skip to Main Content
3 de agosto de 2020 | 12:08 pm

SUCESSO DE PÚBLICO E CRÍTICA, "A BOFETADA" TEM APRESENTAÇÃO ÚNICA EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

A Bofetada volta a Itabuna em apresentação única || Foto Leto Carvalho

Fanta Maria, Vânia, Dirce, Pandora Luzia sobem ao palco do Terceira Via Hall, em Itabuna, às 21h desta sexta (9), para apresentação única em turnê dos 30 anos d´A Bofetada, da Companhia Baiana de Patifaria.
A peça estreou em 1988 e continua lotando teatros pelo Brasil com bordões que se tornaram famosos, como “é a minha cara”, de Fanta Maria, ou ´eu tou tão tão que nem nem’.
A Bofetada inspirou-se em clássicos da comédia brasileira da década de 80 e tem como marca o improviso. O riso é garantido. Nas três décadas em cartaz, a criação baiana já foi assistida por mais de 2 milhões de espectadores, segundo contabiliza a Companhia.
Nesta temporada, as personagens são interpretadas por Mário Bezerra, Marcos Barreto, Rodrigo Villa e Lelo Filho, que assina a direção da peça e concepção original de Fernando Guerreiro.
Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria, no estande do Batuba Beach no Shopping Jequitibá e no Cadê Ingressos (Praça Camacã, centro de Itabuna).  A peça tem patrocínio das Lojas Buriti e da Topvel, apoio do Shopping Jequitibá, Achados Itabuna, Docita, Burguer House, Restaurante Codornas e Grill a Kilo.
SERVIÇO
A Bofetada, da Companhia Baiana de Patifaria
Quando: Sexta (09/11)
Onde: Terceira Via Hall
Ingressos: R$ 40,00 / R$ 20,00 (meia)
Informações: (73) 99114.1240 (Adois Produções)

INDICADO AO BRASKEM, "O SANTO E A PORCA" ENTRA EM CARTAZ EM SALVADOR

Tempo de leitura: 2 minutos

“O Santo e a Porca” será encenado na capital baiana || Foto Alberto Monteiro

Do interior da Bahia, O Santo e a Porca, espetáculo da CIA AcorDada indicado ao Braskem 2017 chega a capital baiana nos dias 09 e 10 de novembro às 19h30 no Espaço Xisto Bahia. O projeto é apoiado pelo Circo da Lua e tem apoio institucional do Governo do Estado, por meio do Ocupe Seu Espaço, Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.
O Santo e a Porca retrata o cotidiano de uma família tradicional do interior do sertão com uma trama genialmente costurada em uma sequência de acontecimentos cômicos e cheia de muitas reviravoltas.
Os personagens representam diferentes classes sociais e existe uma crítica a vida difícil do Nordeste do Brasil. O tema gira em torno da avareza, pois o impasse se dá quando o protagonista, o velho Euricão Arábe, pensa que perderá todo o dinheiro que guardava numa porca velha de madeira.
Apesar de ser uma comédia, o texto promove uma reflexão sobre a relação do ser humano com o mundo físico (representado pela porca) e o espiritual (representado por Santo Antônio). Especialmente nessa montagem, a Cia. Acordada traz como diferencial em sua concepção, a inserção das máscaras da commedia Dell’arte, e a criação de uma trilha sonora autoral e ao vivo, influenciada pelo movimento armorial.
A Cia. Acordada de Teatro está sediada em Serra Grande-Uruçuca e é composta por atores argentinos, chilenos e brasileiros. Há dois anos, trabalha colaborativamente em todos os setores de produção para chegar ao resultado final.
SERVIÇO
Espetáculo ‘O Santo e a Porca’ de Ariano Suassuna
Quando: Dias 09 e 10 de novembro (sexta e sábado)
Horário: Às 19h30min
Ingressos: R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia)

NOITE DE QUARTA COM O "SEIS E MEIA" NO TMI

Tempo de leitura: 2 minutos

Pri, Laís e Jacque são as atrações desta noite do Seis e Meia, no TMI

As cantoras Laís Marques, Pri Luparelli e Jacque Barreto se apresentam nesta quarta-feira (10), às 18h30min, no Teatro Municipal de Ilhéus, na nova temporada do Projeto Seis e Meia. Na programação elaborada previamente pela Secretaria Municipal da Cultura (Secult), o Seis e Meia segue no dia 24 com shows de Eloah Monteiro, Cijay e Léo Abelha & Banda. O projeto será encerrado no dia 31 deste mês, com apresentação de Mucio Selecta, Mc Billyfat e Cabeça Isidoro. O ingresso custa R$ 2,00 e um quilo de alimento.
Laís Marques é cantora e compositora. Por mais de 10 anos atua no cenário musical da região. Foi campeã do Festival Internacional do Descobrimento de Música de Porto Seguro, em 2013. É graduanda em gestão cultural pela Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Já a cantora Pri Luparelli faz parte do grupo “Pri Luparelli and Band”, formado por Thiago Santos Loyd (bateria), Jorge Rodrigues (baixo) e Marco Antonio Pop (guitarra). Ela atua em paralelo com a profissão de jornalista durante 10 anos, no Paraná. Atualmente cursa medicina na Uesc.
A última atração da noite desta quarta-feira é Jacque Barreto, que iniciou a carreira musical como cantora interpretando canções inéditas do CD A vida é bela em espetáculo musical homônimo, em 2014, em Ilhéus. Também participou do Aleluia Ilhéus, integrando a grade de artista da ChocoSummer e foi uma das atrações de 2016.

COLETIVO 7 VOLTA AO TMI COM "O QUADRO: A REVOLUÇÃO COMEÇA NAS MARGENS"

Tempo de leitura: < 1 minuto

“O Quadro: a revolução começa nas margens” volta ao TMI || Foto Aldeia Norte

Tráfico de drogas, violência contra a mulher e relações familiares conflituosas são alguns dos temas abordados pela peça teatral “O QUADRO: a revolução começa nas margens”. Encenada pelo Coletivo 7, a montagem volta ao Teatro Municipal de Ilhéus (TMI) nos dias 16 e 17 de outubro, com sessões às 19h40min. As entradas custam R$ 10 inteira e R$ 5 meia. A classificação indicativa é 14 anos.
Esta será a segunda temporada de “O QUADRO: a revolução começa nas margens” no TMI, onde a peça estreou em 21 de setembro. A meta do grupo é que um novo público possa assistir à montagem, que representa realidades próximas às vivenciadas por jovens ilheenses. “As situações expostas criam o pano de fundo para que o empoderamento – principalmente, o feminino – seja conclamado”, afirma a diretora, Valdiná Guerra.
Com Mariana Andrade e Thiago Navillon como assistentes de direção, a peça tem produção de Cris Passos e dos estudantes do Curso Técnico de Teatro do CEEP do Chocolate Nelson Schaun. Escrito por Romualdo Lisboa em 2003 e adaptado pelo Coletivo 7, o texto de “O QUADRO: a revolução começa nas margens” ainda se mantém atual. Segundo a diretora, o espetáculo não se omite sobre questões sociais vivenciadas nas periferias e centros. “É o retrato de uma realidade que precisa ser repensada com urgência”, ressalta.

ESTUDANTE TEM ATÉ SEXTA PARA SE INSCREVER NO PROJETO LÁPIS NA MÃO

Tempo de leitura: 2 minutos

Alunos de escolas públicas e particulares do sul e extremo-sul da Bahia têm até a próxima sexta-feira(5) para inscrições no Projeto Lápis na Mão, da TV Santa Cruz e da Uesc (Universidade Estadual de Santa Cruz). O concurso de redação e de desenho deste ano tem como tema “Ler para pensar livre”.
A inscrição pode ser feita por meio do site do concurso (clique aqui), Secretaria de Educação do município, Núcleo Regional de Educação ou na TV Santa Cruz, em Itabuna. O projeto já está na nona edição e premiará os  trabalhos no Ensino Infantil; Ensino Fundamental I; Ensino Fundamental II; Ensino Médio; e Educação de Jovens e Adultos (EJA).
Pelo regulamento, serão selecionados os 10 melhores trabalhos em cada categoria na primeira etapa. Já na segunda fase, serão premiados os três melhores trabalhos em cada categoria. Nas categorias Ensino Infantil e Ensino Fundamental I, os estudantes concorrem com desenhos. Já os candidatos do Ensino Fundamental II, Ensino Médio e EJA, devem fazer redação relativa ao tema do concurso.
Além de estimular o hábito pela leitura, o Lápis na Mão também premia a escola que desenvolve melhor projeto de cidadania dentro do tema do concurso e o bairro que executa a melhor ação para envolver a comunidade na ação a cada ano.
JÚRI E PREMIAÇÃO
O júri do concurso é formado por profissionais da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). A premiação aos vencedores inclui notebooks, tablets, kits pedagógicos, kits pintura, aparelhos televisores e computadores e impressoras. Mais informações sobre o projeto ou como se inscrever podem ser obtidas no site ou pelo telefone (73) 3214-6600.

LIVRO SOBRE MANOEL LINS CHEGA A BUERAREMA NO DIA 5

Tempo de leitura: 2 minutos

Lopes faz lançamento de livro com bate-papo com Baísa Nora em Buerarema

Depois de Ilhéus, é a vez de Buerarema receber o lançamento do livro O canto da eterna esperança, um ensaio biográfico sobre Manoel Sampaio Lins, jornalista, escritor, advogado e professor de Direito, no dia 5 de outubro.
“Era imperioso fazer esse encontro em Buerarema, pois ali Manoel Lins morou desde a infância, após deixar Alagoas, onde nascera”, justifica Antônio Lopes, que organizou o trabalho publicado pela Editus/Editora da Universidade Estadual de Santa Cruz. “Foi a partir de Buerarema que Lins se projetou como advogado e um dos intelectuais mais significativos da região, apesar da morte prematura”, resume.
O encontro tem confirmada a presença de familiares e amigos de Lins, além de leitores em geral, interessados na crônica literária, gênero em que ele foi, reconhecidamente, mestre. Precedendo a noite de autógrafos, haverá um bate-papo entre Antônio Lopes e convidados – falando do livro, Manoel Lins e sua época – conduzido pela escritora Maria Luiza (Baísa) Nora.
CARREIRA INTERROMPIDA
Manoel Lins, morto em acidente de carro, em 1975 (aos 38 anos), formou-se em Direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), lecionou francês no Ginásio Henrique Alves (Buerarema), foi vice-presidente da OAB-Itabuna, advogou para diversos clientes da região e teve sua carreira como professor de Direito Constitucional da Fespi bruscamente interrompida pela morte. Como escritor, publicou um livro de crônicas (Menino aluado/1968), monografias sobre temas de Direito Municipal e textos literários em diversos veículos regionais. Na UFBA, dirigiu Unidade, o jornal do DCE – o que jamais lhe foi perdoado pela ditadura militar.
O canto da eterna esperança contém informações biográficas, seleção de crônicas de Manoel Lins e importante iconografia, em edição de luxo (384 páginas, em cores), com depoimentos de Carlos Eduardo Sodré, Naomar de Almeida Filho, Jorge de Souza Araujo, Ramiro Aquino, Eduardo Anunciação, Gabriel Nunes e outros.
O lançamento em Buerarema (patrocinado pelo Instituto Macuco Jequitibá e apoiado pela Editus) será às 18h30min da sexta-feira (dia 5), na Casa de Cultura Jonas & Pilar.

MANHÃ DE PRIMAVERA NA ALAMEDA DA JUVENTUDE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Manhã de Primavera leva música e arte à Beira-Rio em saudação à Primavera

Alunos da Escola Curumim, de Itabuna, promovem uma releitura de Domingo no Parque, um dos grandes sucessos do músico baiano Gilberto Gil, na Alameda da Juventude, na Beira-Rio, a partir das 8h deste domingo (30). A proposta da 28ª edição da Manhã de Primavera da Curumim é, por meio da música, falar de um setembro dourado e de amor à vida, segundo a direção da escola.

ZIRALDO, CRIADOR DO MENINO MALUQUINHO, SOFRE AVC

Tempo de leitura: < 1 minuto

Cartunista Ziraldo sofreu AVC || Foto Fernando Frazão/Agência Brasil

O cartunista e escritor Ziraldo, 85 anos, sofreu um acidente vascular cerebral hemorrágico nesta quarta-feira (26) e está internado em estado grave no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, zona sul do Rio. O hospital informou, em nota, que o cartunista e escritor Ziraldo Alves Pinto deu entrada na instituição no início da tarde com quadro de acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico. O paciente encontra-se internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI) da unidade e seu estado de saúde é grave.
Ziraldo é cartunista, desenhista, jornalista, cronista, chargista, pintor e dramaturgo brasileiro. Ele é o criador do personagem de quadrinhos infantil Menino Maluquinho. Foi um dos fundadores do jornal O Pasquim, que fez muito sucesso com suas entrevistas e humor crítico durante o regime militar.
O cartunista nasceu em Caratinga, Minas Gerais, no dia 24 de outubro de 1932. Seu nome vem da combinação dos nomes de sua mãe, Zizinha, e o de seu pai, Geraldo. Desde criança já mostrava seu talento para o desenho. Com seis anos, teve um desenho seu publicado no jornal Folha de Minas.
Ziraldo estudou no Grupo Escolar Princesa Isabel. Em 1949 foi com a avó para o Rio de Janeiro, onde estudou por dois anos no Mabe (Moderna Associação de Ensino). Em 1950, retornou para Caratinga e concluiu o científico no Colégio Nossa Senhora das Graças. Com informações da Agência Brasil.

MULHERES SE UNEM PARA LANÇAMENTO DE BANDA AUTORAL FEMININA EM ILHÉUS

Tempo de leitura: 2 minutos

Eloah e a Banda Quente será lançada nesta sexta, em Ilhéus

Na próxima sexta-feira (28), estreia “Eloah e A Banda Quente” em Ilhéus, grupo autoral independente de mulheres afro-brasileiras que celebra a continuidade do seu trabalho autoral. O show de lançamento será às 17h, na Praça Dom Eduardo (Praça da Catedral), e marca o nascimento de uma sonoridade genuinamente sul-baiana e protagonizada por mulheres musicistas desde o seu nascimento.
A apresentação é gratuita e aberta ao público. O repertório é formado por 15 composições de Eloah Monteiro arranjadas em parceria com a Banda Quente, sendo 4 dessas canções parcerias entre a cantora e outros compositores, e uma não autoral, uma versão de Dindi, canção de Tom Jobim. Além de Eloah Monteiro (voz e violão), fazem parte da Banda Quente, Izadora Guedes (pandeiro, flautas e efeitos) e Ticiana Belmonte (Octapad eletrônico, percussão e efeitos).
Outro ponto marcante desta produção, que segundo sua diretora artística, Izadora Guedes, é um presente para a cidade de Ilhéus. “É ter entre artistas convidados, parceiros e colaboradores, um coletivo massivamente feminino e em sua maioria, trabalhando sem apoio financeiro, justamente por acreditar na mensagem que “Eloah e A Banda Quente” carrega”.
Um dos principais objetivos da Banda Quente, além de fomentar e difundir a música que o mesmo compõe e desenvolve, é anunciar a consolidação da única banda autoral exclusivamente feminina da cidade. Segundo Ticiana Belmonte, diretora musical do trabalho e percussionista, “a sonoridade da Banda Quente se caracteriza pela diversidade de ritmos que utiliza para transitar entre temas emblemáticos do universo feminino contemporâneo, tudo isso acrescido da versatilidade estética da intérprete e compositora que Eloah Monteiro representa e da inventividade e swing múltiplos de Izadora Guedes”, conclui.
O concerto conta com Evani Tavares (atriz e professora de Artes da UFSB) na Direção Cênica e tem figurino assinado por Raquel Prudente, figurinista grapiúna com mais de 20 anos de experiência. Terá também o auxílio luxuoso de musicistas já consagradas em Ilhéus, como Gabriela Maja, Laís Marques, Thaynan Rodrigues, Josy Damasceno, Júlia Silva e Carol Silva. Além disso, a participação do Balé Afro Gongombira, que tem a direção de Neide Rodrigues, e dos descendentes de Eloah e Ticiana, as crianças Caetano Monteiro e Pedro Luca.
O show de lançamento de “Eloah e A Banda Quente” é indicado para todas as idades, apreciadores da música autoral, e costuma provocar maior identificação entre as mulheres. Uma produção independente realizada pelo Criadouro Soluções Culturais com o apoio da Secretaria de Cultura de Ilhéus, Papirus Livraria, Grupo Cultural Dilazenze, Organização Gongombira de Cultura e Cidadania, Agenda Grapiúna, Blog Agravo e C3 Comunicação Visual.

CARLOS BETÃO, O DELEGADO VIANA, MINISTRARÁ OFICINA DE TEATRO EM BUERAREMA

Tempo de leitura: 2 minutos

Betão, o delegado de “Segundo Sol” ministra oficina de teatro gratuita

O ator Carlos Betão, o delegado Viana de Segundo Sol (TV Globo), ministrará oficina de teatro para adulto em Buerarema, de sexta (28) a domingo (30), na Casa de Cultura Jonas e Pilar. A oficina faz parte do Projeto de Ações Continuadas da Casa, que teve início em fevereiro de 2017 e pretende beneficiar até 2020 cerca de 3 mil pessoas, de todas as faixas etárias, com oficinas de formação, criação e difusão de inúmeros espetáculos e manifestações artísticas.
Betão é bacharel em Artes Cênica pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), com quase 40 anos de carreira. Começou sua jornada nos palcos e praças de Itabuna e Ilhéus, já atuou em mais de 10 filmes e 40 peças. Vencedor do prêmio Braskem de melhor ator com o monólogo Sargento Getúlio (dirigido por Gil Vicente). Na TV foi Aracacu em Velho Chico e hoje atua na novela Segundo Sol.
“A oficina visa resgatar no indivíduo/ator o canal da ludicidade, buscando com isso o espontâneo jogo cênico com o outro”, afirma o ator.
A oficina com carga horária de 20h é gratuita, destinada a pessoas maiores de 18 anos e visa contribuir para a difusão da Arte Dramática entre os alunos por meio do desenvolvimento de diversos elementos técnicos e da mediação do conhecimento artístico, buscando aprimorar a presença cênica do aluno.
São 30 vagas e as inscrições podem ser feitas pelo e-mail oficinacasajonasepillar@gmail.com. Envie email com o Assunto Oficina Teatro Adulto, contendo seu Nome Completo, RG, CPF e telefone.

Back To Top