skip to Main Content
28 de março de 2020 | 05:10 pm

AÉCIO RECEBEU PROPINA DE FURNAS, REAFIRMA DOLEIRO

Tempo de leitura: 2 minutos
Senador e presidente do PSDB é acusado de receber propina de Furnas (Foto Orlando Brito).

Senador e presidente do PSDB é acusado de receber propina de Furnas (Foto Orlando Brito).

Da Tribuna da Bahia

O presidente dos PSDB, o senador Aécio Neves (MG), teria recebido dinheiro de propina de contratos de Furnas, afirmou Alberto Youssef, nesta terça-feira (25), em depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. O doleiro falou a parlamentares durante a acareação com Paulo Roberto Costa, ex-diretor de abastecimento da estatal, que também citou irregularidades entre os tucanos, mais especificamente em relação a uma de suas ex-lideranças.

“Fui procurado pelo na época senador Sérgio Guerra e pelo deputado Eduardo da Fonte”, disse Costa, citando o ex-presidente tucano, morto em 2014, que teria recebido dinheiro para abafar investigação da estatal em 2009. “Tiveram, se não me engano, três reuniões, e depois foi pago pela Queiroz Galvão esses R$ 10 milhões para que a CPI naquela época não prosseguisse.”

Youssef, por sua vez, reafirmou o que já dissera antes sobre a suposta propina paga a Aécio. “A questão de Furnas, eu fiz anexo e está lá”, acusou ele. O deputado Jorge Solla insistiu. “Confirmo por conta do que escutava do deputado José Janene, que era meu compadre e eu era operador dele”, enfatizou o doleiro.

Em nota, o PSDB disse que “as referências feitas ao senador Aécio Neves são improcedentes e carecem de quaisquer elementos que possam minimamente confirmá-las”.

Em nota, o PSDB disse que “as referências feitas ao senador Aécio Neves são improcedentes e carecem de quaisquer elementos que possam minimamente confirmá-las”.

LAVA JATO: STF JULGARÁ VALIDADE DAS DELAÇÕES DE ALBERTO YOUSSEF

Tempo de leitura: 2 minutos

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidirá sobre a anulação do acordo de delação premiada do doleiro Alberto Youssef, principal delator do esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato. A Corte deverá julgar um recurso no qual a defesa de um dos executivos de empreiteira presos na operação pede a anulação dos depoimentos. A data do julgamento ainda não foi marcada.

A decisão de remeter o julgamento ao plenário foi anunciada hoje (17) pelo ministro Dias Toffoli, relator do pedido. O habeas corpus foi impetrado pela defesa de Erton Medeiros, executivo da Galvão Engenharia, que cumpre prisão domiciliar. Em abril, Toffoli negou seguimento ao recurso, mas reconsiderou a decisão nesta segunda-feira e encaminhou o pedido ao plenário.

A defesa de Medeiros alega que o acordo de delação premiada deve ser anulado, porque Youssef quebrou um termo de colaboração na investigação do Caso Banestado. “Não era lícito o Estado celebrar, pela segunda vez, um acordo de colaboração com Alberto Youssef, assim igualmente não poderia liberar, em seu benefício, bens adquiridos com os proveitos da infração. Evidentemente, a homologação do acordo ofendeu o princípio constitucional do devido processo legal e produziu ilícita.”, alega a defesa.

Em setembro do ano passado, a Justiça Federal no Paraná condenou Youssef a quatro anos e quatro meses de prisão por corrupção ativa. De acordo com a sentença, ficou provado que Youssef fez um empréstimo fraudulento de U$S 1,5 milhão no Banco do Estado do Paraná por meio do pagamento de propina ao então diretor Institucional da instituição em 1998.

A denúncia foi proposta pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2003, mas foi suspensa em função de um acordo de delação premiada. Como Youssef voltou a cometer os crimes investigados na Operação Lava Jato, o acordo foi quebrado, e a ação voltou a tramitar em 2014.

Em 2003, Youssef foi preso pela Polícia Federal em consequência das investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Banestado. O doleiro foi acusado de ser responsável por dezenas de contas fantasma para enviar dinheiro de origem ilícita para fora do país. A investigação foi conduzida pelo juiz Sergio Moro, que também é responsável pelos processos da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

DILMA, PT E A OPOSIÇÃO

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

Os principais defensores do impeachment podem ser réus a qualquer momento.

Se existisse outra oposição, diferente dessa protagonizada por tucanos (PSDB) e democratas (DEM), o governo da presidente Dilma Rousseff estaria mais fragilizado, sem força para reagir.

Quando o assunto é a desenfreada cobiça do poder, o PT e o PSDB são a mesma coisa, comportam-se do mesmo jeito. Rezam na cartilha de que o fim justifica os meios. O petismo com o mensalão e o petrolão. O tucanato com os escândalos da reeleição e das privatizações.

Ora, não é a vontade de partidos e de lideranças pregadoras do golpismo, ainda inconformadas com o fracasso nas urnas, que vão respaldar um pedido de impeachment, e sim provas sólidas obtidas pelas instituições.

Os principais defensores do afastamento da presidente Dilma podem ser réus a qualquer momento. O presidente da Câmara dos Deputados, o incendiário Eduardo Cunha, é alvo da Operação Lava Jato.

O presidente do Senado, Renan Calheiros, já é réu em processo na Justiça Federal de Brasília. O senador é acusado de ter recebido propina da construtora Mendes Junior para apresentar emendas parlamentares que beneficiavam a empreiteira.

Agripino Maia, dirigente-mor do diretório nacional do DEM, coordenador da campanha do candidato Aécio, é acusado de receber propina de R$ 1 milhão para aprovar uma lei que torna obrigatório a inspeção veicular no seu estado, o Rio Grande do Norte.

Como não bastasse, tem o depoimento do doleiro Alberto Youssef dizendo que Aécio Neves pegava mesada de US$ 120 mil. O ex-presidenciável comandava uma das diretorias de Furnas no então governo FHC.

Ainda vem o José Serra defendendo a implantação do parlamentarismo, querendo ser primeiro-ministro, como se o parlamento brasileiro, adepto do toma-lá-dá-cá, estivesse preparado para tal missão.

E, para finalizar, o sincero e corajoso depoimento de Alberto Goldman, vice-presidente do PSDB: “Os tucanos não são capazes de dizer o que fariam se tivessem vencido as eleições presidenciais. Nós não temos um projeto de país”.

Portanto, uma óbvia e inquestionável conclusão: a oposição, desprovida de credibilidade e coerência, não tem moral para acusar ninguém. É o sujo falando do mal lavado, como diria a ex-presidenciável Luciana Genro.

PS – Se a presidente Dilma Rousseff, na condição de ex-presidente da República do Brasil, resolvesse escrever um livro sobre a banda podre do PT, o título seria “Nunca vi nada igual”.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

PF SUSPEITA DE ARMAÇÃO EM EPISÓDIO QUE ENVOLVE DOLEIRO, ADVOGADO E "VEJA"

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Globo
A Polícia Federal abriu inquérito para investigar as circunstâncias do vazamento de trechos de um depoimento em que o doleiro Alberto Youssef cita a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula. Investigadores da Operação Lava-Jato suspeitam que Youssef foi estimulado a fazer declarações sobre Dilma e Lula, numa manobra que teria, como objetivo, influenciar o resultado das eleições presidenciais.
Trechos do depoimento foram divulgados pela revista “Veja”, quinta-feira passada. Dois dia antes, Youssef prestara um depoimento, como vinha fazendo desde o início da delação premiada. No dia seguinte, um de seus advogados pediu para fazer uma retificação no depoimento anterior. No interrogatório, perguntou quem mais, além das pessoas já citadas pelo doleiro, sabia das fraude na Petrobras.
Youssef disse, então, acreditar que, pela dimensão do caso, não teria como Lula e Dilma não saberem. A partir daí, concluiu-se a “retificação” do depoimento. No dia seguinte, trechos do depoimento foram publicados pela revista, com a informação de que o doleiro teria dito que Dilma e Lula sabiam das fraudes na Petrobras.
Youssef segue internado no hospital Santa Cruz, em Curitiba, onde está desde sábado. Segundo boletim médico divulgado ontem, Youssef iniciou tratamento de fisioterapia e reposição de nutrientes, por estar debilitado; seu quadro é estável, mas sem previsão de alta.
Confira mais

DOLEIRO YOUSSEF TEM ALTA E RETORNA PARA CARCERAGEM DA PF

Tempo de leitura: < 1 minuto
Doleiro retornou hoje para carceragem.

Doleiro retornou hoje para carceragem.

Internado em um hospital de Curitiba desde a tarde de sábado (25), após um episódio de síncope (perda rápida da consciência), o doleiro Alberto Youssef recebeu alta hoje (29) pela manhã e foi levado para a carceragem da Polícia Federal (PF), também na capital paranaense.
De acordo com boletim médico do Hospital Santa Cruz, Youssef deixou o local por volta das 8h30min. Foi a terceira vez que ele precisou de atendimento médico desde que foi preso pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), em março. Ainda no sábado, a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba negou boatos de que ele tivesse sido envenenado.
O doleiro é acusado de participar de um esquema de desvio de recursos públicos da Petrobras, pagamento de propina a agentes políticos e lavagem de dinheiro. Segundo a PF, o esquema movimentou mais de R$ 10 bilhões. Da Agência Brasil.

DOLEIRO PASSA BEM, APÓS FORTE QUEDA DE PRESSÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Doleiro almoçando em hospital de Curitiba, onde está internado, há pouco (Época).

Doleiro almoçando em hospital de Curitiba, onde está internado, há pouco (Época).

O doleiro Alberto Youssef foi internado no Hospital Santa Cruz, em Curitiba, ontem à noite (25), após sofrer uma queda de pressão pela terceira vez desde que foi preso na Operação Lava a Jato, em março. Uma nota da Polícia Federal informa que o investigado passa bem. Ele deve voltar para a prisão ainda hoje.
De acordo com laudo médico, Youssef relata ter sofrido mal-estar ao descer do beliche na prisão. O laudo médico aponta queda de pressão. O doleiro tem histórico cardíaco. Na quinta à noite, a Veja publicou material em que afirma que Dilma Rousseff e Lula sabiam dos negócios de Youssef e desvios na Petrobras, porém nenhuma prova foi apresentada.
A transferência do detento para um hospital atiçou uma teoria conspiratória nas redes sociais, principalmente no WhatsApp.
Mensagem de que o doleiro foi morto é compartilhada como se fosse verdade, informando, também, que ele teria sido envenenado. A finalidade é provocar prejuízo eleitoral à candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT).
A Polícia Federal emitiu nota negando que tenha havido envenenamento de Youssef. Há pouco, a Revista Época, da Rede Globo, divulgou uma foto que mostra o doleiro bem e almoçando sem qualquer ajuda de terceiro.
Kemelly Caroline Fujiwara Youssef, filha do doleiro, rebateu informações da morte do pai dela: “é mentira”.

VEJA, DOLEIRO E A RESPOSTA DA PRESIDENTE

Tempo de leitura: 2 minutos

A Veja seguiu o script e trouxe uma reportagem de capa em que diz que o doleiro Alberto Youssef que tanto a presidente Dilma Rousseff quanto o ex-presidente Lula sabiam dos esquemas de desvios de dinheiro na Petrobras.
Youssef prestou depoimento na última terça (21) em processo de delação premiada. O advogado dele não confirma que o doleiro tenha feito menção a Dilma e a Lula.
– Eu nunca ouvi nada que confirmasse isso. Não conheço esse depoimento, não conheço o teor dele. Estou surpreso – disse ele ao jornal O Globo.
A Veja, desde 2002, sempre apresenta reportagens, às vésperas da eleição, com a finalidade de tentar alterar o resultado das urnas. A de hoje é definida pela alta cúpula petista como mais um serviço ao tucanato. Não traz provas.
O advogado do doleiro diz que, por se tratar de uma delação, ele não pode detalhar o depoimento dado por Youssef à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal. Desde a semana passada, nomes como Sérgio Guerra e Álvaro Dias, ambos do PSDB, são relacionados ao esquema de desvios da Petrobras.
Hoje, no programa eleitoral que foi ao ar nesta tarde, a presidente Dilma Rousseff foi contundente na resposta à publicação da Editora Abril.
“Os brasileiros darão sua resposta à Veja e seus cúmplices nas urnas. E eu darei a minha resposta a eles na Justiça”.
Dilma ainda acusa a revista de provocar “terrorismo eleitoral”. Confira o vídeo.

A capa de Veja mirando o PT era tão previsível que, ontem à noite, defensores da reeleição da presidente Dilma “trollavam” a publicação.

Em resposta à publicação, internautas sugeriram capas alternativas (Reprodução).

Em resposta à publicação, internautas sugeriram capas alternativas (Reprodução).

LUIZ ARGÔLO ALEGA PROBLEMAS CARDÍACOS E PEDE LICENÇA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Argôlo é investigado por sua relação com doleiro.

Argôlo está sendo investigado.

Da Agência Câmara
O deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) entrou, na sexta-feira (30 de maio), com um pedido de licença médica de 15 dias, alegando problemas cardíacos. A requisição foi feita à 3ª Secretaria da Câmara dos Deputados, que analisa os requerimentos de licença e justificativa de faltas dos parlamentares.
O 3º secretário, deputado Maurício Quintella Lessa (PR-AL), encaminhou a requisição de Argôlo ao departamento médico da Casa, que vai fazer a perícia do deputado baiano.
REUNIÃO
Nesta terça, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar vai se reunir para votar o parecer preliminar do deputado Marcos Rogério (PDT-RO) sobre as denúncias de quebra de decoro pelo deputado Luiz Argôlo.
O parecer, que pede a abertura de investigação das denúncias de envolvimento de Argôlo com o doleiro Alberto Youssef – investigado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal – foi apresentado na quarta-feira (28), mas teve pedido de vista.

CONSELHO DE ÉTICA ABRE INVESTIGAÇÃO CONTRA LUIZ ARGÔLO

Tempo de leitura: 2 minutos
Argôlo é investigado por sua relação com doleiro.

Argôlo é investigado por sua relação com doleiro.

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados abriu nesta manhã processo por quebra de decoro contra o deputado Luiz Argôlo (SD-BA) por seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso na operação Lava Jato, da Polícia Federal.
O Conselho sorteou três deputados que poderão ser convidados para relatar o processo: Cesar Colnago (PSDB-ES), Izalci (PSDB-DF) e Marcos Rogério (PDT-RO). Os parlamentares ainda serão consultados e a decisão deve ser tomada até amanhã.
Não participaram do sorteio para a relatoria os deputados do Solidariedade e da Bahia – partido e estado de Argôlo. Os deputados do PP se abstiveram do sorteio porque Argôlo, hoje do Solidariedade, era do PP quando foi eleito.
O pedido de investigação contra Argôlo foi apresentado pelo Psol e pela Mesa Diretora com base em reportagens da revista Veja e do jornal Folha de S.Paulo que citam mensagens trocadas entre o doleiro e deputado sobre a transferência de R$ 120 mil para a conta do chefe de gabinete do parlamentar, Vanilton Bezerra. De acordo com a Folha, Argôlo também teria recebido do doleiro dois caminhões de gado.
O pedido da Mesa Diretora foi aprovado pela Corregedoria Parlamentar e recomenda a perda de mandato de Argôlo.
A representação analisada pela Corregedoria foi proposta pelo líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), em razão de fatos relatados em reportagem da revista Veja (edição de 23 de abril de 2014) sobre a possível entrega de dinheiro intermediada pelo doleiro no apartamento funcional ocupado pelo deputado. Os dois processos devem ser apensados. Informações da Agência Câmara.

Back To Top