skip to Main Content
20 de outubro de 2020 | 09:03 pm

EDITAL PREMIA 200 PESQUISADORES NA PROMOÇÃO E DIFUSÃO DA HISTÓRIA DA BAHIA

Tempo de leitura: 2 minutos

Os pesquisadores do campo de memória têm até o próximo dia 27 parar participar da seleção da Premiação Fundação Pedro Calmon, do Programa Aldir Blanc Bahia (PABB), gerido pela Secretaria de Cultura (SecultBA). Por meio da Fundação Pedro Calmon (FPC/SecultBa), a categoria vai receber mais de R$800 mil destinados às propostas dos pesquisadores de toda Bahia.

Serão premiadas 200 iniciativas que receberão valor unitário de R$ 4.250,00, destinados aos pesquisadores associados – aqueles que possuem vinculação com alguma instituição de pesquisa e que não tenha vínculo empregatício ou remunerativo. Da mesma forma, os pesquisadores na categoria livre – que seguem pesquisando, apesar de não estar cursando ou vinculado a instituições de pesquisa – também possuem 50 vagas reservadas nessa seleção.

De acordo com Walter Silva, diretor do Centro de Memória da Bahia (CMB) da FPC, a premiação se consolida como “de muita importância, não apenas pelo reconhecimento das produções dos pesquisadores que iremos premiar, mas pela relevância e contribuições à preservação, promoção e difusão da história e memória da Bahia. É o reconhecimento a um segmento que vive em função da cultura da Bahia”, afirma o gestor da área do setor de memória da FPC.

INSCRIÇÕES

As inscrições seguem até o dia 27 de outubro e são 100% virtual no site da SecultBA – www.cultura.ba.gov.br. Todas as dúvidas podem ser sanadas através do duvidas.lab@fpc.ba.gov.br e além disso, na próxima terça-feira (20), a FPC vai realizar uma live em suas páginas nas redes sociais (instagram e facebook) com técnicos de todas as diretorias, prestando informações sobre o processo de inscrições e auxiliando todos os proponentes.

QUEM PODE SE INSCREVER?

Em atendimento aos critérios dispostos pelo Decreto estadual Nº 20.005, de 21 de setembro de 2020, podem participar das chamadas públicas abertas pelo Programa Aldir Blanc Bahia pessoas físicas ou jurídicas com atuação cultural, e estabelecidas ou domiciliadas na Bahia há pelo menos 24 meses. Grupos e coletivos culturais que não se constituam como pessoa jurídica de direito privado deverão comprovar sua atuação no estado há pelo menos 24 meses.

ALDIR BLANC BAHIA

Criado para a efetivação das ações emergenciais de apoio ao setor cultural, o Programa Aldir Blanc Bahia (PABB) visa cumprir os incisos I e III da Lei Aldir Blanc (Lei Federal nº 14.017, de 29 de junho de 2020) e suas regulamentações federal e estadual. As ações são a transferência da renda emergencial para os trabalhadores e trabalhadoras da cultura, e a realização de chamadas públicas e concessão de prêmios. O PABB tem execução pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, geridas por meio da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura e do Centro de Culturas Populares e Identitárias; e as suas unidades vinculadas: Fundação Cultural do Estado da Bahia, Fundação Pedro Calmon, Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural.

PROJETO CULTURA E ARTE DO COLÉGIO JORGE AMADO REÚNE AUTORES DO SUL DA BAHIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Colégio Jorge Amado, em Itabuna, realiza, de hoje até a próxima sexta (16), o projeto Cultura e Arte, que busca estimular o livre pensar e enraizar a cultura sul-baiana por meio do diálogo com os escritores.

Devido à pandemia do coronavirus, que obriga a um distanciamento social, os bate papos serão transmitidos no perfil do colégio no instagram (@colegiojorgeamadoitabuna).

A mediação será feita por professores do colégio e os convidados, além de discutirem sobre a Literatura Regional, também apresentarão suas obras autorais.

PROGRAMAÇÃO

Dia 14 – Escritores convidados Ruy Póvoas, às 19 horas, Jailton Alves, às 20 horas, com mediação da professora Miralva Moitinho

Dia 15 – Escritores convidados Daniel Thame, às 19 horas, Walmir do Carmo, às 20 horas, com mediação da professora Vânia de Jesus.

Dia 16 – Escritores convidados Iolanda Costa, às 19 horas, e Reinan Braga, às 20 horas, com mediação da professora Fernanda Brasil.

“LEITURE-CY”: DIGITAL INFLUENCER SUL-BAIANA USA A INTERNET PARA INCENTIVAR O HÁBITO DA LEITURA

Tempo de leitura: 2 minutos

Cynara, do Leiture-Cy, tem canais na internet que buscam incentivar o hábito da leitura

Segundo dados da 5ª edição da pesquisa “Retratos da Leitura”, de 2015 para 2019, caiu em 2,6% o número de pessoas que leram livros por vontade própria, levando em consideração os últimos 3 meses. Em contrapartida, a previsão é que o uso das redes sociais aumente em mais 20% no país até o ano de 023, segundo o Statista e Ecommerce na Prática.

Cynara Silveira mora em Floresta Azul, é formada em Letras pela Universidade Estadual de Santa Cruz e trabalha na biblioteca do IFBA, em Ilhéus. Hoje, ela busca incentivar o hábito da leitura em seus perfis nas redes sociais.

Cynara revela que seu interesse por livros começou desde cedo, quando folheava as histórias em quadrinhos, mesmo antes de saber ler. Desde 2018 tem um perfil no Instagram, onde compartilha sua rotina de leitora, mas há 2 meses, durante a pandemia do novo coronavírus, ela decidiu tentar algo novo e ampliou seu alcance criando um canal no Youtube, tornando-se uma “booktuber”.

Juntos, os perfis “Leiture-Cy” são seguidos por mais de 2 mil pessoas. Além de apresentar as resenhas sobre os livros lidos por Cynara, nos conteúdos dos vídeos e postagens também são compartilhadas dicas sobre como desenvolver o hábito da leitura, que tanto a beneficia. “A leitura me faz viajar, conheço mais do mundo e mais sobre outras pessoas”, conta.

Cynara relata que tem recebido um retorno positivo dos seguidores e diz que alguns têm voltado a ter interesse por livros e outros começaram a desenvolver o hábito de ler por influência do seu conteúdo.

Uma das últimas postagens está relacionada à ação de distribuição gratuita de livros físicos para seus seguidores. A doação de exemplares do livro “A maior Esperança” coincide com mês quando é celebrado o Dia Nacional da Leitura, 12 de outubro. Além disso, será um estímulo à leitura e espera-se que o tema abordado no livro ajude os internautas a terem a perspectiva da esperança ao atravessarem este período do coronavírus e outros problemas. “A leitura desse livro é muito fácil, tem uma linguagem muito boa e ainda tem QR codes que direcionam para um vídeo que complementa o conteúdo do capítulo. Recomendo”, completa Cynara.

ITABUNA: MATHEUS ESQUIVEL ASSINA PROJETO DO CASARÃO COLA NA MANU

Tempo de leitura: < 1 minuto

O arquiteto Matheus Esquivel, que hoje atende em Itabuna e Vitória da Conquista, assina o projeto da nova casa de eventos Casarão Cola Na Manu, em Itabuna. “Com a retomada gradual das atividades decidimos retomar os projetos. O Casarão é, sem dúvidas, a realização de um grande desejo, que era ter uma casa de eventos com a cara do público que já frequenta todas as experiências Cola Na Manu há alguns anos”, explica Manu Berbert.

O Casarão fica localizado na Avenida J.S. Pinheiro e funcionará como uma “casa-bar”, com pista, dois camarotes e um mezanino super luxo. Antes da inauguração, o público irá acompanhar as obras da casa, que prometem aguçar um pouquinho a curiosidade da região.

“Manu tem esse perfil, de criar projetos e a região abraçar, viver tudo junto com ela. Agora ela vai comandar uma espécie de reality show, mostrando nas redes sociais o Diário de Obras da casa. Matheus Esquivel assina o projeto, o que nos deixou muito felizes, e outros parceiros já estão programados para serem apresentados em breve”, contou Marama Berbert, sócia da casa.

A HISTÓRIA DE AYRTON SENNA SERÁ CONTADA EM MINISSÉRIE DA NETFLIX

A história será contada em produção da Netflix
Tempo de leitura: 2 minutos

A Netflix anunciou a produção do primeiro drama ficcional sobre o ídolo Ayrton Senna da Silva (1960-1994). O projeto dará aos fãs a chance de cruzar a linha de chegada não com Senna, mas com Beco ou Becão, apelidos carinhosos do piloto entre amigos e familiares. Mais do que relembrar momentos marcantes de sua carreira, a minissérie é um convite a desbravar a personalidade e as relações familiares do tricampeão de Fórmula 1.

Senna personificou de forma profunda a vontade dos brasileiros de vencer — e fez acelerar os corações de jovens, adultos e crianças ao redor do mundo. Retrato do homem por trás do herói nacional, a obra é uma produção da Gullane para a Netflix com a participação ativa da família do piloto.

Locações internacionais se somarão a sets de filmagem intimistas, a exemplo da casa em que Senna cresceu, na Grande São Paulo, e à qual os familiares concederam acesso inédito para a produção da minissérie.

“É muito especial poder anunciar que contaremos a história que poucos conhecem dele. A família Senna está empenhada em fazer deste projeto algo totalmente único e inédito. E ninguém melhor do que a Netflix, que tem um alcance global, para ser nossa parceira neste projeto”, celebrou Viviane Senna, irmã de Ayrton.

“Senna é uma pessoa que precisamos. Um jovem que batalhou por seu sonho e enfrentou inúmeras barreiras para representar uma nação. Senna une o Brasil”, comentam Fabiano e Caio Gullane.

TRAGÉDIA EM ÍMOLA

O ponto de partida será o começo da carreira automobilística de Ayrton, quando ele se muda para a Inglaterra para competir na F1600. Toda a trajetória de superação, desencontros, alegrias e tristezas. Os bastidores mostrarão o homem por trás do mito até o trágico acidente em Ímola, na Itália, durante o Grande Prêmio de San Marino.

“Assim como Senna começou sua jornada em São Paulo e conquistou o mundo, estamos honrados em levar sua inspiradora trajetória para todos os seus fãs, onde quer que eles estejam. Ayrton Senna tem um legado que atravessa gerações e fronteiras, e a Netflix se orgulha de poder levar um novo olhar sobre o homem por trás do piloto para os nossos assinantes em mais de 190 países”, afirmou Maria Angela de Jesus, diretora de produções originais internacionais da Netflix no Brasil.

A minissérie, que será gravada em inglês e português, terá oito episódios. A produção está prevista para ser lançada em 2022.

Leia Mais

SEM APOIO, TEATRO POLULAR DE ILHÉUS FECHARÁ TENDA DA SOARES LOPES

Tenda do TPI é dos espaços sagrados da cultura de Ilhéus || Foto Haísa Lima
Tempo de leitura: 4 minutos

O Teatro Popular de Ilhéus está fechando seu espaço cultural, a Tenda, localizada na Avenida Soares Lopes. Até o final desta semana, o TPI, que realiza suas atividades naquele local desde 2013, deve entregar seus dois containers onde funcionam a administração/bilheteria e os banheiros, e na semana seguinte deve ser efetuada a entrega da lona, encerrando assim o funcionamento da sua sede. Enquanto isso, a equipe está em busca de alternativa para a guarda de seus equipamentos.

O grupo enfrenta dificuldades financeiras desde o ano passado. Com a pandemia do novo coronavírus, teve que interromper suas atividades em 15 de março, deixando de contar com os recursos de bilheteria e venda de pautas. Além disso, o Teatro Popular de Ilhéus vem sofrendo com a descontinuidade dos repasses do Fundo de Cultura da Bahia, o que provocou 10 meses de atraso no pagamento do aluguel da lona e 9 meses dos containers, 4 meses sem pagamento de salários dos 15 trabalhadores e falta de pagamento das contas de água, telefone, internet e energia elétrica, que já foi interrompida duas vezes neste período.

Outro agravante é que o funcionamento da Tenda TPI, assim como de qualquer espaço cultural, demanda grande investimento em manutenção física e de equipamentos. Para piorar, a estrutura é situada à beira-mar, sujeita a sol, chuvas e fortes ventos, e o efeito da maresia nos equipamentos de som, luz e projeção, nos mastros, mastareis e paus-de-roda é devastador. Normalmente o grupo contaria com o recurso de bilheteria para pequenos investimentos. Este, nunca foi suficiente, o que já vinha tornando o espaço bastante deteriorado. A lona já deveria ter sido substituída, mas como isso até hoje não foi possível, a mesma se encontra em péssimo estado, o que inviabilizaria a reabertura da Tenda mesmo que a pandemia tivesse um fim agora.

Tenda recebeu dezenas de espetáculos e formou público || Foto Haísa Lima

TPIFLIX

Desde o início do ano, para tentar driblar essas dificuldades, o TPI lançou campanhas de apoio financeiro, como o “Passaporte TPI”, e o financiamento coletivo “Teatro Popular de Ilhéus + 25 anos”, na plataforma “Apoia.se”. Porém, as campanhas obtiveram pouco engajamento e o recurso arrecadado só foi suficiente para quitação de parte da dívida de energia elétrica e água. O grupo também buscou apoio da Prefeitura Municipal de Ilhéus. Através de Emenda Parlamentar, aprovada para o orçamento do exercício 2020, o Teatro Popular de Ilhéus poderia contar com um recurso fundamental para sua manutenção, mas, infelizmente esse apoio ainda não foi efetivado.

Mesmo sem recurso e com as atividades presenciais suspensas, o grupo se mantém ativo, criando e produzindo conteúdo para o público. Para manter uma programação cultural durante o período de isolamento social, criou o projeto TPIFLIX, com conteúdo semanal em seu canal no YouTube, convidando a todos a assistirem teatro sem sair de casa. Todo o conteúdo pode ser conferido e acompanhado através do link www.youtube.com/teatropopulardeilheus.

A ÚLTIMA LIVE DE UM PREFEITO

No mês de julho o TPI também estreou Teodorico Majestade – a última Live de um Prefeito, uma adaptação de seu espetáculo de maior sucesso, que nessa versão acontece de forma 100% remota. A montagem se encontra em cartaz até o final de agosto, acontecendo às sextas e sábados, sempre às 21 horas, e é transmitida ao vivo. Os ingressos podem ser adquiridos no site www.sympla.com.br/teatropopulardeilheus. O TPI ainda tem planejado para os próximos meses a estreia de um espetáculo inédito, totalmente online, sobre os 25 anos do grupo.

Ainda que rodeado de incertezas, o Teatro Popular de Ilhéus aposta em soluções que poderiam evitar o fechamento do espaço cultural. Com o recurso do Fundo de Cultura da Bahia seria possível quitar os aluguéis e demais pagamentos em atraso. Com o recurso previsto na Emenda Parlamentar, seriam feitos investimentos em reparos da estrutura física.

Com maior engajamento nas campanhas de financiamento coletivo por parte de pessoas que entendem a importância da existência do Teatro Popular de Ilhéus, o grupo investiria na criação e produção de novos conteúdos. Outra possibilidade de apoio viria da lei Aldir Blanc que, mesmo com o cunho emergencial, não tem a presteza que o setor necessita. No entanto, ainda que nenhuma destas soluções se concretize, o grupo seguirá criando, mesmo sem sede.

25 ANOS DE FUNDADO

Fundado em 1995 por Équio Reis, o TPI se constitui num grupo de pesquisa de linguagem continuada que, a partir de suas criações, interfere positivamente na cultura brasileira, promovendo debates, encontros e estudos que contribuem para a formação cultural de seu público. A longevidade do Teatro Popular de Ilhéus é um indicador de um projeto de empreendedorismo cultural exitoso que tem um planejamento a longo prazo bastante sólido e em constante avaliação.

O Teatro Popular de Ilhéus é uma instituição cultural independente, atualmente mantida pelo programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais – uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, mecanismo que custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada.

BAHIA: ESTUDANTE QUILOMBOLA É HOMENAGEADA POR LUAN SANTANA NO “CALDEIRÃO DO HUCK”

Angela Naiara é homenageada por Luan Santana no “Caldeirão do Huck”, na Globo
Tempo de leitura: 2 minutos

A estudante Angela dos Santos Araújo, 17, 1º ano do curso técnico de Agropecuária no Colégio Estadual do Campo Luis José dos Santos, localizado na comunidade quilombola Laje dos Negros, em Campo Formoso, na Bahia, foi homenageada pelo cantor Luan Santana, durante o programa Caldeirão do Huck, exibido neste sábado (15), na Rede Globo. A jovem, que sonha em ser cantora, ficou conhecida pelo ídolo após a viralização do seu vídeo cantando em meio a uma plantação de sisal, onde ajuda os seus familiares na colheita da planta usada como matéria-prima na produção de fios, cordas, bolsas, tapetes e outros produtos artesanais.

No vídeo, além de cantar, a estudante mostra o seu sentimento de pertencimento à cultura do sisal e de valorização das suas raízes. Ela mora com sua mãe, Josenilde dos Santos, além do seu padrasto e dois irmãos. Antes do vídeo ser compartilhado por Luan Santana, a estudante possuía 800 seguidores e, hoje, conta com 150 mil pessoas acompanhando o seu talento musical revelado e divulgado nas redes sociais para todo o mundo. O vídeo pode ser conferido na página do Instagram da estudante (@angelanaiaraoficial). “Após o meu vídeo viralizar, eu fui contratada pela KFP Produções e já gravei o meu primeiro CD”, revelou.

A cantora, que já definiu o seu nome artístico como Angela Naiara, não escondeu a satisfação e a emoção pela oportunidade de poder cantar com o seu ídolo, mesmo que de forma virtual, durante o programa. “Estou muito feliz e emocionada, pois sou muito fã dele e canto as suas músicas desde pequena. Foi muito especial participar do programa, ver Luan se emocionando com a minha história e viver este momento marcante da minha vida”, disse, entusiasmada.

O cantor Luan Santana se emocionou com a história de vida de Angela e se surpreendeu com o talento musical da jovem. O encontro virtual contou, ainda, com a gravação de um clipe inédito dos dois cantando a música Choque térmico, que encerrou o programa deste sábado. “Fiquei sem palavras com esta surpresa de gravar um clipe com Luan, pois é um sonho que se tornou realidade”, afirmou.

Clique e confira a homenagem

FICC ABRE INSCRIÇÕES PARA PAGAMENTO DE AUXÍLIO DA LEI ALDIR BLANC

Cadastro pode ser feito pela internet, no site da FICC
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC), em parceria com o Conselho Municipal de Políticas Culturais de Itabuna (CMPCI), abriu as inscrições para cadastramento e posterior pagamento do Auxílio Emergencial Cultural Aldir Blanc”, do Governo Federal. A Lei de n° 14.017/20, que viabiliza o pagamento, conhecida como Lei Aldir Blanc em homenagem ao músico e compositor que morreu em maio, vítima da COVID-19, foi sancionada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro.

De acordo com Thadeu Campos, coordenador da Comissão do Auxílio Emergencial Cultural, o benefício será concedido por estados e municípios e o pagamento será de R$ 600,00 por mês, durante três meses, para artistas informais, espaços artísticos e culturais, microempresas e pequenas empresas culturais, cooperativas, instituições e organizações culturais comunitárias que tiveram que paralisar suas atividades por conta da pandemia.

Para estar apto a receber o auxílio, o trabalhador precisa preencher alguns requisitos, entre eles ter trabalhado ou atuado socialmente na área artística nos 24 meses anteriores à data da publicação da lei; não ter emprego formal; ter renda familiar mensal de até meio salário-mínimo por pessoa ou total de até três salários-mínimos; não ter recebido mais de R$ 28.559,70 em 2018; e não receber auxílio emergencial. Para fazer o cadastro, basta acessar https://www.ficcitabuna.com.br/cadastro

JOVEM DA FUNDAÇÃO FÉ E ALEGRIA LANÇA ÁLBUM AUTORAL EM PLATAFORMAS DIGITAIS

Emilly realiza sonho com lançamento de álbum autoral
Tempo de leitura: < 1 minuto

Karoline Vital

Desde 2013 Emilly Santos Batista participa das oficinas de música da Fundação Fé e Alegria. De lá pra cá, a adolescente de 16 anos tem aumentado cada vez mais seu gosto pela música e, recentemente, gravou e publicou o álbum autoral Na Beira da Praia, nas principais plataformas digitais. O principal estímulo para o lançamento veio do professor de música Danilo Nascimento, produtor do trabalho, sonho da jovem moradora do bairro Nossa Senhora da Vitória, zona sul de Ilhéus.

O trabalho de produção e gravação das músicas de Emilly contou com o apoio de seus familiares, colegas, professores do projeto social e, ainda, de parceiros como os músicos Mailton Figueiredo e Aloísio Soares Lopes, conhecido como Lula. O trabalho da jovem artista está disponível no Spotify, Deezer e também no YouTube.

O álbum não é o primeiro fruto do talento da jovem cantora e compositora. Em 2019, Emilly teve seu talento reconhecido ao vencer o concurso CRAS Music Festival, Promovido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, em Ilhéus. Ela venceu na categoria melhor letra, com a música “Na Beira da Praia”, que também dá título ao seu primeiro trabalho nas plataformas digitais.

NA DINAMARCA, ESCRITORA AMANDA MARON LANÇA “UM POEMA PRA CADA DOR”

“Um poema pra cada dor” será lançado durante live neste final de semana
Tempo de leitura: 2 minutos

Um poema pra cada dor é o livro que será lançado na Dinamarca, neste final de semana, pela comunicóloga Amanda Maron. Ilheense de nascimento, formada em Comunicação Social pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e com MBA em Marketing Digital, Amanda mora há quatro anos na Dinamarca, onde faz mestrado em Cognição e Comunicação, na Universidade de Copenhague.

A publicação é independente e pode ser adquirida pelo valor promocional de R$47,90 (frete incluído) até domingo, através de pedidos pelo email amandamaron@gmail.com. Numa live neste domingo (21), às 14 horas (horário de Brasília), a autora falará sobre a obra, com apresentação de poemas, todos musicados pela artista baiana Lígia Callaz. A transmissão ocorrerá pelo instagram da autora.

O prefácio do livro é assinado pelo professor Luiz Felipe Souza Coelho, Doutor em Física, professor do IF-URFJ, poeta e historiador. O professor escreve: “O fato é que açúcar dos sonhos corre nas veias da poeta, a menina que cria universos onde o infinito brilha no olhar. (Brilhará também no olhar do outro, do amor que talvez tenha sido em parte criado por ela mesma? Será relevante para um Deus saber se as criaturas do Mundo que criou o amam? Quem sabe?)”.

“Escrevi meu primeiro poema aos 13 anos. Nessa fase difícil, em que eu descobria o amor e suas dores, minha poesia era a minha forma de me curar. Esse livro é uma coletânea de dores e amores e amantes. E com minhas rimas eu divido com o público um pouco de mim”, destaca a autora. “Desde pequena, desde aqueles dias em que eu passava por fachadas dentro do carro e tentava ler todas elas em voz alta enquanto descobria o sentido das sílabas, desde os dias em que, nervosa para entender, tentava ler os artigos do meu pai no jornal, eu sonhava em palavras”, completa. Amanda é filha do jornalista Maurício Maron.

ESCRITA CRIATIVA

Paralelamente ao lançamento da obra, a comunicóloga também está apresentando o site da sua nova empresa de escrita criativa (www.amandamaron.com) na Dinamarca, com tradução em português e inglês. “Escrever é a minha paixão e eu faço disso o meu trabalho e o meu hobby. Criar essa empresa é a realização de finalmente trabalhar com aquilo que eu amo e não sentir que estou trabalhando”, define o novo projeto.

Com mais de cinco anos de experiência em escrita criativa, edição de livros, direito autoral, e mídias sociais, Amanda também é autora e vende títulos neste site. Em ‘Serviços’, você vai encontrar uma seleção de serviços de comunicação, revisão de textos, edição e criação de texto, assim como voiceover, narração, storytelling e outros.

Back To Top