skip to Main Content
28 de fevereiro de 2021 | 06:39 pm

PESQUISADORES DA UESC DESENVOLVEM BIOFÁBRICA DE MOLÉCULAS TERAPÊUTICAS À BASE DE CACAU

Pesquisadores da Uesc desenvolveram biofábrica de moléculas
Tempo de leitura: 2 minutos

Após ter sido estudado para criação de etanol, cerveja artesanal, e até medicamento contra a Covid-19, o cacau, matéria-prima típica do Sul da Bahia, agora é utilizado como base para a criação de uma biofábrica de moléculas terapêuticas que possuem propriedades para diversos setores industriais. O projeto é de um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), liderado por Akyla Alves, que consiste em selecionar algumas proteínas do fruto, a exemplo da proteína de ligação ao selênio, que, produzidas através da engenharia genética, podem ter alta aplicabilidade comercial devido às suas propriedades terapêuticas. As moléculas produzidas, segundo Akyla, poderão servir de base para remédios e fármacos, entre outros.

“A partir do DNA recombinante, utilizando Escherichia coli como biofábrica, queremos levar soluções para a sociedade, através da nossa empresa Bioativa Biotecnologia LTDA”, afirmou Akyla antes de detalhar como surgiu a inspiração para a criação deste trabalho. “A ideia surgiu ao longo da minha pesquisa de mestrado e doutorado, quando me dediquei a buscar e caracterizar moléculas de cacau de importância biotecnológica. A partir disso, trabalhamos com a tecnologia do DNA recombinante, produzindo proteínas de cacau e realizando testes in vitro contra parasitas. Os resultados obtidos indicaram a boa aplicabilidade dessas moléculas para fins terapêuticos”, disse.

De acordo com a cientista, o diferencial da pesquisa é produzir as moléculas de cacau a partir da tecnologia do DNA recombinante e utilizar bactérias competentes como biofábrica. “Produzir essas moléculas neste sistema garante a produção em larga escala e de forma padronizada, além de substituir modelos de produção baseados na extração de compostos vegetais direto da natureza e de produtos químicos. Atualmente, a biotecnologia associada à indústria farmacêutica tem demonstrado eficácia ao desenvolver novos produtos, visto que essas proteínas de cacau, por terem origem vegetal, podem apresentar menor toxicidade aos seres vivos em relação às drogas químicas utilizadas atualmente”.

REEMERGENTES

O projeto foi aprovado no Programa Centelha, da Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb), que vai conceder R$ 60 mil em recursos financeiros a cada um dos pesquisadores selecionados, para que possam desenvolver suas pesquisas científicas. “Com o trabalho concluído, esperamos que os futuros fármacos tenham características sustentáveis e racionais. Além disso, poderemos atender a grande demanda atual por moléculas terapêuticas para doenças infecciosas emergentes e reemergentes, e valorizar o patrimônio genético e a biodiversidade vegetal do Sul da Bahia, pois ao utilizar essas técnicas não é necessário devastar nenhuma floresta em busca de proteínas com potencial terapêutico. Por isso, a utilização de uma molécula extraída de plantas de cacau para o tratamento de doenças em humanos proporcionará grande potencial agregado para nossa economia e sociedade, além da competitividade empresarial”.

SUL DA BAHIA: PESQUISADORA CRIA BIOETANOL À BASE DE CACAU

Destino correto para o lixo orgânico
Tempo de leitura: 3 minutos

A professora Elizama Aguiar, da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), junto a seu grupo de pesquisa, composto pelos estudantes Frederico Lobo e Gabriel Albuquerque, encontrou uma maneira dar um destino para resíduos agroindustriais, como cascas e bagaços.

O que antes era descartado, agora tem potencial para ser hidrolisado — processo químico e enzimático que envolve a quebra da celulose da matéria-prima em açúcares — para se obter bioetanol. A professora ressalta que o material utilizado é facilmente obtido, além de ter uma conexão econômica com a região sul da Bahia, por se tratar de dois componentes abundantes pelo local: o cacau e o malte.

Do cacau são obtidas as cascas e do malte, o bagaço. Elizama explica como funciona o processo de transformação. “A hidrólise consiste em submeter os resíduos a uma primeira etapa com solução ácida fraca e calor, para, posteriormente, aplicar soluções enzimáticas” conta.

A professora afirma que as melhores condições destas etapas foram investigadas de forma a se obter maiores concentrações de açúcares fermentescíveis”. Segundo ela, os resultados obtidos são promissores, pois permitiram a redução de cerca de 50% da massa de resíduos e com a continuidade dos estudos será possível otimizar a hidrólise e a fermentação.

PRODUTORA HISTÓRICA 

Elizama Aguiar destaca o fato de a região de Ilhéus ser uma produtora histórica de  cacau no Brasil e como as cascas são acumuladas no campo logo após a quebra do fruto para obtenção da polpa e das sementes. “O acúmulo destas cascas no campo pode, por exemplo, resultar em um foco de contaminação do fungo causador da doença ‘vassoura-de-bruxa’ que já trouxe muitos prejuízos à região. Assim, é de grande importância apresentar novas aplicações para este resíduo”.

Além disso, devido à crescente popularização da produção de cervejas artesanais em todo o território nacional, foi também selecionado o bagaço de malte para ser empregado em combinação com as cascas de cacau. O bagaço é gerado durante a produção das cervejas, logo após a etapa de malteação”.

Leia Mais

FAZENDA YRERÊ, EM ILHÉUS, RETOMA ATIVIDADES DE TURISMO RURAL

Tempo de leitura: 2 minutos

Fazenda Yrerê, na Rodovia Ilhéus-Itabuna, retoma turismo rural

Do Cacau e Chocolate

A Fazenda Yrerê definiu a reabertura para atividades de turismo rural, ensaios fotográficos e compras em sua loja de chocolates e derivados de cacau. Após sete meses com as atividades paralisadas por conta da pandemia da Covid-19. A reabertura será neste sábado (10).

A Yrerê é uma tradicional fazenda de cacau, localizada no quilômetro 11 da Rodovia Jorge Amado (BR-415), entre Ilhéus e Itabuna, em meio a áreas de Mata Atlântica e cabruca, que já trabalha com turismo rural há 12 anos, sendo visitada por milhares de turistas do Brasil e do exterior ao longo deste tempo.

Na Yrerê é possível fazer um tour de duas horas para caminhar em uma bela trilha, conhecer as plantações de cacau, chupar cacau tirado do pé, visitar as barcaças onde o cacau fermenta e seca, e concluir o passeio degustando os famosos chocolates da própria fazenda.

Fazenda Yrerê é um dos principais atrativos do turismo rural na região || Foto Maurício Maron

No passeio, o visitante ou turista ainda degusta suco de cacau e conhece outros derivados como geleia de cacau, nibs, amêndoas caramelizadas, dentre outras experiências que podem ser adquiridas na loja da fazenda. O chocolate de origem Yrerê é uma das atrações da visita, pela qualidade do produto, que é comercializado no Brasil e no exterior.

A fazenda tem a nota mais alta na avaliação dos turista referente as atrações de Ilhéus, tanto no site TripAdvisor, como no Google, o que contribui para atrair mais pessoas,  já que muitos turistas usam estas ferramentas para planejar suas viagens.

Gerson Marques, da Yrerê

“A Yrerê fez um esforço para antecipar sua abertura, para isso criou seu protocolo de segurança orientado por profissionais de saúde. As visitas serão limitadas as 16 pessoas em cada horário, sendo dois horários ao dia as 09:30 e as 11:00 por enquanto não abriremos pela tarde” revelou Gerson Marques, um dos proprietários da fazenda, destacando ainda que “será obrigatório o uso de máscaras, álcool gel e distanciamento entre os visitantes”.

De acordo com Gerson, “o passeio é muito seguro porque é realizado cem por cento ao ar livre ou na varanda da sede da fazenda, mesmo em nossa loja fizemos ajustes para atender as pessoas em ambiente aberto”. A visita custa R$30,00 por pessoa – crianças não pagam – e precisa ser agendada pelo (73) 99997-7175. O tour guiado tem duração de aproximadamente duas horas. Atualizada às 12h26min.

CONCURSO PREMIA MELHOR CACAU PRODUZIDO NO BRASIL

Concurso nacional premia o melhor cacau em três categorias || Foto Divulgação
Tempo de leitura: 2 minutos

Mais de 60 produtores de cacau de três estados se inscrevem na segunda edição do Concurso Nacional de Cacau Especial. “Estamos escrevendo uma nova história, reorganizando o setor e mudando o foco da produção de cacau no País. O produtor tem entendido que ele não precisa produzir apenas cacau commodity. O Brasil precisa virar essa página e passar a ser reconhecido também como produtor de cacau especial e fino”, destaca Cristiano Villela, diretor cientifico do Centro de Inovação de Cacau (CIC) e presidente do Comitê Nacional de Qualidade de Cacau Especial.

Neste ano, 63 produtores se inscreveram para concorrer aos prêmios, que serão divididos em três categorias: blend, varietal e experimental. Na categoria blend concorrem lotes de cacau onde não há seleção genética dos materiais durante o beneficiamento das amêndoas. Já na varietal, disputam as amêndoas de uma única variedade genética, normalmente responsáveis por preservar uma identidade marcante nos chocolates, por conta da homogeneidade dos lotes. Novidade nesta segunda edição do concurso é a categoria experimental, que vai premiar o cacau obtido de processos de pós-colheita diferenciados, como por exemplo métodos de fermentação inovadores.

A avaliação se dará em três etapas. A primeira fase da seleção foi através de análises físico-químicas de cada lote inscrito. Deste total, 27 lotes foram selecionados para a segunda etapa, que é realizada através da análise sensorial do cacau processado em líquor para avaliação do comitê técnico formado por especialistas da área. Por fim, na terceira e última etapa, um júri de convidados especiais composto por 15 profissionais de diferentes áreas de atuação, incluindo chefs, jornalistas, chocolate makers e pesquisadores irão avaliar os chocolates elaborados a partir dos líquors. Entre os membros do júri estão o chef confeiteiro Lucas Corazza, a chocolatier Luciana Lobo e o gerente de Marketing de Produtos da Cacau Show Lucas Cirilo.

PREMIAÇÃO

Os vencedores serão anunciados no dia 31 de agosto em uma transmissão ao vivo no canal do Centro de Inovação do Cacau no YouTube. Serão premiados os produtores de cacau que receberem as melhores notas nas etapas classificatórias e alcançarem a média nos critérios de sustentabilidade. Os ganhadores receberão certificado e prêmios em dinheiro.

Depois de levar dois prêmios com lotes na categoria blend da primeira edição do Concurso Nacional de Cacau Especial, o produtor de cacau amazônico Elton Gutzeit foi finalista na seleção de melhor cacau do mundo durante o Salon du Chocolat de Paris 2019. “Até o fim do ano passado, tínhamos demanda de 10 toneladas para a Bonnat chocolates, na França, outras cinco toneladas para a Harper Macaw Chocolate, dos Estados Unidos, e diversas amostras enviadas para chocolatiers do mundo todo”, celebra Gutzeit, cuja propriedade no estado do Pará está prestes a receber investimentos para expansão em 200 hectares e modernização de estrutura.

Diretor da moageira Barry Callebaut, o italiano Corrado Meotti acredita no enorme potencial dos cacauicultores do Brasil. “Um país que tem genética, biodiversidade e tecnologia avançada para cacau. Somos compradores do cacau de qualidade desde sempre e também incentivamos, desde o início, o crescimento da economia sustentável da cacauicultura brasileira”, destaca.

O II Concurso Nacional de Cacau Especial é uma iniciativa conjunta da cadeia de cacau, apoiada pela Barry Callebaut, Cargill, Dengo, FAEB/Senar, Harald, Mondelez, Gencau (Theo) e executado pelo CIC em parceria com a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac).

ITABUNA, 110 ANOS DE GENEROSIDADE

Tempo de leitura: 3 minutos

A cada necessidade de crescimento ou desenvolvimento, os coronéis do cacau, do comércio e dos serviços se reuniam e se cotizavam, doando terras, recursos em dinheiro e materiais para implantar uma rede de energia elétrica, a pavimentação de uma rua, e até a construção do aeroporto.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Não é todo o dia que se comemora 110 anos! Uma idade respeitável para uma venerável cidade, generosa, acima de tudo, e que sempre concedeu todas as oportunidades aos que a procuram. Mesmo antes de se emancipar de Ilhéus em 1910, o distrito de Tabocas era conhecido pela sua ousadia de filha precoce que sempre buscou andar com as próprias pernas, sem a dependência financeira.

De início, mal interpretada pela mãe Ilhéus, exigente e responsável pelo futuro da filha, cujos planos e costumes da época se limitavam ao agarramento das saias e submissão ao pátrio poder. Os quase 30 quilômetros da sinuosa estrada que os separavam Itabuna proporcionavam um desejo de independência, emancipação, pois a gente desbravadora das terras do sem-fim também sabia e queria dirigir seus destinos.

Em 1909 os comerciantes do distrito de Tabocas demonstravam sua pujança e fundaram sua Associação Comercial, com sede e diretoria própria, pronta para cuidar dos seus interesses econômicos. O distrito prosperava a olhos vistos com a chegada de leva de pessoas da Bahia, do Brasil e do exterior, fazendo funcionar todas as instituições da comunidade, sem a ajuda de Ilhéus.

Enquanto lutava por sua emancipação, desbravava novas áreas, plantava e colhia cacau, produzia alimentos para sobrevivência, comercializava e os melhores produtos da moda vindos da Bahia (Salvador), Rio de Janeiro e Paris. Os cacauicultores lucravam com a colheita do cacau e construíam as casas de comércio e seus sobrados, verdadeiros palacetes.

As adversidades sofridas com as cíclicas enchentes alternadas com as secas eram superadas à custa de muitas dificuldades daquela gente nortista – baianos da caatinga, sergipanos, alagoanos –, aliada aos turcos, sírios, libaneses, portugueses e espanhóis. E massa deu liga e até hoje está amalgamada na famosa Nação Grapiúna, de novos costumes e cultura do cacau.

Por anos a fio Itabuna esteve no ranking das cidades que mais cresciam no país e passou a ser considerada uma das principais para investimentos. O comércio e serviços contribuíram decisivamente para mantê-la continuamente nessa posição de destaque. Foram construídos hospitais, escolas, melhorada a infraestrutura urbana e rural e os filhos dos coronéis do cacau voltaram das capitais diplomados, ostentando anéis nos dedos.

E Itabuna se fez cosmopolita, passou a interagir mais com Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo e Paris, desta vez não só com as compras de catálogos, mas através das casas residenciais adquiridas nas capitais, a exemplo dos palacetes no chiquérrimo corredor da Vitória. Tudo financiado com o lucro das fazendas de cacau, produto exportado para todo o mundo.

E Itabuna não se fez de rogada ao perder quase uma dezena de distritos – emancipados –, ao contrário planejou sua economia no que mais pendia sua vocação: o comércio e a prestação de serviços, implantada com os melhores equipamentos. Época de estradas ruins e navegação de cabotagem precária, o itabunense construiu um aeroporto para chamar de seu.

A cada necessidade de crescimento ou desenvolvimento, os coronéis do cacau, do comércio e dos serviços se reuniam e se cotizavam, doando terras, recursos em dinheiro e materiais para implantar uma rede de energia elétrica, a pavimentação de uma rua, e até a construção do aeroporto. O sobe e desce dos aviões rivalizavam com muitas capitais brasileiras, devido ao alto poder aquisitivo da população.

Se o itabunense se preocupava com a economia, desprezava a política estadual e federal, mesmo elegendo deputados locais. Se ufanava da riqueza que produzia, mesmo recebendo migalhas em contrapartida. Bastava chegar ao tesouro estadual os recursos oriundos do Imposto de Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) do cacau para rodar a folha de pagamento dos servidores e honrar os compromissos com fornecedores.

Não eram recursos exclusivos produzidos por Itabuna, embora grande parte foi gerada com a comercialização nas grandes empresas compradoras e exportadoras de cacau aqui localizadas. Veio a vassoura de bruxa e as aves de mau agouro vaticinaram o fim da lavoura cacaueira, a extinção de Itabuna do mapa econômico regional. Apenas ameaças que não chegaram a atemorizar o itabunense.

Aos poucos, a cidade conseguiu se recuperar e voltou a ocupar o lugar de destaque na Nação Grapiúna. Administrações desastrosas, intemperes, políticas econômicas, preços do cacau em baixa, nada disso abalou as estruturas sociais. Prova inequívoca é a pandemia da Covid-19, cujo efeito devastador não chega a paralisar a cidade, apesar dos decretos e ordens de fique em casa.

Consequência maior e mais triste é o itabunense nativo ou de coração não poder comemorar o  Dia da Cidade na verdadeira data, por ter sido antecipada. Doloroso hoje, prazeroso amanhã comemorar a volta por cima, nos moldes da cultura e tradição deste povo que não se entrega às dificuldades, pois sabe combater o bom combate, sagrando-se vencedor, como sempre.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

A QUASE PROMISSORA PARCERIA DE ILHÉUS COM A CHINA

Tempo de leitura: 3 minutos

– Quem bom, embaixador! Essa é uma ótima notícia para a população de Itabuna, que poderá ficar livre dessa terrível doença. Basta utilizar o bagunço como supositório, que estarão imunizados – brincou (mas não necessariamente com essas palavras).

 

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

No segundo mandato de Antônio Olímpio (AO) como prefeito de Ilhéus, o então deputado federal Haroldo Lima (PCdoB) trouxe à região uma comitiva da República Popular da China. O interesse do deputado comunista era ampliar o comércio entre os dois países, notadamente de cacau, à época atravessando uma das suas muitas crises – esta, causada pela vassoura de bruxa.

Àquela época, os técnicos em agropecuária da Ceplac, ideologicamente ligados aos partidos de esquerda – PCB, PCdoB, PT e PSB – convenceram seus dirigentes nacionais que a saída para o cacau era comercializar o cacau com a China. Após os cálculos feitos em várias reuniões, acreditavam que se cada chinês tomasse, diariamente, uma pequena xícara de chocolate, o preço do cacau subiria às nuvens.

Tese aprovada pelos cardeais vermelhos da esquerda brasileira, a primeira providência era convencer os herdeiros de Mao Tsé-Tung a introduzir esse novo hábito alimentar no cardápio de seus compatriotas. Para tanto, deveriam convidar uma comissão de alto nível para conhecer o Sul da Bahia e provar as qualidades alimentares e afrodisíacas do cacau, que poderia voltar a ser conhecido como frutos de ouro.

Nada mais fácil para camaradas e companheiros arrebanharem as pessoas mais importantes e decisivas numa negociação entre Brasil e China, que prometiam mostrar ao mundo capitalista os bons resultados de uma negociação com dois países com governos ideologicamente próximos, diria até, iguais. Data marcada, a cúpula das instituições políticas e da cacauicultura do Sul da Bahia se engalanaram para receber os chineses.

Entre os “camaradas” da comitiva estavam o embaixador da República Popular da China no Brasil (chefiando a delegação), o Cônsul, funcionários graduados da embaixada, empresários, técnicos e jornalistas. Aqui, cumpriram uma extensa programação, que incluiu visita a três fazendas de cacau, Ceplac, Conselho Nacional dos Produtores de Cacau (CNPC) e as prefeituras de Itabuna e Ilhéus.

Convidado pelo prefeito Antônio Olímpio para um almoço no Hotel Canabrava, a delegação compareceu em peso. Bem falante, o cicerone Haroldo Lima demonstrava todo o seu conhecimento sobre a região cacaueira – local onde permaneceu clandestino nas fazendas de cacau durante a ditadura militar –, encantava os chineses com informações sobre a Mata Atlântica (fauna e flora), além de características sobre a história e a população.

Lá pelas tantas, Haroldo Lima apresentou uma das frutas mais famosas da árvore Artocarpus heterophylla, a jaca, responsável pela alimentação da população rural e os doces que poderiam ser feitos com ela. Entusiasmado com as ricas propriedades da jaca, o embaixador chinês pediu a palavra e discorreu sobre as propriedades medicinais da fruta, conhecida dos chineses, que a plantam no sul do seu país, junto ao cacau.

Prosseguindo, o embaixador chinês revelou um estudo científico realizado pelos chineses para combater a Aids, por possuir em sua composição uma substância de propriedades medicinais, a “jacaína”. A cada frase, o embaixador fazia uma pausa, para que o tradutor fizesse a transcrição para os presentes, quando foi aparteado pelo prefeito então prefeito de Ilhéus, Antônio Olímpio.

– Quem bom, embaixador! Essa é uma ótima notícia para a população de Itabuna, que poderá ficar livre dessa terrível doença. Basta utilizar o bagunço como supositório, que estarão imunizados – brincou (mas não necessariamente com essas palavras).

Os chineses apenas sorriam – como sempre – mas não entendiam o porquê do silêncio sepulcral no ambiente. É que a intervenção de Antônio Olímpio causou um profundo mal-estar entre os presentes de língua portuguesa, inclusive no tradutor, que ficou embasbacado sem saber como verter a frase para o chinês, para desespero do embaixador, que continuava sem saber o que estava acontecendo.

Explicações de pé de ouvido entre uns, troca de olhares entre outros, fortes risadas entre os brasileiros que naturalmente conheciam Antônio Olímpio e sabiam da sua verve humorística. Na verdade, quem conhece Antônio Olímpio sabe que ele perde o amigo, mas não perde a piada, e que nem se lembrava ou importava que ele, nascido em Ferradas, à época distrito e hoje bairro de Itabuna, era um autêntico papa jaca.

Discretos, os chineses não disseram o motivo pelo qual abriram mão de importar milhões de toneladas de cacau prometidas pelos comunistas brasileiros. Se contaram ficou em segredo de Estado.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

BAHIA CACAU CONQUISTA SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR

Tempo de leitura: < 1 minuto

Durante a realização do 2º Seminário Virtual Parceria Mais Forte da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural (SDR), do governo do Estado, a Coopfesba, de Ibicaraí, no Território Litoral Sul, responsável pela marca de chocolate Bahia Cacau, foi contemplada com o novo selo de Identificação de Produtos da Agricultura Familiar (SIPAF). O evento aconteceu nesta sexta-feira,24, e foi transmitido pelo canal da SDRBahia, no Youtube.

Para Osaná Crisóstomo do Nascimento presidente Cooperativa da Agricultura Familiar e Economia Solidária da Bacia do Rio Salgado e Adjacências (Coopfesba)/Bahia Cacau, o selo fortalece a cooperativa garantindo qualidade desde o plantio de cacau até a entrega do chocolate ao consumidor final. “Neste momento em que a coopfesba recebe o selo da agricultura familiar como organização de base, tornamos referência no respeito às questões sociais, culturais, ambientais e de comércio justo”, destacou.

Consumidores e clientes que fazem revendas de produtos do campo podem acessar o sistema SIS-SIPAF disponível no link portalsdr.ba.gov.br/sipaf, implantado pela SDR através da Superintendência da Agricultura Familiar (Suaf) para conhecerem os produtos da Bahia Cacau como também das outras cooperativas cadastradas. O selo garante qualidade dos produtos desde a sua origem e benefícios fiscais com a isenção de ICMS. 

NOVOS MERCADOS

A Bahia Cacau conquistou novos mercados. Além de novos estabelecimentos na região metropolitana de Salvador, municípios como Cruz das Almas, Amargosa, Santo Antônio de Jesus, Tancredo Neves, Valença, Camamu, Maraú e Vitória da Conquista já contam com o chocolate em pontos comerciais. A marca também projeta chegar às gôndolas de outros estados.

HÁ INTELIGÊNCIA NO PLANETA CACAU – FALTA DISSEMINAR

Tempo de leitura: 4 minutos

Atuando hoje nas mais diversas áreas do conhecimento, a Uesc volta seu foco de ação para os municípios regionais, notadamente para o enfrentamento à pandemia da Covid-19, incluindo aí os planos de abertura econômica, que pode ser – ou não – referendado pelos prefeitos.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Na noite desta quarta-feira (9) tive a grata satisfação de assistir a uma live organizada pelo Laboratório de Ensino de História e Geografia (Lahige) da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Em pauta, os Impactos nas Cidades e na Economia no Contexto da Pandemia da Covid-19, debatidos pelo Magnífico Reitor Alessandro Fernandes e o vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal.

Finalmente, tivemos a felicidade de constatar que há inteligência no planeta cacau, embora a prática e a execução nem sempre chegue ao destinatário, o cidadão, que paga a conta e não recebe os benefícios. Desta vez, espero que mudem-se os comportamentos e a Uesc possa interagir com a sociedade, como reclamava o ex-professor de Economia José Adervan de Oliveira, desde os tempos de cuspe e giz.

Em duas horas e meia, o reitor Alessandro Fernandes discorreu sobre como fazer ciência na academia e repassar esses conhecimentos às instituições políticas para a aplicação nas diversas cidades da região. Sei que não é fácil esse intercâmbio, haja vista os interesses díspares entre a academia e a política. Se hoje a Uesc faz tudo para sair do Salobrinho, a realidade entre os políticos se volta para o carcomido modelo do clientelismo.

Dentre os políticos do planeta cacau destaco – sem medo de cometer qualquer pecado ou injustiça – o vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal, como o único que caminha com desenvoltura por entre as instituições, sempre em busca do conhecimento para aplicar em sua cidade. Não existe em qualquer cidade do sul e extremo-sul da Bahia alguém que estude Ilhéus e região e tenha os conhecimentos acumulados como ele.

Se sobram conhecimentos a Nazal, falta-lhe a caneta, como frisou durante a live, fornecendo dados contundentes, a exemplo dos arquivos digitais de aerofotogrametria do município de Ilhéus, guardados sem que prefeitos demonstrem o menor interesse sobre eles, essenciais para organizar a cidade, prospectar investimentos. É o mesmo que comprar livros de capas duras e coloridas, guardá-los numa vistosa biblioteca, não lê-los, como se ganhasse conhecimento pelos simples olhar e, quem sabe, a osmose.

A Uesc – mais uma grande criação de José Haroldo Castro Vieira – toma seu lugar no mundo da ciência e passa a administrar parte do acervo e serviços prestados pela Ceplac, igualmente criada por José Haroldo. Esse legado também será dividido com a Embrapa e a UFSB, após a decisão da morte por inanição da maior instituição de pesquisa, ensino e extensão da cacauicultura.

Atuando hoje nas mais diversas áreas do conhecimento, a Uesc volta seu foco de ação para os municípios regionais, notadamente para o enfrentamento à pandemia da Covid-19, incluindo aí os planos de abertura econômica, que pode ser – ou não – referendado pelos prefeitos. Embora as prefeituras sejam as maiores empregadoras em seus municípios, nem sempre contam com pessoal qualificado.

E nesta realidade, a Uesc é um campo fértil para as prefeituras, que por falta de bons projetos, nem sempre conseguem prospectar recursos disponíveis em bancos de desenvolvimento e no governo federal. Outro “calcanhar de Aquiles” das prefeituras é a áreas de compras – licitações –, na qual os servidores municipais poderiam “beber em fonte limpa”, e acabar com dissabores da rejeição de contas – junto com a área contábil –, caso queiram trabalhar com técnica e lisura.

Durante a live, muitas questões sobre a região cacaueira foram levantadas, sendo uma delas a realização de um amplo diagnóstico socioeconômico – nos moldes do realizado no início da década de 1970 –, em parceria com os municípios. Como suscitou Nazal, um trabalho dessa envergadura colocaria a região numa situação privilegiada para colocar o trabalho de baixo de braço – ou mandá-la por meio digital para investidores, se transformando em recursos garantidos para investimentos variados.

A esmagadora maioria dos sul-baianos não tem a menor noção do que representa o Complexo Intermodal do Porto Sul em termos de investimentos, crescimento e, possivelmente, desenvolvimento regional. Bilhões de reais serão investidos neste projeto, e o melhor: em diversas cidades, produzindo riquezas de forma solidária à população por meio da geração de emprego e renda.

Como bem disse Nazal, a qualquer dúvida sobre Ilhéus e região ele sai em busca soluções para os problemas apresentados junto aos produtores de conhecimento, notadamente determinadas áreas dos governos federal, estadual e as universidades (Uesc e UFSB). Esse seria um bom caminho a ser trilhado pelos políticos – parlamentares e gestores municipais –, que preferem o discurso vazio eleitoreiro, daí nosso estado de pobreza.

Por tudo isso e muito mais, rogo ao Magnifico Reitor Alessandro Fernandes e aos professores Humberto Cordeiro e Gilsélia Lemos que colaborem – ainda mais – com a região, disponibilizando no site da Uesc ou outro meio de comunicação as lives produzidas. Por certo, contribuirá para melhorar o nível de informação e de interesse sobre o desenvolvimento regional.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

O QUE IREMOS COLHER, SE NÃO ESTAMOS CUIDANDO DE QUEM PLANTA?

Tempo de leitura: < 1 minuto

Não sobreviveremos sem a devida atenção ao universo rural. Se queremos (e precisamos) consumir, é preciso estar atento a quem planta. Ou colheremos, todos, dias ainda mais difíceis.

Lanns Almeida

Fui Secretário de Agricultura em Itabuna, de 2013 a 2016. Diziam-me, na época, que não existia ruralidade na cidade. Ruralidade, como se sabe, é “qualidade do que é campestre, agrícola. O conjunto de características e valores do mundo rural”. Fui e vou de encontro a essa opinião, afinal apenas em cacau Itabuna produz R$ 7,4 milhões anuais na comercialização de amêndoas, dinheiro que aquece vendas, mercados, lojas, bares e o comércio em geral.

Nossa Itabuna, cidade onde nasci, moro, construí amigos e a minha família, tem uma área de 401 km quadrados. Muito ignoram uma ruralidade diversa e rica em produtos e em pessoas trabalhadoras, que geram riquezas com o dia a dia no trato da roça, plantando e colhendo desde a produção de coentro e cebolinha até a produção de borracha e as famosas amêndoas de cacau. E eu sou um apaixonado por este universo.

Um dos nossos maiores feitos, quando secretário de agricultura, foi executar o maior Programa de Aquisição de Alimentos – PAA do Brasil (recorde até hoje), atendendo, diretamente, 300 agricultoras e agricultores, investindo R$ 1,4 milhão por ano na nossa ruralidade. Mas, o que me indigna e causa até constrangimento é saber que ainda temos distritos entregues ao acaso, com estradas e acessos a eles ainda praticamente inexistentes. A saúde daquelas pessoas (e isso inclui saúde bucal) tem um quadro caótico.

Somos o todo, Senhores! Não sobreviveremos sem a devida atenção ao universo rural. Se queremos (e precisamos) consumir, é preciso estar atento a quem planta. Ou colheremos, todos, dias ainda mais difíceis.

Lanns Almeida é engenheiro agrícola.

APÓS 20 ANOS, PRODUTORES DE CACAU OBTÊM RECURSOS DO PRONAF NO SUL DA BAHIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Duas cooperativas associadas à IG Cacau Sul da Bahia – Coopercentrosul e Coopessba – obtiveram créditos de custeio e investimento em cacau advindos do Pronaf para agricultores familiares e Assentados de Reforma agrária em cinco municípios do sul da Bahia.

Nesta segunda-feira (29), foram assinadas em Ilhéus as seis primeiras operações de crédito para custeio e investimentos, com um valor médio de 70 mil reais. Outras catorze operações estão em análise no Banco do Brasil e outros quinze 15 produtores já solicitaram acesso ao projeto.

Recursos serão investidos na produção de cacau e chocolate

O valor total dos financiamentos poderá chegar a R$ 1 milhão e 400 mil. Essas operações envolvendo o cacau não eram realizadas há quase duas décadas. Os contratos foram assinados pelos produtores com a supervisão do gerente geral do Banco em Ilhéus, Euler Oliveira Paiva. Confira todos os detalhes no site Cacau e Chocolate.

UMA LAVOURA CHAMADA CACAUICULTURA

Tempo de leitura: 3 minutos

Para Canavieiras convergiam homens de negócios de parte do sul e todo o extremo sul baiano em busca da solução de pendências com as coletorias estadual e federal, fechar contratos de financiamento com o Banco do Brasil até a abertura da agência de Caravelas.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Tema da live do segundo dia da segunda exposição do grupo Apaixonados por Canavieiras, “Uma lavoura chamada Cacauicultura” é um título que poderíamos trocar para a expressão “Uma tomografia de Canavieiras”. Nenhuma cidade do sul da Bahia e das regiões cacaueiras do Brasil está mais ligada à cacauicultura do que Canavieiras. Deve ter sido impregnada pelo visgo cacau.

Desde 1746, quando o franco-suíço Louis Frederic Warneaux entregou a Antônio Dias Ribeiro as primeiras sementes de cacau, providencialmente plantadas na fazenda Cubículo, às margens do Rio Pardo, Canavieiras tomou novo rumo em sua economia. Aos poucos, parte das lavouras de subsistência e a cana-de-açúcar foram sendo substituídas pelos frutos de ouro que encantou os astecas, a ponto de suas sementes serem utilizadas como moeda.

Definitivamente, Canavieiras não foi mais a mesma, e aos poucos chegou à condição de “Princesinha do Sul” rivalizando com cidades do porte de Ilhéus, a quem pertenceu, alcançando a independência administrativa em 13 de dezembro de 1832. A partir daí ostentou a condição de Vila Imperial de Canavieiras, ato culminado em 17 de novembro de 1833, com a instalação da Câmara Municipal e escolha dos sete conselheiros (vereadores).

Mas a condição de vila, mesmo imperial, não condizia com a importância de Canavieiras – cuja economia se destacava no cenário regional, estadual e nacional –, embora poder político, orçamentário e financeiro dependesse das decisões do Senado Baiano. Era chegada a hora de se emancipar, ganhar a condição de gerir a vida do seu povo, os desbravadores de várias etnias e de diversos países aqui fincaram raízes como nos mostram os nomes de família.

Finalmente, em 25 de maio de 1891, o governador do Estado da Bahia, José Gonçalves da Silva, eleva a Vila Imperial de Canavieiras à condição de cidade. À época, a economia da Princesinha do Sul fervilhava com os garimpos do Salobro e a lendária Lagoa Dourada, onde a paixão dos garimpeiros era bamburrar num veio de diamantes e se tornar milionário da noite pro dia.

Se essas incertas oportunidades faiscavam aos olhos do garimpeiro daquela época, era apenas um possível promissor investimento dos coronéis do cacau, acostumados a plantar e colher os frutos de ouro. Ganhava-se aqui, investia-se aqui, na abertura de novas roças, na construção do magnífico casario, monumentos que nos remetem às lembranças de uma economia pujante no passado: a economia cacaueira.

Era o cacau quem movimentava o porto grande com a chegada dos grandes navios que levariam o nosso cacau para o mundo afora. Se Canavieiras vendia o cacau, comprava o mais granfino vestuário vindo do Rio de Janeiro, São Paulo e Paris, as mais finas bebidas, os coronéis frequentavam os melhores bares e leiterias, as melhores festas e os mais luxuosos lupanares.

Para Canavieiras convergiam homens de negócios de parte do sul e todo o extremo sul baiano em busca da solução de pendências com as coletorias estadual e federal, fechar contratos de financiamento com o Banco do Brasil até a abertura da agência de Caravelas. Canavieiras se dava ao luxo de possuir as melhores terras beirando o rio Pardo, próprias para o cacau, e seu município entrava léguas adentro chegando à distante Itapetinga.

Principal matriz econômica de Canavieiras, o cacau era e ainda é uma mercadoria com liquidez imediata e, a depender do cacauicultor, pago na flor, antes da colheita. Com simples 100 arrobas do produto comprava-se uma bela camionete F-100. Como não há bem que sempre dure e mal que nunca se acabe, após mais de dois anos de seca foram descobertos os primeiros focos da vassoura de bruxa na Bahia. Estávamos no ano de 1989.

A desolação toma conta do Sul da Bahia com a vertiginosa queda de produção, que em algumas fazendas chegou a zero; o desemprego e o inchamento de cidades; a miséria vista a olhos nus. Os ricos empobreceram e muitos dos que não resistiram ao golpe morreram – alguns tirando a própria vida. O caos chegou sem que ninguém esperasse ou tivesse tempo de se defender.

Mas o cacauicultor demonstrou que não é homem de se entregar e foi em busca de recuperar seu patrimônio. Com a ajuda dos pesquisadores e extensionistas da Ceplac conseguiram identificar, nas próprias fazendas, plantas tolerantes à vassoura de bruxa e de alta produtividade. Cruzamentos genéticos foram experimentados e o novo cacau floresceu, muitos pagos a preços superiores aos comuns. Hoje, o cacauicultor não mais produz uma simples commoditie e sim cacau fino, chocolate.

Com as graças de São Boaventura, Canavieiras e a cacauicultura continuarão juntas, sempre unidas pelo visgo do cacau.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

BAHIA CACAU MUDA PRODUÇÃO E SISTEMA DE VENDAS DURANTE A PANDEMIA

Tempo de leitura: 2 minutos

As empresas estão tendo que usar a criatividade para vender em meio às mudanças impostas pela pandemia da covid-19. No sul do estado, a Bahia Cacau manteve a produção de chocolates e adota sistema delivery de vendas e promoções em datas comemorativas.

“Vivemos um momento muito preocupante para as pequenas indústrias e principalmente para a Bahia Cacau, que é uma cooperativa de pequenos produtores, com a redução grande das vendas”, afirmou Osaná Crisóstomo do Nascimento, presidente da Bahia Cacau/Coopfesba.

A empresa é a primeira agroindústria da agricultura familiar de chocolate de alto teor de cacau no Brasil. Segundo Osaná, todos foram pegos de surpresa com o bloqueio das vendas e o isolamento social, frustrando as perspectivas de todos os negócios no mundo inteiro.

INOVAÇÃO

Apesar das dificuldades, os dirigentes e seus colaboradores da fábrica não desanimam. “Temos feito os novos modelos de vendas como delivery e buscado novas alternativas para obter receitas e sair da crise. Fizemos promoções especiais nas datas comemorativas da Páscoa e agora com os kits no Dia das Mães, onde tivemos bons resultados” contou Osaná.

Ainda segundo o diretor, a Bahia Cacau definiu planejamento para manter a marca no mercado, fomentar a produção de cacau dos cooperados e manter a produção de chocolate de qualidade para os clientes e apreciadores. “Apesar de estarmos distanciados da forma física, estamos unidos para vencer essa pandemia e os obstáculos”, diz ele.

ATENDIMENTO

A fábrica está funcionando em dias alternados durante a pandemia. A produção ocorre às segundas, quartas e sextas-feiras e a loja da fábrica, numa das margens da BR-415, em Ibicaraí, trabalha em forma de delivery. Em Salvador, além das vendas de chocolate para outros empreendimentos mesmo em quantidades menores, tem o serviço de venda delivery.

Os canais de vendas são pelo Instagram (@bahiacacau), email (vendasbahiacacau@hotmail.com) e telefones 73 99967-6790 (Ibicaraí e sul do Estado) e 73 98136-7935 (para Salvador e outros Estado do país).

JACKSON MOREIRA ASSUME DIREÇÃO DO INSTITUTO BIOFÁBRICA

Jackson Moreira assume direção da Biofábrica
Tempo de leitura: 2 minutos

O administrador de empresas Jackson Moreira vai dirigir o Instituto Biofábrica da Bahia. Ele foi escolhido pelo Conselho Deliberativo, por unanimidade, e vai substituir o engenheiro agrônomo Lanns Almeida. A Biofábrica é responsável pela fabricação e distribuição, em escala industrial, de mudas clonadas de cacau, mandioca, banana, cítricos entre outros.

Jackson Moreira, servidor aposentado da Ceplac, diz que assume o órgão com a expectativa de ajudar os demais atores a impulsionar a agricultura na Bahia, especialmente a familiar e a agricultura de subsistência, pensando na reconstrução da economia rural no pós-pandemia do coronavírus.

“Quero ajudar a fortalecer as relações políticas e institucionais da Biofábrica, a fim de melhorar a captação de recursos para fomentar uma expansão da produção, visando não apenas números, mas garantindo uma vida melhor para as famílias do campo e das cidades, pensando no pós-pandemia”.

Jackson afirma que o presidente do Conselho Deliberativo, Deraldo Alves Carlos foi extremamente simpático, assim como todo os membros, que aproveitaram para garantir apoio à nova direção, especialmente as secretarias da Agricultura, do Desenvolvimento Econômico e a de Desenvolvimento Rural, bem como a Ceplac, Embrapa, Uesc e UFSB, dentre outras instituições.

Leia Mais

‘LIVE’ ABORDA HISTÓRIA DO CACAU NO BRASIL E SUA EXPANSÃO PELO MUNDO

Fernando Mendes participará da live e contará a história do cacau no Brasil e no mundo
Tempo de leitura: < 1 minuto

A história do cacau no Brasil e a importância de Portugal e Espanha para sua expansão no mundo. É sobre esse tema que o empresário Marco Lessa conversa com o pesquisador Fernando Mendes, chefe de pesquisa e extensão rural no Pará e no Amazonas. O bate-papo será nesta quinta-feira (14), às 17h, durante live (transmissão ao vivo) no perfil do Chocolat Festival no Instagram.

Idealizador do Chocolat Festival, o maior do segmento no Brasil, Marco Lessa brinca. “É fundamental para quem trabalha com cacau e chocolate, e muito interessante para quem gosta, portanto 99% das pessoas (1% faz charme), conhecer a incrível história do fruto de ouro e alimento dos Deuses, o cacau, principalmente em nosso país e na América Latina”, diz Marco Lessa, idealizador do Chocolat Festival, maior evento do segmento no Brasil.

As lives do Chocolat Festival são sempre às quintas-feiras e trazem temas variados e curiosos sobre o universo do cacau e do chocolate.

CACAU E PRODUÇÃO DE CHOCOLATE MUDAM A ROTINA DE ÍNDIOS YANOMAMI E YE´KWANA

Produção de cacau e de chocolate muda vida de indígenas || Foto Istoé
Tempo de leitura: < 1 minuto

A quaresma e a Páscoa provocam o aumento da procura por chocolates em várias partes do mundo. A tradição de se consumir chocolates nesta época vem do século XIX, e foi incorporada aos símbolos da Páscoa e da ressurreição.

No Brasil, para indígenas yanomami e ye’kwana, o chocolate também é sinônimo de vida nova. Os índios transformaram a cultura tradicional do cacau, já utilizado nas comunidades como remédio, em alternativa de sustento e luta contra o garimpo que assola a terra indígena Yanomami nos estados de Roraima e Amazonas.

A liderança indígena Júlio Ye’kwana explicou como o cacau e o chocolate vêm mudando as perspectivas das comunidades frente às ameaças do garimpo ilegal, que traz doenças e mortes.

“É uma alternativa ao garimpo porque alguns jovens estão sendo aliciados por garimpeiros. Então, os jovens se envolvem por algum dinheiro. Mas o ouro pra gente é sagrado, não pode mexer. Mas o cacau não é assim. O cacau é remédio tradicional. E não derrubamos. Em vez de destruir, plantamos mais. Dá pra gerar renda sem nenhuma destruição do meio ambiente” contou.

Desde o ano passado, os Yanomami e Ye’kwana estão comercializando o chocolate produzido com cacau nativo, beneficiado na comunidade waikás e transformado em barras pelo chocolatier César de Mendes. O produto é composto por quase 70% de cacau puro, e cerca de 30% de rapadura orgânica.

Mais de mil pessoas são beneficiadas com a produção do Chocolate Yanomami, que, segundo especialistas, tem perfume e sabor diferenciados. O incentivo, a produção e distribuição do produto têm o apoio do Instituto Socioambiental.

Back To Top