skip to Main Content
15 de julho de 2020 | 12:03 am

TEMPO DE ESPERANÇA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Rosivaldo Pinheiro | rpmvida@yahoo.com.br

 

Precisamos entender que não existirá ano novo se continuarmos a repetir os erros que cometemos no ano velho.

 

Estamos chegando ao final de 2017. Um ciclo importante aconteceu durante o trajeto percorrido nesses 365 dias. Caminhamos em estradas certas e incertas e vivenciamos a saga natural da vida: nascimento e morte.

Dia primeiro um novo itinerário nos será dado. Será um novo ciclo, a partida para uma nova missão, perspectivas e esperanças estarão no imaginário de todos nós. Teremos uma nova oportunidade para fazer uma autoavaliação e, se necessário, praticarmos mudanças. Precisamos identificar se nossa necessidade é usar mais o coração ou a razão.

Não podemos nos prender à ansiedade do futuro ao ponto de esquecermos o presente, deixando de viver os dois e acabando nos comportando como zumbis da nossa própria existência. Precisamos entender que não existirá ano novo se continuarmos a repetir os erros que cometemos no ano velho.

Rosivaldo Pinheiro é economista e especialista em Planejamento de Cidades pela Uesc.

PARE DE RECLAMAR!

Tempo de leitura: 2 minutos

Jaciara Santos | contato@jaciarasantos.com.br

 

O sucesso não se resume apenas ao seu valor salarial. Sucesso é um conjunto de momentos e sentimentos. Sucesso é fazer o que você ama. Ou amar o que você faz, mas com o objetivo de alguma forma sensibilizar a vida dos que estão à nossa volta.

 

Assustei-me quando percebi que já estamos no último mês do ano e comecei a fazer uma breve reflexão de como está se desenrolando o meu 2017.

Quantas pessoas eu impactei com o meu exemplo ? Quantas pessoas eu ajudei sem esperar nada em troca? Quão profunda foi a minha entrega em tudo que eu fiz ou realizei?

Precisamos entender que a vida é um ciclo, que precisa ser vivida com muita intensidade e com muita dedicação, e aprender a evoluir com tudo que acontece conosco. Foi quando me dei conta que este ano sucederam-se muitos fatos. Conheci pessoas maravilhosas, me conectei com o melhor de mim todos os dias, quebrei a “cara”, caí , me machuquei, mas o mais profundo de cada acontecimento foi quão mais forte eu saí de cada momento deste.

E mais uma vez chego à conclusão que devemos agradecer mais, e reclamar menos.

Esse ano fui surpreendida com a morte de Dona Maria, uma senhora simples , mas que tocou muito a minha vida, pela sua alegria e vontade de viver. Dona Maria há muitos anos não levantava da cama e sua vida se resumia a abrir os olhos, ter todos os cuidados em sua própria cama e fechar os olhos para dormir. Mas me emocionava seu exemplo, a alegria que ela tinha de viver, sempre cantando, sorrindo e dizendo quão grata era pela vida.

Quero deixar uma reflexão para os últimos dias do ano de 2017. Agradeça mais, sorria mais, perdoe mais, ame mais, se importe mais com o outro. O sucesso não se resume apenas ao seu valor salarial. Sucesso é um conjunto de momentos e sentimentos. Sucesso é fazer o que você ama. Ou amar o que você faz, mas com o objetivo de alguma forma sensibilizar a vida dos que estão à nossa volta.

Como relata de forma tão simples, mas tão profunda a letra da música: Viver, e não ter a vergonha de ser feliz…

Lembre-se 2017 ainda não se findou. Você pode fazer a diferença hoje, agora, já! Acordemos para a vida, acordemos para os nossos sonhos, acordemos para fazer a diferença todos os dias, pois sempre é tempo de recomeçar.

Feliz dia novo!

Jaciara Santos é master coach.

FELIZ ATITUDE NOVA!

Tempo de leitura: 2 minutos

Jaciara Santos PrimoreJaciara Santos | contato@jaciarasantos.com.br

 

O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali?

 

Estamos no período de felicitar a todos pelo ano que chega, mas precisamos entender que, muito além de desejar um feliz ano novo, devemos desejar ter atitudes novas para que o ano que se inicia seja realmente cheio de realizações.

Ficar reclamando que nada acontece na vida, não irá levar ninguém rumo as metas e objetivos. Precisa-se ter uma mudança de comportamento e de postura, mediante as situações corriqueiras da vida.

Então, para te ajudar a ter um ano extraordinário, segue algumas dicas:

1ª dica: Identifique seu estado atual – Onde você está neste momento, mapear a situação atual é o primeiro passo rumo alcance dos objetivos;

2ª dica: Relate seu estado desejado. Aonde deseja chegar? Quais suas metas para 2017? Ouse sonhar!

3ª dica: Trace um plano de ação. Esse plano irá te ajudar a criar estratégias para o alcance dos objetivos. E consolido essa dica com a frase de Flávio Augusto: “Todas as diretrizes são resultado de um planejamento e todo planejamento é resultado de sonhos.”

4ª dica: Aja, lute, busque e mude de atitude. Acredite em você e em seus sonhos. Mude de posicionamento e busque seus ideais. Tenha postura positiva frente aos acontecimentos.

Findo com uma citação inspiradora de Fernando Pessoa: “Agir, eis a inteligência verdadeira. Serei o que quiser. Mas tenho que querer o que for. O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali?”.

Assim sendo, desejo um ano novo cheio de atitudes novas, cheio de realizações e que todos os seus sonhos tornem-se realidade.

Jaciara Santos é coach.

PLANEJAR PARA ALCANÇAR!

Tempo de leitura: 2 minutos

Jaciara Santos PrimoreJaciara Santos | jaciarasantos@primoreconsultoria.com.br

 

Acreditemos num ano melhor. Desejo um 2016 de quebra de paradigmas, de quebra de barreiras que nos afastam da realização pessoal e profissional.

 

O ano está findando. Com ele, muitas promessas não cumpridas, muitos planejamentos frustrados.

Mas a alegria que nos move é saber que as oportunidades se renovam e que podemos traçar novas metas e novos desafios. Como é bom saber que podemos reiniciar!

Para um recomeço faz-se necessário planejar, colocar no papel, visualizar o estado desejado.

É preciso se perguntar aonde “queremos chegar”. E acreditar que é possível chegar tão longe quanto se imagina.

Uma maneira interessante para visualizar tudo isso é fazer um cartaz de metas. Nesse cartaz, desenhar ou escrever os objetivos para o ano que se inicia. E isso tudo, detalhadamente.

Escrever, por exemplo, sobre aquela viagem sonhada ou a compra daquela bolsa tão desejada… Vale também o curso de inglês que deseja começar…

Quando visualizamos com frequência os nossos projetos, os nossos sonhos e temos a convicção de que podem ser efetivados, galga-se um grande passo, pois a melhor maneira de conseguir ter foco no estado desejado é enxergar-se no objetivo conquistado.

Aqui vão algumas dicas para esse planejamento:

– Visualize suas aspirações;
– Escreva-as e exponha num local de fácil visão;
– Pense nas estratégias de como alcançá-las;
– Aviste você usufruindo ao final de 2016 os tópicos planejados.

Nada é impossível, quando “destravamos” as crenças limitantes de nossa mente.

Quando me refiro a crenças limitantes, quero me referir a imagens mentais negativas de nós mesmos ou das situações que estamos inseridos, por isso que no processo de coaching trabalhamos com a ressignificação de crenças limitantes.

Comecemos a olhar a vida de maneira mais positiva. Problemas existem, situações ruins existem, mas paremos de focar no problema. Acreditemos num ano melhor. Desejo um 2016 de quebra de paradigmas, de quebra de barreiras que nos afastam da realização pessoal e profissional.

Feliz ano feliz!

Jaciara Santos é master coach.

JÁ É 2015…NA ÁSIA E NA OCEANIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Chegada de 2015 na Austrália foto agência lusaVários países, localizados mais ao Oriente do planeta, já celebraram a virada de ano e vivem as primeiras horas de 2015. Na Oceania, os neozelandeses foram dos primeiros a festejar, com muita queima de fogos. Depois, na Austrália, mais de 1 milhão de pessoas passaram a virada no Porto de Sidney.
Grandes países da Ásia, como a China, a Índia e a Rússia, também já deixaram 2014 para trás. Na indonésia, a passagem de ano foi marcada pelo sentimento de tristeza de muitas famílias, que ainda não têm notícias definitivas sobre 149 indonésios que estavam no voo QZ8501, da AirAsia, que caiu no último fim de semana.
Os países da África também começaram a passagem para 2015. O continente, com 54 países, tem quatro fusos diferentes. Em menos de duas horas, toda a Europa já estará em 2015 e, duas horas depois, a Argentina, o Uruguai e parte do Brasil, vindo em seguida o restante dos países do Continente Americano.
No Brasil, festas com shows de grandes artistas estão programadas para a maioria das capitais. A população das outras cidades também já está em contagem regressiva para a festa, com as tradicionais queimas de fotos e os brindes com espumantes.

REFLEXÃO SOBRE O ANO NOVO

Tempo de leitura: 2 minutos

aldineto mirandaAldineto Miranda | erosaldi@hotmail.com

Somos os cozinheiros da nossa própria existência. Para ela ficar mais saborosa, é necessário um bom tempero.

O ano novo é uma noção mítica maravilhosa. O conceituado estudioso dos mitos, Mircea Eliade, explica que vários povos, em diversas culturas, acreditavam que em determinado período do ano o cosmos era destruído e recriado  mais uma vez. Esses ciclos cósmicos acontecem, nessa visão mítica,  possibilitando uma nova criação.

Essa compreensão do mundo e do tempo enquanto algo cíclico é interessante, pois, desse modo, tudo que te aconteceu pode até voltar a ocorrer, mas não da mesma forma, o ano novo é o período que possibilita a mudança.

Não se trata, como vi um apresentador num programa de televisão afirmar, que devemos descartar coisas, pessoas. Não é isso, mas ressiginificar o que temos e o que somos.

Não se pode modificar o exterior se o interior continua da mesma forma, como afirmou o grande mestre: “do que adianta ganhar o mundo e perder a sua alma”.  Ano novo é renovação, antes de tudo, da alma!

Nesse período fazemos muitos rituais: vestimo-nos de branco, pulamos sete ondas, alguns vestem uma roupa íntima vermelha para atrair o amor e coisas do tipo… Mas não adiantam as simpatias, as crenças, a fé se não virem acompanhadas de atitudes concretas. Isto é, fazer um ano bom é uma vivência cotidiana.

Portanto, acorde nesse ano novo a cada dia disposto a ser feliz, gentileza é um bom começo, sorria mais, ame mais. Se você é casado, renove o amor pela sua esposa. Se solteiro, viva intensamente sua solteirice  – e se conhecer alguém digno do seu amor, não tenha medo de amar.

Coloque mais tempero no que você faz. Somos os cozinheiros da nossa própria existência. Para ela ficar mais saborosa, é necessário um bom tempero, se você é médico, professor, advogado, gari, mecânico, arquiteto ou estudante… Seja o melhor profissional no que faz, não melhor do que os outros, mas melhor do que você mesmo. Mas aviso: nem todos os dias você vai acordar animado, mas não é porque algo começa mal que deve continuar ruim, nem porque algo termina mal que precisa ter sempre o mesmo final. A decisão  é sempre nossa!

Ame nesse ano bom, perdoe, viva. Deguste a existência como degustaria um bom vinho.  Compreenda e assuma os três tipos de amor, o eros que é o desejo, mas também o philia que é  a alegria do companheirismo e o ágape, o amor que se identifica com o amor do Cristo, que, segundo a concepção cristã, morreu para o bem da humanidade. Esse é o amor que não espera retribuição.

Então, que nesse ano que está prestes a nascer, e já está batendo às portas, seja para todos um ano bom, regido pelo amor, pela compreensão e por muita paz… Lembre-se: Problemas sempre há, mas problemas são obstáculos a serem superados. Muita paz, muita luz e FELIZ ANO NOVO!

Aldineto Miranda é professor do Instituto Federal da Bahia (Ifba), graduado e especialista em Filosofia e mestrando em Linguagens e Representações.

ILHEENSE FATURA CARRO 0KM DA PROMOITÃO

Tempo de leitura: 2 minutos
Rodinei confere nome do ganhador do primeiro carro zero da promoção (Foto Divulgação).

Rodinei confere nome do ganhador do primeiro carro da promoção (Foto Divulgação).

Campanha sorteia 3 Pálios.

Campanha sorteia 3 Pálios.

O consumidor ilheense Maurício Martins ganhou o primeiro Fiat Pálio dos três veículos zero que serão sorteados até 30 de janeiro pela Rede de Supermercados Itão. Maurício fez a compra na loja da rede em Ilhéus. O próximo sorteio de carro 0 KM será em 9 de janeiro.

Segundo o gerente comercial e de marketing do Itão, Josival Nascimento Santos, serão sorteados três Fiat Pálio e 50 vales-compras em toda a campanha, considerada a maior do sul da Bahia e que oferece R$ 109 mil em prêmios. “Desenvolvemos a maior campanha promocional realizada por uma empresa ou entidade lojista no sul da Bahia”, confirma Josival.

O sorteio do primeiro carro da campanha foi realizado na maior loja da rede, a Hiper Itão São Caetano. Gerente da loja, Rodinei Marikson Santos diz que a campanha torna-se a mais valiosa pelo valor total em prêmios. “Além dos 50 vales-compras, o cliente tem três chances de ganhar um carro zero ao comprar em uma das lojas da rede”.

UM BRINDE À VIDA

Tempo de leitura: 2 minutos

Rosivaldo Pinheiro | rpmvida@yahoo.com.br

Celebramos a chegada de 2011. No ano que passou, tivemos alegrias, tristezas, frustrações, decepções, derrotas e vitórias. Perdemos algum amigo ou parente, mas também comemoramos a chegada de algum recém-nascido. Todos esses sentimentos estão diretamente ligados ao ciclo da vida humana e até mesmo a morte faz parte desse contexto.

Caberá a cada um de nós entendermos a ação da mão de Deus e valorizar aquilo que nos fará fortes e vencedores ou, simplesmente, caracterizar aqueles que se comportarão como derrotados e invocarão sempre as mazelas e dores acumuladas ao longo dessa caminhada.

A oportunidade é para agradecermos as conquistas. Para rever atitudes, corrigir rumos, planejar novos objetivos, fixar metas e traçar estratégias. É preciso ser firme e entender que a diferença entre vencedores e vencidos estará sempre na forma com que cada pessoa enfrenta os desafios cotidianos.

Não devemos encontrar culpados para os nossos problemas, mas entender que todos nós somos responsáveis por tudo que nos acontece e que só com o exercício da humildade e do perdão conseguiremos evoluir enquanto ser humano.

Que o ano de 2011 permita que vençamos as adversidades encontradas no caminho. Que possamos valorizar e respeitar a vida e adotar sempre postura de lucidez diante das contrariedades. Sejamos autores da nossa história e não vítimas dela. Procuremos entender os outros além do que é superficial.

Sejamos felizes e conscientes de que o indivíduo só é importante quando transcende a posição de ser isolado e passa a fazer parte, de modo efetivo e participativo, da sua comunidade.

Adeus ano velho e Feliz ano novo!

FESTAS DE RENOVAÇÃO

Tempo de leitura: 4 minutos
Gostaria de escrever o primeiro texto do ano de 2010 sobre esse povo fantástico que é o brasileiro e sua classe política, tão honesta e imaculada.
Para falar de hoje, no entanto, vamos nos reportar aos anos de 1958 a 1963 e 1966 a 1969. O que aconteceu durante esses períodos? Foram as épocas em que atuaram por aqui dois diplomatas ingleses, que deixaram escritas suas impressões sobre o Brasil, as quais transcreverei para uma reflexão.
O primeiro, sir G. A. Wallinger, embaixador no Rio de Janeiro, deixou treze páginas em 1963 sobre o nosso país, quando da sua despedida, uma praxe entre os diplomatas ingleses chamada de valedictory despach – uma espécie de carta livre extra-oficial. Em alguns trechos podem ser lidos:
“Um aspecto a salientar é que todo governo no Brasil ainda é intensamente “personalista”. Os três presidentes a que me refiro são chamados, simplesmente, de Juscelino, Jânio e Jango. O tamanho do poder em mãos de um presidente brasileiro é relativamente maior do que o poder do presidente dos Estados Unidos, visto que, desde os tempos de Getúlio Vargas, o Congresso nunca conseguiu se contrapor a ele… Embora o presidente dependa do Congresso para a aprovação de leis, a influência do Poder Legislativo na condução da política está viciada pela natureza primitiva da organização dos partidos políticos. Os partidos, apesar das implicações ideológicas de suas denominações, são essencialmente clubes políticos, criados para prover máquinas eleitorais a seus membros; estes, por sua vez, são homens que optaram pela atraente, lucrativa e “suja” carreira política; são frequentemente desprovidos de qualquer compromisso social ou ideológico, ou do sentido de servir à nação. Como conseqüência, a lealdade partidária é subordinada ao interesse próprio”.
Um achado político extraordinário e que mostra, desde lá, os vícios que se perpetuam no poder e que não fazemos, nós, população, nada para contrariar.
O outro embaixador, sir John Writhesley Russell, na sua despedida, não deixou por menos. Em 1969, elaborou seu último despacho oficial elencando a riqueza do país e, no item 10, pergunta: “Por que, então, o Brasil não é um país rico e próspero?” Na resposta, Russell coloca:
“O estado da Guanabara tem mais funcionários públicos do que Nova York; a Petrobras, só em São Paulo, emprega um número maior de químicos do que a Shell no mundo inteiro; pode-se comprar qualquer coisa – de uma carteira de habilitação a um juiz do Supremo Tribunal Federal; o reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro ganha 500 cruzeiros mensais, enquanto os aluguéis são três vezes mais altos do que em Londres e os hotéis da cidade estão entre os mais caros do mundo (e entre os de pior atendimento); o país tem apenas 18 mil milhas de estradas asfaltadas e em 1968 os brasileiros mataram 10 mil pessoas nas estradas – mais do que o total de soldados americanos mortos no Vietnã no mesmo ano. Como já escreveu Peter Fleming, ‘o Brasil é um subcontinente com um autocontrole imperfeito’”.
Ano novo, vida nova? Renovação em todo final e começo de ano? Festas de boas-vindas ao ano bom que se inicia? Nada disso parece ser efetivamente feito no Brasil, desde longas datas.
Por isso, ao comemorar as festas nesse ano que se encerra e neste ano que começa, pense na conjuntura político-cultural em que estamos vivendo, construindo e perpetuando para as gerações vindouras. Só depois, deposite os seus votos na urna da esperança que realmente renova!

Gustavo Atallah Haun | g_a_haun@hotmail.com

Gostaria de escrever o primeiro texto do ano de 2010 sobre esse povo fantástico que é o brasileiro e sua classe política, tão honesta e imaculada.

Para falar de hoje, no entanto, vamos nos reportar aos anos de 1958 a 1963 e 1966 a 1969. O que aconteceu durante esses períodos? Foram as épocas em que atuaram por aqui dois diplomatas ingleses, que deixaram escritas suas impressões sobre o Brasil, as quais transcreverei para uma reflexão.

O primeiro, sir G. A. Wallinger, embaixador no Rio de Janeiro, deixou treze páginas em 1963 sobre o nosso país, quando da sua despedida, uma praxe entre os diplomatas ingleses chamada de valedictory despach – uma espécie de carta livre extra-oficial. Em alguns trechos podem ser lidos:

“Um aspecto a salientar é que todo governo no Brasil ainda é intensamente “personalista”. Os três presidentes a que me refiro são chamados, simplesmente, de Juscelino, Jânio e Jango. O tamanho do poder em mãos de um presidente brasileiro é relativamente maior do que o poder do presidente dos Estados Unidos, visto que, desde os tempos de Getúlio Vargas, o Congresso nunca conseguiu se contrapor a ele… Embora o presidente dependa do Congresso para a aprovação de leis, a influência do Poder Legislativo na condução da política está viciada pela natureza primitiva da organização dos partidos políticos. Os partidos, apesar das implicações ideológicas de suas denominações, são essencialmente clubes políticos, criados para prover máquinas eleitorais a seus membros; estes, por sua vez, são homens que optaram pela atraente, lucrativa e “suja” carreira política; são frequentemente desprovidos de qualquer compromisso social ou ideológico, ou do sentido de servir à nação. Como conseqüência, a lealdade partidária é subordinada ao interesse próprio”.

Um achado político extraordinário e que mostra, desde lá, os vícios que se perpetuam no poder e que não fazemos, nós, população, nada para contrariar.

O outro embaixador, sir John Writhesley Russell, na sua despedida, não deixou por menos. Em 1969, elaborou seu último despacho oficial elencando a riqueza do país e, no item 10, pergunta: “Por que, então, o Brasil não é um país rico e próspero?” Na resposta, Russell coloca:

“O estado da Guanabara tem mais funcionários públicos do que Nova York; a Petrobras, só em São Paulo, emprega um número maior de químicos do que a Shell no mundo inteiro; pode-se comprar qualquer coisa – de uma carteira de habilitação a um juiz do Supremo Tribunal Federal; o reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro ganha 500 cruzeiros mensais, enquanto os aluguéis são três vezes mais altos do que em Londres e os hotéis da cidade estão entre os mais caros do mundo (e entre os de pior atendimento); o país tem apenas 18 mil milhas de estradas asfaltadas e em 1968 os brasileiros mataram 10 mil pessoas nas estradas – mais do que o total de soldados americanos mortos no Vietnã no mesmo ano. Como já escreveu Peter Fleming, ‘o Brasil é um subcontinente com um autocontrole imperfeito’”.

Ano novo, vida nova? Renovação em todo final e começo de ano? Festas de boas-vindas ao ano bom que se inicia? Nada disso parece ser efetivamente feito no Brasil, desde longas datas.

Por isso, ao comemorar as festas nesse ano que se encerra e neste ano que começa, pense na conjuntura político-cultural em que estamos vivendo, construindo e perpetuando para as gerações vindouras. Só depois, deposite os seus votos na urna da esperança que realmente renova!

Gustavo Atallah Haun é professor

CAI NÚMERO DE ACIDENTES EM TRECHO SUL-BAIANO DA BR-101

Tempo de leitura: < 1 minuto

Morte na BR-101: Astra sai de pista e cai em ribanceira.

Morte na BR-101: Astra sai de pista e cai em ribanceira (Foto Thiago Oliveira-Pimenta).

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou nesta segunda-feira, 4, os números da operação de final de ano no trecho sul-baiano da BR-101. Entre os dias 16 de dezembro do ano passado e ontem (domingo, 3), foram registrados 50 acidentes, com 15 feridos, duas mortes, 551 multas aplicadas, 23 veículos retidos e sete pesssoas detidas. Em 2008, foram registrados 67 acidentes e 3 mortes no mesmo trecho.

Um dos acidentes fatais ocorreu no quilômetro 546, em São José da Vitória. Gilson Fernandes dos Santos, 51 anos, perdeu a direção do GM Astra (MTH-8887, de Vitória-ES). Foi socorrido por agentes da PRF, mas faleceu ao chegar no Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães (Hblem), em Itabuna. A esposa, Júlia Graciele Raimundo, 27, sofreu ferimentos leves. As informações são do repórter Costa Filho, da Rádio Jornal.

Back To Top