ora, ora, até as freiras do convento das Carmelitas sabem a resposta: “Esses políticos são chatos, não posso nem tirar uma soneca”. É realmente impressionante. Os políticos cavam o próprio buraco.

E quando penso que deixaram de eleger Ciro Gomes, a tristeza vem à tona. Ciro é, sem nenhuma dúvida, o político brasileiro mais preparado. O Brasil cada vez mais precisando de Ciro Gomes.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

O MBL E O GOVERNO BOLSONARO

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

 

Será que o MBL mudou de verdade? Para muitos, o movimento tenta se salvar diante de um eventual fracasso do bolsonarismo. Os meninos do MBL já começam a pavimentar a estrada que pode levá-los para a oposição. De bestas, não têm nada.

 

É preciso acabar com essa imbecilidade de que fulano é de esquerda porque faz crítica ao governo Bolsonaro. Que sicrano é de direita porque aponta pontos positivos na gestão bolsonariana.

Ora, pura bobagem inerente a quem faz política com o fígado, aos radicais de plantão. A maioria não enxerga um palmo à frente. São teimosos e de difícil diálogo. Carregam a intransigência e intolerância na alma.

A sabedoria popular diz que o mundo da muitas voltas. A política também. Como exemplo cito o Movimento Brasil Livre. O MBL vai fazer um evento com deputados do PT e PCdoB como palestrantes, respectivamente Arlindo Chinaglia, ex-presidente da Câmara de Deputados, e Orlando Silva, ex-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE).

“É o primeiro passo desde que o movimento, que ficou conhecido por sua agressividade retórica contra adversários e imprensa e por nunca fugir de uma treta, anunciou a decisão de dar uma espécie de reset”, diz o jornalista Fábio Zanini, da Folha de São Paulo.

Para Zanini, “os seus líderes querem se diferenciar dos grupos alinhados ao presidente Jair Bolsonaro (que eles chamam ironicamente de “minions”) e pretendem ser uma direita crítica. Querem ter liberdade para comentar acusações de corrupção e pautas que enxergarem como sendo excessivamente conservadoras”.

Como sugestão, servindo até mesmo como teste, o MBL deveria começar sua mudança de postura, provando que agora é outro, pedindo ao senhor presidente da República que demita Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo. O seu subordinado é acusado de desviar dinheiro do esquema do laranjal do PSL de Minas para sua candidatura a deputado federal. O tão badalado e costumeiro caixa dois.

Será que o MBL mudou de verdade? Para muitos, o movimento tenta se salvar diante de um eventual fracasso do bolsonarismo. Os meninos do MBL já começam a pavimentar a estrada que pode levá-los para a oposição. De bestas, não têm nada.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

O PRESÍDIO PRESO À REJEIÇÃO DO POVO

Tempo de leitura: 3 minutos

Jerberson Josué

 

 

 

Não há perspectivas promissoras e todos correm o risco de serem vítimas de uma obra mal começada, pouco debatida e que já carrega consigo o peso da falta de bom senso.

 

Tem sido intensa a repercussão sobre a construção de um novo presídio, em Ilhéus, pelo Governo do Estado. Para uns, a obra é uma boa notícia, em decorrência dos empregos que gerará e o mercado da construção civil que fomentará. Há quem considere o novo presídio uma iniciativa negativa, por causa do estigma de que investimentos assim carregam consigo a rejeição da vizinhança, com consequente desvalorização imobiliária e possível aumento da insegurança em suas cercanias.

A obra começa com a negligência de não debater sua implantação com todos atores a ela relacionados. Independente das opiniões, posição e analises técnicas, o problema reside na falta de conexão do governo municipal e a sociedade. Essa interface é fundamental para qualquer gestor que queira ter êxito em seus projetos e planos na administração pública.

Ainda que o governo queira e/ou tenha boas intenções, na prática isto não está acontecendo. Voltando ao caso da repercussão da obra do presídio, pode-se pontuar que o local é inadequado em função de já contar com dois projetos em andamento, com vertentes diferentes.

Um é a Estrada de Chocolate, que ainda não aconteceu, de fato, mesmo tendo um grande portal no início da BA-262, na rótula do Distrito Industrial, em frente à sede da SUDIC, em Ilhéus, e um outro portal no acesso desta mesma rodovia, na ligação com a BR-101, no trevo de acesso a Uruçuca. Essa proposta é muito boa, mas ainda está somente nas pretensões e submetida ao mal similar do que ocorre no caso da construção do presídio.

Outra vertente é a construção do também polêmico Porto Sul. Esse também ainda encontra-se em fase embrionária. Ambos projetos possuem relevância no desenvolvimento regional, ainda que possamos ter pontuais críticas na sua concepção. Porém, ambas são totalmente contraditórias com os preceitos que norteiam a construção de presídio em suas abrangências territoriais.

É óbvio que o surgimento de novas vagas prisionais é necessário numa região dominada por facções criminosas e submetida à violência, que a todos preocupa. Porém, é importante, também, dialogar com a sociedade – do ponto de vista objetivo e pedagógico – na construção de políticas públicas de segurança.

Vivemos tempos vitais para investimentos humanitários e progressistas. Mas é necessário saber mais sobre o projeto do novo presídio de Ilhéus, que surge com moldes e orientações do Ministério da Justiça. Não podemos aceitar a vulnerabilidade de conhecê-lo apenas com o avançar das obras.

Vale ressaltar que o compromisso do município, na parceria de realização do projeto, restringe-se à doação do terreno para instalação do presídio que, depois de construído, terá administração e manutenção sob responsabilidade do Governo do Estado. E, olhando cauteloso e superficialmente para essas contradições, podemos compreender como é preocupante a ausência de diálogo entre setores dos próprios governos do Estado e do Município.

É incompreensível essa desarmonia entre atores de uma obra de tamanha complexidade e da mais alta relevância na administração pública. Não admissível para o sucesso dessa iniciativa a falta de diálogo entre seus executores e o cidadão, ligado diretamente a ela.

Nas três esferas de governo, a sinergia e compartilhamentos de decisões com o público alvo dos investimentos são pressupostos para o êxito de suas ações e políticas públicas. Infelizmente, não é isto o que está acontecendo na proposta de construção do novo presídio em Ilhéus. Neste contexto, não há perspectivas promissoras e todos correm o risco de serem vítimas de uma obra mal começada, pouco debatida e que já carrega consigo o peso da falta de bom senso. O pior é se, após construído, esse equipamento ser entregue a iniciativa privada, iniciando um processo privatista dos presídios baianos. Quiçá, eu esteja errado nesse presságio.

Jerberson Josué é estudante na escola da vida.

DIA D EMPREGO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Tempo de leitura: 2 minutos

Davidson Magalhães

 

 

 

Para além do aparato legal, torna-se necessário que as empresas se conscientizem da importância da inclusão. Do ponto de vista de políticas públicas, o governo do Estado navega na contramão do federal, abrindo projetos e oportunidades para pessoas com deficiência.

 

 

A taxa de desemprego no país cresce a cada dia. Em julho de 2019 chegou a 11,8% da população (IBGE), considerando o universo de pessoas sem qualquer deficiência e geralmente qualificadas.

Se já é tão difícil empregar-se no país em crise e sem projeto de combate ao desemprego, que dirá uma pessoa com alguma limitação permanente, seja visual, auditiva, física ou intelectual.

O Brasil possuía em 2010 cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência (PcD), quase 24 % da população. Deste contingente, apenas 0,9% ou 418 mil estavam empregados.

Além das adversidades oriundas de sua deficiência, esta pessoa também enfrenta os obstáculos do mercado de trabalho factual que, desde o governo Temer, perde vagas e direitos trabalhistas.

Bolsonaro fechou o Ministério do Trabalho, esvaziou os sindicatos e deixou o trabalhador sem férias nem 13º, sem crachá ou fundo de garantia. Acabou com todos os conselhos da Política Nacional de Participação Social (PNPS), entre eles, o Conselho dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade). Ou seja, a sociedade não mais participa ou fiscaliza as políticas trabalhistas do governo.

Eis a questão: como ampliar a inserção de pessoas com deficiência ou beneficiários reabilitados do INSS no mercado de trabalho, diante de um governo federal que massacra o trabalhador?

À primeira vista, a resposta é o cumprimento da lei, que já existe (Lei 8.213/1991) e obriga empresas com 100 ou mais colaboradores a destinar de 2% a 5% de vagas às pessoas com deficiência ou reabilitadas do INSS.

Para além do aparato legal, torna-se necessário que as empresas se conscientizem da importância da inclusão. Do ponto de vista de políticas públicas, o governo do Estado navega na contramão do federal, abrindo projetos e oportunidades para pessoas com deficiência. Por isso, a Setre criou uma unidade específica, SineBahia Capaz, que, de janeiro a julho de 2019, encaminhou 4.473 pessoas e inseriu 440 no mercado de trabalho.

Para ampliar a conscientização empresarial e abrir novas oportunidades a Setre-Ba promove nesta quinta-feira, 26, o Dia D de Inclusão Profissional das Pessoas com Deficiência e Reabilitados do INSS, no Terminal Rodoviário de Pituaçu, das 8h às 17h. A expectativa é atender mais de 1.200 pessoas e ofertar 700 vagas de emprego, oriundas de 50 empresas locais.

Precisamos encarar que a deficiência não está nas pessoas, mas sim nas barreiras seculares de princípios preconceituosos com relação às potencialidades e limitações humanas.

O Dia D, portanto, deve se refletir no dia a dia: uma corrente de conscientização e de oportunidades. Afinal, uma sociedade justa e sadia só se constrói com inclusão e igualdade. De todos os seres humanos.

Davidson Magalhães é secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte da Bahia

O LEGISLATIVO E O GOVERNO FERNANDO GOMES

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

 

O edil do PDT desistiu de ser pré-candidato a prefeito. O do PCdoB não será candidato. Babá Cearense, do partido do presidente Bolsonaro, vai depender de uma melhora nas pesquisas de intenções de voto. Resta Charliane, cuja coragem de trocar o certo, sua reeleição, pelo duvidoso, sair vitoriosa em uma campanha para o Executivo, é elogiável.

 

Quatro vereadores são logo citados pelo eleitor quando o assunto diz respeito aos edis que fazem oposição ao governo Fernando Gomes, que pode ter como próximo abrigo partidário o PP do vice-governador João Leão.

Charliane Souza (PTB), Enderson Guinho (PDT), Jairo Araújo (PCdoB) e Babá Cearense (PSL) são os vereadores que representam o oposicionismo ao atual gestor do cobiçado centro administrativo Firmino Alves.

Quem mais se destacou, segundo pesquisa do Instituto Sócio Estatística, do sociólogo Agenor Gasparetto, foi Charliane Sousa, prestes a deixar o PTB para assumir a condição de prefeiturável por outra legenda. A edil vem namorando o MDB dos irmãos Vieira Lima, Geddel e Lúcio.

O que levou os quatro a serem os mais atuantes da Casa Legislativa foi mais o fato de ser oposição ao governo de plantão do que a própria atuação parlamentar seguindo as recomendações inerentes ao cargo.

No entanto, é o vereador comunista o mais contundente ao criticar o prefeito Fernando Gomes e sua administração. Jairo Araújo é mais incisivo e cruel.

Por que então não está na linha de frente do oposicionismo tupiniquim? O problema é que Jairo é do partido de Davidson Magalhães, que faz questão de ser fotografado ao lado de Fernando Gomes toda vez que tem um evento do governo do Estado em Itabuna.

Claro que Davidson, que é o presidente estadual do PCdoB, no exercício da sua função institucional, como secretário no governo Rui Costa, tem que marcar presença junto com o prefeito.

A grande maioria do eleitorado não entende assim. E tem suas razões. Jairo é do PCdoB, que é da base aliada do governador Rui Costa, que é aliado do prefeito Fernando Gomes.

Mas Enderson Guinho não é do PDT, legenda que também integra a base do governo Rui Costa? Acontece que o PDT de Itabuna é a única agremiação partidária da base aliada que faz oposição aberta ao governo Fernando Gomes, sem medo de retaliações por parte do comando estadual, que não anda muito satisfeito com o tratamento dado pelo chefe do Palácio de Ondina ao partido.

O edil do PDT desistiu de ser pré-candidato a prefeito. O do PCdoB não será candidato. Babá Cearense, do partido do presidente Bolsonaro, vai depender de uma melhora nas pesquisas de intenções de voto. Resta Charliane, cuja coragem de trocar o certo, sua reeleição, pelo duvidoso, sair vitoriosa em uma campanha para o Executivo, é elogiável.

No mais, esperar os acontecimentos para uma melhor análise. Mas especular é inerente ao jornalismo político, desde que dentro de uma lógica.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

Back To Top