skip to Main Content
24 de junho de 2021 | 03:24 pm

UNIDADE MISTA DO CACAU DA CEPLAC EM ILHÉUS TERÁ R$ 4,7 MILHÕES PARA PESQUISAS

Ceplac terá investimento de R$ 4,7 milhões em pesquisa
Tempo de leitura: 2 minutos

A Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) inauguraram uma Unidade Mista de Pesquisa e Inovação (UMIPI) do Cacau em Ilhéus. A promessa é de investimento de R$ 4,7 milhões em quatro linhas de pesquisa, além de transferência de tecnologia entre as instituições.

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, disse que a nova unidade de pesquisa é um “marco histórico” para a recuperação da produção cacaueira, trazendo “uma nova carga de energia para o produtor de cacau”.

Uma das linhas de pesquisa da UMIPI será voltada para caracterização, avaliação e conservação de recursos genéticos do cacau com eficiência e economicidade. A Ceplac reúne mais de 4.549 acessos a germoplasma, distribuídos em quatro coleções.

O diretor da Ceplac, Waldeck Araújo, explica que apesar de ocupar posição de destaque, estudos apontam que essas coleções conservam apenas 20% da variabilidade existente na região amazônica brasileira.

Outro tema a ser pesquisado é em relação ao melhoramento genético da espécie a partir de clones de cacaueiros com resistência a pragas como a monilíase e a vassoura de bruxa. O fungo Moniliophthora perniciosa (conhecido como vassoura de bruxa), uma das mais sérias doenças do cacaueiro nas Américas, dizimou produções inteiras no final da década de 1980 no Brasil.

Por muito tempo restrito à região amazônica, na qual sempre deixou rastro de grandes perdas na produção cacaueira, o fungo chegou à Bahia, em 1989, a principal região produtora do país à época. Com a dispersão da doença, o Brasil perdeu 75% da produção de cacau (de 400 mil toneladas para 100 mil toneladas por ano).

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS

A atuação da UMIPI perpassa também na busca por soluções tecnológicas para o controle dessas pragas, segundo Waldeck Araújo. “Com a chegada da vassoura de bruxa na Bahia, a cacauicultura tornou-se dependente de tecnologias para o seu controle, impulsionando as pesquisas fitopatológicas e as interações desta com as diversas áreas visando os controles cultural, químico, biológico e genético”.

Para o presidente da Embrapa, Celso Moretti, a aliança entre as instituições e as linhas de pesquisa permitirão avanço consistente da cultura do cacau no país. “A forma de Unidade Mista de Inovação e Pesquisa é inovadora, criativa e moderna para avançarmos em temas caros à pesquisa, ao desenvolvimento e à inovação da agricultura brasileira”.

O secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Mapa, Fernando Camargo, ressalta que o Brasil tem uma característica única no mundo em relação ao cacau. O país é representativo de atividades em toda a cadeia cacaueira: produz a semente, processa o cacau, fabrica chocolate, exporta cacau e chocolate, além de ter o público consumidor interno.

FASE DE RECUPERAÇÃO 

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a cacauicultura no Brasil vive uma fase de recuperação e perspectiva de aumentar a produção em 60 mil toneladas nos próximos quatro anos. O Brasil já foi o 2º maior produtor mundial de cacau, e, atualmente, ocupa a 7ª posição, atrás de Costa do Marfim, Gana, Equador, Camarões, Nigéria e Indonésia.

A produção anual, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é estimada em 250 mil toneladas, sendo que o Pará figura como maior estado produtor com aproximadamente 129 mil toneladas por ano.

A Bahia aparece na sequência, com 113 mil toneladas. Além de produtor de cacau, o Brasil é o 5º maior produtor de chocolate do mundo. O ranking é o mesmo quando se fala em consumo da iguaria, que faz parte do dia a dia do brasileiro. Toda essa indústria é responsável por 300 mil empregos diretos.

PREFEITURA DE ITACARÉ DISTRIBUI 10 MIL MUDAS DE CACAU A AGRICULTORES FAMILIARES

Distribuição de mudas beneficia agricultores familiares de Itacaré
Tempo de leitura: < 1 minuto

Agricultores familiares de Itacaré foram beneficiados com a distribuição, pela Secretaria Municipal de Agricultura, de 10 mil mudas de cacau estaqueado. A distribuição, feita pela Prefeitura, integra parceria firmada pelo município com Governo do Estado, via Superintendência da Agricultura Familiar e Biofábrica da Bahia. Segundo o município, o objetivo é fortalecer a agricultura familiar e a geração de emprego e renda no campo.

A ação beneficia, segundo a Secretaria de Agricultura de Itacaré, cerca de 200 agricultores familiares do município cadastrados. O prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, falou da importância da distribuição das mudas, que servirão para incrementar ainda a produção dos pequenos agricultores familiares, garantindo mais fonte de renda e uma melhor qualidade de vida no campo. As novas mudas, segundo o prefeito, fazem parte do trabalho de incentivo à agricultura familiar que vem sendo desenvolvido em todo o município.

O secretário de Agricultura e Pesca, Luís Fabiano Santana, adiantou que a Seagripesca criou um viveiro com 96 metros quadrados na sede da Secretaria, no distrito de Taboquinhas, para recepcionar mudas de cacau e diversas outras culturas e depois fazer as entregas aos agricultores familiares. “É importante essa parceria com a Biofábrica e a SDR, pois estamos criando novas alternativas de cultivo e diversificação, levando essas mudas para os agricultores, melhorando cada vez mais a produção”, complementou o secretário.

PREFEITURAS DEVEM LIDERAR RECUPERAÇÃO DA LAVOURA CACAUEIRA, AFIRMA VALDERICO JUNIOR

Valderico diz que prefeito precisa liderar defesa dos produtores
Tempo de leitura: < 1 minuto

O candidato a prefeito de Ilhéus, Valderico Junior, afirmou que é obrigação da prefeitura “liderar regionalmente o processo político de redenção do cacau”.  O prefeiturável avaliou o peso das prefeituras nesse processo em um vídeo divulgado em redes sociais.

Há décadas, disse Junior, os cacauicultores carregam nos ombros “o peso de uma dívida ilegítima, que é de responsabilidade do governo”. Ele explica que essa responsabilidade não é dos produtores, porque os empréstimos para a recuperação da lavoura foram contraídos com base numa orientação técnica equivocada do poder público.

“Sem uma liderança regional efetivamente comprometida, os produtores ficaram sozinhos. Nós faremos diferente. Vamos trabalhar desde o primeiro dia da nossa gestão para unir toda a nossa região. Eu tenho certeza de que, juntos, vamos conseguir a redenção da economia cacaueira”, disse Valderico.

Segundo o professor Dorival Filho, candidato a vice-prefeito também pelo DEM, a renegociação da dívida dos cacauicultores vai criar as condições para que eles possam investir na modernização da lavoura. “Porque já existe tecnologia para multiplicar a produção de cacau em nossa região”, justifica.

Confira o vídeo

UMA LAVOURA CHAMADA CACAUICULTURA

Tempo de leitura: 3 minutos

Para Canavieiras convergiam homens de negócios de parte do sul e todo o extremo sul baiano em busca da solução de pendências com as coletorias estadual e federal, fechar contratos de financiamento com o Banco do Brasil até a abertura da agência de Caravelas.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Tema da live do segundo dia da segunda exposição do grupo Apaixonados por Canavieiras, “Uma lavoura chamada Cacauicultura” é um título que poderíamos trocar para a expressão “Uma tomografia de Canavieiras”. Nenhuma cidade do sul da Bahia e das regiões cacaueiras do Brasil está mais ligada à cacauicultura do que Canavieiras. Deve ter sido impregnada pelo visgo cacau.

Desde 1746, quando o franco-suíço Louis Frederic Warneaux entregou a Antônio Dias Ribeiro as primeiras sementes de cacau, providencialmente plantadas na fazenda Cubículo, às margens do Rio Pardo, Canavieiras tomou novo rumo em sua economia. Aos poucos, parte das lavouras de subsistência e a cana-de-açúcar foram sendo substituídas pelos frutos de ouro que encantou os astecas, a ponto de suas sementes serem utilizadas como moeda.

Definitivamente, Canavieiras não foi mais a mesma, e aos poucos chegou à condição de “Princesinha do Sul” rivalizando com cidades do porte de Ilhéus, a quem pertenceu, alcançando a independência administrativa em 13 de dezembro de 1832. A partir daí ostentou a condição de Vila Imperial de Canavieiras, ato culminado em 17 de novembro de 1833, com a instalação da Câmara Municipal e escolha dos sete conselheiros (vereadores).

Mas a condição de vila, mesmo imperial, não condizia com a importância de Canavieiras – cuja economia se destacava no cenário regional, estadual e nacional –, embora poder político, orçamentário e financeiro dependesse das decisões do Senado Baiano. Era chegada a hora de se emancipar, ganhar a condição de gerir a vida do seu povo, os desbravadores de várias etnias e de diversos países aqui fincaram raízes como nos mostram os nomes de família.

Finalmente, em 25 de maio de 1891, o governador do Estado da Bahia, José Gonçalves da Silva, eleva a Vila Imperial de Canavieiras à condição de cidade. À época, a economia da Princesinha do Sul fervilhava com os garimpos do Salobro e a lendária Lagoa Dourada, onde a paixão dos garimpeiros era bamburrar num veio de diamantes e se tornar milionário da noite pro dia.

Se essas incertas oportunidades faiscavam aos olhos do garimpeiro daquela época, era apenas um possível promissor investimento dos coronéis do cacau, acostumados a plantar e colher os frutos de ouro. Ganhava-se aqui, investia-se aqui, na abertura de novas roças, na construção do magnífico casario, monumentos que nos remetem às lembranças de uma economia pujante no passado: a economia cacaueira.

Era o cacau quem movimentava o porto grande com a chegada dos grandes navios que levariam o nosso cacau para o mundo afora. Se Canavieiras vendia o cacau, comprava o mais granfino vestuário vindo do Rio de Janeiro, São Paulo e Paris, as mais finas bebidas, os coronéis frequentavam os melhores bares e leiterias, as melhores festas e os mais luxuosos lupanares.

Para Canavieiras convergiam homens de negócios de parte do sul e todo o extremo sul baiano em busca da solução de pendências com as coletorias estadual e federal, fechar contratos de financiamento com o Banco do Brasil até a abertura da agência de Caravelas. Canavieiras se dava ao luxo de possuir as melhores terras beirando o rio Pardo, próprias para o cacau, e seu município entrava léguas adentro chegando à distante Itapetinga.

Principal matriz econômica de Canavieiras, o cacau era e ainda é uma mercadoria com liquidez imediata e, a depender do cacauicultor, pago na flor, antes da colheita. Com simples 100 arrobas do produto comprava-se uma bela camionete F-100. Como não há bem que sempre dure e mal que nunca se acabe, após mais de dois anos de seca foram descobertos os primeiros focos da vassoura de bruxa na Bahia. Estávamos no ano de 1989.

A desolação toma conta do Sul da Bahia com a vertiginosa queda de produção, que em algumas fazendas chegou a zero; o desemprego e o inchamento de cidades; a miséria vista a olhos nus. Os ricos empobreceram e muitos dos que não resistiram ao golpe morreram – alguns tirando a própria vida. O caos chegou sem que ninguém esperasse ou tivesse tempo de se defender.

Mas o cacauicultor demonstrou que não é homem de se entregar e foi em busca de recuperar seu patrimônio. Com a ajuda dos pesquisadores e extensionistas da Ceplac conseguiram identificar, nas próprias fazendas, plantas tolerantes à vassoura de bruxa e de alta produtividade. Cruzamentos genéticos foram experimentados e o novo cacau floresceu, muitos pagos a preços superiores aos comuns. Hoje, o cacauicultor não mais produz uma simples commoditie e sim cacau fino, chocolate.

Com as graças de São Boaventura, Canavieiras e a cacauicultura continuarão juntas, sempre unidas pelo visgo do cacau.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

PESQUISA DESCOBRE MECANISMO USADO POR FUNGO CAUSADOR DA VASSOURA-DE-BRUXA

Tempo de leitura: 5 minutos

Equipe da LGE pesquisa as causas da vassoura-de-bruxa há 20 anos || Antonio Scarpinetti

Manuel Alves Filho || JUnicamp
No final da década de 1980, o Brasil era o segundo maior produtor mundial de cacau. O país colhia cerca de 400 mil toneladas do fruto ao ano. O excelente desempenho da cacauicultura brasileira, porém, foi duramente afetado nos anos seguintes por causa da ação de uma doença denominada vassoura-de-bruxa, causada pelo fungo de nome Moniliophtora perniciosa, que devastou inúmeras plantações. Atualmente, a safra nacional do produto gira em torno de 180 mil toneladas anuais, sendo que chegou a 120 mil toneladas no final dos anos 1990.
Desde que a vassoura-de-bruxa foi identificada, pesquisadores do Laboratório de Genômica e Expressão (LGE) do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp vêm desenvolvendo diversos estudos para tentar descobrir como o fungo atua, com o objetivo de combatê-lo. Recentemente, os cientistas deram um importante passo nessa direção. Eles descobriram um mecanismo usado pelo micro-organismo para “driblar” o sistema imune de planta, e assim infectá-la. O trabalho rendeu artigo que acaba de ser publicado pela prestigiada revista Current Biology, um selo da editora Cell Press da Elsevier.
De acordo com o professor Gonçalo Amarante Guimarães Pereira, coordenador do LGE, a descoberta é resultado de quase 20 anos de pesquisas e da dedicação de centenas de alunos ao longo desse período, desde a iniciação científica até o pós-doutorado. “Tivemos um grande sucesso nessa empreitada. Descrevemos a vassoura-de-bruxa em detalhes e identificamos as vias metabólicas envolvidas na estratégia de ação do fungo. Também desenvolvemos métodos de manejo das plantas, em parceria com os produtores. Apesar desses avanços, ainda não conseguimos chegar a um produto ou processo que possa eliminar o micro-organismo. A partir de agora, com a identificação do mecanismo de ação do patógeno, estou convencido de que poderemos obter novos progressos”, considera o docente.
O que os pesquisadores do LGE descobriram é que o Moniliophtora perniciosa é bastante astuto e insidioso. Ele se vale de uma estratégia incomum para enganar o sistema imune da planta, como explica o biólogo Paulo José Pereira Lima Teixeira, que pesquisou o assunto em sua tese de doutorado. Atualmente, ele é pesquisador do Howard Hughes Medical Institute (HHMI), da Universidade da Carolina do Norte (EUA), e no próximo ano vai assumir a posição de professor assistente na ESALQ-USP. Dito de maneira simplificada, o mecanismo de ação do fungo funciona da seguinte forma. Micro-organismo e a planta estabelecem o que os especialistas qualificam de “frente de batalha”.

Leia Mais

PRODUTORES E EMPRESÁRIOS SE REÚNEM COM PRESIDENCIÁVEL ÁLVARO DIAS NA CEPLAC

Tempo de leitura: < 1 minuto

No sul da Bahia, Álvaro Dias participará de eventos do mandato e da pré-candidatura à Presidência

Produtores rurais e lideranças empresariais sul-baianas reúnem-se com o senador e presidenciável Álvaro Dias, na próxima sexta (4), no auditório do Centro de Pesquisas do Cacau (Cepec), na Rodovia Ilhéus-Itabuna, para discutir pontos como revitalização da economia sul-baiana, situação dos cacauicultores e preservação da Ceplac. O encontro está previsto para as 14h.
Além do fortalecimento da Ceplac, os agricultores do sul da Bahia propõem o estímulo, o fomento e a difusão do cooperativismo e o associativismo rural. Defendem, também, a análise conjuntural da situação da cacauicultura brasileira, com destaque para o grau de endividamento da classe e a busca de novos investimentos financeiros, com vistas à revitalização da economia baiana.
Álvaro Dias é o primeiro presidenciável em 2018 a visitar o sul da Bahia. Além do encontro com produtores rurais e funcionários da Ceplac, o senador também participa de encontro regional do Podemos, na Terceira Via, na Avenida J.S. Pinheiro, a partir das 19h. Mais cedo, ele concede entrevista coletiva à imprensa.

DESMONTE DA CEPLAC É DEBATIDO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Tempo de leitura: 3 minutos
Audiência na Assembleia Legislativa debateu desmonte da Ceplac.

Audiência na Assembleia Legislativa debateu desmonte da Ceplac.

A crise e o desmonte institucional da Ceplac foram debatidos na Assembleia Legislativa, na manhã desta quinta-feira (6). A redução em quase 50% do orçamento para este ano, o rebaixamento institucional, tornando o órgão departamento da Secretaria de Mobilidade Social do Produtor Rural e Cooperativismo do Ministério da Agricultura e o enxugamento dos setores de pesquisa e extensão estão entre os problemas apontados como centrais no desmonte promovido pelo governo federal, a partir de abril de 2016.

Os assuntos foram debatidos em audiência pública proposta pelo coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista da Bahia, Marcelino Galo (PT). Ainda como causas do desmonte estão, na análise de parlamentares e ceplaqueanos, a não realização de concurso público há 30 anos. Isto, observam, contribui com o agravamento do quadro da instituição dedicada à pesquisa, assistência técnica e extensão rural da lavoura cacaueira no país, que já teve 4 mil funcionários, mas atualmente conta com 1.722 servidores, sendo que 65% já estão aptos a se aposentar.

Para o deputado Marcelino Galo, a Ceplac tem sido tratada de forma desrespeitosa por quem não compreende o papel desenvolvido pelo órgão na assistência, na pesquisa, no desenvolvimento regional e na proteção da biodiversidade do bioma Mata Atlântica, que engloba a maior parte do território Litoral sul da Bahia.

“Ouvimos relatos de pessoas que se empenharam e contribuíram ao longo de sua vida com a construção desse patrimônio que deve ser preservado, revitalizado e fortalecido por ser fundamental para o desenvolvimento regional da Bahia. Para além da estrutura física, a Ceplac tem o patrimônio científico, intelectual e cultural que tem que ser preservado e potencializado”, disse o deputado Marcelino Galo.

Leia Mais

“A GENTE VÊ MUITAS POSSIBILIDADES PARA A CULTURA DO CACAU”

Tempo de leitura: 4 minutos

ENTREVISTA

O paulista Helinton Rocha substituiu na semana passada o paraense Jay Wallace Mota no cargo de diretor geral da Ceplac. Quem saiu era criticado por privilegiar as atividades do órgão no Pará e o sucessor chega com a missão de preparar a Ceplac para um novo momento, no qual a questão ambiental se tornou prevalente e o diálogo com a sociedade absolutamente necessário para romper uma estrutura encastelada.

Engenheiro agrônomo, com duas pós-graduações (uma delas em Tecnologia de Sementes pela Universidade de Pelotas), Rocha está no Ministério da Agricultura há quase 30 anos.

Abaixo, os principais trechos da entrevista concedida ao PIMENTA, na qual o novo diretor mostrou irritação quando ouviu que sua nomeação seria para um período não muito longo:

PIMENTA – O senhor foi escolhido como um nome de transição pelo Ministério da Agricultura para dirigir a Ceplac. Qual é a sua missão?

HELINTON ROCHA – Transição em que sentido você fala?

PIMENTA – É que há a expectativa de que essa gestão seja por um período transitório.

HELINTON ROCHA – Tudo é transitório. Minha nomeação é até que o ministro queira. Eu tenho 30 anos de Ministério e nunca assumi um cargo vitalício ou hereditário.

PIMENTA – Mas foi noticiado que sua nomeação será para uma temporada breve…

HELINTON ROCHA – Isso é boato, até agora eu não sei. Toda missão tem um fim. Eu por exemplo estou há sete anos ocupando diretorias dentro da Secretaria do Desenvolvimento Agropecuário. Depende sempre da conveniência da administração e da confiança do ministro, e acho que é natural. O Jay (Wallace) fez um brilhante trabalho e estava com interesses pessoais, de voltar ao Pará, e acredito que isso motivou essa transferência, mas isso é natural. Cada administrador busca perfis diferentes para diferentes missões. A gente tem que estar preparado para isso, formando lideranças e buscando as parcerias necessárias para tocar o que faz.

PIMENTA – Qual é sua prioridade na gestão da Ceplac?

HELINTON ROCHA – A Ceplac tem um planejamento estratégico e não é um fim em si mesmo. Ela é um instrumento de desenvolvimento das culturas – da cacauicultura, do dendê, da borracha, da agrofloresta – e que são importantes. Há soluções que já estão encontradas há bastante tempo, então a missão da Ceplac tem acompanhado a questão do desenvolvimento sustentável. Acredito que o período que estamos vivendo, pós-Rio + 20, define papéis novos para as instituições. Acontece que a Ceplac já tem um rumo muito bem definido e acredito que nós vamos ter oportunidade de fazer o amadurecimento, a institucionalização e outros processos. A Ceplac é um órgão federal e há necessidade sempre de harmonizar essas políticas com as políticas regionais. A regionalização é uma bandeira do ministro Mendes (Ribeiro), e a Ceplac tem soluções regionais para problemas regionais no que diz respeito à questão do desenvolvimento sustentável.

 

O Jay (Wallace) fez um brilhante trabalho e estava com interesses pessoais, de voltar ao Pará.

 

PIMENTA – A produção de cacau tem crescido, mas ainda é necessário aumentar a produtividade por hectare. Como a Ceplac pode ajudar o produtor a enfrentar esse desafio?

HELINTON ROCHA – Esse é um desafio que faz parte da história da Ceplac, que nunca descuidou da questão da produtividade, da eficiência e estabilidade do sistema de produção, da melhoria da renda e portanto da distribuição do benefício gerado pela cadeia do cacau. Já existe uma estrutura definida e o que a gente pode eventualmente contribuir é fazendo com que ela seja uma instituição que se articule ainda mais com as forças e possibilidades. A gente vê muitas possibilidades para a cultura do cacau.

PIMENTA – A cabruca oferece um ganho ambiental importante, com a preservação da Mata Atlântica, mas hoje existe uma proposta de se investir na cacauicultura em outras regiões, inclusive com o cacau irrigado no semiárido, que oferece maior produtividade. Como o senhor vê essa tendência?

HELINTON ROCHA – É um caminho natural. A cacauicultura baiana tem suas peculiaridades e as potencialidades disso vão ocorrer fundamentalmente com o apoio da cacauicultura baiana, porque aqui você tem as melhores referências científicas, técnicas, conceituais e que são capazes de instrumentalizar essa nova experiência. Não podemos imaginar que as coisas vão nascer da estaca zero com todo esse capital humano que nós temos dentro da Ceplac.

Leia Mais

DÓLAR AFETA COTAÇÃO DO CACAU

Tempo de leitura: < 1 minuto

A desvalorização do dólar teve efeito negativo sobre o preço do cacau. Segundo o empresário e produtor rural Helenilson Chaves, o valor da tonelada de cacau teve queda de 30% devido à desvalorização da moeda americana frente ao real.
O raciocínio de Chaves: os agricultores produzem mais e ganham menos sem mudança na política cambial. A opinião do presidente do Grupo Chaves foi externada ao jornalista e blogueiro Daniel Thame (confira).

SENADO APROVA MP QUE BENEFICIA 3 MIL CACAUICULTORES

Tempo de leitura: < 1 minuto

Geraldo comemora aprovação de MP.

O Senado Federal aprovou, sem alterações, a Medida Provisória que valida a negociação do Tesouro Nacional na capitalização da Petrobras e incluirá entre 3 mil e 10 mil produtores no PAC do Cacau. A votação ocorreu nesta quarta, 15. A MP 500 já havia passado pelo crivo dos deputados federais e teve Geraldo Simões (PT) como relator na Câmara.
Geraldo é o autor da emenda que incluiu mais cacauicultores no PAC. A MP agora vai à sanção presidencial e poderá contemplar produtores que contrataram empréstimos do Pronaf, do Fundo de Financiamento do Nordeste (FNE) e da quarta etapa do Programa de Recuperação da Lavoura Cacaueira.
Estes produtores terão até 30 de junho de 2011 para renegociar a dívida e ter acesso a crédito novo com prazo de carência de oito anos e 20 anos para pagar o financiamento. A medida amplia as faixas de desconto e inclui três mil produtores que, na forma como foi aprovada no Senado anteriormente, não teriam direito a crédito do PAC do Cacau, programa que destina R$ 2,52 bilhões para a diversificação e reestruturação da lavoura cacaueira.

UNIÃO EM FAVOR DA CACAUICULTURA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Aproveitando a passagem dos cem anos de Itabuna, o empresário Félix Mendonça Júnior, filho do ex-prefeito homônimo e candidato a deputado federal pelo PDT, levantou a bandeira da união regional em favor da lavoura cacaueira.
 Para Mendonça, a união das forças políticas sul-baianas em defesa dessa causa seria “o melhor presente que a cidade de Itabuna ganharia no seu centenário”.
O empresário diz que a data oferece a oportunidade de chamar atenção dos governos estadual e federal  para a urgência de se ampliar as medidas previstas no PAC do Cacau, estendendo-o aos trabalhadores rurais e a todos os produtores.

Back To Top