skip to Main Content
25 de setembro de 2020 | 09:54 pm

ILHÉUS: HOSPITAL SÃO JOSÉ ATRASA SALÁRIO DE FUNCIONÁRIOS E PROVEDORIA CULPA PREFEITURA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Santa Casa cobra de Marão repasse de recursos do SUS

Cerca de 400 funcionários do Hospital São José, de Ilhéus, ainda não receberam o salário de agosto, denuncia o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde de Itabuna e Região (Sintesi). A entidade diz que os trabalhadores estão mobilizados e cobram o pagamento de agosto, que deveria ser feito até o último dia 7. O Hospital São José é uma das unidades de referência no atendimento a casos graves de covid-19 no sul da Bahia.

Segundo Raimundo Santana, dirigente do Sintesi, a provedoria da Santa Casa de Misericórdia de Ilhéus alegou que ainda não recebeu o repasse do Fundo Municipal de Saúde (FMS), que deveria cair em conta nos primeiros dias de setembro, o que ocasionou o atraso de salário. “Situação é terrível para os funcionários, que têm suas contas para pagar”, diz Raimundo.

PREFEITURA ATRASOU REPASSE

Ainda de acordo com a provedoria em comunicação ao Sintesi, a gestão do prefeito Mário Alexandre justificou o atraso no repasse dos recursos à “necessidade de adequação”. O dirigente sindical lamenta a situação. “Não é correto o poder público municipal apropriar-se dos recursos dos prestadores de serviços de saúde do município”, observa.

Raimundo Santana, no entanto completa dizendo que, independente do atraso do município, a direção da Santa Casa de Ilhéus “tem a obrigação legal de prover o pagamento dos salários dos trabalhadores”.

O dirigente afirma que já há mobilização para, se o atraso continuar, haver paralisação dos funcionários do hospital em outubro. O site não conseguiu contato com o secretário de Saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, nem com o prefeito e médico Mário Alexandre, Marão (PSD).

BLITZ EDUCATIVA ABRE SEMANA DE SEGURANÇA DO PACIENTE DA SANTA CASA DE ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Com uma blitz educativa nos hospitais Calixto Midlej Filho e Manoel Novaes, a Santa de Casa de Misericórdia de Itabuna iniciou, nesta terça-feira (22), as atividades da Semana de Segurança do Paciente. As medidas para a identificação segura do paciente e a campanha Adorno Zero foram os destaques nesse primeiro dia de ações.

Coordenado pelo Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT), Comissões de Controle a Infecção Hospitalar (CCIH) dos dois hospitais e Escritório de Qualidade e Segurança do Paciente, o primeiro dia foi destinado a divulgação e sensibilização das equipes sobre a importância do Protocolo da Identificação Segura e uso obrigatório da pulseira/adesivo de identificação do paciente.

Hoje, o uso da pulseira, que já vinha sendo adotada nas unidades Covid, foi expandida para todos os setores de internamento do Calixto Midlej Filho. No Novais, o Protocolo de Identificação foi reforçado, pois é uma prática já estabelecida há tempos.

Nesta terça-feira também foi lançada a campanha “Adorno Zero”, que reitera a necessidade de os funcionários nas áreas assistenciais não usarem acessórios como brincos, relógios, pulseiras, anéis e broches, que são possíveis vetores para infecção hospitalar. Esses cuidados são para proteger não somente os pacientes, mas também próprios funcionários.

A programação da Semana de Segurança do Paciente prossegue nesta quarta-feira (23), nos auditórios dos hospitais Calixto Midlej Filho e Manoel Novaes, com treinamentos simultâneos para os funcionários dos setores administrativo e assistenciais das duas unidades. Serão abordadas as Metas de Segurança, Gestão de Ocorrência, Notificação de Incidentes e Eventos Adversos, Controle de Infecção e Biossegurança. A Semana de Segurança será encerrada na quinta-feira (24) com o Fórum Online de Segurança do Paciente.

HRCC FAZ AUDITORIA DIAGNÓSTICA EM BUSCA DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR

Auditoria diagnóstica é feita para obtenção da acreditação hospitalar
Tempo de leitura: 2 minutos

O Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, iniciou em agosto deste ano o processo para obtenção da Acreditação Hospitalar, método de avaliação e certificação que busca promover e garantir a qualidade e a segurança da assistência no setor de saúde, com a chancela da Organização Nacional de Acreditação (ONA). Já em setembro, o trabalho continua na unidade hospitalar da rede estadual instalada no sul da Bahia.

O trabalho segue com treinamentos de gestores para apresentação do manual da ONA, também com o mapeamento de processos, in loco, nos setores do hospital para auditoria diagnóstica dos procedimentos e das rotinas utilizadas. Essas atividades são fundamentais para a implantação de todos os requisitos preconizados pelas normas de certificação.

De acordo com a consultora Adriana de Carvalho Dias, da CGQ Consultoria e Gestão da Qualidade, a equipe do HRCC está bastante motivada para que esse processo de Acreditação aconteça. “Quando eu chego nas áreas para fazer essas auditorias diagnósticas, no primeiro momento de conversa, de conhecer as áreas, sou recebida assim com muito carinho. Os profissionais estão empenhados nesse objetivo e são colaborativos. A gente sabe que tem um trabalho muito grande pela frente e só estamos iniciando, mas percebo que as pessoas querem, de verdade, que esse hospital seja acreditado”, disse.

Adriana Dias destacou pontos positivos da unidade hospitalar. “O Hospital Costa do Cacau, tem uma infraestrutura adequada, atende a RDC 50 (Regulamento Técnico referente a projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde). Isso já é algo que nos tranquiliza bastante num processo. Observamos boas práticas, como as comissões, que são obrigatórias. Elas já iniciaram, já são formadas. Claro que a gente precisa trabalhar alguns requisitos. Também conseguimos perceber a questão da identificação paciente, a identificação a beira leito, que também é uma outra prática importante”, destacou.

A consultora sinalizou que os requisitos a serem implantados no hospital vão aprimorar as boas práticas existentes. “A gente já percebe, por exemplo, algumas áreas que já trabalham com alguns indicadores, isso também é um ponto positivo. As rotinas já estão descritas através de POP (Procedimento Operacional Padrão). Ao longo desse processo de implantação vamos aprimorar algumas práticas, mas percebemos também rotinas de escritas e alguns indicadores nas áreas”, enfatizou.

Leia Mais

V CONGRESSO ONCOLÓGICO PEDIÁTRICO COMEÇA NA TERÇA-FEIRA EM ITABUNA

A médica Teresa Fonseca e enfermeira Regiane Buralho abrem evento com live
Tempo de leitura: < 1 minuto

Neste ano o Congresso Mirim Oncológico Pediátrico terá um novo formato. Na próxima semana, durante dois dias, profissionais das áreas de saúde e da educação, estudantes, voluntários, pacientes e acompanhantes vão debater diversos temas relacionados ao tratamento oncológico nesse período de enfrentamento à Covid-19.

Em sua V edição, o congresso será marcado por oficinas online e lives pelo instagram do Grupo de Apoio à Criança com Câncer – Sul Bahia. As atividades começam na terça-feira (15), com uma live da médica Teresa Fonseca com a enfermeira Regiane Buralho, às 9h.

Na quarta-feira (16), a partir das 9h, serão realizadas oficinas “Uma Curtida na Saúde do Meu Filho (a)”, “O Voluntariado no Centro da Vida” e “Comunicação Virtual e Afeto, como é Isto?”. O tema central do congresso deste ano é: “A Saúde e o Sujeito- Diálogos Possíveis no Tempo/Espaço Virtual”.

A coordenadora do Serviço de Oncologia da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, Sayara Aragão, reforça a importância da participação de todos os pacientes e ex-pacientes do ambulatório da pediatria oncológica. “Será um momento marcado por troca de experiência, aprendizagem e muita diversão”, destaca Sayara. A live e as oficinas podem ser acompanhadas em @GACC_SUL_BAHIA.

HOSPITAL COSTA DO CACAU RETOMA INTERNATO E SINALIZA RESIDÊNCIA MÉDICA PARA 2021

Tempo de leitura: 2 minutos

O Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, integrante da rede da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e conveniado ao Sistema Único de Saúde (SUS), além de prestar assistência médica à população do sul do Estado, oportuniza a experiência profissional para estudantes de diversas áreas de saúde.

A unidade hospitalar começou 2020 recebendo, pela primeira vez, estudantes do sexto ano do curso de Medicina, da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), para acompanharem as atividades médicas no HRCC, por meio de um estágio supervisionado (internato hospitalar), com orientação de médicos graduados.

Devido à emergência sanitária global, imposta pela pandemia do novo coronavírus, agente causador da Covid-19, que no Estado da Bahia, se iniciou no primeiro trimestre 2020, foi determinado por questões relacionadas a biossegurança, a suspensão dos estágios dos estudantes da área de saúde das instituições de ensino superior. A medida foi aplicada em toda a rede da Sesab, incluindo o HRCC.

Nos últimos 30 dias, com a determinação do secretário de saúde da Bahia, Fábio Villas-Boas, de organização dos esforços para retorno mais breve possível das atividades, o HRCC e o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Administração Hospitalar (Ibdah) se articularam juntos, sob a coordenação da Escola Estadual de Saúde Pública, para garantir máxima segurança aos estudantes, no retorno às suas atividades, ainda este mês.

Esses alunos passarão por todas orientações e treinamentos necessários, que tem como objetivo prepará-los para prevenção do contágio da Covid-19, em ambiente hospitalar. Além disso, o HRCC adota medidas para desinfecção e descontaminação de ambientes, reforçando a segurança sanitária na unidade. Essas aplicações possibilitarão o retorno desses estágios, que são orientados por médicos do HRCC e professores da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

A médica Rosângela Melo, coordenadora da clínica médica do HRCC e vice-coordenadora do curso de Medicina da Uesc, sinaliza o retorno do internato hospitalar agora em setembro. “Os estudantes do curso de medicina da Uesc, da quinta e sexta série, devem retornar ao campo de prática no Costa do Cacau, ainda neste mês, com todas as adequações para garantir a segurança dos estudantes e da população atendida, como é a regra de cuidados e procedimentos criteriosos adotados pelo hospital”, afirmou.

RESIDÊNCIA MÉDICA EM 2021

Rosângela Melo ainda revelou que o hospital está engajado para iniciar, em 2021, os seus programas próprios de residência médica, em clínica médica e cirurgia geral. “Os programas já estão em credenciamento provisório pela Comissão Nacional de Residência Médica e há uma movimentação intensa por parte do Ibdah e das coordenações específicas para tanto, deste hospital, para realmente inaugurar esse novo serviço de especialização, sobre a forma de treinamento em serviço, que é a residência médica com alta qualidade técnico e ética realmente fazendo a diferença para especialização de novos médicos na Bahia”, destacou.

ITABUNA: CAMPANHAS DE VACINAÇÃO CONTRA GRIPE E O SARAMPO SÃO PRORROGADAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Foram prorrogadas as campanhas de vacinação contra o sarampo e a Influenza em Itabuna. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a vacinação contra o sarampo prossegue até o dia 31 de outubro. Já a vacinação contra a Influenza será realizada até o dia 30 de setembro. As doses estão disponíveis nos postos e unidades de saúde do município.

A coordenadora de Imunização da SMS, enfermeira Camila Brito, esclarece que a campanha contra o sarampo busca imunizar adultos de 20 a 49 anos, mesmo aqueles que tenham recebido a vacina anteriormente. Já a Influenza está aberta à população em geral que ainda não tomou a vacina.

Considerada uma doença grave e de alta transmissibilidade, o sarampo pode ser disseminado por via aérea ao tossir, espirrar, falar ou respirar, sem que ocorra, necessariamente, o contato direto, uma vez que o vírus pode se disseminar pelo ar a metros de distância da pessoa infectada. Já o vírus influenza (gripe) pode ocasionar complicações e sintomas, o que reforça a necessidade de vacinação, principalmente para idosos e pessoas que possuem doenças crônicas.

SETEMBRO VERDE: COSTA DO CACAU ABRE CAMPANHA DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS

Tempo de leitura: 2 minutos

Durante a abertura do Setembro Verde, mês de campanha nacional de doação de órgãos e tecidos, no ano passado, funcionários do Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, se reuniram na frente da unidade e fizeram uma bela homenagem à ação, soltando balões verdes. Também aconteceram diversas atividades para conscientização sobre o tema.

Agora em 2020, muitas mudanças na programação referente à campanha foram impostas pela pandemia do novo coronavírus. Porém, a sensibilização sobre a doação de órgãos deve ser intensificada, de maneira mais cautelosa, priorizando a segurança sanitária para evitar o contágio da Covid-19. Estão proibidos encontros que formem aglomerações e o trabalho será direcionado de forma mais individualizada para que a mensagem seja repassada.

De acordo com Ronaldo Pereira, coordenador da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) do HRCC, em setembro de todos os anos,  profissionais de saúde, também da área do transplante e da doação, desenvolvem ações educativas, de mobilização, entre outras, para debater a importância de ser um doador. “É muito importante propagar o amor ao próximo, através de um ato grandioso e generoso que é a doação. Isso pode mudar a vida de milhares de pessoas que aguardam na fila de espera”, comentou.

REFLEXOS DA PANDEMIA

O enfermeiro indicou que este ano estão suspensas as distribuições de panfletos e outros materiais para evitar o contágio da Covid-19. “Ficamos impossibilitados de fazer algumas coisas, estamos estudando alternativas seguras junto com a Organização de Procura de Órgãos (OPO). O mais importante, não deixaremos de transmitir essa mensagem, seja com bandeiras, faixas e atividades sem riscos para as pessoas”, disse.

O coordenador ainda citou que a pandemia do novo coronavírus causou impactos na doação de órgãos. “Desde março, a Sesab implantou ajustes necessários nas rotinas e condutas para garantir a segurança dos profissionais e dos pacientes envolvidos. Parte do serviço da doação teve uma redução na disponibilidade, por exemplo, de tecidos oculares para fins terapêuticos. Os protocolos adotados, com testes eficazes para detecção da Covid-19, indicam o restabelecimento gradual do serviço, no caso das situações emergenciais, estas sempre foram atendidas, não tiveram suspensão”, concluiu.

TUTORES DE ANIMAIS DEVEM FICAR ATENTOS AO USO DE PRODUTOS DE LIMPEZA NO LAR

Tutores devem ter cuidados no uso de produtos de limpeza e higiene || Foto Fabio Rodrigues Pozzebom/AB
Tempo de leitura: 3 minutos

Neste momento em que o mundo enfrenta a pandemia da covid-19, a preocupação com a limpeza da residência para evitar a proliferação do vírus se intensificou. Os produtos utilizados são diversos, mas é preciso estar atento quando se tem um animal de estimação em casa.

No país, há pelo menos 141,6 milhões de animais de estimação nos lares. Desses, segundo o Instituto Pet Brasil, 55,1 milhões são cachorros e 24,7 milhões, gatos.

Há ainda as aves (40 milhões), peixes (19,4 milhões) e os répteis e pequenos mamíferos (2,4 milhões). Por isso, é necessário tomar cuidado, já que produtos tóxicos aos animais podem até causar a morte.

Segundo o médico veterinário e presidente da Comissão de Clínicos de Pequenos Animais do Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo (CRMV-SP), Márcio Mota, os produtos mais indicados para a limpeza geral da casa e a desinfecção são o hipoclorito de sódio diluído (na medida de uma parte para dez), detergente neutro ou uma solução de amônia quaternária, que pode ser encontrada em pet shops.

A terceira opção já é testada, sendo muito usada em clínicas, hospitais e consultórios veterinários, justamente por promover a limpeza sem oferecer riscos aos bichos.

“Todos esses produtos são efetivos contra o novo coronavírus. Com eles não se agride as patinhas, nem a pele. Temos que lembrar que os bichinhos deitam no chão e às vezes têm alguns problemas de pele por conta de produtos de limpeza. É preciso evitar os desinfetantes de modo geral e produtos muito fortes. E sempre lembrar de armazenar em um local onde o animal não alcance, porque o cheiro pode atrair os animais que podem até ingerir o líquido, resultando em intoxicação, gastrite ou uma lesão gastrointestinal severa, até com queimaduras”, explicou.

O tutor deve ainda ficar atento aos sinais de uma possível ingestão de algum produto. Segundo o médico veterinário, quando ocorre a ingestão, normalmente o pet começa a salivar bastante, alguns vomitam ou tem diarreia (ambos com sangue), o que sinaliza intoxicação.

Na pele podem ocorrer alergias, com uma coceira muito forte e áreas avermelhadas, além do incômodo, que o animalzinho demonstra lambendo ou ficando muito inquieto.

As manchas podem ser observadas principalmente na região da barriga, do ânus e patinhas, que incham. “Aí é sinal de que tem alguma coisa errada e precisa procurar um médico veterinário para examinar e medicar”, ensina.

PASSEIO NA RUA

Uma das preocupações dos tutores é com os passeios na rua, já que, apesar de não pegarem nem transmitirem o novo coronavírus para o ser humano, os animais podem carregar o vírus nas patas e nos pelos e levá-lo para dentro de casa. Por isso, Mota ressaltou que é preciso fazer a higiene do cachorro todas as vezes em que ele for levado à rua.

Nesse caso é importante nunca usar o álcool gel, nem o álcool 70º no animal, porque ambos podem causar queimadura nos coxins, parte inferior da pata, e que ficam em contato com o chão (conhecidos popularmente como almofadinhas).

“O que temos recomendado é a solução de hipoclorito de sódio a 0,1%, que pode ser manipulada em um spray para borrifar e limpar depois com um lencinho. Pode-se ainda pedir para manipular a solução de hipoclorito em um lencinho umedecido e aí passa no pelo, pata e na parte traseira onde ele senta. Pode-se ainda usar a clorexedina ou o detergente neutro. Se for lavado, sempre enxaguar e secar muito bem para não deixar resíduo do produto”, afirmou.

Para os banhos, Mota indicou que os tutores procurem fazer em casa, mas, se não for possível, sempre levar em locais de confiança, que estão seguindo à risca todas as regras de biossegurança preconizadas pelo CRMV, Ministério da Saúde e órgãos responsáveis.

“Atentar para que o profissional que está dando o banho esteja de luva e máscara. Para quem vai usar o táxi dog, verificar a higienização das gaiolinhas. Mesmo assim, vale a pena limpar as patinhas na volta do banho e tosa”, disse o médico veterinário.

GATOS

Mota lembrou ainda que os gatos que saem para a rua também precisam ser higienizados quando voltam para casa.

Segundo ele, o ideal seria não deixar os felinos saírem sozinhos para passear, mas se não houver alternativa, é preciso higienizá-los da mesma maneira que é feita com os cães.

“É um pouco mais difícil porque às vezes o gato é mais arredio. O melhor é mesmo não deixar sair nesse e em nenhum período, porque, a partir do momento em que domesticamos o animal e ele é da nossa casa, ele não deve ficar perambulando por aí para não pegar nenhuma doença de gato ou não trazer o coronavírus”.

PACIENTE VENCE A COVID-19 E FALA DE EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO DO HRCC

Tempo de leitura: 2 minutos

João de Barros Conceição travou 30 dias de batalha contra o novo coronavírus. Era 25 de julho quando o paciente chegou à unidade Covid do Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, com a oxigenação baixa, seguindo direto para Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A família de João de Barros relata que foram momentos de ansiedade, angustiantes, mas principalmente, de muita fé e orações. No dia 8 de agosto, para felicidade e alívio de todos, o paciente saiu da UTI e foi para a enfermaria, onde recebeu a assistência completar para sua recuperação. Finalmente, no dia 24 chegou o momento tão esperado: o paciente teve alta hospitalar e agora está em casa, no convívio familiar.

Feliz por estar em companhia da família, João de Barros Conceição fez um agradecimento especial para a equipe do HRCC. “Oi pessoal do Costa Cacau, onde fiquei internado por trinta dias, o atendimento foi excelente. Só tenho a agradecer médicos, enfermeiros e a todos daí que me atenderam. Estou em casa, bem, graças a Deus e obrigado por tudo”, disse.

A enfermeira Débora Santana, coordenadora da Enfermaria da Unidade Covid do HRCC, ressalta o trabalho em equipe do HRCC. “Nossa equipe está preparada para dar esse suporte, acolhimento ao paciente, que vem tão carente e inseguro com esse desconhecido vírus. A ciência vem estudando a Covid-19 e ainda não tem um tratamento fixo, padrão. Cada paciente evolui de um jeito. Dessa forma, nós intensificamos o acolhimento individualizado de forma técnica, precisa, também carinhosa e humanizada”, informou.

A coordenadora também ressaltou a importância do trabalho da equipe multifuncional, com mesmo objetivo e sintonia, em busca da alta hospitalar do paciente por cura, alta melhorada. “Temos treinamentos diários, interagimos o tempo inteiro, coordenação com a equipe multidisciplinar, fazendo esse link de diálogo para que todos tenham o mesmo objetivo e missão para o paciente, que é alcançar alta por cura. Outra ferramenta importante que temos é a chamada de vídeo de paciente com familiares, isso é muito importante para o psicológico da pessoa, porque trabalhando o psicológico desse paciente, o sistema imunológico dele também melhora consideravelmente”, relatou.

Leia Mais

SANCIONADA LEI DE CRIAÇÃO DE COMPANHIA BAIANA QUE FABRICARÁ INSULINA

Rui Costa sancionou lei de criação da Bahiainsulina
Tempo de leitura: < 1 minuto

Após aprovação pelos deputados estaduais na última quinta (27), a lei de criação da Companhia Baiana de Insulina (Bahiainsulina) foi sancionada pelo governador Rui Costa e publicada na edição deste sábado (29) do Diário Oficial do Estado.

Com a publicação da lei, Governo do Estado fica autorizado a instituir a sociedade de economia mista, com personalidade jurídica de direito privado, patrimônio e receitas próprios e autonomias administrativa, orçamentária e financeira.

“Este projeto belíssimo é uma parceria internacional, com implantação da fábrica e cooperação para transferir em 10 anos a tecnologia para produção de insulina, algo tão necessário para o povo brasileiro e a Bahia. Isso é bom para a ciência, a saúde e também para a economia da Bahia, porque vai gerar emprego”, afirma o governador.

A Bahiainsulina será o braço fabril da Bahiafarma para a produção de insulina para o SUS. A Bahiafarma é detentora da Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) de insulina humana, que garante que o Ministério da Saúde adquira da Bahiafarma 50% da demanda nacional do SUS.

Com um investimento estimado em R$ 200 milhões, a fábrica prevê a geração de até 300 empregos diretos e mil indiretos. O laboratório ucraniano Indar é responsável pela transferência de tecnologia. A Bahiainsulina funcionará no Centro Industrial de Aratu.

Back To Top