skip to Main Content
28 de outubro de 2020 | 09:05 pm

O PACOTE DE WAGNER

Tempo de leitura: < 1 minuto

Wagner: pacote de bondades em Ilhéus.

O governador Jaques Wagner antecipou para o dia 29 a visita a Ilhéus. Trará, finalmente, boas novas para o município sul-baiano: além de inauguração do Departamento de Polícia Técnica e do Terminal Pesqueiro, ele assinará a ordem de serviço para início das obras da nova ponte Ilhéus-Pontal.

O governador também vai assinar ordem de serviço para repavimentação de rodovias estaduais como a que liga a BR-415 ao município de Barro Preto. Todo o pacote de bondades está orçado em R$ 98 milhões. No mesmo dia, Wagner participará das homenagens pelo centenário da Associação Comercial de Ilhéus (ACI), atendendo a convite do presidente da entidade, Newton Cruz.

NÃO TOMOU “PAQUETÁ”

Tempo de leitura: < 1 minuto

O prefeito de Barro Preto, Adriano Clementino (PMDB), não absorveu bem a derrota e decidiu descontar na população. Particularmente nos trabalhadores das empresas Trifil e Mars Cacau, que ficaram sem o transporte que lhes era oferecido pela Prefeitura. A “punição” atingiu também os jovens barropretenses que estudam em Itabuna, igualmente deixados a pé.

Pelo menos o problema dos trabalhadores foi resolvido. A prefeita eleita, Jaqueline Mota (PT), se reuniu com diretores da Trifil e da Mars e conseguiu viabilizar o transporte. Do Cena Bahiana.

MORRE EX-PREFEITO DE BARRO PRETO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O ex-prefeito de Barro Preto José Bomfim faleceu nesta madrugada, 4. De acordo com o site O Tabuleiro, Bomfim, sofria de complicações de saúde causadas pelo diabetes. Ele passou mal e foi levado a um hospital de Ilhéus, mas não resistiu.

Bomfim foi prefeito do município sul-baiano no período de 2001 a 2008 e lançou-se na disputa deste ano. O registro não foi liberado pela Justiça Eleitoral por que o político teve contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e pela Câmara de Vereadores. O velório ocorre na residência do ex-prefeito. O enterro está previsto para as 17h, no cemitério local.

VANDALISMO EM BARRO PRETO

Tempo de leitura: < 1 minuto

A candidata petista à Prefeitura de Barro Preto, Jaqueline Mota, denuncia a prática de ato de vandalismo na campanha eleitoral. Neste domingo (29), seu material de propaganda foi encontrado danificado nas ruas da cidade. Tratava-se de placas com as imagens de Jaqueline, da vice Isabella Costa e da presidente Dilma Rousseff.

Jaqueline disse que lamenta a atitude, atribuída a opositores. Ela comunicou o fato ao Ministério Público e ao juiz eleitoral de Barro Preto. Do Cena Bahiana.

SITE DO TSE TRAZ INFORMAÇÕES DAS CANDIDATURAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um das boas inovações aplicadas nas eleições para prefeito, vice-prefeito e vereador pela Justiça Eleitoral está na página do TSE na internet, o DivulgaCand 2012 (clique para acessá-la). Pesquisando sobre o quanto coligações e candidatos pretendem investir na caça ao voto do eleitor, se consegue números até impressionantes.

Há casos de municípios como Barro Preto e Itapé, cuja soma do que pretendem investir os candidatos alcança R$ 1,2 milhão e R$ 2,1 milhão, respectivamente. Barro Preto tem 5.491 e o Itapé, 9.264 eleitores.

Em Barro Preto, a previsão de gastos de José Bonfim (PDT), Adriano Clementino (PMDB), Edson Correia ((PP) e José Haroldo Prates (PTC), é de R$ 150 mil cada um. Jaqueline Motta (PT), R$ 500 mil; e José Raimundo Gusmo (PTB), R$ 100 mil. Total: R$ 1,2 milhão.

Itapé apresenta Carlos Sodré (PHS), com previsão de gastos de R$ 500 mil; Humberto Matos (PDT) e Jackson Rezende (PP), R$ 300 mil cada um; e Pedro Jackson Brandão (PSB), R$ 1 milhão. Total: R$ 2,1 milhão.

Os valores somados dos candidatos a prefeito dos dois municípios são similares aos previstos por três candidatos a prefeito de Itabuna: Capitão Azevedo (DEM) projeta gastar R$ 900 mil; Vane do Renascer (PRB) e Juçara Feitosa (PT) estimam investir, cada um, R$ 2 milhões. Barro Preto e Itapé não dispõem de emissoras de rádio e TV, o que torna a disputa mais “leve”, financeiramente.

DEPUTADO ACUSA "GOLPE DA FOTO"

Tempo de leitura: < 1 minuto

De passagem pelo município de Barro Preto, onde participou de uma atividade com agricultores, o deputado estadual Rosemberg Pinto (PT)  foi fotografado ao lado do ex-prefeito Sérgio Costa (PRP). Segundo dizem na cidade, foi o próprio Costa quem pediu para alguém fazer a imagem e distribuí-la, informando que ele contaria com o apoio do PT na sucessão municipal.
Ao tomar conhecimento da “astúcia”, Rosemberg Pinto se mostrou indignado e informou que o PT tem candidato – ou melhor, candidata – em Barro Preto. E não é Sérgio Costa, mas sim Jaqueline Mota.
O deputado diz que na próxima vez que for àquele município ficará mais atento na hora das fotografias.

ONDE NASCEU JORGE AMADO?

Tempo de leitura: 3 minutos

Isaac Albagli | ialbagli@uol.com.br

Quando vereador, resolvi propor o título de Cidadão Ilheense ao nosso escritor. Quem registra é dono, e Itabuna registrou Jorge Amado, mas nós, ilheenses, estamos na posse mansa e pacífica.

Encarregado de preencher as “fichas” da Academia de Letras de Ilhéus criada em 1958, o seu primeiro secretário, jovem advogado Francolino Neto, aguardou quatro anos para, pessoalmente, colher os dados do acadêmico Jorge Amado.
De caneta em punho e após preencher o nome, endereço e filiação do romancista, à época já famoso, fez a pergunta: “Local de nascimento?”. “Pergunte ao meu pai…” – se esquivou Jorge Amado. Na sua carteira de identidade constava a cidade de Itabuna como local do nascimento, mas no fundo ele sabia que havia uma polêmica tanto familiar como “de ordem pública”.
Francolino Neto não se fez de rogado e foi até Itajuípe para se encontrar com o fazendeiro João Amado, pai do escritor. O Coronel João não vinha a Ilhéus há muito tempo, pois tinha pavor a vergalho de boi… Diziam as más línguas que o coronel se engraçou com uma mulher casada e acabou tomando uma surra de vergalho de boi.
Mas voltemos ao encontro de Dr. Francolino com o Coronel João Amado. Encontraram-se na firma compradora de cacau Wildberg & Cia. e o secretário da Academia foi direto ao assunto. O Coronel João Amado disse então a Francolino: “Jorge nasceu na Fazenda Auricídia que ficava na zona do Repartimento no limite entre os municípios de Itabuna e Itajuípe.”
A maior parte da fazenda pertencia em 1912, ano do nascimento de Jorge, a Itabuna, antiga Tabocas. que em 1910 tinha se emancipado de Ilhéus. Mais precisamente no distrito de Ferradas, na época próspero entroncamento de tropeiros. A outra parte da fazenda pertencia ao 7º Distrito de Ilhéus, denominado de Pirangi, mais tarde emancipado e que originou o município de Itajuípe.
Dr. Francolino, rápido no raciocínio, fez então a pergunta fatal. “E de que lado ficava a sede da fazenda?” João Amado não titubeou: “Ficava em Pirangi”. Francolino deu uma risadinha marota e tascou na “ficha” de Jorge Amado – Local de Nascimento: Ilhéus, Bahia, Brasil. A Lei 807 de 28 de julho de 1910, que criou o município de Itabuna, sancionada pelo então governador Araújo Pinho, não era muito precisa nas indicações dos limites territoriais, principalmente quando não existiam rios ou ribeirões para delimitação com maior precisão.

Leia Mais

VEREADOR CHAMA PREFEITO DE LADRÃO E MANDA REGISTRAR EM ATA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O vereador Gideon Ribeiro, de Barro Preto, não economizou ênfase para atacar a corrupção que ele vê tomar conta do governo do prefeito Adriano Clementino. Em um discurso duro no plenário da Câmara, Ribeiro relatou visitas ao Tribunal de Contas, onde teria encontrado diversos indícios de desmandos administrativos e corrupção.
Em meio ao discurso, o vereador chamou o prefeito literalmente de ladrão e completou: “peço que isso conste em ata”.
O último parecer do TCM sobre as contas de Clementino deverá ser analisado pela Câmara no próximo mês e quatro dos nove vereadores já anteciparam voto pela reprovação do gestor.

PREFEITO FURA BLITZ E TENTA CARTEIRADA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Adriano correu de blitz, foi multado e teve carro apreendido.

O prefeito de Barro Preto, Adriano Clementino (PMDB), foi multado após furar uma blitz da Operação Talismã, ontem à noite, na rótula Tancredo Neves (ponte do São Caetano), em Itabuna. Ele foi perseguido por policiais militares e somente parou a mais de um quilômetro do bloqueio, já próximo ao 15º Batalhão da Polícia Militar, no Jaçanã.
Clementino estava acompanhado de duas mulheres numa picape Mitsubishi Triton e inicialmente reagiu com nervosismo, tentando uma carteirada nos policiais. Quando a “canetada” dos PMs começou, o prefeito amenizou e disse que era “parceiro da polícia”. Não adiantou. Os policiais multaram o prefeito e apreenderam o veículo.
Os PMs que participaram da perseguição dizem que Adriano Clementino desobedeceu a ordem para parar e dirigia em alta velocidade mesmo sendo perseguido e as motos da polícia tendo usado sirenes, conforme apurou o repórter Costa Filho.
A Associação de Praças da Polícia Militar (APPM), regional Itabuna, acompanha o caso de perto e destacou assessoria jurídica para assistir aos policiais que participaram da operação. O temor é natural quando a ação envolve autoridades, principalmente as que se dizem parceiras da corporação e para a qual colaboraram com “reforma de viatura”.

JUSTIÇA ENQUADRA PREFEITO DE BARRO PRETO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Oia o coroné Adriano aí...

O prefeito Adriano Clementino (PMDB), de Barro Preto, levou um cartão vermelho da Justiça nesta semana. O bad boy decidiu construir – de qualquer jeito – uma estrada de acesso à fazenda comprada por ele recentemente. Desapropriou áreas por decreto e ao arrepio da lei, usou servidores e dinheiro público para isso… Pior, destruiu benfeitorias, cercado e plantações de cacau numa propriedade alheia, a Fazenda Santa Izabel, para que se fizesse a sua (a dele, claro!) vontade.

O caso de abuso de poder foi parar na Justiça.

O juiz Eros Cavalcanti determinou, liminarmente, que o prefeito suspenda, imediatamente, a obra em proveito próprio e na qual usa – repetimos – servidores, maquinário e dinheiro público. Caso descumpra a ordem judicial, Adriano pagará multa de R$ 500,00/dia, segundo definição do magistrado.

Numa rápida análise das provas documentais, Eros Cavalcanti enxergou “ocorrência de abuso de poder” por parte do “coroné” e caso nítido de “turbação” e “esbulho possessório”. A bronca tende a esquentar.

Back To Top